História Sister Salvatore 2°Temporada - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Damon Salvatore, Elijah Mikaelson, Hope Mikaelson, Klaus Mikaelson, Personagens Originais, Rebekah Mikaelson, Stefan Salvatore
Tags Crystal Reed
Visualizações 127
Palavras 2.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem☆

Capítulo 8 - "My baby is dying."


Fanfic / Fanfiction Sister Salvatore 2°Temporada - Capítulo 8 - "My baby is dying."

               P.O.V Alyssa

Cruzei a sala indo para a cozinha mas parei meu percurso ao ver Klaus e Elijah sentados lendo e uma mulher quase morta estirada sobre a mesa de centro.

— Vocês perceberam que ela está manchando um tapete e que Rebekah já deu ou vai dar um peti por isso? — Pergunto e coloco a mão sobre minha barriga e os dois me olham.

— Sim. — Respondem juntos.

— Vocês são nojentos. — Falo e lhe dou as costas indo para a cozinha.

Abri a geladeira e começei a procurar algo para comer, eu podia ser uma híbrida mas era parte lobisomem e estava grávida então tinha que comer mais comida humana do que sangue. Escutei passos se aproximarem e não dei importância.

— Bom dia. — A voz de Elijah soou e apoei minha mão na lateral da porta de geladeira e o encarei.

— Só se for para você, estou gorda, inchada, com dor, com fome, com desejos malucos, com vontade de sair por aí matando e claro, o principal, tenho que aturar o babaca do seu irmão. — Falo irritada.

Elijah se aproxima do armário e a porta de trás da casa foi aberta por Rebekah.

— Eu sei que eu sou a única híbrida grávida que precisa comer comida humana nessa casa, mas o que custa colocar o leite na lista de compras? — Falo irritada e Rebekah se volta para mim.

— Lembre-se que eu sou sua melhor amiga, então não me dê uma patada. — Pede e vai na direção da sala.

— Espero que meus irmãos tenham sido hospitaleiros com você na minha ausência. — Fala Elijah e tiro um dos potes da geladeira e o examino.

— Na sua ausência como prefere chamar ser apunhalado pelo bastardo idiota do seu irmão, eu fui atacada por lacaios idotas do Marcel e quase fui morta por bruxas convencidas que meu bebé é a reencarnação do diabo. — Falo fecho a geladeira e me viro para o balcão e apoio a caixa de cereais no mesmo e arranco um sorriso de Elijah com minha última fala.

O moreno pega a caixa e coloca o cereal em um pote que havia pego e então pega a garrafa com leite.

— Podemos fingir que eu nunca reclamei sobre a falta do leite? — Pergunto envergonhada e Elijah despeja o leite para mim.

— Claro. — Concorda e sorrio.

— Obrigada. — Agradeço quando ele estende o pote para minha e logo em seguida a colher.

— Podemos voltar às bruxas assassinas? — Pergunta.

— Elas são vadias malucas e minha vida está ligada à uma delas e isso não me conforta nem um pouco, concerteza eu preferia ter minha vida ligada à de Katherine do que de qualquer bruxa. — Falo e ele sorri.

— Estou achando que é hora de cuidarmos desse problema. — Fala.

— E eu acho que já passamos dessa hora. — Concordo, solto uma fraca risada e Elijah me acompanha.

— Eu concordo, assim que se desligarem podemos sair dessa cidade. - Fala Rebekah surgindo na cozinha enquanto arrasta o corpo da mulher agora morta pelo chão. - Quem temos que matar? — Pergunta.

— Provavelmente ninguém. - Fala Elijah e arqueio uma sombrancelha para o mesmo. - Tudo bem, potencialmente todos. — Completa e rio fraco, apoio o pote no balcão e como uma colher do cereal.

(...)

— Onde eles foram? — Pergunto descendo as escadas e vendo Rebekah em pé idguinada.

— Desde quando eu virei sua babá? — Pergunta irritada e joga o pano que usava para limpar o sangue do tapete no chão.

— Eu não sei. — Falo e me sento no sofá.

— Você não vai me ajudar? — Pergunta irritada e se ajoelha no chão pegando o pano de volta.

— Não posso fazer esforço físico, estou grávida. — Falo e a campainha toca, eu e Rebekah nos entreolhamos e nos levantamos.

— Será que o vampiro que Klaus está usando como informante? — Pergunta Rebekah e vou para o seu lado.

— Klaus não seria idiota de correr o risco de Marcel descobrir onde estamos. — Falo.

— Então quem é? — Pergunta.

— Só vamos descobrir se abrirmos a porta. — Falo o óbvio e a campainha ecoa novamente.

— Tudo bem, fica atrás de mim. — Fala Rebekah e balanço a cabeça em concordância.

A loira passou na minha frente e foi até a porta e a segui. Ela parou em frente da mesma e me encarou, concordei com a cabeça e ela abriu a porta contudo.

— Vocês!? — Gritamos irritadas ao ver Damon e Stefam ali.

(...)

— Então, o que fazem aqui? — Pergunto encarando os dois a minha frente.

— Soubemos sobre sua gravidez. — Fala Damon.

— E daí? — Pergunto e cruzo os braços.

— Queríamos saber se realmente era verdade que você estava grávida ou se era somente mais uma manipulação de Katherine. — Fala Stefan.

— Ótimo, agora que já viram que estou grávida, vão embora. — Falo e aponto em direção da porta.

— Só vamos embora quando tivermos certeza que o híbrido está cuidando direito do nosso sobrinho. — Fala Damon e me lança um sorriso irónico.

— E desde quando você se importa comigo? — Pergunto.

— Eu não estou aqui para me redimir, Alyssa. Eu sei que o que eu fiz não tem perdão, mas eu não quero que ne afaste do meu sobrinho. Eu só quero ter certeza que o híbrido está cuidando de vocês direito. — Fala Damon sério e reviro os olhos.

— Isso é uma parte do plano de vocês para vingar a morte da sem sal? — Pergunto desconfiada.

— Alyssa, é minha irmã e meu sobrinho que estão em jogo. Acha mesmo que eu iria vim aqui para me "vingar" de você pelo que você fez a Elena? Nunca mais vou colocar alguém à cima de você. — Fala Stefan e desvio meu olhar para Damon.

— Você não, mas ele sim. — Falo.

— Alyssa, se eu quizesse me vingar de você teria feito isso quando você estava em Chicago, duas semanas após ter matado Elena e consequentemente a transformando em vampira. — Fala Damon e dá de ombros, abri a boca para o responder mas o que saiu foi um gemido de dor.

Senti algo furar meu pescoço, levei minha mão até o mesmo e senti algo molhar meus dedos, os afastei e os encarei manchados com sangue.

— O que foi isso? — Pergunta Rebekah surgindo na sala e passa por cima dos meus irmãos.

— Eu também quero saber. Parece que fui esfaqueada. — Falo e Rebekah coloca meu cabelo para trás tendo a visão do meu pescoço.

Nos entreolhamos confusas e Damon se aproximou e franzio o cenho.

(...)

— É hora da prole de demônio comer. — Fala Rebekah voltando para a sala e se aproxima de mim com uma cesta de maçãs.

— Na boa eu realmente não gostaria que a chama-se assim. — Falo.

— Desculpa, já escolheu um nome? - Pergunta e me estendo a cesta. - Pegue uma, a plantação tá ruim. E como está seu pescoço? — Se afasta e coloca a cesta sobre o armário.

— Eu tô legal, o que é estranho. Eu tenho certeza que tem haver com a Sophie. — Falo.

— Quem é Sophie? — Pergunta Damon confuso.

— A vadia que ligou a vida dela com a da Alyssa, se ela morre o bebé milagroso vai junto. — Fala Rebekah se aproximando de mim e forço um sorriso para ela.

— Sabe, quando eu te conheci eu achei que você era uma vadia. — Falo.

— Eu também acho a mesma coisa em relação a você. Mas, o que te fez mudar? — Fala e sorrio.

— Ah, eu ainda te acho uma vadia. Eu só passei à gostar disso em você. — Falo e ela ri.

— Eu te conheço a noventa anos e você so me diz isso agora? — Pergunta e rio.

— Não tenho culpa que você passou a maior parte do tempo em um caixão. — Falo e vejo Damon e Stefan revirarem os olhos por suas presenças estarem sendo completamente ignoradas.

Rebekah revirou os olhos o que me fez sorrir, quando ia dar uma mordida na maçã que ela havia me dado senti uma mal estar e no mesmo momento a expressão da loira mudou.

— O que foi? — Pergunta preocupada e em questão de segundos Stefan e Damon estavam ao seu lado.

— Eu não sei, deve ser só um enjôo. — Falo e ela coloca a mão sobre a minha testa.

— Realmente não é um enjôo, você está super quente. - Fala confusa. - Sejam úteis para alguma coisa e levem ela para o quarto. — olha para Damon e Stefan e logo Damon me pega no colo e me leva para o quarto.

(...)

— Quer parar com isso, Elijah já vai chegar. — Fala Rebekah sentada ao meu lado.

— Como se eu pudesse. — Falo irónica.

— O que está sentindo? — Pergunta Stefan e reviri os olhos.

— Estou sentindo como se estivesse sendo queimada por dentro lentamente. — Falo e no mesmo momento Elijah adentra o quarto com Sophie logo atrás de si.

— Quem são? — Pergunta a morena.

— Irmãos dela e isso não interessa no momento, o que está acontecendo? — Fala Damon e olha para Elijah que o ignora.

— O que que ela faz aqui? — Pergunta Rebekah alterada e se levanta da cama.

— Eu quero ajudar. — Fala Sophie.

— Ajudar? Você é a razão dessa bagunça, porque ainda não nos desligamos desa bruxa? — Pergunta Rebekah irritada.

— Rebekah, deixa ela fazer o que pode. — Fala Elijah.

— Realmente ela irá ajudar em muito. — Comenta Damon irónico e ganha a atenção de Elijah que suspira e dá de ombros.

— Eu sei de um jeito de abaixar a febre, mas preciso de umas ervas especiais, vou mandar uma lista. — Fala Sophie e Rebekah encara Elijah.

— Ótimo, eu e Rebekah vamos atrás dessas ervas. — Fala Stefan e a loira revira os olhos e passou irritada por Elijah e bateu e seu peito e logo Stefan a seguio.

(...)

Estava sentada na beira da piscina com um cobertor sobre meus ombros e com Rebekah e Damon a minha volta.

— Ela tá muito mal. Precisámos fazer algo agora. — Fala Elijah e logo ele aparece ao meu lado sem o terno.

— Entre na água. — Fala Sophie e Elijah pula na mesma, tiro o cobertor e Rebekah e Damon se afastam.

— Não vejo como um mergulho noturno vai salvar a vida do meu sobrinho. — Escuto Damon falar e Elijah me ajuda à entrar na piscina.

— É sobrinha, idiota. — Escuto Rebekah o corrigir.

— A temperatura está muito alta e com a água junto as ervas deve esfriar. - Escuto ela falar e então a mesma entra na água e me estende um copo. - Bebe isso, temos que reduzir os batimentos. — Fala e o pego, Elijah me ajuda e o tomo rapidamente.

— E como sugeri que faça isso? — Pergunta Elijah.

— Segura ela, é um remédio humano natural diminuir os batimentos e a pressão. — Fala Sophie e Elijah me pega no colo, a dor ficava cada vez pior, muito pior. Mas a dor maior era o pensamento que eu poderia perder minha filha por causa de uma bruxa maldita.

— Isso não vai dar certo. — Escuto Damon falar e minha respiração se torna ofegante.

— A Davina vai quebrar a ligação. So precisamos de tempo. — Fala Elijah convicto.

— Acho que não o temos, eu vou perder minha filha. — Falo com dificuldade e Elijah me aperta contra ele.

— Não irei permitir que isso aconteça. — Fala Elijah e ofego ao não conseguir puxar mais o ar.

— Não estou conseguindo respirar. — Falo desesperada.

— Calma, respira fundo e divagar. Olha para mim, repira fundo e divagar, se concentra na minha voz. - Fala Elijah e o encaro e começo a fazer o que ele disse e consigo aos poucos respirar, tombo a cabeça para trás e repiro fundo. - Isso, muito bem. — Fala e sinto a água molhar meus cabelos.

(...)

Me levanto contudo gritando de dor e Elijah me segura com mais força, coloco minha mão sobre minha barriga e sinto a queimação piorar, meu bebê estava morrendo e agora eu tinha certeza disso.

Tentei controlar os gritos e aos poucos a dor foi sumindo até desaparecer.

— Eu senti um chute. — Fala Sophie e ofego.

Saiu do colo de Elijah e apoio minha mão em seu ombro enquanto tento regular minha respiração, vejo Sophie tira o brinco e cortar a palma da mão com ele, Elijah pega minha mão direita e fico aliviada ao ver que não havia nenhum corte, o encarei ainda um pouco ofegante e sorri.

— Vamos embora. — Fala soltando minha mãe e me leva para a borda.

— Elijah. — Escuto Sophie o chamar mas não dou importância, só quero sair dali.

Chego na borda e Damon me ajuda à tirar da piscina e rapidamente me enrola uma toalha, Elijah sai da piscina em velocidade vampiresca e Sophie o implora sobre algo que não faço ideia que seja. Elijah liga para Klaus e fala algo sobre não matar Agnes e então promete para Sophie que não deixará ele a matar e sai.

A morena se aproxima da borda e sai da piscina, ela ia pasar reto por mim mas a segurei pelo braço.

— Eu sei que você tá me usando para salvar seu povo, mas tente de novo e eu te mato. — Falo, solto seu braço e passo por ela, Damon e logo à frente Stefan e Rebekah.

(...)

— Tem certeza que não quer que fiquemos? — Pergunta Damon e reviro os olhos.

— Tenho, não sou a Elena para precisar de vocês como cães da guarda. Se eu precisar de algo, e tenho certeza que não vou, eu ligo. — Falo e os empurra para fora da casa.

— Qulquer problema, nos ligue. — Fala Stefan e reviro os olhos.

— Tudo bem, eu vou ligar. — Falo.

— Até futura mamãe da reencarnação de Lúcifer. — Fala Damon e em repostas bato a porta na sua cara.

Paro no meio da sala e respiro fundo, Rebekah foi embora e me deixou aqui sozinha, maldita! Vou matá-la assim que a encontrar.

(...)

— Eu o prourei o dia todo, Marcel sabe que ele mentiu sobre onde mora. — Fala o tal informante de Klaus, Josh. Quando pensei que o idiota não fosse tão idota, eu estava errada.

— Eu não sou a empregada, você é. — Falo forço um sorriso para o mesmo.

— Tá, so pede para ele me ligar. Por favor. — Pede suspiro.

— Vou pensar, não ando muito caridosa nos últimos dias. Mas vai que talvez você tenha sorte. — Falo irónica.

Ele revira os olhos e vai embora, fecho a porta e sinto a presença de mais alguém mas resolvo ignorar isso e subo as escadas.

(...)

— Que droga, não posso mais dormir nessa droga de casa? — Resmungo ao escutar batidas na porta, vou até a mesma e fico surpresa ao ver quem está lá.

— Alyssa, quando tempo. Fiquei triste que não foi me ver assim que chegou.

— Marcel. — Falo e engulho em seco. 


Notas Finais


Favoritem a fic♡
Comentem o que acharam do cap★


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...