História Six friends and a dream - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amigos, Amizade, Banda, Diversão, Musica, Romance, Sonhos
Exibições 11
Palavras 1.377
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 11 - Nem dá pra disfarçar


Como eu já comentei, a casa de Igor era linda e grande. Assim que cheguei na sala, avistei a pizza em cima da mesinha de centro, peguei um pedaço, mas, claro que antes eu olhei bem pra ver se tinha azeitona, eu odeio azeitonas.

— Que música você escolheu, Mari?. — Perguntei deitando no sofá.

— Juh acho que você não conhece o termo " se comportar na casa dos outros" — Diz Rafa sentando no sofá e botando os pés sobre a mesa.

— Nenhum de vocês conhecem. — Igor riu enquanto pegava uma cadeira.

Mari sentou do lado do Rafa e Lala e Vitor sentaram no chão.

— Eu escolhi a minha preferida, óbvio. — Diz Mari. — "Nem da pra disfarçar".

— Fez essa música pensando em quem, Juh? — Lala perguntou

— Fez essa música pensando em mim, né. — Diz Vitor e senta no chão de frente pra mim.

— Você ainda tem dúvida? — Pergunto olhando pra ele.

— Não tenho.

— Então deveria ter. Não fiz essa música pra ninguém. — Digo e ele encena um choro falso. Me levanto e dou um abraço apertado nele. — Fiz a música baseada em um filme que eu vi.

— Eu amei a música. — Lala devora um pedaço de pizza. Solto o Vitor e pego mais um pedaço.

— Você ama tudo que é romântico, como jantar a luz de velas, com urnicornios e passarinhos assobiando a música do Roberto Carlos. — Diz Vitor.

— Aff, cala a boca, vocês que são sem graça de mais. — Lala reclamou.

— Sem graça nada, eu já fiz um ato romântico. — Rafa contou.

Mari se levantou e foi ate a cozinha.

— O quê? Você? Rafael Santos? — Pergunta Lala surpresa.

— Sim, eu, Rafael Santos.

— O que você fez? Quem era a garota? Ainda gosta dela? — Lala perguntou, curiosa.

— Calma, garota. — Digo. — Mas responde Rafa, por quê dessa eu não sabia.

Mari volto com um copo de refrigerante, mas ficou em pé.

— Eu espalhei pedaços do chocolate preferido dela pela casa inteira e na cama também em forma de coração.

— Owwn, e porque não deu certo? — Pergunta Lala.

— Exatamente por isso.

— Ué? A menina não era uma Lala na vida e odeia coisas românticas? — Pergunta Vitor e Lala deu tapa no braço dele, que fez com que ele abraçasse ela, mas por incrivel que pareça, ela deixou.

— Na verdade, ela era romântica sim. — Rafa mordeu um pedaço da minha pizza.

— Então o que houve? — Igor perguntou

— Nem eu sei, sério, quando ela chegou na casa dela, ela..

— Gente! — Mari gritou de repente fazendo todos olharem pra ela — Achei essa coca na geladeira, alguém quer um pouco?

— Eu quero! — Eu e Vitor falamos juntos.

— Vou trazer. Rafa? — Mari chama e ele olha pra ela. — Você pode me ajudar a trazer os copos?

Ele acentiu e foi até ela.

— Ata, agora vocês vão dizer que eu sou louca e só eu vi esse momento disconfortável entre os dois?

Eu poderia zoar com a cara dela e dizer que não percebi. Mas eu havia percebido.

— Eu percebi também. — Vitor concordou. — Sabe o que mais eu percebi?

— O que? — Lala perguntou

— O clima entre nós dois. — Vitor piscou e ela revirou os olhos.

— Vitor, sossega esse fogo no rabo. — Me levantei e levantei a Lala junto comigo. — Vamos escutar.

— Escutar o que? — Igor perguntou

— A conversa né, o que mais seria?

— Eu to dentro! — Vitor se levantou e Igor também logo após.

Fomos para porta da cozinha e ficamos atrás da mesma. Tentamos ouvir a conversa mas só conseguimos ouvir um barulho de copo quebrando.
No mesmo momento nós 4 passamos pela porta.

— Pelo amor de Deus, Mari! Você tacou isso no Rafa? Ai meu Deus. — Fui até o Rafa e vi se tinha alguma ferida.

— Eu não taquei nada não, menina — Mari contou

— Eu sempre disse que ela e louca. — Vitor falou

— Eu não sou louca!

— Só barraqueira e explosiva. — Rafa disse

— Eu bem que podia ter tacado esse copo na sua cara.

Rafa arregalou os olhos e saiu de perto dela. Se fosse eu também saíria, Mari é bem explosiva mesmo. É uma das coisas que eu mais gosto nela.

— Eu que derrubei sem querer. — Disse Rafa — Juh, eu to bem. — Ele afirmou e eu acenti parando de olhar o pé dele pra ver se tava machucado.

— Já ta mais que na hora de vocês contarem o que ta rolando, né? — Lala sugeriu

— Vamos deixar isso pra outro dia, está tarde e a gente ainda nem tocou.

Mari saiu andando em direção ao porão. Seguimos ela.

Chegamos lá em baixo e os meninos já começaram a ligar os instrumentos. Cantei um pouco da música no ritímo lento dela pra Lala. Fomos cada um para os instrumentos. Lala segurava a folha com a letra pois ela não tinha gravado ela toda ainda. Eu e Mari já sabíamos tocar ela, quando ela ia lá em casa eu sempre mostrava as minhas músicas novas pra ela e tocávamos juntas. Mari copiou algumas coisas do caderno em algumas folhas e deu pro Vitor, Rafa e Igor.

— Será que vamos conseguir? — Mari perguntou.

— Nunca vamos descobrir se não tentarmos. —Igor encorajou.

Lala começou:

''Uma historia meio louca a contar, só em falar meu..

— Vitor está errando a nota. — Lala adverteu.

— Foi mal, amor. —  Vitor disse e Lala o ignorou.

— Tudo bem, vamos de novo.

Lala:

Uma historia meio louca a contar, só em falar meu coração começa a disparar. Tud..

— Minha baqueta caiu, foi mal. — Rafa desculpou-se

— Tudo bem de novo, vamos. — Digo.

Lala:

  Uma historia meio louca a contar, só em falar meu coração

— Igor, você também ta errando a nota. — Diz Vitor

— Vocês são cegos? — Mari perguntou.

— Não, é sua letra que é ruim mesmo. — Diz Rafa.

— Olha que eu taco essa guitarra na tua cara. — Mari diz, irritada.

Como eu ja disse, adoro esse jeito dela. Segurei o riso e tentei parar a briga.

— Chega, gente. Vamos tentar de novo.

Deu 05:00 e nós não conseguíamos nem chegar no refrão.

— Igor e Rafa vocês estão muito rápidos a música é L-E-N-T-A. — Lala soletrou

— E do Vitor errando as notas você não reclama né? — Diz Rafa.

— Eu? Mari e Juh pararam de tocar só porque tinha uma barata no chão. — Vitor contou

— Assim não da, gente. — Digo e desligo o teclado.

— Não. Por favor gente, vamos tentar só mas uma vez. Se eu acordei vocês é porque eu sei que nós conseguiríamos, já esta quase na hora de ir pra escola, por favor, só mas uma vez? — Mari pediu

— Ta.— concordei e liguei meu teclado de novo.

— Olha, nós estamos muito nervosos, parece até que estamos nos apresentando pra algum produtor musical, vamos relaxar, só estamos curtindo. — Igor encorajou.

— Ta, vamos. — Diz Rafa.

Lala :

Uma historia meio louca a contar

Só em falar meu coração começa a disparar

Tudo começou de uma amizade forte e intensa

Que se revelou em um grande amor.

Mas pra que tanto sentimento se não podemos ficarmos juntos?

Pra falar a verdade nem sei se você quer

Ou se deseja o mesmo que eu

Um sentimento impossível de evitar

Só eu te ver pra enlouquecer

O teu olhar me envolve, o teu sorriso me alegra

Nem dá pra disfarçar.

(Instrumentos)

Mas pra que tanto sentimento se não podemos ficarmos juntos?

Pra falar a verdade nem sei se você quer

Ou se deseja o mesmo que eu

Um sentimento impossível de evitar

Só eu te ver pra enlouquecer

O teu olhar me envolve, o teu sorriso me alegra

Nem dá pra disfarçar.

~~

Quando a música acabou, nós todos sorrimos um para o outro, satisfeitos com o resultado.

    



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...