História Skinny Love - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias 24K, History, IU
Personagens Changsun, Do-kyun, Jackson, Jae-ho, Jinhong, Kyung-il, Lee Ji-eun "IU", Mark, Personagens Originais, Si-hyoung, Yi-jeong
Tags 3some, Abo, Amizade, Amor, Boyslove, Casamento Arranjado, Changjin, Changsun, Cio, Ficção, Ficção Cientifica, Foco History, Haru_hh, History, Hui, Internato, Irmãos, Jackson, Jinhong, Jinhui, Kyungjeong, Mark Tuan, Menção Jjcc, Menção Jongkey, Menção Jyj, Menção Outros Shipps, Mistério, Mpreg, Sikyun, Sikyunho, Threesome, Universo A/b/o, Viagem No Tempo, Yaoi
Visualizações 22
Palavras 2.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Capítulo 9 - Primeiro encontro


Fanfic / Fanfiction Skinny Love - Capítulo 10 - Capítulo 9 - Primeiro encontro

Kim Jaeho não conseguiu comer muito bem no almoço devido a ansiedade. Ficou até umas nove horas da manhã com Kibum, procurando as coisas do YiJeong que estavam misturadas com as suas e acalmando o mais velho sempre que ele voltava a chorar. Depois, precisou procurar roupas para sair, fazendo uma coroa simples e rápida com flores roxas.

Quando almoçou - recebendo olhares de alguns ômegas que ainda não haviam arranjado alfas - , o diretor Wu ainda quis lhe informar as regras simples e até absurdas para o menino.

Primeiro não deveria, de maneira alguma, se separar do alfa.

Segundo, deveria voltar antes do anoitecer.

Terceiro, no primeiro encontro não podia ser levado para um local fechado ou deixar o alfa usa-lo sexualmente, mas depois do primeiro encontro - onde o alfa aceitaria ou não o garoto - o ômega devia se entregar caso o outro quisesse.

Logo quando "terminou" de almoçar, um monitor se aproximou e o instruiu a esperar no jardim até quando outro monitor o buscaria para leva-lo ao alfa.

Jaeho ficou sentado na borda da fonte, observando as flores e o local onde haviam encontrado a coroa do seu amigo. Suspirou e aguardou enquanto pensava em como seria o encontro.

Demorou somente dez minutos pro monitor se aproximar e chamar o garoto. Jaeho seguiu pelos corredores até chegar na porta de saída, lembrava-se perfeitamente quando seu omma o deixou ali, um pequeno ômega indefeso e fraco pelos maus tratos do pai. Jaeho lembrava do rebuliço que ocorreu quando ele chegou, foi o ômega mais novo a entrar no internato, com apenas nove anos.

A maneira que YoungJin conseguiu fazer aquilo ainda era um mistério para o menino, mas dinheiro desdobrava muitas pessoas e o senhor Wu era uma delas.

- Sabe as regras. - o monitor falou e se afastou da porta.

Jaeho inspirou fundo uma última vez e abriu a porta. Logo quando saiu, viu um garoto bem mais alto que si usando roupas relativamente justas e virado de costas pro ômega. O mais novo ainda sentiu o cheiro forte vindo do garoto, mostrando que sua linhagem era boa.

O alfa virou para o menino quase no mesmo segundo que o garoto se aproximou, sentindo o cheiro suave e doce do ômega.

- Olá. - Jaeho foi o primeiro a falar, olhando nos olhos do alfa que o encarava fixamente como se estivesse hipnotizado. - Sou Kim Jaeho.

- Prazer... me chamo Kim SiHyoung. - o alfa deixou um sorriso aparecer no rosto ao constatar que não seria tão ruim aquela experiência. O alfa só esperava não voltar com o cheiro do ômega grudado em si.

---o---

- Arranjei esses documentos pra você, tem seu nome e diz que é maior de idade para que consiga alguns benefícios e evitar muitas perguntas. Aquela foto que o Mark tirou ontem foi bem útil e a coloquei aqui. Se alguém perguntar, você nasceu no distrito de Incheon e veio pela falta de comida, ok? Falei com o Mark e você poderá ajuda-lo no laboratório.

- O que poderei ajudar num laboratório? Não tive treinamento para algo assim. - YiJeong murmurou preocupado, não queria ser inútil como estava sendo até então.

- Ele quer que o ajude com informações sobre seu mundo e o ajude a organizar a papelada, são coisas simples e você ganhará três wons por dia, que em uma semana dá para comprar materiais de higiene e também será bom pois não usará força física, que já vi que você não possui. - KyungIl explicou rápido e entregou os documentos pro menino, levantando e tirando a blusa em seguida.

YiJeong olhou para sua foto e franziu a testa para a própria imagem. Apenas um dia ali foi suficiente pra lhe dar olheiras suaves e deixar sua pele manchada de fuligem. Sem falar no seu cabelo que já começava a coçar devido a sujeira.

- Porque você pinta seu cabelo? - YiJeong perguntou de repetente e KyungIl virou para ele com a testa franzida, ainda sem blusa e exibindo o tórax definido e um pouco suado pelo dia de trabalho. - Digo, tinta não é caro? 

- Eu preciso pois costumo entrar na área da gangue do Lee e sou obrigado a mudar a cor dos meus cabelos as vezes pra não me reconhecerem. A tinta é o Mark que arranja.

- Porque ele não te arranja um lugar pra morar? Ou ao menos comida? - YiJeong perguntou.

- Não preciso tanto da ajuda dele, posso sobreviver com o que tenho. - KyungIl respondeu e foi buscar uma roupa, só então notou que havia uma muda de roupa a mais ali e olhou pro Jang. - Tinha algo errado com a roupa?

- Ah... Não eu... Precisei trocar. - YiJeong murmurou constrangido, realmente não se sentia bem em contar sobre seus sintomas do cio. Nem mesmo Ji Eun havia lhe questionado e agradeceu muito por isso. O Jang sabia que a época fértil mudava para cada ômega, por exemplo, seu amigo Jaeho tinha dezessete para dezoito anos e ainda não havia tido o primeiro cio, mas já ouviu falar de alguns ômegas que tinham o primeiro cio aos quinze anos.

- Aconteceu alguma coisa? Está machucado? - perguntou se aproximando se agachando para ficar na altura do garoto sentado no chão. - Se estiver machucado, não precisa ficar com medo de me mostrar, independente de onde seja... sei que tem essas coisas com mostrar o corpo, mas não pode ficar ferido.

- Eu estou bem, só tive que trocar a roupa... estava suado demais. - inventou de último segundo e foi intensamente encarado pelo outro que suspirou e ergueu-se.

- Tudo bem, irei pegar nossa janta e depois me contará direito essa história de você apanhar.

---o---

Jaeho teve sua mão beijada pelo mais alto e ficou levemente constrangido com o ato. O alfa tinha uma expressão dura, mas que parecia fácil de desdobrar, as maçãs do rosto eram levemente salientes e os lábios levemente cheios.

- Pra onde vamos? - Jaeho perguntou quando o outro estendeu a mão para ser segurada. Apesar de ser estranho tocar tão intimamente um alfa, o ômega se sentia quase radiante com aquele ato. Era a maior gentileza que o garoto já havia recebido depois do seu omma e a família do Jang.

- Sinceramente, não sou bom com isso, mas pedi opiniões e a que mais gostei foi: o deixe escolher. - SiHyoung falou e olhou para o ômega. - Está com vontade de ir em algum lugar em específico?

Hospital. Foi o primeiro lugar que Jaeho pensou, estava louco para visitar seu omma, mas não podia pedir aquilo no seu primeiro encontro.

- Eu não saio do internato desde meus nove anos então... Um lugar bonito.- respondeu olhando para frente e aguardando ser guiado.

- Tem um lugar que um amigo gostaria muito de ir, mas não pode... o que acha de experimentar? - propôs o alfa, ignorando a idade precoce com que o Kim mais novo foi posto no internato e apesar de achar estranho o outro falando de um amigo em pleno encontro, o ômega concordou e o seguiu.

O sol não estava muito forte, mas por algum motivo que o Kim mais novo desconhecia, SiHyoun estava meio inquieto e olhando vez ou outra para cima, estreitando os olhos com o sol.

- Está incomodado? - Jaeho quebrou o silêncio incômodo.

- Está quente demais. - murmurou soltando rapidamente a mão do ômega e parando de andar. - Ele passa mal no calor...

- Seu amigo? - Jaeho tentou olhando para o alfa, confuso sobre o que fazer.

- É, ele divide o quarto comigo... Sempre passa mal em dias quentes ou noites frias. - SiHyoung suspirou e voltou a pegar na mão do outro. - Estamos quase chegando no lugar.

Eles continuaram o percurso, Jaeho ficou calado pelo caminho apenas tentando sentir todo aquele calor que o outro dizia sentir e deixando para perguntar quando chegassem no tal lugar. Não demorou muito e logo estavam num parque bem arborizado, com pouquíssimas pessoas sentadas aproveitando a natureza.

O pseudo-casal sentou num banco em frente a um lago, embaixo de uma árvore grande para evitarem o sol no rosto. Jaeho observou a água clara e deixou um sorriso tomar seu rosto com a brisa que soprou seus cabelos e fez algumas folhas caírem no seu colo.

- Não está quente. - falou baixo.

- O que? - SiHyoung o encarou, confuso.

-Não está quente, ao menos não como você diz estar.- Jaeho explicou olhando para o outro. Pensava: Será que eu devia me apaixonar a primeira vista por ele? Ou não?

O jovem ômega se sentia perdido a respeito dos seus sentimentos, não fazia ideia de como era o amor que todos buscavam pois não o viu em casa e cresceu apenas com o amor do seu omma e do seu amigo. Eram tipos diferentes de amor e nenhum era como achava que deveria sentir pelo seu futuro marido.

- Não estou com calor, mas ele é mais sensível que nós. - SiHyoung suspirou e olhou pro ômega. - O que você acha disso? Digo, de casar com alguém que você nunca viu antes?

- Porque quer saber?

- Você parece diferente dos ômegas que meus amigos falam... imagino que não queira se casar também.

- Na verdade, eu sempre quis me casar, mas com um alfa bom. Quero ter uma família de verdade um dia. - Jaeho se sentia meio exposto falando daquele jeito para seu futuro marido, levando em conta que nunca haviam se falado.

- Entendi... - SiHyoung baixou a cabeça e espremeu os olhos. - Você está depositando esperanças em mim, então?

- Falando assim, parece algo ruim. - Jaeho olhou para o garoto ao seu lado e apreciou a pele lisinha e branquinha. - Você...uhm, não queria esse casamento? Digo... eu não sou do seu agrado?

- Não! O problema não está em você. - SiHyoung olhava fixamente nos olhos do outro. - Eu não acho que posso te dar essa família, digo, não sou o melhor alfa para se ter como marido.

- Você não me parece mau. - Jaeho segurou nas mãos do mais velho, não sabia se deveria ter feito isso mas era o que parecia certo no momento.

- Você mesmo disse que está no internato desde os nove anos, não conhece o que realmente é alguém ruim. As pessoas são boazinhas com ômegas, mas com o resto... Você provavelmente se assustaria com a maldade existente por aí.

Jaeho apertou um pouco as mãos do outro, fazendo-o olhar para o ômega.

- Meu melhor e único amigo está desaparecido, provavelmente foi levado por algum alfa nojento e está tentando voltar... Eu passei minha infância vendo meu omma sendo maltratado pelo meu appa e nos xingando simplesmente porque eramos ômegas. - O Kim mais novo notou a expressão de choque tomar o rosto do outro a medida que contava aqueles fatos, mas manteve-se firme e continuou. - Meu pai tentou me matar quando eu tinha nove anos, isso se não tentou outras vezes antes, porque queria tentar ter outro filho com meu omma. Um alfa, para orgulha-lo de alguma maneira... Não é pra você sentir pena de mim, mas não me diga que não entendo de maldade quando eu convivi com ela.

-Desculpe... eu não imaginava que passou por algo assim. - SiHyoung suspirou e só então notou que suas mãos ainda estavam entrelaçadas. - Eu estou disposto a tentar gostar de você, mas preciso saber se está pronto para saber meus segredos quando chegar a hora.

- Mostrarei que sempre estarei pronto para compreender qualquer coisa que me diga. - Jaeho deu um sorriso labial e voltou a olhar para o lago, aproveitando o momento.

- Omma! - um Jaeho de apenas nove anos gritava desesperado, tentando se soltar das mãos firmes do seu pai que o empurrava para debaixo da água. - Omma soco... - e o menino foi empurrado novamente.

Young Jin forçava a maçaneta da porta, com os olhos cheios de lágrimas e as mãos trêmulas de puro terror. Temia não conseguir salvar seu filhote.

Os instintos do ômega mais velho para proteger seu filho foi o que o fez simplesmente se jogar contra a madeira mais de uma vez, machucando o braço e as mãos, mas conseguiu entrar antes do pior acontecer. Assim que conseguiu arrombar a porta, pegou a primeira coisa que viu - uma escova de cabelos - e bateu na nuca do alfa. Jaejoong não desmaiou, mas ficou desnorteado por tempo suficiente para YoungJin pegar a criança que chorava e se trancar dentro do quarto.

- Vai ficar tudo bem, Jaeho. - o ômega mais velho massageava as costas da criança que tossia, tentando se acalmar e expulsar um pouco da água que havia engolido. - Ele não fará mal pra você novamente.

- Desculpa, omma.- Jaeho apertava as roupas do mais velho e tremia involuntariamente. O menino não entendia porque seu pai havia feito aquilo tão repentinamente, afinal, fazia tudo que o alfa mandava.

- Não se desculpe, bebê. - YoungJin nem mesmo sentia a dor dos cortes pelo braço. - Não deixarei ele chegar perto de você. - e logo ao dizer isso, o alfa bateu na porta e gritou para que saíssem.

O ômega mais velho imediatamente colocou a criança dentro do armário e o mandou ficar ali. Depois, YoungJin abriu a porta e foi praticamente arremessado pelo seu marido que estava furioso.

- Jaeho! - Jaejoong gritou e foi até o armário para tirar a criança, mas foi impedido pelo marido que o puxou e lhe jogou no chão.

O pequeno Kim se encolhia cada vez mais dentro do armário, olhando pro entre as frestas seu omma brigando com seu appa. O menino queria sair e separa-los, mas sabia que não tinha forças e se sentiu um inútil por aquilo.

- Jaejoong, por favor não o deixe ver isso. - YoungJin pediu quando notou que não havia mais o que fazer. - Por favor. - já não havia lágrimas no rosto do mais velho quando o alfa rasgou suas vestes e o empurrou contra o chão.

Jaeho fechou os olhos e tentou abafar o som de choro do seu omma com as mãozinhas, mas aquilo não era suficiente e só o que lhe restou foi chorar encolhido por entre as roupas dos seus pais.

 

NOTAS FINAIS SÃO IMPORTANTES!


Notas Finais


Oi oi gente!

Cadê vocês??? Estou sentindo falta de comentários sobre a fic. Vamos lá, falem o que estão achando, se tem alguma expectativa ou se estão ansiosos para algo em específico!!

Não sei se perceberam, mas algumas cenas estão sendo cortadas ( um exemplo: os exames do YiJeong) porque não quero estender muito a fic, ok? Ela ainda tem bastante coisas pra acontecer e não posso detalha muito pois quero evitar uma fic com 50 capítulos rsrs.
É isso, se notarem algum furo na história me avisem pois irei ajeita-lo ( as vezes nem percebo que algo está estranho). Tirem dúvidas também, eu gosto de tirar dúvidas :)

Ah e antes que eu esqueça, vocês tem interesse em uma fanfic do NCT? Estou escrevendo uma e admito que estou muito ansiosa para posta-la ( mesmo tendo outras fics em andamento). O tema será autismo, com foco no relacionamento familiar e tals... Me digam se gostam do NCT ou se tem interesse no tema :)

Enfim, byee e desculpem a demora. Ainda não decidi se vou ou não deixar datas marcadas de postagem, então só fiquem de olho para quando eu atualizar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...