História Skydive - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P, EXO
Exibições 17
Palavras 1.744
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Mission Complete


Olhei em volta e eu sabia que o som dos tiros faria a vizinhança chamar a polícia, então corri até o carro que me esperava o mais rápido possível. Dei de cara com Chanyeol forçando o abdômen de Zelo. Yongguk me encarou como se quisesse se certificar de que eu estava inteira enquanto Baekhyun limpava as mãos sujas de sangue na própria camisa.

— O que aconteceu? — meu olhar denunciou minha preocupação em ver Zelo com um ferimento que parceria grave.

— Um tiro passou de raspão. — Chanyeol explicou, ainda segurando uma camisa contra o corte em Zelo. 

— Deixa eu ver — olhei o ferimento e lembrei do kit de primeiros socorros que estava na minha bolsa — Eu cuido disso, só espera um segundo — entreguei meu celular para Chanyeol e abri o zíper na lateral do vestido, tirando-o. Era horrível se mexer com aquilo, ainda mais dentro de um carro — Pega o kit dentro da minha bolsa — esperei alguns segundos até perceber que Chanyeol estava parado me encarando assim como Yongguk, Zelo e Baekhyun — Qual é, gente! Não é a primeira vez que vocês veem uma garota só de roupas íntimas! 

— É que não é muito comum uma mulher tirar a roupa sem nem termos pago um jantar antes. — Chanyeol brincou, entregando o kit para mim. 

— Engraçadinho em — revirei os olhos, abrindo o kit. — Vocês têm álcool? Ele precisa de alguma anestesia e preciso limpar o ferimento.

— Ver você assim já é um anestésico natural, Sophie. — dei uma risada baixa depois do comentário de Zelo, limpando o suor em sua testa. 

— Aqui. — Baekhyun pegou uma garrafa de Vodka, entregando-a para mim.

— Você aguenta? — ele balançou a cabeça dizendo que sim e mordeu a manga da camisa. Não queria demorar com aquilo, então derramei um pouco do líquido no ferimento, esterilizando o local. 

Puxei uma agulha e uma linha próprios para cirurgias, tinha treinamento médico e em alguns momentos era melhor eu mesma me virar do que procurar um hospital. Passei a linha pelo buraco da agulha a olhei para Zelo como se pedisse permissão para começar e ele respirou profundamente, mordendo a blusa com mais força. Comecei a suturar o corte, passando a agulha de um lado a outro com o máximo de cuidado. Alguns pontos depois, dei um nó cirúrgico na linha, cortando-a. Abri o pacote de ataduras, colocando uma delas sobre o corte recém fechado. 

— Pronto — limpei as mãos na blusa jogada ali — Pode tomar a vodka como recompensa por ter aguentado a dor. — entreguei a garrafa para ele. 

— Obrigada, Sophie. — ele piscou para mim, tomando um longo gole do destilado. 

— Fica me devendo. — brinquei, encostando no banco.

— Deu tudo certo? — Yongguk perguntou, olhando para mim através do retrovisor. 

— Sim, matei ele. — falei como se não fosse nada demais e puxei meu casaco, colocando-o.

— Quando ele beijou você e depois fez aquilo... Pensei que você fosse matar o Chae Hyun ali. — meneei a cabeça ao ouvir o comentário de Baekhyun.

— Eu pensei que vocês fossem matar ele. Precisavam ter visto a cara que ficaram. — suspirei, encostando a cabeça no ombro de Chanyeol enquanto bocejava. 

— Os meninos levaram as drogas pro nosso armazém. Amanhã os compradores vão recolher e pagar. Correu tudo conforme o planejado — Yongguk sorriu satisfeito. — Agora vamos voltar e ter uma boa noite de sono depois de comemorar. 

— Você se saiu bem essa noite, Sophie. — Chanyeol sussurrou, brincando com o anel em seu dedo. 

— Você também — sorri sonolenta — Posso ver? — apontei para o anel. 

— Pode sim. — ele tirou o anel e me entregou. Era de prata com um "C" gravado nele. Coloquei o anel em meu polegar, girando-o com o indicador. 

— É bonito. — comentei em voz baixa, olhando de relance para Zelo que dormia por conta da exaustão. 

— Fica com ele, só promete não perder. — sussurrei um "okay", fechando os olhos por alguns segundos. Noites sem dormir. Eu precisava de uma boa noite de sono e de descanso. 

Inusitada era a palavra que definia como em menos de um dia aqueles garotos se permitiram se aproximar tanto de mim, e é ainda mais incrível eu ter feito o mesmo. É a primeira vez que eu e a Liz trabalhamos em grupo, pelo menos de forma oficial. Esse é o momento em que paro para pensar sobre com eu, uma pessoa que criou diversas barreiras para evitar que os outros se aproximassem de mim, desfez todas elas por treze desconhecidos. Algo neles me trás uma sensação boa. Uma sensação de ser protegida, mas sem precisar. Sempre cuidei de mim mesma, mas com eles por perto era como se eu voltasse a ser uma adolescente se descobrindo e uma menina admirada com a imagem masculina de pai e irmão mais velho que tinha em casa. Nunca precisei de alguém cuidando de mim, mas em alguns momentos só queria tê-los me protegendo. 

Um sorriso involuntário se formou em meus lábios ao perceber como aquilo era ridículo. Não poderia  parecer fraca e frágil perto deles, nem de ninguém. Nunca vou poder ser frágil outra vez. Quanto mais vulnerável, mais fácil será na hora que tentarem me derrubar. Pessoas frágeis se tornam vulneráveis, indefesas e desprotegidas. E sabe como as pessoas ficam assim? Deixando que outras entrem em sua vida, criando sentimentos e permitindo senti-los. 

Expulsei toda essa confusão de pensamentos da minha mente, voltando a ficar com a postura reta no banco. Chanyeol estava dormindo então não percebeu quando minha cabeça deixou de pesar em seu ombro. Eu e Yongguk éramos os únicos acordados e para não ficar em um total silêncio até chegarmos no hotel, inclinei o corpo para frente. 

— Como você virou o líder deles? — falei em tom baixo, encarando a estrada. 

— Não era para ser eu — Yongguk respondeu, ainda atento ao caminho — O grupo surgiu graças ao Himchan. Todos nós éramos garotos perdidos, com idades próximas, querendo ser alguém na vida. Ele teve a ideia de nos juntarmos e formar essa espécie de equipe. Segundo ele, somos a nossa única verdadeira família e os únicos verdadeiros amigos um do outro — seu olhar encontrou o meu por alguns segundos. — Achou melhor me colocar como líder, mas ele está sempre me aconselhando no que devo ou não devo fazer. 

— E o outro grupo? Como surgir a ideia de juntar? E por que eu e a Liz? — eram muitas perguntas, mas queria saber as respostas.

— Praticamente o mesmo que nós, Suho é o líder deles, mas normalmente é o Chanyeol ou o Baekhyun que assumem as coisas. E a ideia de juntar foi minha e do Suho. Se não pode contra o inimigo, junta-se a ele — suspirou, ligando o rádio — Mais ou menos isso. E a ideia de trazer vocês duas foi minha. Ouvi muito sobre vocês e achei que seria uma ótima ideia. 

— Entendi. — mordi o lábio inferior, tombando a cabeça para o lado. 

— Está com fome? — perguntou, virando o carro em uma rua movimentada.

— Um pouco — observei a movimentação. — Por que?

— Vamos dar uma passado no drive thru do Mc. — balancei a cabeça concordando e olhei para sua roupa tentando ver se tinha sangue ou algo do tipo. 

Yongguk entrou na fila do drive thru, parando quando chegou na nossa vez. A atendente arregalou os olhos quando pedimos treze combos para viagem, mas aliviou o olhar quando falei que eram para um encontro entre amigos. Na hora de pegar as sacolas, vieram oito e coloquei todas no porta-malas que era aberto, contendo dois lugares para passageiros. Segurar os refrigerantes foi a coisa mais complicada que fiz na minha vida. Todos vieram dentro de sacolas de plástico e suportes, coloquei eles em meu colo, abraçando para nenhum cair e Yongguk dirigiu com calma, para não causar um desastre. Cerca de quinze minutos depois, já estávamos no estacionando do hotel. Acordei os meninos e eles me ajudaram com as coisas enquanto Yongguk segurava Zelo para ajudá-lo a andar. Entramos no elevador e seguimos até a nossa sala. Todos já estavam lá.

— Jisoo! — engoli um seco quando Liz falou aquele nome. — Sophie, Sophie! Eu fiquei tão preocupada com você. Vocês demoraram, caramba! 

— Desculpe, Liz — entonei seu nome, abraçando-a — Presta atenção — sussurrei, percebendo o olhar de Himchan quando ouviu Liz me chamar por outro nome e não o meu. 

— Nós trouxemos lanche pra todo mundo! — Baekhyun falou animado. 

— Você foi ótima hoje, Sophie. Nós fomos. — Suho comemorou, se jogando no sofá. 

— É Sophie, você foi ótima. — Himchan repetiu meu nome como quisesse confirma-lo. 

— Todos fomos — repeti a frase de Suho — Chae Hyun está morto e nossas contas bancárias estão um pouco mais cheias. — brinquei, sorrindo. 

Os garotos não paravam de conversar enquanto comiam. Era incrível a capacidade deles em falar tanto e todos ao mesmo tempo. Sentei em um canto, juntando os fios vermelhos em um rabo de cavalo. Liz estavam entretida com os garotos e preferi deixá-la com eles. Era a única isolada, mas preferia assim, minha cabeça estava com alguns pensamentos que me faziam questionar algumas decisões. Eram muitas decisões a serem tomadas e o segredo que eu e Liz escondíamos a tantos anos poderia estar prestes a ser revelado se continuássemos ali, mas ir embora também não seria a melhor opção. Respirei fundo e comecei a comer, levando algumas batatas até a boca e pensei na pessoa que atenderia uma ligação minha sempre que eu precisasse. 

— Sou eu — falei assim que a ligação foi atendida. — Não sei se isso vai dar certo. 

A ligação se estendeu por cerca de dez minutos e sempre olhava em volta para ter certeza de que ninguém estava olhando ou ouvindo a conversa. Voltei o celular para meu bolso e as coisas só ficaram mais confusas depois do que ouvi. Terminei o lanche, desviando o olhar para o anel de Chanyeol em meu dedo. Estava tão distraída em meus pensamentos que não percebi Yongguk parado ao meu lado. 

— Por que ela te chamou de Jisoo?  — mantive a cabeça baixa, umedecendo os lábios. 

— A Liz confunde nomes às vezes. Em um roubo ela bateu a cabeça e ficou apagada por um mês, isso prejudicou um pouco. — agradeci pela desculpa rápida que consegui formular. Mas que não era de todo mentira, já que Liz realmente tinha sofrido esse acidente. 

— Sophie, se estiver escondendo algo, eu entendo e tudo bem, você tem esse direito e todos aqui escondem algo, mas eu ouvi o Himchan e o Jongup falando sobre isso. Quando eles suspeitam de algo eles correm atrás para saber a verdade. Fique esperta com eles. — inclinei o corpo agradecendo e levantei da cadeira. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...