História SLAVE TO LOVE - Capítulo 10


Escrita por: ~

Visualizações 29
Palavras 1.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde, meus amorecos /amoras
Ryan se rendendo à paixão ?! 😮😉

Capítulo 10 - Sem limites, sem amarras


Fanfic / Fanfiction SLAVE TO LOVE - Capítulo 10 - Sem limites, sem amarras

Sem limites, sem amarras 

 

 

RYAN

 

Incrível como uma troca de beijos tinha me afetado ...

Apesar de vivido e de já ter tido muitas mulheres, gostado de algumas, desejado intensamente a outras, nunca tinha me sentido da maneira que me sinto com relação à Izzy. 

Ela povoa meus pensamentos, mexe com meus instintos mais selvagens e o pior me faz perder o controle. 

E isso me apavora !!!

Ela é só uma menina, com toda uma vida pela frente. E eu ... eu sou, um homem descrente em relação ao que chamam de amor.

Amor ...

Isso não passa de moeda de troca, as pessoas usam para manter cativas as outras. Controla -las, usar e depois descartar, quando não servem mais.

Prometi a mim mesmo, nunca ser enganado dessa forma e até Izzy aparecer, eu estava indo muito bem. 

Acontece que o desejo que ela desperta em mim, está me enlouquecendo ao ponto, de me fazer dormir e sonhar com casamento e filhos. 

Sonhar não, ter um pesadelo !!!

O que essa garota está fazendo com a minha cabeça, que já é ferrada por natureza ?!

 

 

Ao menos o trabalho ainda estava sobre controle ou quase.

Depois do meu encontro com o senador Mackenzie, algumas dúvidas que eu tinha foram esclarecidas. E agora sei qual direção às investigações devem seguir e, o principal quem são os aliados e os prováveis inimigos. 

E saber da aliança firmada com as outras agências internacionais que tem o mesmo intuito, que é o de desbaratar a maior quadrilha de tráfico de drogas aliado ao de órgãos, que tem como seu maior representante nos EUA a pessoa de Quintero, me deixa confiante no sucesso dessa operação. 

Obviamente, não tenho a ilusão de acabar com esse mal de uma vez por todas, não sou nenhum idealista ingênuo. Porém, quero e vou fazer a minha parte, para combater tudo e todos relacionados com essa sujeira. 

Aliás, se minha viagem foi bem sucedida devo em parte à eficiência de Izzy, que organizou tudo de forma rápida e discreta. Preciso agradece- la.

Não que eu esteja arranjando um pretexto para vê -la ... posso esperar até amanhã e fazer isso no escritório. 

Isso Ryan Prescott, não se meta em mais problemas !!!

 

 

Já em casa, depois de um bom banho e uma refeição comprada, deitei na minha poltrona preferida, decidido a relaxar. Contudo, a imagem de Izzy invadiu minha mente e me vi recordando a sua maneira de me olhar, o seu sorriso ... E o seu sabor doce. 

Uma batida forte na porta, me trouxe de volta à realidade e a razão também. Que loucura é essa de ficar pensando dessa maneira nessa garota ?!

Impaciente, pois não estava disposto a receber visitas, fui atender a porta resmungando. 

- Oi. – a causa da minha inquietação estava parada à minha frente – Eu vim saber se está tudo bem, já que você não atende o celular. 

Ela estava linda, com os cabelos soltos esvoaçantes e um sorriso de derreter geleiras. 

- Eu ... ah... estou bem. – gaguejei sem jeito, sem me mover.

- Certo. Então ...- ela parecia desconcertada com a minha atitude. 

- Desculpe, a minha indelicadeza. – disse depois de nos encararmos por alguns instantes. – Entre.

Eu só pensava em te-la  em meus braços e sentir o sabor daquela boca.

Ela aceitou sem pestanejar e paramos no meio da sala nos olhando intensamente. 

A tensão entre nós era palpável.

- Isabelly.

- Ryan.

Falamos em uníssono e isso foi como um estopim para a explosão de sentimentos que estávamos tentando conter.

Nossos lábios se uniram e senti como se fogo líquido percorresse minhas veias. Ela colou o corpo ao meu e me permiti desfrutar daquela proximidade tão desejada. 

- Ah, Izzy ... como eu te quero !!!

Ela sorriu e passou as pernas ao redor da minha cintura, me beijando com sofreguidão em seguida.

A carreguei para o meu quarto e a deitei em minha cama com delicadeza. Izzy merecia todo o carinho. 

A despi e a cada peça retirada, me encantava com a sua beleza e me deliciava com seu sabor, enchendo -a de beijos e leves mordidas. 

Mas ela só tinha a aparência de uma gatinha dengosa, pois logo assumiu o comando e me mostrou o quão quente e selvagem podia ser.

Capturou meus lábios em um beijo quente e arrancou sem pudor minha camiseta, esfregando o tronco no meu. Em seguida, desamarrou minha calça de pijama e me deixou completamente nu.

- Hum ... Ryan ... que delícia – murmurou me olhando maliciosamente. 

Voltamos a nos beijar com paixão, enquanto nossas mãos ansiosas percorriam o corpo um do outro, descobrindo pontos de prazer que não imaginávamos existir.

Encantado e louco de tesão, abri as pernas dela e a penetrei com meus dedos. Eu queria ver a expressão de prazer no rosto dela e como sempre Izzy me satisfez.

E como era linda, sussurrando meu nome :

- Ryan ... Ah, Ryan como te quero ...

Sem conseguir mais me conter, a penetrei.

Ela me acolheu e juntos começamos a nos mover em uma sincronia perfeita. Parecia que estávamos nos reencontrando.

Afundei meu rosto na curva do seu pescoço, enquanto a sentia contrair a pélvis. Mas eu precisava me segurar, queria que ela tivesse o orgasmo mais sensacional do planeta. 

Porém, os movimentos dela estavam dificultando o meu propósito. 

- Izzy ... Amor, assim eu vou gozar ... – tentei alerta – la, mas foi em vão. 

Ela continuou a se movimentar e sorriu marota.

- Então vamos juntos ...

Senti quando ela estremeceu e se contraiu ainda mais, gritando meu nome. Só me restou, me deixar levar, aumentando a força e o ritmo das estocadas. E logo me perdi em ondas de prazer, que nunca havia experimentado antes.

Trêmulo depois de alguns minutos, abri os olhos e me deparei com ela me encarando com um sorriso satisfeito. 

- Está tudo bem ? – perguntei curioso. 

- Tudo ótimo, senhor Prescott. – respondeu ainda sorrindo .

Pela primeira vez, sem jeito, puxei o lençol e nos cobri.

- Isabelly, eu não sei o que dizer ...

- Eu sei que você tem dificuldade para se expressar. – me interrompeu, como adivinhando que eu pretendia me desculpar. 

- Eu não tenho dificuldades para me expressar !!! Você é que me tira do sério e eu acabo ...

- Ok, senhor irritadinho !!! – me interrompeu novamente – Você tem toda razão, está melhor assim? 

Falou e montou em mim, fazendo meu corpo reagir de imediato. 

- Izzy, nós precisamos ... conversar ...

- Claro e nós vamos, Ryan. Depois ...

Quem em sã consciência, iria resistir ?!

Ah, depois ?

Depois vamos ver no que vai dar.


Notas Finais


Beijos de Luz 💋💋💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...