História Slow dancing in a burning room - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Lu Han, Sehun
Tags Dança, Distância, Drama, Hunhan, Luhan, Sehun, Songfic
Exibições 90
Palavras 1.957
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mas olha só que limão enorme meu povo! AHSUAHSUASH


Vamos ler sem preconceitos sim?

Obrigada por acompanhar essa fic!

Capítulo 6 - Don't you think?


Fanfic / Fanfiction Slow dancing in a burning room - Capítulo 6 - Don't you think?

Sehun não tinha percebido quanto tempo tinha se passado, desde que ele e Luhan estavam se beijando. Até que a dor em suas costas se tornou incômoda demais e ele se remexeu, tentando ajustar sua postura ao beijar o menor. Mesmo assim, ele não reclamou – beijar o chinês era tão bom que ele não queria parar – continuou movimentando os lábios e respirando com dificuldade.


Luhan percebeu e, nada discreto, empurrou o corpo do maknae, até que ele estivesse deitado no sofá. Era uma visão esplêndida: Sehun com os lábios inchados e entreabertos, corado, a camiseta amassada revelando uma parte de seu abdômen. Luhan sentiu o que antes respondia tímido, inchar e ficar completamente duro.


Ainda sentado, ele colocou as mãos dentro da camiseta dele, arranhando levemente a pele fria e dura pelos músculos. Sehun estava muito gostoso. Antes, ele era magrelo e franzino; um ano tinham o transformado em um semideus.


– Ha-hannie... – ele não o chamou, o nome saiu parecendo mais um gemido. Sôfrego. Envergonhado. Então, Luhan decidiu brincar com ele, queria ouvir seu desejo. Perder o controle.


– Estou indo rápido demais, né? Quer parar? Quer ir embora? – ele afastou as mãos.


Sehun queria dizer que sim, que não estava preparado, apesar dos conselhos estranhos que Baekhyun tinha lhe dado no carro. Até foi forçado a tomar banho e levar camisinhas na carteira. Ele não tinha a coragem para fazer nada daquilo. Queria dizer que era melhor parar. Mas as palavras simplesmente não saiam. Seu próprio corpo lhe traia, entregando para Luhan todos os sinais que diziam claramente: não quero ir à lugar nenhum.


Então ele se conformou e decidiu deixar rolar. Puxou o menor pelos punhos. Ele caiu sem apoio sobre Sehun, os corpos se chocando com força. Os dois gemeram, ao mesmo tempo. Foi o suficiente para eles tornarem a se beijar, cobiçando os lábios alheios como água no deserto. Eles estavam insaciáveis, os movimentos eram cada vez mais ávidos e exploradores.


Em pouco tempo, as roupas estavam atrapalhando. Luhan se afastou o suficiente para retirar a própria camiseta – Sehun o imitou. O contato entre as pelas era quente e deixava a mente de Luhan nublada. Ele puxou o cabelo do maknae, expondo seu pescoço alvo. Luhan o atacou com beijos e mordidas, recebendo gemidos cada vez mais frenéticos em resposta.


As pernas estavam trombando umas nas outras, importunando o amasso. Sehun afastou as dele, acolhendo o corpo do menor entre elas. Nesse gesto, as ereções se encostaram. Os gemidos foram sincronizados. Era o ponto de virada, sem volta. Sehun parou de pensar nas consequências. Ele se entregou para Luhan, gemendo seu nome como se pudesse aliviar a sensação que deixava seu corpo pegando fogo.


Luhan estava em êxtase. Queria enlouquecer o maior. Ele sussurrava algumas palavras calorosas em seu ouvido, algumas em chinês. Desceu uma das mãos até encontrar a elevação na calça de moletom. Pressionou a carne dura. Sehun gemeu rouco e baixinho. Luhan engoliu os gemidos, atacando os lábios inchados.


Ele harmonizou os movimentos na ereção com alguns apertos nos mamilos. Estava viciado nos sons que escapavam da boca de Sehun. Queria ouvi-los cada vez mais. Queria colocar para fora tudo o que estava sentindo.


– Sehunnie, eu desejei você todos os dias – ele confessou, erguendo-se um pouco, o suficiente para seus olhos encontrarem com a expressão aflita e rubra de Sehun – Eu te amo.


O maior sentiu seu coração parar, os braços adormecerem e o suor brotar na testa. Meses, semanas, dias longe um do outro e ainda assim, o sentimento ainda era muito forte e recíproco. Luhan ainda o amava. Ele queria gritar.


Apenas puxou o rosto do chinês e o beijou, decidindo mostrar com gestos o furacão de sentimentos que tinha dentro de si. Ele inverteu um pouco desajeitado as posições no sofá. Por cima, ele pode ter a visão surreal que era a entrega de Luhan.


Ele estava desajeitado, mas consegui desabotar a calça jeans extremamente justa. O voluma no tecido da boxer o assustou. Eles se aproximavam cada vez mais do momento derradeiro, era muito real o que estavam vivendo. Sehun respirou fundo, tentando processar as informações sussurradas por Baekhyun. Beijar, arranhar, morder de leve, lamber, massagear.


Eram inúmeros os verbos, ele se sentiu confuso. Então, Luhan decidiu guiar seus movimentos. Pegou a mão de dedos compridos e apertou por cima de sua própria ereção. Ele gemeu, um pouco contido. Pressionou ainda mais e Sehun pode sentir as veias saltadas. Ele ofegou, como se fizesse o gesto nele mesmo, estava sentindo prazer em dar prazer para Luhan.


Ele seguiu seus instintos. Desceu o rosto e depositou beijos curtos na pele exposta. Luhan sentiu cócegas que espalhavam tremores por todo seu corpo. Ele queria urrar para que Sehun descesse os beijos, mas deixou seu maknae livre para agarrá-lo. Era estranho ceder o controle, mas ele não ligava. Poderia explodir a qualquer momento.


Sehun beijou ao redor do umbigo dele, mordendo em seguida, a cada gemido de Luhan ele mordia mais forte. O menor estava completamente marcado. Sehun puxou o resto das roupas deles – ficaram completamente nus. Foi mais um momento para uma pausa curta, os dois se observando, percorrendo as linhas e músculos com olhares pervertidos. Era incrivelmente erótico.


Foi então que Sehun decidiu falar. Estava aflito demais com o que iria acontecer. Não tinha idéia de que posição assumir. Era tudo novidade demais para ele.


– Luhannie, eu... – ele disse, fechando os olhos e cerrando os punhos. O chinês deu uma risada rouca e curta, entendeu no mesmo momento o que afligia seu maknae.


– Primeiro você – ele levantou e se sentou nas pernas de Sehun, apoiando seus braços ao redor do pescoço dele – Depois eu.


Sehun mal teve tempo de perguntar “Primeiro o que?”, teve seus lábios atacados. Luhan casava os beijos com reboladas em cima do colo, os membros se relavam vez ou outra. Sehun apertou o quadril dele, querendo forçar cada vez mais esses encontros. Com uma das mãos, ele tocou a ereção de Luhan, rígida e quente.


O menor se afastou apenas para gemer, palavras desconexas. Sehun aproveitou a deixa para agarrar o pescoço dele, chupando a pele sensível.


– N-não, Hunnie... Eu tenho uma gravação amanhã – ele tentou se afastar da boca pecaminosa, mas seu corpo não respondia.


Sehun sentiu algo animalesco crescer dentro dele.


– Cala a boca – ele tampou o rosto de Luhan – Deixa eu te agarrar – ele sugou a pele novamente – Maquiagem resolve isso – outra vez, outra marca – Eu acho.


Luhan riu com a inocência e a repentina agressividade de seu maknae. Não queria que ele parasse mesmo, que fosse para o inferno com aquelas marcas. Precisava daquilo.


As preliminares se estenderam por muito tempo e eles não poderiam mais atrasar o inevitável. Luhan sussurou para Sehun pegar sua mochila no canto da sala – as pernas dele simplesmente não o obedeciam.


Quando Sehun voltou, o outro vasculhou na mochila atrás do tubo de lubrificante.


– Você sabe o que fazer? – ele perguntou para Sehun, que ficou vermelho na mesma hora.


– Apenas a teoria, nada da prática – ele respondeu, mecânico.


– E quem te falou sobre teoria, Oh Sehun?


– Chanbaek – ele reprimiu uma risada e acabou por ficar extremamente fofo. Ele se sentou no sofá e Luhan voltou a ficar em seu colo. Ele entregou o tubo para Sehun, depois de colocar um pouco no tórax dele. Ele mesmo iria se preparar. Ele passou os dedos na pele, o creme gelado provocava calafrios nos dois.

Luhan introduziu o primeiro dedo. Sehun ficou hipnotizado pela expressão de prazer que o outro tinha bem à sua frente. Quando este introduziu o segundo, a expressão de incômodo fez Sehun agir. Ele apertou sua mão ao redor do membro duro e pulsante, subindo e descendo com agilidade.


O pré-gozo de Luhan ajudou na fluidez dos movimentos, também a esquecer do incômodo. Luhan afastou a mão de Sehun com um tapa leve, antes de se erguer sob o corpo dele.


– Me ajuda, Sehunnie – ele ofegou e encarou o outro com os olhos semicerrados. Sehun segurou na base e com a outra mão o quadril de Luhan. Quando a ponta passou e foi comprimida, Sehun gemeu, descontrolado.


Era delicioso estar dentro dele, diferente de qualquer sensação que ele já tinha sentindo se masturbando no banheiro. Por alguns segundos, ele apenas agarrou o quadril de Luhan com as duas mãos e jogou seu corpo no sofá, sem sair de dentro dele. Iniciou os movimentos de vai e vem, incentivado pelos gemidos de Luhan em seu ouvido.


– Isso amor, desse jeito... – depois Luhan voltava a falar em chinês e Sehun assumiu que era a mesma frase. Era insano ouvir Luhan falando em outra língua em seu ouvido, tornava tudo ainda mais excitante.


– Porra Luhannie, você é apertado demais... – Sehun mordeu o lóbulo dele, depois deu beijos molhados na região. Estava cada vez mais difícil gemer e respirar ao mesmo tempo, ele estava afoito. Sentia que gozaria a qualquer momento. Mas algo nos seus movimentos ainda era contido demais para Luhan.


Lose control – ele brincou, a voz era um suspiro na nuca de Sehun, que se inclinou ainda mais sob o corpo dele, abraçando o tórax do menor. Forçou os quadris ainda mais.


Foi então que Luhan aproveitou a deixa. Ele apertou a bunda de Sehun com as duas mãos e abraçou a cintura dele com as pernas. Ele limpou o resto de lubrificante, que estava espalhado entre os dois. Direcionou a mão para a entrada de Sehun.


O maknae não ligou para o que estava acontecendo, perdido nas sensações que Luhan provocava nele. Ele gemia descontroladamente. Era como se o quarto estivesse pegando fogo e ele não queria sair. Luhan forçava alguns apertos, apenas para enlouquecer o menor e distraí-lo da dor que viria.


– Lu... Lu, eu vou...


Luhan o empurrou bruscamente e Sehun resmungou pela separação. Ele se ajeitou no sofá e puxou o maknae para seu colo. Ele o penetrou de uma vez, antes que o maior pudesse reclamar, ele começou a masturbá-lo.


A sensação era diferente agora. Sehun sentia o dobro de prazer, quando apertando sua dureza, Luhan atingia um ponto mágico dentro dele. Definitivamente, superou suas expectativas. Baekhyun não tinha dito nada sobre aquilo. Ainda bem, Sehun poderia ter pensado em desistir – não sabia que seria tão bom.


Luhan mordia os lábios, segurando seu orgasmo, queria ver o maknae gozando primeiro. Ele forçou ainda mais as mãos na ereção dele e tocou os testículos. Foi demais para o Sehun, que não teve tempo de avisar, sujando os dois com seu gozo. Luhan apenas precisou de algumas estocadas, antes de gozar também.


Eles ficaram atados um ao outro, respirando com dificuldade. Sehun estava exausto – horas de treino seguidas por horas de sexo. Ele só queria dormir, fechou os olhos e se aninhou no ombro de Luhan.


– Ei Bela Adormecida, temos que nos limpar... – Luhan disse, dando uns tapinhas na bunda de Sehun, tentando acordá-lo. Sehun apenas resmungou. O chinês viu que teria que fazer tudo sozinho. Ele se esticou para alcançar a mochila e puxou uma toalha, limpando o que conseguiu da sujeira dos dois.


Ele deitou o corpo do maior no sofá e o cobriu com outra toalha limpa e os casacos de frio.  Decidiu deixar Sehun descansar por algumas horas antes de irem até o hotel. Ele parecia exausto quando chegou. Luhan sentiu o aperto no peito voltar, quando lembrou das olheiras e palidez do seu maknae.


Ele pensou na proposta que faria a Sehun – agora muito mais convicto. Queria levar Sehun para a China. Não poderia aguentar mais outro ano longe dele. O maior iria aceitar, é claro, bastava ver o tanto que ele estava deprimido. Ficar no EXO não estava fazendo bem a ele. Ficar longe não estava fazendo bem para os dois.


Mas, por um tempo, ele apenas deixou Sehun dormir, guardando os pensamentos para si.

 

 


Notas Finais


haushaushuas desculpa parar ai, mas ia ficar gigante demais!

a ideia da fic era ser postada curtinha, slow como o próprio nome, daí eu me empolguei no limão e saiu isso ai

desculpa se ficou uma bosta, quis ser diferentona e sei la... oq vcs acharam?

o próximo capítulo vai ser o último, infelizmente T____T

mas tudo bem, pq eu tenho outras fics lindinhas postadas! <3
(me auto panfleto mesmo hahah)


bjos! :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...