História Snap-psg - Capítulo 16


Escrita por: ~

Exibições 420
Palavras 1.368
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oláaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

OLHA A BABI AI MINHA GEEEEEEEENTE

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS MEUS AMORES, PQ SOMOS ETERNAS CRIANÇAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!
E DE PRESENTE PRA VOCÊS, VIM POSTAR A CONTINUAÇÃO DO CAPITULO, AEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE

(musica nas notas finais)

Só não sei se vai ser mt do agrado de vcs rsrsrs

amo vocês, amo muito e muito obrigada pelo 100 favs <33333333333333333333333 Esse é outro motivo pra eu estar postando.

amo vocês <3

Capítulo 16 - London, you have been bad pt. II


Fanfic / Fanfiction Snap-psg - Capítulo 16 - London, you have been bad pt. II

Etihad Stadium, Manchester

 

O túnel está lotado de crianças e pessoas tentando organiza-las em fila indiana, também seguranças da Securité e outros, árbitros e alguns jogadores. A cada momento mais jogadores chegam e observo Agüero cumprimentar uma criança. Desvio o olhar e vejo Cavani ali com sua cara de mau, todos estão completamente concentrados. Ibra vem acompanhado de Pastore e logo se organizam ali, alguns cumprimentam os jogadores do time oposto. Thiago parece ultra concentrado e estou completamente nervosa. Se o Paris perder, acho que meu coração vai parar.

Eu e Lara estamos paradas perto da saída. Ela esta tentando se acalmar com um pedaço enorme de plástico bolha na mão, e eu preciso fazer os bastidores no Snapchat, mas não consigo fazer um vídeo que preste de tanto que minhas mãos tremem, mas mesmo assim fiz os vídeos. Finalmente chegou a hora dos jogadores entrarem. Enquanto filmo eles saindo, percebo Agüero olhar sorrindo pra minha câmera e querendo ou não isso vai pra história do snap. Reviro os olhos e subo com Lara para a arquibancada, pois hoje não temos acesso ilimitado, e faremos tudo de lá do alto. Ouço o hino da Champions League tocar e rezo em silêncio para que tudo dê certo nesse jogo.

***

Levo as mãos ao rosto e começo a chorar. O jogo acabou e perdemos. Lara me abraça e chora também. Do alto posso ver que os jogadores saem de cabeça baixa, é uma decepção enorme. Nós merecíamos, muito mais do que eles! E ainda tivemos um gol arrancado de nós. Meu coração está apertado, imaginando como Zlatan está.
Descemos para encontrar nossa equipe e já na área de circulação encontro Lucas muito triste com o resultado, e imagino que todos estejam assim. O abraço rapidamente e ele agradece o apoio. Tento encontrar Zlatan mas não consigo, Lara foi falar com Kevin e eu estou até um pouco perdida nesse monte de gente. Fico na ponta dos pés, o que não é uma boa ideia de saltos altos, e alguém acaba esbarrando em mim, o que me faz praticamente voar de encontro ao chão, mas antes que isso aconteça alguém segura firmemente minha mão.

- Opa! Me perdoe! — o tão-branco-que-chega-ser-rosa De Bruyne me segura. Ainda não to legal pra sorrir pra alguém, ainda mais que ele fez o gol.

- Obrigada, eu que sou desastrada mesmo. — tento ser simpática, mas não consigo convencer muito.

- Bom… pela sua cara de choro e nem um pouco de ânimo pra falar comigo, acho que você torce para o Saint-Germain. — ele sorri sem graça e minha boca fica semi-aberta, e contraio as sobrancelhas, formando uma expressão que significa que fui uma cuzona sem necessidade.

- Desculpa, estou até sem graça de ser tão seca com você. É só a tristeza mesmo, mas eu sou mais legal. — ele sorriu e quando abria a boca para falar algo, Agüero pula nas costas dele, o fazendo tomar um susto, mas logo depois rir.

- Mas olha só, de conversa com o inimigo. — Agüero provoca e eu continuo com minha mesma face sem expressão.

- Não somos inimigos, apenas oponentes. Mesmo com essa sua cara de marrento eu não estou com vontade de matar você. — minto.

Eu estou com muita vontade de matar ele. Mantenho meu rosto sem expressão e ele arqueia as sobrancelhas, impressionado com a minha resposta.

- Se você não fosse tão bonita, até que eu te responderia a altura. — ele desdenha e reviro os olhos.

- Nunca chegaria aos meus pés. Bom, foi um prazer conhecê-lo De Bruyne, até mais. — estendo a mão e ele aperta a mesma, sorrio para ele e ele faz o mesmo.

- Não vai me dar tchau? — Agüero me olha perplexo e estende a mão.

- Só porque sou muito educada. Dizem por ai que brasileiros não curtem os argentinos. — ele sorri e pisca para mim, que continuo seria e aperto sua mão.

Quando iria me soltar, ele me puxou de uma vez e tropecei no meu próprio pé, fazendo com que eu caísse debruçada no seus braços. Ódio.

- Que caralhos está acontecendo aqui? — Ouço a voz furiosa de Zlatan atrás de mim e sinto medo sem ao menos olhar nos olhos dele.

- Só estava dando um abraço na minha amiga brasileira, sabe como é, argentinos e brasileiros fazendo as pazes. — Agüero diz irônico e eu me levanto, o afastando de mim com mais pressa o possível.

- Mentiroso, você me fez tropeçar para me apoiar em você.

- Cale a boca, Bárbara. Ande, não quero você aqui nesse lugar cheio de cachorros no cio. — O olho furiosa e ele mais ainda, saio dali rapidamente e ignoro qualquer palavra dirigida a mim.


Depois de buscar nossas malas no hotel, fomos direto para o avião. Voltar para Paris foi o único conforto no meu coração. Ainda não falei com Zlatan depois do comicho da zona mista, não o vi direito, só sei que todos estão muito calados e sérios. Lara foi dormir e eu ainda não consegui fechar o olho.
Levanto da cama e decido sair para tentar me distrair. Visto uma calça e uma blusa, pego um casaco e saio com o carro sem um destino certo.
A cidade nem parece a mesma de madrugada, é tranqüila, silenciosa, sem muito movimento. Meu celular toca e na tela aparece o nome de Zlatan.

- Olá… — atendo o celular e lágrimas me vêm aos olhos quando me lembro do jogo e do comicho.

- O que está fazendo dentro do carro em frente a torre? — olho para os lados assustada, procurando ele pela rua.

- Onde você está? — pergunto confusa.

- Aqui. — ele bate no vidro do carro e tomo um susto. Destravo a porta e ele entra.

Ele fica em silêncio por alguns minutos, e a única coisa que posso ouvir são as nossas respirações.

- Você não deveria estar dormindo, ou com Olívia aqui? — ele torce o nariz e balança a cabeça.

- Ela acha que estou dormindo. Eu precisava andar. — ele se ajeita no banco, o jogando para trás.

- Você veio andando até aqui? Está louco? E se alguém te assaltasse, ou sei lá, te seqüestrasse? — ele me olha com sua cara irônica.

- Eu sei me defender. Mas e você, o que faz aqui sozinha? — ele põe a mão na coxa e me olha.

- Eu não consigo sossegar. Eu só estou muito triste, não merecíamos perder aquele jogo. Eu estou tão revoltada que me dá vontade de raspar a cabeça daquele Agüero idiota. — ele ri e continua a me olhar.

- Quis bater nele, odeio aquela cara cínica dele. Sobre o jogo, agora não há mais nada a ser feito. — ele diz sério, mas sinto tristeza em sua voz.

- Eu só queria ver vocês campeões. Vocês merecem. — suspiro e recosto no banco.

- Eu também acho. Mas não se preocupe com isso. Eu ia falar com você mais tarde, mas já que estou aqui, que merda foi aquela? Você não pode se expor em uma zona mista. — Ele fala rígido. E com um pouco de raiva.

- Eu só estava…

- Não me interessa. Não faça mais aquilo, ou eu não me responsabilizo pelos meus atos. — ele aponta o indicador para mim e me irrito com isso.

- Pra começar, não me interrompa mais. Abaixe esse dedo ou eu quebro ele. Eu só ia dizer que estava te procurando, seu grosso! — ele continua com a mesma carranca e gira o corpo para o lado oposto do meu.

- Parecia mais que você estava gostando do tal abraço. — sua voz sai baixa e em um tom irônico.

- Sai do meu carro agora. — ele me encara com os olhos arregalados.

- Não entendi o motivo do seu chilique.

- Não vou ficar ouvindo você mandar indiretas para mim que eu estava me jogando para o Agüero no meu próprio carro. Anda, sai daqui. Eu já estou cansada das suas conclusões sobre mim. Não sou nenhuma vagabunda, muito menos estou atrás de macho. — ele continua me encarando sério. — Sai! — grito e ele se assusta.

Ele desce do carro e fecha a porta com força, o que me faz arrastar o carro cantando pneu.

 


Notas Finais


DON'T TELL ME YOU'RE SORRY CAUSE U NAH

https://www.youtube.com/watch?v=J3UjJ4wKLkg (musiquinha <3 riri deusa)

bom, é issaê minha gente. sabado tem mais meus bebês <3 Comentem muito <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...