História So far away - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Candice Accola, Joseph Morgan, The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Caroline Forbes, Klaus Mikaelson
Tags Candice Accola, Caroline, Klaroline, Klaus, Romance, The Originals, The Vampire Diaries, Tvd
Visualizações 62
Palavras 1.681
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello, essa é minha primeira Oneshot e também sou nova em escrever fanfics etc.
Essa história é uma narrativa de Caroline, que conta como foi sua história com seu verdadeiro amor.
A música citada é da minha banda favorita (Avenged Sevenfold- So far away)
Espero que gostem!

Capítulo 1 - Capítulo Único - So far Away


Fanfic / Fanfiction So far away - Capítulo 1 - Capítulo Único - So far Away

      Quem poderia acreditar que uma mulher tão simples fosse capaz de trazer a fera para a luz? E como se isso não bastasse, ambos se apaixonassem.

 

Quando me diziam que amor é uma fraqueza, eu achava tolice. Hoje em dia, vejo que por uma parte essas pessoas estavam certas. Amor... O que dizer sobre o amor? Quando o têm pode se dizer que é a magia mais poderosa de todas. Como se pudéssemos conseguir tudo e um pouco mais se em nosso coração houver o amor e a esperança.  Mas, e quando se é retirado todo o nosso amor? Perdemos toda a esperança e felicidade que algum dia teve. É como se outra parte de nosso coração fosse arrancado de nosso peito, restando apenas dor e sofrimento. 

How do I live without the ones I love?

(Como eu posso viver sem aqueles que eu amo?)

Time still turns the pages of the book it's burned

(O tempo ainda vira as páginas do livro queimado)

Place and time always on my mind

(Lugar e tempo sempre na minha mente)

I have so much to say but you're so far away

(Eu tenho tanto a dizer, mas você está tão longe)

 

Eu tinha acabado de me mudar para New Orleans, e como meu lugar favorito em todas as cidades que morei, decidi visitar primeiro o museu, de preferencia o de Artes. Solitária e completamente admirada, um quadro em especial chamava minha atenção. Não era uma pintura como as outras, esta havia conseguido tirar meu folego. Nela enxerguei a paixão que o autor tinha pelo seu trabalho. Aquela obra exalava total sensibilidade e criatividade.

As pessoas a minha volta não pareciam apreciar as obras ali expostas. Todas aparentavam estar sérias, com cara de nada fazendo absolutamente nada, sem expressão alguma, muitos nem olhavam para os quadros, ficavam teclando em seus celulares, falavam alto tirando a paz de qualquer um que quisesse apenas observar e relaxar. A cada dia que passa encontro mais gente assim. As pessoas de hoje não sabem apreciar o que tem ao redor, dão valor apenas às coisas materiais e assim acabam não vivendo. Isso é bastante triste. Gostaria tanto de abrir os olhos de cada uma e mostrar o que estão perdendo, mostrar como as coisas são esplendidas.

-Gostou do quadro? – pregou-me um susto. Que pecado tirar alguém de sua paz e concentração.

Olhei rapidamente para o moço que havia acabado de me atrapalhar e meneei a cabeça positivamente como resposta a sua pergunta. Começou então a falar ao meu lado. Eu não teria prestado atenção no que ele falava se não tivesse percebido que elogiava os quadros, os detalhes, como prestava atenção em cada obra do museu. Quando percebeu como estava sorridente com suas palavras, o ouço agradecendo por ter gostado tanto de seu quadro. Esse tempo todo eu estava falando com o autor da minha obra favorita desse museu? Oh, céus! Estava completamente apaixonada pelas pinturas, pelos detalhes e elogiei tanto aquele quadro para o homem que o fez. Agora que sei quem ele é fiquei tremula. Sentia-me como tivesse acabado de conhecer um ídolo, senti meu coração bater mais forte. Droga! Estava começando a fazer o que mais me irrita. Fui para o museu para observar cada detalhe que havia ali, mas agora estava admirando o autor de uma das obras mais criativas.

-Niklaus Mikaelson – se apresentou, se curvando e beijando minha mão. 

-Prazer... – minhas palavras sumiram. – Caroline Forbes.

Meus olhos pousaram nos olhos dele. De fato era uma pessoa admirável. Ele trajava um terno preto e permanecia olhando em meus olhos dando um sorriso fascinante, sem contar que seu linguajar era educável. Não tinha como dialogar com ele sem se encantar, e foi exatamente isso que aconteceu. Fiquei maravilhada por cada palavra, gesto e pela sua imensa beleza. Despertei-me de meus devaneios quando o vejo se despedindo, dando as costas e indo embora pelo imenso corredor. Era devastador o sentimento de achar que nunca mais o veria, o sentimento de vê-lo indo embora sem que eu pudesse fazer nada.

Encontramo-nos algumas vezes em exposições e museus de Artes. Até em peças de teatro costumávamos a nos esbarrar. Devo dizer que comecei a achar obra do destino, aliás, Klaus – como preferia ser chamado – tinha um ótimo gosto para peças, leituras, sem falar em como era um maravilhoso pintor. Desde a primeira vez que o vi senti meu coração acelerar descontroladamente. Seria ele o homem ideal para mim?

Niklaus Mikaelson, um homem cheio de mágoa em seu coração pelo fato de ter sido abandonado pela família e por ser odiado pelo próprio pai. Aqueles que mais deveriam ter lhe dado amor foram os que mais o fizeram sofrer. Sempre me perguntei que tipo de família faz isso com o filho. E quando ele estava quase sem esperanças, apareci para ajuda-lo. Conheci os mais profundos de seus segredos, até os piores sentimentos.

“posso não ser seu primeiro amor, mas eu pretendo ser o ultimo, levando o tempo que for” – mal sabe ele que é meu único amor. 

Lembro-me de quando me convidou para um baile. Quando dançamos levemente, tão próximos que pude sentir sua respiração. Rodopiávamos e dançávamos vivenciando cada pedacinho da musica. Aproveitávamos cada momento que tínhamos juntos, como se não houvesse o amanha.

 

      Quando adoeci, fiquei um pouco aliviada por saber que não era ele que estava doente. Não imaginava como seria minha vida sem sua companhia. Meio egoísta de minha parte, mas é a pura verdade.

Quem diria que eu, uma garota feliz, com uma vida calma e saudável, e com o namorado perfeito iria ter um problema no coração ao ponto de precisar de um transplante urgente.

As estações do ano passavam ficávamos cada vez mais apaixonados e as esperanças de ter um doador diminuía. Diferente de mim, Klaus sempre foi bastante otimista. Fazia planos para nosso futuro, fazia questão de me fazer pensar nas decorações do futuro casamento, comprou até uma aliança para nos casarmos quando eu melhorasse. Passeávamos, nos distraiamos, viajávamos e planejávamos próximas viagens, uma família pequena e uma pequena casa na praia.

No inverno enquanto observávamos as estrelas por um telescópio, senti meu coração acelerar, meu ar acabar e por fim, me vi desmaiando. Um momento que era para ser inesquecível se tornou uma péssima lembrança. Ele me pegou no colo e me levou até o hospital onde fui medicada. Tive que ficar hospitalizada. Era para eu me sentir solitária, mas Klaus nunca me deixou só. Acompanhou-me em cada momento, todas as noites segurava minha mão enquanto eu não dormia, e já que não gosto de hospital, sempre que eu tinha medo ou chorava por falta de esperanças, lá estava ele para me acalmar. Mesmo que eu não dissesse, cada dia que se passava eu estava cada vez mais preparada para dizer adeus. 

Era desanimador comemorar o aniversario no hospital. Fiquei boa parte do dia sozinha, pois Klaus queria me dar algum presente. Mesmo eu não querendo nada, necessitando apenas de sua companhia, ele me comprou um ursinho que eu amei e batizei de Klaus. 

Aquela semana foi uma das melhores que presenciei no hospital. Cada dia da semana recebi uma surpresa diferente. Na segunda, recebi o novo membro da família – o Klaus júnior -, na terça recebi minhas flores prediletas, na quarta assistimos o nosso filme favorito, na quinta fizemos uma playlist nossa, na sexta ele me deu um desenho meu. Até aquele momento tinha sido o melhor presente que já havia ganhado. No sábado, enquanto eu dormia, Klaus deixou na mesinha ao meu lado uma caixa de bombom, deu um beijo em minha testa e saiu me deixando dormir um pouco. Quando acordei, os médicos me deram a noticia de que encontraram um doador para mim. Eu queria esperar Klaus para dar a boa noticia, mas os médicos preferiram que contasse quando já estivesse com o novo coração. 

Ocorreu tudo certo, quando acordei não comi os bombons, mas havia uma carta ao lado.

“Caroline,

Espero que tenha gostado bastante dessa semana. Não era o que eu queria, pois eu queria muito leva-la para fora desse hospital, queria apresentar o mundo para você. Quando eu soube que seu estado estava cada vez pior me desesperei. Não queria perde-la. Estou muito feliz por ter conseguido um doador. Como eu disse você vai ficar melhor, vai ter uma pequena casa na praia e fazer inúmeras viagens.

Quando te conheci na exposição de meus quadros foi amor à primeira vista. Você se destacou no meio de tanta gente. Foi a única que entendeu aquela pintura, e quando olhei em seus olhos azuis enxerguei sua paixão por arte, enxerguei a pessoa amável que você é, e seu sorriso radiante me conquistou.

Queria te dar o melhor presente de aniversário. Um ursinho não era o que você precisava, por isso estou dando a você o meu coração. Espero que goste do meu presente, e quando se sentir sozinha saiba que estou com você a todo o momento, enquanto meu coração estiver batendo em seu peito. Agradeço por ter me feito feliz e agora estou te retribuindo.

Eu te amo.”

Will you stay?

(Você vai ficar?)

Will you stay away forever?

(Você vai ficar longe para sempre?)

Sentada na janela de meu quarto, ouvindo o doce som que a chuva faz ao cair, sentindo o cheiro de terra molhada que tanto gosto e até o cheiro do café sendo preparado me traz uma breve sensação de paz. Olhar para seus quadros tão bem pintados, parece até que foram feitos com a alma. Ler a carta que me mandou, ainda com seu cheiro. Tocar em meu peito e sentir seu coração batendo é indubitavelmente o gesto mais benigno que já fizeram por mim.

Sleep tight, I'm not afraid

(Durma bem, eu não estou com medo)

The ones that we love are here with me

(Aqueles que amamos estão aqui comigo)

Lay away a place for me

(Guarde um lugar para mim)

Cause as soon as I'm done I'll be on my way

(Porque assim que eu terminar estarei no meu caminho)

                      To live eternally                    

(Para viver eternamente)


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Prometo que na próxima não terá um final triste como essa 😭😭
Comentem o que acharam e me deem dicas de como posso melhorar para a próxima.
Tenham um bom dia\boa tarde\boa noite


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...