História So ist es immer, eu te amo. - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Tags Ereri, Romance, Yaoi
Exibições 134
Palavras 1.633
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Depois de uns bons dias, eis a continuação... Aqui voltamos com a narração do Levi. Boa leitura <3

Capítulo 6 - So Ist es Immer


Fanfic / Fanfiction So ist es immer, eu te amo. - Capítulo 6 - So Ist es Immer

Deixá-lo sozinho não era o meu maior desejo naquele momento, eu queria envolver seu corpo num abraço infinito, mas haviam coisas que precisavam ser feitas. Coisas que eu planejei com todo o cuidado na noite que Eren dormiu nos meus braços após todo o ocorrido com Erwin. Naquela noite em que o sono demorou a chegar pra mim, onde fiquei a maior parte do tempo o observando ali tão perto, tão meu, eu pensei em uma maneira de exteriorizar o meu sentimento por ele de uma forma simbólica.

Dirigi com calma até a joalheria que me indicaram e a adentrei indo em direção ao balcão. Eu havia desenhado a joia enquanto ele dormia naquela noite, um círculo de espessura mediana, ornamentado em todo o diâmetro com arabescos em relevo. Mostrei o desenho para a atendente que sorriu para mim.

- É uma bela joia. Presente para uma dama especial? – Ela perguntou com aquele tom obrigatório de vendedores.

- Não, é para o meu namorado. – Disse alto e claro para a moça que por uns instantes me olhou atônita.

- P-perdão é que eu pensei... Bom, temos alguns modelos semelhantes. Por favor, me acompanhe até o mostruário.

Segui a jovem atendente até o local e ela me apontou uma poltrona e pediu que eu me sentasse. Logo em seguida, a mesma trouxe vários modelos de alianças em uma bandeja e as colocou numa mesa para que eu pudesse escolher. Não foi algo que demorou pois assim que meus olhos se chocaram com aquela joia prateada, instantaneamente eu me lembrei dele. Do brilho de seus olhos, de seu sorriso e de como ele me fazia sentir.

- Eu quero esse. – Sorri para ela.

- O senhor tem as medidas? – Fiz que sim com a cabeça e entreguei a ela.

- Eu gostaria que algo fosse gravado na parte interna das joias, tudo bem?

Ela fez que sim com a cabeça, retirei uma caneta do bolso e escrevi no papel do desenho “So ist es immer, I love you”. A moça pediu que eu aguardasse por alguns minutos que logo retornaria com as joias prontas. Permaneci na poltrona pensando na frase do anel, uma música que Eren gostava muito por lembrar de sua infância na Alemanha junto de seus pais. O pai de Eren havia mandado sua esposa e seu filho para o Japão às pressas, logo após de terem adotado Mikasa e em seguida o Dr. Jaeger desaparecera. Alguns anos depois a mãe de Eren morreu em um acidente de carro, deixando ele e Mikasa completamente sozinhos.

Não sei quanto tempo fiquei perdido em devaneios do passado, mas fui desperto pela atendente que tocava meu ombro. Me levantei e ajeitei o blazer preto, a jovem me entregou a caixa negra de veludo. A abri e não pude evitar um sorriso ao ver as joias tão magníficas bem diante de meus olhos. A frase estava gravada em uma caligrafia perfeita. Paguei, agradeci pelo atendimento e dirigi de volta até o resort, deixei as joias escondidas no meu blazer e fui até o quarto.

(Música do trecho: Wicked Game – Cover by Marie Digby)

Entrei com cuidado e Eren dormia de bruços vestido apenas com uma cueca preta, as costas dele ainda estavam com alguns arranhões... Era inevitável não fazê-los, ele me deixava tão fora de mim. Me aproximei e fiquei por cima dele na cama, percorri suas pernas com beijos, quando me aproximei de seu bumbum deixei uma mordida forte nele e continuei o trajeto de beijos em suas costas.

- Eren... Acorde. – Sussurrei em seu ouvido e beijei carinhosamente seus lábios.

Ele despertou de um modo suave, como um anjo. Seus olhos verdes encontraram os meus e um sorriso tomou posse de seus lábios. Pousei uma mão em sua face a acariciando com delicadeza e me aproximei, beijando seus lábios lentamente, era incrível como nossos corpos se conheciam e conversavam entre si, numa linguagem tão única, tão própria. Eren inverteu a posição ficando por cima do meu corpo, assumindo o controle e entrelaçando nossas mãos.

- É uma ótima maneira de ser desperto... – Ele sorriu um pouco ruborizado e mordeu o lábio. – Você demorou... Já passou da hora do almoço, não almocei te esperando.

- Desculpa, eu realmente precisei demorar. – Sorri enquanto acariciei sua mão.

- Onde estava? – Ele disse num tom sério.

- Está com ciúmes, senhor Eren? – Não contive uma risada. Ele ruborizou totalmente e cruzou os braços.

- Claro que não... – Dessa vez sua voz assumia um tom mimado. O puxei fazendo com que se deitasse sobre mim e o abracei forte.

- Só existe você, Eren. Lembre-se disso. – Senti seus braços me envolverem de um jeito tímido. – Hoje à noite eu preciso de você livre pra mim, okay?

- Okay! – Nos olhamos por alguns instantes até que sua expressão transparecesse preocupada. – E quanto a Mikasa?

- Podemos voltar para Tóquio antes do esperado se você quiser, talvez amanhã. – Minha mão se entrelaçava ao cabelo dele. – Hoje eu realmente preciso de você.

- Tudo bem... – Ele sorriu.

(Música do trecho: Ultraviolence – Lana del Rey)

Eren se levantou e seguiu para o banheiro, aproveitei para esconder a caixa com as joias na minha mala. Adentrei o banheiro com um sorriso pousado ao canto dos meus lábios e o fitei de cima a baixo enquanto desabotoava minha camisa branca. Ele se virou de costas e me olhou por cima do ombro, sorrindo. Me despi completamente e o abracei por trás, deixando ambos embaixo da água quente do chuveiro.

- Está me provocando, Eren? – Mordi seu pescoço e pude ver sua pele se eriçar.

- Talvez... – Ele se virou de frente, entrelaçou sua mão em meu cabelo o puxando e me beijou ardentemente.

Sorri enquanto o puxava forte pela cintura e o colocava contra a parede, prosseguindo com o beijo. Eren gemia conforme os movimentos ritmados da minha mão em seu membro rijo. Me aproximei de seu pescoço e o mordi seguindo para sua orelha onde a contornei lentamente com a língua, ele estava com as unhas cravadas em minhas costas e me arranhava com um tom de provocação.

Eren deslizou uma mão pelo meu corpo até chegar ao meu membro e agarrou-o, sua mão era macia, delicada, seus movimentos me faziam delirar de um jeito que nunca vou saber explicar. Tudo que ele me causava até mesmo quando me olhava e sorria, seus gestos carinhosos, sua capacidade de me surpreender a cada minuto, eu amava tudo nele.

- Aahn... Eren, eu vou... – Mordi o lábio com força e deitei a cabeça em seu ombro. Senti o membro dele pulsar e sua respiração ficou mais ofegante. – Aaaahn...

- L-Levi, eu... aaaahn... – Viemos ao ápice juntos, nossa voz unida num gemido e em seguida, o coração acelerado, o corpo trêmulo. – Eu... te amo...

- Eu te amo, Eren. – Coloquei uma mão em sua nuca e o olhei sorrindo.

Terminamos nosso banho regado a sorrisos despreocupados e beijos que não podiam mais esperar. Me troquei e sentei na cama para secar meu cabelo, Eren sentou atrás de mim, pegou a toalha de minhas mãos e com uma delicadeza angelical secou meu cabelo e penteou o mesmo. Eu não conseguia acreditar em quanto tempo perdi, o que o medo me fez perder. Todos esses sorrisos e essa felicidade que ele me proporcionava eu não iria encontrar em nenhum outro lugar, fico pensando se outros homens também estão dominados pelo medo, queria poder dizer a eles que buscassem alguma maneira de se declarar, porque o amor vale muito a pena.

Já era tarde quando saímos para almoçar no restaurante, aquele tal de Erwin estava em uma mesa mas ao nos ver ele simplesmente fingiu que não nos conhecia, fiquei aliviado. Eu me sentia livre, me sentia flutuando, almoçamos, trocamos olhares, acariciamos as mãos um do outro sem medo de julgamento ou qualquer outra asneira, porque não nos importávamos mais com isso, apenas queríamos viver totalmente nosso sentimento.

(Música do trecho: The Scientist – Fingerstyle cover by James Bartholomew)

A noite caiu lentamente, uma brisa gelada percorria por todo o resort. Voltamos ao quarto, nos preparamos para o encontro e levei Eren até o nosso lugar. Eu havia reservado a última onsen que era rodeada por belas roseiras e dela a vista do horizonte era maravilhosa, uma natureza exuberante, o cenário perfeito para aquela noite. O jantar estava disposto numa mesa ao lado da onsen, juntamente com velas vermelhas que iluminavam o local brandamente.  Ele olhava tudo boquiaberto, os olhos brilhavam como uma criança que acaba de ganhar um brinquedo novo.

- Levi... Está tão lindo aqui! Você fez isso tudo... Pra mim? – Ele me perguntou timidamente. Me aproximei, segurei sua mão, o guiei até a mesa e ele se sentou.

- Sim. Na verdade, tem mais coisas... Mas primeiro, nosso jantar. Itadakimasu?

- Itadakimasu – Ele riu e parecia tão leve, como se nada fosse tirá-lo dali.

Comemos, conversamos, rimos... No mundo não existia ninguém além de nós dois e eu não poderia me sentir diferente, a felicidade transbordava. Me levantei, fui em sua direção, acariciei seu rosto, peguei sua mão e coloquei sobre meu peito para que ele sentisse meu coração que batia acelerado.

- Levi...? – Ele sorriu novamente.

Me ajoelhei perante ele, peguei a caixa de veludo no bolso do blazer e a abri revelando as joias. Ele ao vê-las levou as mãos à boca e balançou a cabeça enquanto as lágrimas lhe cobriam a face e um sorriso lhe enfeitava o rosto. Não consegui conter as minhas próprias lágrimas, minhas mãos tremiam pois diante dele eu me tornava totalmente vulnerável. As lágrimas desciam pelo meu rosto ritmadas com as que molhavam o rosto dele, feito chuva fina e tímida. Respirei fundo e sorri olhando no fundo da imensidão verde de seus olhos.

- Eren, você aceita se casar comigo?


Notas Finais


Meus amores eu peço desculpas por ter demorado tanto, eu não pretendo abandonar a fic é que eu estive muito ocupada com curso técnico, ENEM, estágios... Foi difícil mas eu consegui! Estarei postando outros cap essa semana pra compensar a demora! Espero que apreciem <3 beijinhos da Tia Beez :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...