História Só um acordo - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~BellaNaty

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags 5 Seconds Of Summer, 5sos, Clifford, Michael, Romance, Só Um Acordo
Exibições 105
Palavras 2.621
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OE!

Nossa faz um tempinho né. Kkkk.

Voltei com mais um capítulo, e dessa vez tem Kissu kkkkkk

Vejo vcs lá embaixo!

Capítulo 8 - Kissu


Jen's POV

- Eu me preocupo com ela. - disse pra Mike enquanto andávamos para uma máquina de algodão doce.

- Ela vai ficar bem, Jen. - Mike me convenceu. Nós paramos em frente a maquina.

- Espero. - disse. Ele pegou um algodão pra mim e um pra ele.

- Acho que tem haver com o Luke. - Mike disse mordendo seu doce.

- Depois eu resolvo isso. - disse e ele assentiu.

- Quer ir em outro brinquedo? - perguntou e eu balancei a cabeça em positivo.

Ele puxou minha mão me levando pra um Rock' Roll, que é o meu brinquedo preferido e nós entramos, despertando vários olhares pra cima de mim. Não estava muito ligando pra isso, o único pensamento que eu tinha era o sorriso infantil e puro de Mike.

Acho que andar em lugares agitados, repleto de brinquedos, nos fazia voltar algumas fases adolescentes. Mike era o único que me fazia voltar a sonhar e esquecer que eu tenho milhares de coisas a fazer.

- Jen, vamos? - Mike segurou minha mão. Nem tinha notado que estava emplacando a fila.

- Desculpa. - eu falei rindo e acabei arrancando uma risada do funcionário.

Mike e eu entramos em um dos lugares colocando o cinto e as barras de proteção.

- Ansiosa? - perguntou.

- Não, já vim demais nesse brinquedo. - disse e ele riu balançando a cabeça.

- Eu não, se importaria de segurar minha mão? - ele perguntou malicioso.

- Não, bebê. - disse tentando zoar ele, mas saiu como um apelido sensual e ele sorriu malicioso pra mim. - Para de me olhar assim, Gordon!

- Não me chama de Gordon, bebê. - ele revidou.

- Besta. - disse rindo com ele. Ele apertou mais minha mão e sorriu pra mim. Foi quando o brinquedo começou a correr. Mike apertava bem minha mão, acabei sentindo uma pontada de dor leve, mas não foo nada grave. Ele tinha mãos firmes até, firmes o bastante pra segurar uma mulher pelos quadris.

Ai, caramba! Quando foi que esses pensamentos perversos voltaram?

O brinquedo atingiu uma velocidade rápida e Mike praticamente me olhou rindo como uma criança boba. O capuz do brinquedo foi fechado e ficou um escuro por dentro.

E foi quando nossos olhares se trocaram, ele me olhou no fundo dos olhos, acabei me entregando ao encanto do olhar dele. Era profundo, ele olhava lá dentro de mim, como se ele quisesse saber como eu era por dentro.

Na minha cabeça tudo estava em câmera lenta, mas eu sei que aquilo não passava de meros segundos, os segundos mais hipnotizantes da minha vida.

Foi quando ele se inclinou, e eu, por conta própria, decidi não recusar aos carinhos dele. Eu sei que esse beijo vai significar muito pra mim, afinal esse garoto de olhos verdes e cabelos coloridos me dominam como se eu fosse uma simples boneca que ele manipula apenas com um olhar. Nunca me senti tão hipnotizada, tão atraída a tentação e eu não sei mais o que vou fazer quanto à isso.

Ele segurou meu rosto com as mãos, empurrando todos os meus pensamentos de insegurança, e selou nossos lábios. Os lábios dele eram simples, um pouco tímido, mas demonstrando curiosidade, ele queria mais que um selinho. Foi quando pediu passagem e eu, sem pensar duas vezes, permiti sua língua acariciar cada canto da minha boca.

Ele necessitava disso, e eu mais ainda, nem sei o que está acontecendo conosco, mas eu gostei dessa nossa dúvida coletiva. Ele beijava bem, sabia como me deixar quase implorando pela boca dele. Mordeu meu lábio inferior tentando interromper o beijo.

- Jen...

- Shh. - eu interrompi ele voltando a atacar os lábios dele.

Era eu a sedenta, a que queria explorar mais desse garoto. A forma como ele pousa suas mãos em minha cintura só provam o quanto ele está adorando essa situação. Ele deixou minha boca pra beijar meu rosto querendo descer para o pescoço.

Tenho que parar isso antes que ele se empolgue demais. 

- Mike. - disse puxando sua cabeça pelos cabelos e ele pareceu gostar disso. Parece que ele gosta de tudo que eu faço com ele.

- Você é uma estraga prazeres. - ele disse se afastando de mim.

- Não sou e se comporte. - disse e ele riu.

- Jen.

- O que? - dei atenção.

- Você gostou? - ele perguntou e eu apenas ri da curiosidade dele.

Me recuso a contar pra ele.

Eliza's POV

Não estava querendo aceitar que Luke fez mesmo aquilo porque me odeia. Afinal, o que eu fiz pra ele? Além de ser uma boba com aquele merda punk idiota! O trouxa que eu faria tudo se ele me pedisse de forma meiga, mas ele não pede e eu faço mesmo assim. Eu sou uma besta, idiota, super sensível e inocente.

Eu sei que mereço coisa melhor, mas não dá, é por ele que eu me apaixonei e nem eu entendo como fui fazer isso com minha vida. Jen tem sorte de ter o Mike, ele adora ela, mas Luke me odeia, e nem eu sei o motivo.

Eu saí do parque correndo até uma lanchonete e enxugando minhas lágrimas, queria esfriar a cabeça. Entrei num estabelecimento me sentando em uma cadeira. Logo uma garçonete veio até mim.

- A senhorita deseja alguma coisa? - ela perguntou.

- Um salgado de frango e um refrigerante. - pedi e ela anotou numa caderneta voltando para o balcão.

Fiquei batendo os dedos na mesa nervosa, vez ou outra roía as unhas e sempre ligava a tela de meu celular. Eu estava nervosa, ansiosa, confusa... Eu não sei.

A mesma moça voltou com o salgado e eu comi rápido o salgado pensando no porque o trouxa do Luke me odeia.

Eu sou tão ruim assim? Duvido, eu apenas sou uma garota muito sincera, eu não me faço ser uma coisa. Eu sou assim, espontânea, elétrica, hiperativa e essa é minha vida, Jen me ensinou a aceitar isso e não ser o que não sou. Ela também aprendeu isso, por isso hoje muita gente tem respeito por ela, é bem autoritária. 

Terminei de comer o salgado rápido, eu praticamente virei o copo de refrigerante, não conseguia comer devagar quando estava ansiosa.

Me levantei indo até o balcão e pagando o que tinha comido. Me retirei daquele local com o propósito de voltar pra casa, não queria ficar mais nenhum segundo longe de casa.

Acabei chamando um táxi esperando no ponto, e nesse meio tempo eu acabei sentindo um mal estar, minha barriga doía muito, como nunca doeu antes. Decidi que era melhor ir à um hospital, estava muito mal. Entrei no táxi já afobada querendo ir direto à um hospital.

- Para onde, senhorita? - o motorista perguntou.

- Para o hospital mais próximo, por favor. - pedi.

- Ok. - ele disse já começando a dirigir.

Jen's POV.

- Jen, me responde. - Mike disse andando comigo pelo parque.

- Mike, eu não vou responder, fim de papo. - disse e ele me empurrou rindo da minha cara.

- Você gostou do beijo. - ele disse rindo.

- Cassete, Michael, para de me perguntar isso, parece um adolescente chato. - disse arrancando outra gargalhada dele.

- Então vamos agir como adolescentes chatos. - ele me colocou nos ombros dele e passou a andar comigo pelo parque.

- Me solta, Clifford! - berrei fazendo ele rir.

- Não até acharmos o Luke. - ele disse e eu desisti.

- Por core, que Luke apareça rápido. - lamentei e Mike riu de mim.

- Suas coxas são bonitas. - ele comentou.

- Para de elogiar meu corpo! - disse batendo nas costas dele. - E não olha pra minha bunda.

- Você está de costas pra mim, acha mesmo que vou te obedecer? - ele perguntou e eu me dei por vencida. - É brincadeira, não te desrespeitaria dessa forma.

- Obrigada. - respondi.

- Mas mesmo assim, que traseiro, em!? - ele disse arrancando gargalhadas minha.

- Nunca viu uma mulher não, Mike? - perguntei. Ignorei completamente os olhares pra mim e pra ele.

- Vi apenas garotas, mulheres não. - ele me respondeu. - Você é meio pesadinha.

- Para de me chamar de gorda! - reclamei dando um soco nas costas dele.

- Não estou te chamando de gorda, é só que você não tem 1,50m pra pesar trinta quilos. - ele riu. - E pra falar a verdade, você é...

- Gostosa? Sei disso, meu bem. - disse e ele riu de mim.

- Você não existe, Jen. - ele me colocou no chão e me puxou pela cintura colando nossas testas.

- Michael...

- Eu não vou te beijar, calma. - disse ele. - Você mexe comigo.

- Eu mexo com todo mundo. - disse e ele ficou meio pensativo.

- Jen...

- Eu saio alguns minutos e volto já como vela. - Luke reclamou comendo pipoca. Larguei do Mike escutando um resmungo do mesmo.

- Que bom que chegou. - disse e ele arqueou uma sombrancelha.- Temos que ir pra casa, Iza estava chorando.

- Frescura. - Luke disse revirando os olhos.

- Vamos. - eu chamei.

(...)

Era pra eu estar em direção o caminho de casa, mas eu recebi uma ligação da Eliza dizendo o que ela estava no hospital e sem pensar duas vezes eu fui em direção do hospital em que ela disse que estava.

Estacionei o carro e praticamente empurrando Luke e Mike do carro. Tranquei o carro e saí correndo pra recepção com os outros dois logo atrás de mim. Eliza estava sentada numa das poltronas e eu corri até ela. Eu a abracei quando ela se levantou.

- Eliza. Você está bem? - perguntei.

- Estou sim, é só uma intoxicação alimentar. - ela disse. - Eu quero ir pra casa, Jen.

- Ta bom, a gente já vai. - disse. - Mike vem comigo pagar o consulta dela.

- Ta, Ok. - Mike me acompanhou e eu deixei Luke e Eliza lá.

Eliza's POV

- Você não cansa, né? - Luke me perguntou irônico.

- Do que? - perguntei inocente.

- Você sabe, ficar fazendo drama pra sua irmã te dar atenção. - ele disse.

- Eu não estou, passei mal com uma coisa que comi. - disse calma. Eu não gostava de brigar nem de falar alto com ele.

- Ah, claro. - ele disse irônico.

- Olha aqui o exame. - disse mostrando pra ele o papel.

- Como se você não pudesse ter dado no consultório pro médico re dar um exame falso. - ele disse. Ninguém nunca falou isso pra mim, e pra que eu daria pro médico pra ele me dar um exame falso?

- Luke, eu nunca faria isso.

- Ah claro que não. - ele disse. - Eu sei que você é muito carente e faria de tudo por atenção.

- Eu sou bem carente mesmo, mas eu não faria isso. - disse fechando a cara pra ele. - E você é um idiota, sempre me ofende e me machuca, não sei qual é o seu problema. - disse com os olhos marejados.

- Você é uma vadia nojenta e enjoada, é grudenta demais, por isso te detesto. - ele me ofendeu com o rosto perto do meu.

- Nem sei porque eu fui gostar de você. - disse chorando.

- Eliza, eu sou Luke Hemmings, eu sou tudo! Eu tenho todas aos meus pés! Inclusive você, chiclete! - ele se exibiu. Luke comigo era tao esnobe, eu não sei o que se passava na cabeça dele, mas com certeza era bipolaridade.

- Fora seus olhos azuis, não tem mais nada do que salvar, você é um lixo! - xinguei sentindo minhas lagrimas se intensificarem. Ele segurou firme em meu braço e me puxou meio brusco.

- Repete isso na minha cara! - ele apertou meu braço. Poxa, tava doendo.

- Ai, Luke, ta doendo. - choraminguei tremendo a boca.

- É pra doer mesmo, sua idiota dengosa! - ele disse mau em meu ouvido. - É por isso que você nunca vai ter o meu respeito, porque você é chata e tudo você quer chorar! - ele disse me fazendo soluçar.

- Você ta me machucando de propósito. - disse com a mão no peito dele e ele olhou pra minha mão. - Por favor, me solta. - pedi olhando em seus olhos.

- E se quiser apertar mais? - ele apertou mais me machucando.

- Por favor, me solta, eu não vou mais te incomodar, eu só quero que você me solte. - pedi enxugando minhas lágrimas.

- E porque quer que eu solte? - ele perguntou.

- Porque ta doendo muito. - chorei olhando pra ele nos olhos. - Por favor, não me machuca. Dói muito Luke, você é muito forte e eu sou bem menor que você. - olhei pra baixo soluçando.

- Desculpa. - ele disse largando meu braço aos poucos. Eu levei minha mão até o local tentando amenizar a dor ali, mas eu piorei.

- Ai. - gemi baixinho em meio ao choro.

- Eliza, eu... - ele tentou dizer, mas não saía nada da boca dele.

- Eliza? O que foi, mana? Porque está chorando? - Jen perguntou. Olhei pra Luke que me olhava com um olhar de culpa e arrependimento.

- Não é nada, eu bati o braço num lugar e machuquei. - disse e Luke me olhou surpreso.

- Ah, tudo bem, em casa resolvemos isso. - Jen disse. - Vamos pra casa?

- Vamos, e Luke pode ir daqui, né? - Mike perguntou.

- Sim. - Luke disse. - Até mais Jen, Mike e Eliza. - ele me olhou meio cabisbaixo, mas saiu.

- Vamos, Eliza. - Jen me puxou.

Jen's POV

Já em casa, nós resolvemos ir pra cama e eu disse que os dois iriam pro colégio no outro dia. Eliza foi dormir cedo, Mike foi tomar banho e eu peguei meu notebook indo para o quarto, tinha que compensar hoje.

Escutei o chuveiro desligando e Michael saiu do banheiro. Eu continuei digitando sem prestar muita atenção nele. Tinha muita coisa pra fazer, e eu não podia me distrair assim.

Escutei dois toques na porta.

- Jen. - Mike me chamou. Um sorriso brotou em meu rosto.

- Entra, Mike. - pedi. Ele abriu a porta e meu coração acelerou quado vi ele apenas com uma calça moletom preta e sem camisa. Ele era simplesmente lindo, e eu não sabia se ele tinha feito de propósito, mas eu gostei.

- Desculpa por hoje. - pediu colocando as duas mãos nos bolsos da calça. Eu tirei meus olhos dele e prestei atenção em suas palavras.

- Pelo o que? - perguntei voltando minha atenção para a tela na minha frente.

- Pelo beijo de hoje. - ele se sentou ao meu lado.

- Não sei se posso desculpar, você quis avançar em meu pescoço, isso foi um tanto atrevido. - disse e ele me olhou surpreso. Eu devolvi o olhar esperto e com um sorriso. Ele entendeu que eu estava apenas brincando.

- Bom, então o que posso fazer pra me redimir, Monroe? - ele perguntou me olhando no fundo dos olhos. Afastei o notebook de mim e coloquei pro lado.

- Isso. - puxei ele pelo pescoço lhe dando outro daqueles beijos de tarde. Ele me beijou com as mãos presas em minha cintura, ele terminou mordendo meus lábios e me olhando nos olhos.

- Desculpe. - ele disse se afastando.

- Tudo bem. - disse sorrindo.

Ele saiu do meu quarto me deixando ali com um sorriso no rosto.









Continua...


Notas Finais


MIKE, LOVE YOU! ❤

Comentem sobre o capitulo e esse Luke sádico e filho da mãe!

Até o próximo capitulo! Bye bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...