História Sob o Mesmo Teto - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Candice Accola, Justin Bieber
Exibições 120
Palavras 2.248
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá Jamae e Noonas <3
Gente você não sabem o que me aconteceu, to puta aqui.

Já expliquei pra minha querida Trevosa (trevuda kk) o que houve mas vou falar de novo pra vcs.
Oh Shit! Gente eu fiz tudo aqui no site para postar cap novo e o que acontece?
A net cai, deixei minimizado para quando a mesma voltar recarregar e postar de boas o cap novo. Sai e quando voltei minha irmã tinha tirado tudo, fiquei louconaaaaa.

Sério minha irmã tá um saco gente! Até agredindo minha mãe ela tá, meu pai deu uma surra boa nela e ela ainda disse que adorou as tatuagens e que queria mais. Sério, ninguém está aguentando ela! Affz, gente minha vida seria uma merda se fosse olhar uns fatos que nela acontece, mas sério, sou tão abençoada que sou muito feliz apesar de tudo, tenho vcs, tenho minha mãe <3, meu pai ultimamente não vem sendo um pai em questão de afeto e presença, ele só trabalha e faz besteira, no final eu sou magoada, só que agora eu levo isso como imaturidade dele e não choro mais, apenas levo na brincadeira. Acho que é meio complicado porque digamos que ele foi privado cedo da liberdade, se casou muito jovem porque eu fui gerada. É claro que se ele está assim não é culpa minha, não sou tola de pensar assim até porque não pedi pra nascer, nem ser gerada, e amo minha vida e meus pais, mas agora ele não sabe lidar muito com minha adolescencia e nem com o estresse.
Eu sou uma adolescente calma, não gosto de festa, apenas vivo lendo, estudando, escrevendo, escola e igreja, mas ele tem umas brincadeiras infantis com minha irmã que tem retardo mental ( sério não é brincadeira, minha irmã tem 12 anos e se porta como se tivesse 6) e eu não gosto das brincadeiras, gosto de silencio, musica classica, hip hop coreano, hap americano, mas eu não vivo escutando alto, é tudo quieta, gosto de musicas eletronicas, pop, tudo internacional e ele me xinga por isso, ele quer me ver como minha irmã, fala que eu vou sofrer na vida pq não brinco com ele da forma que ele quer. Vei as vezes ele é um saco, mas nem sempre foi assim! Bom chega de conversa bora para fic.

Eu falo de mais Senhor kkkkk

boa leitura, desculpe os erros!

Capítulo 16 - Diga que é recíproco!


_ ... então, vamos apenas aproveitar cada momento dessa grande festa. Agradecemos a presença de todos e para finalizar, proponho um brinde em honra a nossa tal almejada Centro Universitário. – Vivian terminou de fazer seu discurso, tenho certeza que durou bem mais que quarenta minutos. Foi emocionante confesso, as palavras foram simplesmente magníficas, dignas de uma aluna como Vivian era.

Levantamos nossas taças com Vinho Branco, importado diretamente de Champagne, França. Vi Campbell sair do palco sendo aplaudida, vi um homem, vulgo diretor geral abraça-la e em seguida, vi o Finick se levantar e ir ao teu encontro. Ele estava sendo cavalheiro? Ah, sim estava, isso era obvio. Mas e eu? Eu estava sendo um completo idiota com minha acompanhante. Queria isso tudo acabasse logo.

Tudo por sua culpa imbecil, custava ter dito um não educadamente?

Ah sim, eu acho que custava! Eu e esse meu coração de merda! Aquilo era irritante, ver toda aquela façanha de príncipe encantado que  Finick estava montando. Argh!

(...)Me levantei, percebi a tensão que Vivian emana, as mãos suadas esfregando a todo momento no vestido, o semblante preocupado, os sorrisos amarelos, a mão direita a todo momento puxando alguns fios de cabelo na nuca. Sempre que estava nervosa de mais fazia isso, era como um tique nervoso. Isso para mim era um charme! Admirava até isso nela, céus, o que está acontecendo comigo?

Eu iria até ela, queria acalma-la, dizer que iria se sair brilhantemente bem no discurso, eu sabia de todo seu esforço, percebi as noites que passou em claro reescrevendo, ou completando todo esse discurso... Me aproximei, mas não tão rápido quanto o intruso á cinco passos em minha frente. Vi Finick selar sua testa, depois de envolver seus braços na cintura da mesma. Por que ela não se esquivou? Por que tanta aceitação assim? Por que comigo, sempre fora ações negativas? O que eu tinha de errado?

Voltei ao meu lugar e me sentei, logo recebendo um sorriso de Mabel. Tão inocente... (...)

_Justin, você está bem? – Saí de meus malditos devaneios ao notar que Mabel me olhava confusa. Estalando os dedos em minha frente e com uma mão na minha coxa direita, perto de meu membro, então eu a olhei e quê? Deus, o que é isso? Ela só podia estar de brincadeira! Puta que pariu, Justin, você está com uma garota linda ao seu lado, 'mó' insinuada e você age como se fosse uma garotinho virgem.

Olhei para a mesma e depois para sua mão, a mesma notou e não tirou. Acho que era a bebida, cadê a garota tímida e comportada?

_Sim, estou e você? – digo olhando para sua mão. Segundos depois ela tira a mão, acho que suei um tom indiferente com a mesma.

_B-bom, na verdade estou com muito calor, parece que eles pararam de servir bebidas para o momento da dança. – Mabel respondeu. Olhei para minha frente e não vi Vivian e nem o garoto, olhei para o lado e nada de Sam e Kath. Foi só aí que notei que só estavam Mabel e eu no salão de mesas.

Droga! Mancada Justin, mancada!

Me levantei de supetão e peguei a mão de Mabel, senti um leve cambalear da parte da garota, mas não me dei ao trabalho de perguntar se a mesma havia bebido muito. Na verdade era fato isso, ela não faria nada do que fez se não com umas boas doses de álcool. Levei a mesma até o salão e danças e notei uma musica lenta invadir meus ouvidos.

Talvez eu achasse cômico tudo aquilo, só talvez! Segurei na cintura de Mabel e a virei, posicionando-a em minha frente. Coloquei seus braços em volta de meu pescoço e segurei sua cintura, então lentamente comecei passos, seguindo a melodia da música. 


 

Were you really surprised

When she left all your memories behind

She never said she was hurting

But what girl means it when they say they're fine?


 

And she's crying

And she's dying for you to take her home

And she doesn't want space, she just wants to be chased

And for you to show her she's not alone

 

(Você ficou realmente surpreso

Quando ela deixou todas suas memórias para trás

Ela nunca disse que estava doendo

Mas que garota admite, quando diz estar bem?

 

E ela está chorando

E ela está morrendo para que você possa levá-la para casa

E ela não quer espaço, ela só quer ser perseguida

Para você mostrar que ela não está sozinha. )

 

Por um momento, mesmo mínimo que fosse, prestei atenção nas letras, nos versos cantados e comecei a identificar algo. Girei Mabel com lentidão e meu olhar foi de encontro ao de Vivian, não muitos casais a minha frente, dava para vê-la me fuzilar, com um olhar indecifrável. Ah como queria ser mais esperto, para poder saber ler as legendas das mulheres, são tão complicadas! São incógnitas, no quais os grandes mestres esqueceram de nos ensinar a desvendar enquanto mofávamos nas salas de aulas.

Correspondi seu olhar e continuei meus passos, assim como ela.

So don't wait and let her go

Cause I don't want to be the one

Who has to say, I told you so

I told you so

 


 

Of course she wants attention cause you never mention

How much she means to you

It shouldn’t be news that she wants to be important to you

So don't play the fool


 

She's crying

And she's dying for you to take her home

And she doesn't want space, she just wants to be chased

And for you to show her she's not alone


 

But you already know that so why are you sitting back

And waiting for her to change her mind

And telling yourself it'll be just fine

When you know I'm right

 

(Portanto, não espere e não a deixe ir

Porque eu não quero ser aquela

Que tem que dizer, eu avisei

Eu bem que avisei

 

É claro que ela quer atenção porque você nunca diz

O quanto ela significa para você

Não deveria ser novidade saber que ela quer ser importante para você

Então não banque o idiota

 

Ela está chorando

E ela está morrendo para que você possa levá-la para casa

E ela não quer espaço, ela só quer ser perseguida

Para você mostrar que ela não está sozinha


Mas se você já sabe, porque ainda está sentado
Esperando ela mudar de ideia

E dizer a si mesma que está tudo bem

Quando você sabe que estou certa)

 

 

Droga! O que essa musica está dizendo? Olhei para o vão e depois encarei Campbell novamente. Será que ela queria que eu a levasse embora, que falasse do quão importante ela é pra mim?  Senti alguém cutucar meu braço, me virei e olhei para a pessoa que me cutucou.

_Será que nem com uma dica dessa você se toca Bieber? – era Kath, seu semblante era de tédio, me olhava como se eu fosse o cara mais tapado do mundo _ as vezes eu acho que sim_ . – De verdade, eu não quero ser aquela que vai te dizer; eu bem que avisei. – falou e eu me toquei, sim era isso! Olhei para Mabel que me olhava confusa.

_Desculpa Mabel, por favor não me odeie! – foi o que eu disse antes de tirar seus braços de volta de meu pescoço, me afastar dando um último olhar pra Kath que sorria. Caminhei até os dois, não sentia nenhuma sincronia entre ambos. – Com toda licença Finick, acho que já é hora de devolver o que é meu, não? – falei com um sorriso ameaçador confesso, segurei a mão e Vivian e saí puxando a mesma dalí, sem dar explicações, sem me importar com a cara de bunda de Finick, os sorrisos de Kath e Sam, os olhares curiosos, os protestos de Campbell, com o olhar de decepção de Mabel e principalmente, sem me importar com a porra do mundo! Eu só queria nesse momento, ficar com Vivian e soltar logo a droga desse sentimento que está preso em meu peito.

Sentimento que neguei sentir, que neguei acreditar que era existente em mim. Um ou dois copos de álcool, não foram capazes de tirar minha lucidez, mas confesso que ele me deixava mais confiante. Saí para fora daquele lugar e pedi minha chave dando a senha.

_O que está fazendo Bieber? – ela perguntou e finalmente dei ouvidos. Acabe rindo de sua expressão.

_Vou te levar pra casa! – foi simples o que disse. Peguei as chaves e meu carro, abri a porta para Vivian que protestou, sempre a recusa de entrar. – Porra Vivian entre nesse carro! – falei e ela apenas o fez. Ué, é só usar palavrão? Aff que pensamento imbecil Justin!

Adentrei meu veiculo e dirigir rumo a nossa casa. ‘Nossa’, era bom se referir á algo de ambos, referir algo como se fossemos um casal, e seriamos, eu só preciso de um....sim!

O caminho foi silencioso, ela não parecia tão incomodada agora, tudo que eu queria era chegar logo em casa, eu não tinha noção do que iria fazer, mas que eu não a decepcionaria eu tenho certeza, disso eu tenho plena certeza!

Estacionei na garagem, no subsolo do prédio.

_Justin, me explica o que está fazendo? – ela tinha o semblante serio agora, muito serio. A peguei desprevenida e joguei em meu ombro esquerdo. – droga Jus me solta! – riu baixo, com a mão livre fiz cócegas nela e comecei andar – para p-por fa-avor! – ria sem parar e eu estava entrando na onde, sua risada era contagiante.  

_Olá Jensen! – falei em meio riso e o mesmo sorriu olhando confuso. Peguei o elevador e vi a vizinha lá dentro. Caramba, que chato! Foda-se! _ Eu to xingando de mais hoje, o que umas gostas de álcool não fazem?_ Olá Anabeth.

_Olá? – perguntou respondendo. Continuei a fazer cócegas em Vivian e ela gargalhou alto dando murros fracos em minhas costas. – ela está bêbada? – perguntou e eu cessei as cócegas.

_ Não! Um homem agora não pode pegar a namorada, jogar nas costas e fazer cócegas? – perguntei um tanto sarcástico. Ela me olhou como se estivesse sendo intimidada. Gostei!

_Estão... namorando?

_Sim, não pode vizinha? – foi a vez de Vivian falar, em sua voz havia gozação. Caramba ela aprende rápido! As portas se abriram e eu sai com pressa até a porta de nosso apartamento, deixando no ar um hm de Ana. Coloquei Ivy no chão e abri a porta, finalmente entramos, fechei a mesma e olhei Vivian, que me olhava sorrindo, como se esperasse algo. Fodeu! – então? Eu estava gostando de mais de minha festa sabia? – cruzas os braços e novamente fecha o cenho.

_Me engana que eu gosto! Eu te tirei de lá, porque sua cara de tédio estava me entediando! – falei e ela revirou os olhos. E virou de costas – te tirei de lá porque não estava mais aguentando você com aquele Finick, te tirei de lá porque notei o quão estúpido fui em ter coragem de aparecer lá com outra pessoa que não fosse você, te tirei de lá Ivy, porque aquela música lavou minha cara, digo em termos de sermão, te tirei de lá porque foi lá que percebi que fui idiota o suficiente para não ter tido coragem de te ter de chamado para conversar ou assistir um filme quem sabe, quando você estava se afastando, te tirei de lá porque percebi o que eu estava sentido, te tirei de lá Campbell porque eu não queria que naquele momento todos soubesse que estou apaixonado por você, te tirei de lá porque queria quês de primeiro só você ouvisse, te tirei de lá, porque agora percebi o quão importante é pra mim e o quão fui tolo em tentar esconder isso. – disse por fim e vi seus braços se desfazerem, seus ombros se relaxarem, vi sua mão em sua nuca puxando alguns fios. Caminhei até a mesma e fiquei em sua frente, seus olhos estavam marejados e confusos.

_O-o que disse? – por fim perguntou.

_Ah não vou repetir tudo de novo Campbell – falei rindo e ela me olhou estática.

_E verdade? Está apaixonado por mim? – perguntou e olhei confuso, pensando.

_É eu acho que eu estou, se isso não for paixão, julgo ser amor! – falei e seu sorriso cresceu. Ela pulou em meus braços e me abraçou forte. Aquilo foi tão bom, tão cheio de emoções. Me afastei dela, só para desfazer o abraço, olhei fundo em seus olhos e segurei seu queixo, o inclinando para cima, para que me encarasse. Meus olhos fitaram seus lábios rosados, sua pele, teu cabelo. Puxei um assessório de seu cabelo e os fios caírem sobre os ombros. – Só me diz que isso é recíproco, por que se não for eu paguei o belo de um micão – falei e nós dois caímos em gargalhadas. Ela não respondeu, apenas tomou meus lábios para si. Pela primeira vez, senti que aquele beijo significava que ela era minha, minha de verdade. Senti como se tivesse engolido um ice Berg, meu estomago gelou, sim eu fico tão bobo perto dela.

Quando senti que o beijo se intensificaria ainda mais ouvimos baterem na porta. Nos separamos.

_Está esperando alguém? – perguntei e ela negou.

_Vá abrir, pode ser importante. – fiz bico e ela de meu um selar. Solto ela e caminhei até a porta. Que diabos alguém bate na porta dos outros a essa hora? Abri a porta com certa raiva e encarei o ser em minha frente.

_Amor! – pulou em meus braços.

_Haily?! – só pensei em uma coisa, me fodi!

 

Continua...     

 

 

 

     


Notas Finais


Bjs amores meu <3 <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...