História Sob o seu olhar - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Hyuuga Neji, Longfic, Naruto, Nejiten, Romance, Tenten, Universo Alternativo
Visualizações 59
Palavras 1.863
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, amores <3

Primeiramente queria agradecer aos vários comentários amorzinhos que recebi no último capítulo, vocês não tem ideia de como fiquei feliz ao ler cada comentário e principalmente em respondê-los. Obrigada mesmo pelo apoio <3 Foi muito importante para mim, ainda mais que voltei a escrever recentemente e estava muito receosa em relação a minha escrita.
Segue mais um capítulo e espero que gostem tanto quanto eu gostei <3
Consegui postar antes do prazo, porque hoje é feriado, e não vi o porquê de não aproveitar e enviar esse capítulo!!! Hahaa XD

Boa leitura!!!

Capítulo 2 - Capítulo II Se o amor for verdadeiro, nem o tempo ...


Capítulo II – Se o amor for verdadeiro, nem o tempo separa um casal apaixonado.

 

Os raios solares refletiam na face de Tenten, ela estava ainda adormecida na cama de casal. O lençol branco amarrotado tampava lhe um pouco as pernas bronzeadas. O corpo de Tenten estava amostra, apenas uma regata preta de Aburame cobria os seios fartos da garota, a noite parecia ter sido quente e Tenten estava realmente esgotada.

Na janela, estava ele, Aburame a observando com uma xícara preta cheia com seu café matinal. A felicidade estava estampada em seu rosto, ele amava aquela mulher com todas as suas forças e estava decidido lutar por ela.

Os Mitsashis tinham muito poder, possuíam a indústria mais popular de roupa íntima feminina no país e atualmente, só havia sido desbancada pela empresa Hyuuga. Ele sabia que o pai de Tenten não era o homem que ela acreditava ser, ele já lhe havia feito várias ameaças para terminarem o namoro, até a família do rapaz estava dentro deste jogo abusivo de poder. E os Aburames eram humildes, o pai de Shino era auxiliar de construção em obras e sua mãe empregada doméstica, ele estava tentando a carreira de cantor e bem, sabe-se que esta ocupação é uma das mais difíceis e ele ainda apenas tocava em barzinhos e nas ruas.

Calmamente aproximou-se da cama e deixou sobre o criado mudo a sua xícara, o relógio de mesa marcava o horário de oito horas. Sentou ao lado da garota, seu corpo estava relaxado, Tenten estava realmente cansada e pareceu não sentir nenhum movimento ao seu lado e no colchão, ele ajeitou-se e começou a brincar com os cabelos da jovem, os quais estavam soltos. O cheiro de rosas emanava deles, Shino suspirou e caiu em seus pensamentos.

Lembrou-se de quando e onde se conheceram e baixando o olhar para a pele da garota, deixou escapar um sorriso.

— Você dorme muito, pandinha – disse acariciando o rosto dela.

Tenten espreguiçou-se e ao abrir os olhos o viu, Shino estava com os olhos vermelhos transbordando lágrimas que lentamente deslizavam por seu rosto e caíram em sua pele. Tenten levantou e não disse absolutamente nada, ele também não. O silêncio tomou conta do local e não era necessária uma só palavra, ambos sabiam o que significava.

— Eu vou lutar por você – o silêncio foi quebrado, Shino a abraçou ainda mais forte – só não solte a minha mão, se você soltar eu não voltarei para pegá-la, pois para mim será o fim.

— Hmm – Tentei apenas confirmou, ela podia sentir o coração de Shino bater forte, assim como ela sabia que ele sentia o dela. – Jamais irei soltá-la.

--

Os longos cabelos negros caíam em seus ombros largos, o terno cinza combinava perfeitamente com a gravata preta. Seus olhos estavam fixos na tela do computador e apesar do seu corpo estar parado ali, naquela sala, sua mente viajava. Ele não entendia o porquê de a situação estar acontecendo daquela maneira; “Fui sincero demais”, pensou. Aquele casamento era necessário para o bem da empresa que administrava, os Mitsashis eram grandes concorrentes e aliando-se a eles com um casamento, as coisas iriam melhorar e muito, era a oportunidade perfeita.

A empresa Mitsashi estava com dívidas altas e mesmo apesar do sucesso grandioso, eles não estavam conseguindo quitá-las devido a péssima administração. O casamento era realmente perfeito, Tenten era filha única e ele herdaria a responsabilidade de cuidar da empresa Mitsashi, os Hyuugas e Mitsashi se tornariam um só e ele seria o dono de tudo, ou melhor, ele e seu tio, já que seu pai ainda se encontrava-se acamado. Mesmo após o divórcio ele seria grande acionista e poderia conquistar seu próprio império. Esse era o seu real objetivo e estava disposto a sacrificar sua felicidade por ele, já que seria uma infelicidade momentânea.

— Sr. Hyuuga? – A moça loira adentrou o local dispersando o homem de seus pensamentos.

— Diga – disse abruptamente.

— O Sr. Mitsashi ligou e pediu para avisá-lo que quer encontra-lo em sua casa hoje à noite.

— Hoje?! – Surpreendeu-se e olhou para baixo apressadamente, como se estivesse procurando algo.   

— Sim.

— Diga a ele que estarei lá.  

— Sim senhor.   

A secretaria se retirou e o Hyuuga afrouxou sua gravata esticando seu corpo em sua poltrona. Estava prestes a tomar um pouco do café que se encontrava em sua mesa, quando seu celular tocou. O pegou e encarou.

— Só o que me faltava... – respirou fundo e tentou se acalmar, afinal era seu tio que o ligava. – Alô?

— Hyuuga Neji! – Uma voz grossa e rouca gritou do outro lado da linha – o que pensa que está fazendo? Seu inútil!

— O que está acontecendo, tio?

— Não ouse cancelar este casamento, imbecil! As empresas Hyuugas não podem perder uma oportunidade dessa! Se não o fizer direito perderá a chance de administrar a empresa, ouviu bem?!

— Sim senhor!

Neji escutou o som de chamada repetida da outra, seu tio havia desligado em sua cara.

— Desgraçado! – Gritou – Vou tornar a empresa minha e você ficará na miséria, seu porco!

Furioso, o rapaz jogou seu copo de isopor com café sobre o chão e deslizava suas mãos pelo cabelo como se estivesse com uma enxaqueca e como se aquela fosse a única forma de acalmá-la.

--

Aproximando-se dos enormes portões de sua casa, Tenten levemente parou o carro e encarou sua casa e por um momento esquecendo-se dos seguranças que estavam pelo lado de dentro do terreno aguardando que entrasse. A mansão de sua família era enorme, não tanto quanto a Casa Branca, mas o gramado verde acompanhado por arbustos e uma grande árvore transmitiam a sensação de nobreza. O tom terracota com detalhes brancos se destacava diante da imensidão de gramado. Podia-se ouvir o som de pássaros cantarolando e cães latindo, tudo estava belo se não fosse pela situação em que a menina se encontrava.

“Anda Tenten, onde está sua coragem?!” – Dizia para si mesma, buscando força para soltar o pé do freio, procurar a meia embreagem e seguir o percurso até a porta de entrada. Ela sabia o que lhe esperava e a partir do momento que abrisse as portas, não teria mais como fugir e apesar de corajosa, Tenten fraquejava quando se tratava de desafiar a autoridade de seu pai.

Mais pelo medo de perdê-lo e ela ser o motivo de sua morte. Ela não saberia viver com essa culpa e iria fraquejar para o resto de sua vida podre e suja.

— Está tudo bem, senhoria? – Perguntou um dos seguranças aproximando-se da janela. Ela apenas concordou com a cabeça e enfim, deu a partida.

Estacionou em frente a porta, pegou suas coisas e desceu do carro. Foi quando seu telefone tocou. Apressadamente – tentando não mostrar sua presença assim de imediato -, pegou seu telefone e sem ver quem realizava a chamada simplesmente atendeu.

— Alô?

— Oi, senhora dos coques, onde você está? – Perguntou, a voz estridente do outro lado da linha fez com que Tenten afasta-se um pouco o telefone de sua orelha.

— Qual a necessidade de gritar a esta hora? Ein, Sakura!

— Ah, desculpa. A Ino me deixou alterada agora de manhã, desculpa amiga. – riu – mas agora me diga, onde é que você está?

— Na minha casa.

— Que bom, estou indo para aí!

— Não, Sakura. Não é uma boa hora

— Por que? Aconteceu algo?

—Te falo mais tarde.

— Eita, ok então.

— Mas qual foi o motivo da agitação toda?

— Sasuke-kun me convidou para a festa no campus dele e preciso de ajuda.

— Sério isso? Pensei que fosse algo urgente!

— Mitsashi Tenten, desde quando minha vida amorosa não é urgente? Amiga, estou desde que me entendo por menina apaixonada por aquele cara e somente agora que ele me convida para sair. Cadê as mulheres que se dizem minhas amigas neste momento?

— Tentando sobreviver ao mundo do caos?!

— Credo, tá gótica trevosa hoje! Sai pra lá. Não quer falar comigo e me ajudar ok! Depois não vai saber das novidades, beijos!

— Sakura...

Percebendo que sua amiga havia desligado em sua cara, Tenten respirou fundo tentando não se preocupar com aquela situação também, afinal, sua vida já estava complicada o suficiente. E com passos curtos e nada animados, foi em direção da grande porta, segurou firme na maçaneta lentamente a girou e abriu-a.

Logo na entrada ela viu sua mãe, de costas para a porta, conversando com uma das empregadas. A senhora de cabelo farto e longo, gesticulava histericamente para a empregada, como se a mesma houvesse cometido os piores dos erros, Tenten sentiu vontade de fechar a porta novamente e sair de lá, percebeu que sua mãe não estava nem um pouco amável, mas o olhar da empregada em direção a porta denunciou a presença dela para sua mãe, que repentinamente virou-se.

— Ohayo – disse ela baixando seu olhar e fechando a porta.

— Você viu que horas são, mocinha? – Disse a senhora caminhando em sua direção. – Como ousa chegar este horário! Onde é que você dormiu? Foi com aquele aproveitador?

— Mãe, por favor...

— Por favor? Você quer mesmo se tornar a desgraça desta família? Você é louca? – Abruptamente suas mãos tocaram a cabeça da Tenten com força, o indicador socava-lhe a têmpora, Tenten encolheu-se.  – Seu pai – outra investida – seu pai quase morreu lá no restaurante, sua desnaturada. Como ousa fazer isso com ele? Como ousa fazer isso com nós?!

— Eu não quero me casar com aquele homem – Tenten ergueu sua voz, se desvencilhando de sua mãe, ela andou em direção a empregada. – Estou farta de vocês me controlarem, estou farta de não poder tomar uma decisão se quer sobre minha vida.

— Está farta? – Sua mãe riu – está farta de ser sustentada pelo seu pai? Está farta de ter onde morar, roupa, carro de geração, liberdade para ir e vir? Está farta de ter o que comer todos os dias, de não precisar trabalhar para conseguir absolutamente nada?!  - Caminhando lentamente, a senhora se aproximou da garota. – Eu é que estou farta de ter você, uma garota ingrata e irresponsável, como filha.

— Aiko! – Uma voz grossa soou pelo corredor – Chega dessas agressões verbais contra nossa filha – o pai de Tenten aproximou-se das duas mulheres. – Consigo escutar seus gritos estridentes do nosso quarto, acho que esta situação não deve ser resolvida aos berros e diante de todos os empregados.

— Me desculpe – respondeu – é defendendo esta garota como sempre, que ela até hoje não conseguiu entender o valor das coisas – saiu pisando firme.

— Perdoe as palavras grossas de sua mãe, ela não pensa o que fala quando está com cabeça quente – disse ele olhando para a jovem – mas não pense que escapou de escutar a verdade, vamos até o meu escritório.

— Sim, papai. – Apenas respondeu.

Tenten sabia que nada adiantaria bater o pé naquela situação, deveria escutar tudo o que seu pai fosse falar e apenas escutar, se respondesse incorretamente a situação poderia fugir do controle.

Ela tentou também ignorar as palavras de sua mãe, assim como controlar o choro, seu coração estava partido, mas não o suficiente para chorar diante dela. Aquelas foram palavras as quais ela já estava acostumada, ela não conseguia sentir o amor que tanto escutava seu pai dizer, que Aiko sentia por ela e nem mesmo ela, conseguia amá-la. Não conseguia amar sua mãe como amava seu pai.

 

 


Notas Finais


E aí, o que acharam? Devo melhorar em algo? XD
Críticas construtivas sempre serão bem vindas, ein?!
E se você é fã de NejiTen, que tal participar lá do grupo no facebook. E reunirmos para movimentar cada vez mais esse casalzinho abor ♥
Link: https://www.facebook.com/groups/fanaticospornejiten/

Obrigada por tudo, beijinhos adocicados e um ótimo final de semana <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...