História Sombra dos anjos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Céline Herondale, Clary Fairchild (Clary Fray), Elaine Lewis, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Jordan Kyle, Lady Camille Belcourt, Luke Graymark, Magnus Bane, Maia Roberts, Maryse Lightwood, Max Lightwood, Meliorn, Personagens Originais, Rainha Seelie, Raphael Santiago, Rebecca Lewis, Robert Lightwood, Sebastian Verlac, Simon Lewis, Stephen Herondale, Valentim Morgenstern
Tags Alec, Bane, Clace, Clary, Clastian, Herodale, Instrumentos Mortais, Isabelle, Jace, Lewis, Lightwood, Magnus, Malec, Morgenstern, Romance, Saga, Sebastian, Shadowhunters, Simon, Sizzy, Tim, Verlac
Visualizações 80
Palavras 1.022
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - A Volta


Fanfic / Fanfiction Sombra dos anjos - Capítulo 1 - A Volta


                                           

Second thing second
Don't you tell me what you 
    think that I can be. 
 Imagine D.-Believer 

Uma segunda  coisa, não 
me diga o que você acha 
que eu poderia ser.

 New York, 15- May- 2001- 08:50 pm, 15 anos atrás     

       "JOCELYN FAÇA UM POUCO MAIS DE FORÇA ELA ESTÁ QUASE NASCENDO"-Eu fiz o máximo que pude de força, eu sabia, sabia que nunca assistiria minha filha andar, que não daria concelhos sobre garotos, nunca saberia como seria a voz dela, mais tudo o que aconteceu, tudo valeu o esforço pois veria o rosto de minha filha pela primeira e a ultima vez.

        "ELA NASCEU, SUA LINDA MENINA, NASCEU"- A enfermeira trás minha pequenina e coloca em meus braço, me permito chorar de alegria, mesmo sabendo que minha menina será retirada de mim. Um homem entra no quarto e a retira dos meus braços, aquele momento eu soube que iria ter que deixa-lá.
          "CLARISSA, Valentim coloque o nome dela de Clarissa."- Eu grito para ele que me olha com certo desprezo e sai do quarto me deixando com lágrimas e uma dor profunda causada por um buraco que acaba de se abrir em meu peito.

                                   

 Londres- 08- May- 2017- 11:30am- Dias Atuais
        "Senhores passageiros, preparar para decolagem desse voo com destino a Nova York, tenham um bom voo!"- Lá estava eu, retomando a vida depois de um mês, todos irão perguntar o porque de eu ter partido sem falar com ninguém, mas eu não ligo, eu não sou a mesma menina que fazia o que todos pediam, isso havia mudado mim e eu sabia das consequências. 

                                         

Memorias- New York- 1 mês atrás- Aeroporto Internacional John F. Kennedy
        
"Alô, pai? Estou dentro de um avião indo para Londres, provavelmente você deve estar em uma reunião importante, por favor não se preocupe, vou ficar com a titia umas semanas, e vou mudar de número também então o que tiver pra falar comigo ligue para ela, e fale com Sebastian que eu to bem. Eu te amo."-Eu estava decidida deixar tudo isso para trás e viver pra mim mesma, eu voltaria mas por hora ficaria assim.

                                       

 New York- 08- May- 2017- 16:50pm- Dias Atuais

"Senhores passageiros estamos aterrissando em Nova York."
         Senti meu estomago embrulhando assim que pisei em terra, peguei o taxi e decidi ir para o único lugar que me deixava calma, o Central Park, enquanto o motorista dirigia eu me perdia em meus pensamentos sobre a noite que fui embora e o tanto de dor que senti naquele dia. "Moça, você está bem?"- Sai do transe, reparei que já havia chegado e o motorista me olhava curioso. "Oh céus, me perdoe, acabei me distraindo, poderia levar as malas para este endereço? É só deixar com o mordomo que te atender, fale que a Clarissa voltou"- O motorista assentiu e eu o paguei.
          

Olhei para entrada do parque e me senti em casa de novo, meus olhos marejaram, mas respirei fundo e segui caminhando.
     Senti uma pontada de alívio ao perceber que não havia ninguém sentado aonde Sebastian e eu costumamos insinuar que era nosso. Sentei no banco e respirei fundo, ainda era a minha árvore, o meu banco, eu ainda era aquela garota, não importava o que havia acontecido.
       Fiquei horas lá, mais precisamente três, já havia anoitecido e eu continuava encarando duas iniciais escritas no banco "S&C", fechei meus grandes olhos verdes, dei um suspiro e me levantei, resolvi andar um pouco, não queria ir embora e ver o quão feliz estavam todos com suas vidas perfeitas. Avistei uma menina com pequenos cachinhos negros sentada abraçando os próprios joelhos chorando desperadamente.
             "Olá pequena, me chamo Clary e você?"- A garotinha me avaliou com seus olhos castanhos de uma forma curiosa.
              "Oi, sou Grace."- Falou sussurrando em meio aos soluços.
              "O que faz aqui chorando sozinha? Cadê seus pais?"
                "Eu não sei, eu me perdi deles, você pode me ajudar?"- Enxugou os olhos e continuou a encarar a grama.
             "Posso sim, mas antes vamos lavar esse rostinho, princesas não deviam chorar!"-Falei sorrindo, ajudando a pequena a se levantar, ela deixou escapar um pequeno sorriso.
            Andamos, andamos, conversamos sobre muitas coisas, Grace tinha 8 anos e queria ser veterinária, tinha um suposto "namorado" na escola, o que me deixou pensativa sobre onde estaria Sebastian. Depois de alguns minutos  achamos os pais de Grace, caminhei mais um pouco e resolvi ir para casa.
          Dei sinal para o taxi, enquanto ele parava, recebi uma descarga elétrica ao ver ele, estava lindo,  continuei olhando ele caminhar lentamente do outro lado da rua, o taxi parou e eu segurei o impulso de dispensar e ir atrás dele, olhei mais uma vez e e congelei quando ele virou a cabeça e me encarou como se eu fosse um fantasma, entrei rapido dentro do taxi e fui para casa.
        

  O taxi parou em frente aonde eu costumava a chamar de lar, agora eu não sabia como chamar aquele lugar, eu realmente não sabia como olhar pro meu pai, pros meus amigos, até mesmo pro espelho, eu era aquela garota do parque, mas eu tinha que me mostrar como uma menina forte, pelo menos até eu saber lidar com tudo isso. Paguei o motorista, peguei minha antiga chave e entrei.
             Tudo era igual, a mobília, até o cheiro de lavanda. Passei silênciosamente pela sala e subi as escadas parei em frente a porta do meu quarto e abri. Tudo estava do jeito que eu deixei, tranquei a porta do quarto e comecei a chorar, chorei pela menina que eu precisava deixar de ser. 
        Parei em frente ao espelho, meus cabelos ruivos estavam com cachos perfeitos, eu era pequena e magra, eu era inofensiva, agora eu teria que ser uma menina forte, eu não iria perdoar ele, eu ia fazer ele pagar por isso.
        Me arrumei, eu ia resolver algumas coisas, coloquei um vestido escarlate que tampava até um pouco abaixo das minhas coxas, me maquiei, um batom vermelho, um salto preto e uma bolsa, parei em frente ao espelho, eu sou essa menina agora.
Abri a porta e dei de cara com ele.
         "Clarissa"- Ele me fitava com aqueles olhos dominantes.
             "Sebastian".


Notas Finais


Minha primeira fanfic espero que gostem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...