História Sombras do passado. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Aventura, Mistério, Narusasu, Naruto, Revelaçoes, Romance, Sasunaru
Visualizações 225
Palavras 4.819
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa enorme mansão é a casa de Sasuke e Rob, uma casa cheia de empregados e totalmente vazia de amor. Sasuke ainda não acredita em Rob, ele imagina que tudo é uma farsa, a falta de memória e até o fato de não poder andar e neste capítulo vai por tudo a prova. Boa leitura.

Capítulo 3 - Sem liberdade.


Fanfic / Fanfiction Sombras do passado. - Capítulo 3 - Sem liberdade.

Rob acordou pela manhã antes de Sasuke, que dormia profundamente do outro lado da cama, isso foi um pouco enervante, totalmente novo para o jovem loiro, ele se sentia incomodado com isso, mas não podia fazer nada a respeito, e olhando o outro adormecido podia notar como ele era belo, adormecido e livre de sua habitual cara fechada, ele parecia sereno, seus lábios macios e seus longos cílios negros lhe davam uma aparência até doce, isso até que ele acordasse e tornasse o dia do pequeno loiro um inferno sem saída de novo. Rob se mexeu um pouco, tentou mover os dedinhos dos pés, como Itachi havia ensinado, mas não sentiu nada, isso era tão frustante que ele não notou o marido acordar e se sentar ao seu lado.

-Bom dia Rob, o que está fazendo?

A surpresa o fez tremer, mas ele se voltou ao outro suavemente.

-Nada...Só esperando você acordar, seria mais fácil se providenciasse uma cadeira de rodas, eu poderia me virar um pouco, é tão frustante não poder ir nem ao menos no banheiro sem precisar ser carregado até lá.

Sasuke o observou por um momento, ele sabia que tinha que ter providenciado essa cadeira a algum tempo, mas no fundo queria acreditar que tudo era somente mais uma mentira ardilosa de seu pequeno marido, e ele iria a qualquer momento se levantar e dizer que se curou milagrosamente, só que isso não acontecia e já era o segundo dia de Rob na casa, realmente estava ficando insustentável essa situação.

-Rob, se eu prometer te deixar com o dinheiro que me roubou sem causar tumulto e se você me devolver as joias sem exigir mais nada eu retiro as acusações e você pode ir embora, vamos parar de fingir pequeno, esse papel já me cansou, me diga onde estão as joias e me deixe viver.

O rapaz loiro se encolheu na cama, ele queria tanto dizer o que o outro queria, mas não podia, ele não sabia de nada, e não estava fingindo, quem em sua sã consciência iria fingir que não podia andar? Era insanidade.

-E-eu...Por favor não estou mentindo...Tem que acreditar em mim, como pode imaginar que eu estaria mentindo sobre isso? Ele fez um gesto em direção as suas pernas.

Sasuke bufou e se levantou, o pegou no colo e levou ao banheiro, logo depois, após lhe ajudar a colocar uma roupa limpa que consistia numa calça jeans ligeiramente folgada e uma camiseta branca simples desceram até a cozinha, onde Rob foi colocado numa das cadeiras de espaldar alto.

Rosa como sempre o ignorou, Ravier que estava ali reparando uma das portas do armário da cozinha olhava furtivamente para Rob a todo momento, o que causava um desconforto enorme no pequeno.

-Sasuke, o que faremos hoje? Você me disse que me levaria a sua empresa, é verdade? Perguntou Rob para puxar assunto e tentar fazer o silencio desconfortável sumir um pouco.

-Sim, não quero deixa-lo sozinho, não confio em você. Respondeu seco e voltou-se ao seu café.

Essa resposta o deixou triste, comeu um pouco do que lhe foi oferecido e permaneceu calado o resto do tempo, não tinha animo para mais nada, se sentia tão deslocado ali que era impossível ter realmente morado naquela enorme casa vazia de amor e carinho, mas todos lhe diziam que viveu ali por mais de um ano, ele como não tinha memória de nada só podia acreditar neles.

-Está confortável com essa roupa mesmo? Não quer vestir nada mais formal? Perguntou Sasuke enquanto ajeitava sua gravata num dos espelhos da sala de jantar.

-Estou bem assim...Respondeu Rob de cabeça baixa sentando numa das poltronas a espera-lo.

-Sabe, antes você teria tido um verdadeiro ataque se eu sugerisse essa roupa que está usando, me xingaria aos quatro cantos do mundo, mas hoje você está tão calmo, o que ouve amor, arrependimento?

Rob nem mesmo respondeu, estava cansado destes joguinhos, ele se sentia sempre acuado e com medo, não queria mais isso, mas não tinha como mudar nada no momento, porém Sasuke não gostava de ser ignorado, ele se abaixou no chão, ficando de joelhos a frente de Rob e tocando suas coxas sobre a roupa.

-Não quer conversar comigo meu pequeno infiel? Este é mais um dos seus joguinhos?

Rob olhou diretamente nos olhos negros, eram lindos olhos negros faiscantes, se ele não fosse tão mau o tempo todo, se não fosse tão cruel...Seria absolutamente lindo.

-Me sinto confortável assim.

Sasuke se levantou e caminhou até as escadas, tinha se esquecido de algo lá em cima, mas antes olhou para onde deixará Rob.

-Já volto...Sei que não irá a lugar algum...Disse sorrindo.

Rob imaginou se debaixo daqueles cabelos negros e brilhantes não haveria um par de chifres de demônio bem escondido, mas não disse nada e logo o homem voltou, o pegou nos braços e levou ao carro, agora um motorista os levaria para a empresa, estavam em uma carro mais formal e totalmente preto.

-Pretende me levar para a empresa no colo? Perguntou já meio irritado.

-Só até a recepção, temos cadeiras de rodas por lá, posso pegar uma para você se locomover por ali, já que passará toda a manhã comigo e parte da tarde também, pretendo ensina-lo a dar um pouco de valor ao trabalho hoje, sei que nunca trabalhou antes, mas nunca é tarde para começar, afinal eu não lhe darei mais uma mesada, para ter dinheiro terá de trabalhar como todo mundo.

-Isso é bom...Estou totalmente entediado.

Sasuke torceu o nariz, isso não era a resposta que ele esperava, mas estava em frente ao mestre da manipulação, só podia imaginar que era algo novo no conceito de seu belo marido, só não sabia até quando ele iria aguentar isso.

Chegaram a um prédio enorme, todo envidraçado, Sasuke desceu e abriu a porta ao lado, pegando Rob nos braços e o levando até a entrada do prédio, o motorista foi na frente e logo surgiu com uma cadeira de rodas, Rob nunca pensou que ficaria feliz em ver algo assim, mas ficou, mesmo limitado a uma cadeira ele podia se mover um pouco e isso já era maravilhoso.

Subiram até o décimo quinto andar e Sasuke o apresentou a sua secretária, uma loirinha linda e pequena com um sorriso cativante.

-Helen, este é Rob, meu marido, lembra-se da história que contei?

Ela olhou profundamente para Rob, mas não demonstrou nada.

-Bem vindo Rob, eu não estava aqui quando...Quando vocês se casaram e tudo, eu estava na filial no Havaí.

-Oh...Você tem uma filial no Havaí? Perguntou Rob olhando para Sasuke de boca aberta.

-Tenho filiais em vários países do mundo, você costumava brincar com isso, dizia que era impossível acreditar que alguém se dignasse a trabalhar no Havaí com o mar lindo a chamar a todo momento, mas nós nunca fomos para lá.

-Sim...Então...Nós fomos para onde? Perguntou Rob o olhando curioso.

Sasuke riu.

-Irlanda, Coreia do sul, China, Marrocos...Que eu me lembre...

Rob estava pasmo, ele conhecia todos esses lugares e não se lembrava de nenhum? Que ironia do destino!

-Bem, o assunto já me fez perder muito tempo...Helen pode ensinar Rob a receber as ligações e as encaminhar para mim? Ajude-o a arquivar os processos empilhados desde de a semana passada e tente faze-lo ficar bem ocupado.

-Sim senhor. Ela respondeu e sorriu se voltando a Rob.

-Ouviu o patrão, vamos trabalhar, começaremos com os arquivos, a mesa de telefone fica ao lado, se ele tocar é só apertar o numero 01 e direcionar a chamada para o chefe, a telefonista já filtrou todas as ligações mesmo, não é difícil na verdade, mas os arquivos estão muito bagunçados, tínhamos um menino que fazia isso, mas ele saiu a semana passada e agora temos pilhas e pilhas de coisas para arquivar.

-Certo, farei tudo que conseguir, mas como pode ver tenho algumas limitações, espero que não atrapalhe.

-Claro que não, você fica com os armários de baixo e eu com os de cima, será fácil.

Não foi fácil, eles tinham pilhas e pilhas de arquivos, rotulados por cores, ficha amarela no arquivo 10 na sessão 11, ficha azul arquivo 20 na sessão 14...A manhã sumiu entre as pilhas de papeis e logo Sasuke veio procura-lo.

-Temos que ir para a casa, eu me perdi no tempo, já passou das três da tarde e você tem alguns remédios a tomar ainda, se Itachi souber que eu os esqueci vai ficar uma fera comigo.

-Senhor Sasuke eu dividi meu sanduíche com Rob, mas acho que foi pouco, ele deve estar com fome, trabalhou desde de que entrou aqui até agora, quase conseguimos colocar tudo em ordem, faltou pouco.

Sasuke olhou seu pequeno marido, ele parecia cansado, tinha realmente trabalhado com afinco, o que isso significava?

-Obrigado Helen, iremos comer algo em casa, tire uma hora de folga e vá fazer um lanche.

Ela sorriu e saiu, não sem antes sorrir também para Rob.

-Nem acredito que alguém foi gentil comigo, já estava achando que ninguém seria. Disse Rob analisando os dedos da mão um pouco machucados pelo contato com papel o dia todo.

-Ela não é uma pessoa de guardar mágoa eu acho...

Rob se sobressaltou.

-Eu fiz alguma coisa ruim a ela? Não acredito!

Sasuke o olhou meio em dúvida, mas depois deu de ombros.

-Você a mandou para o Havaí, porque queria ter o caminho livre para dar em cima do namorado dela, e depois que o provou e fez questão de esfregar isso na minha cara o dispensou como se espanta uma mosca, ele foi embora sem se despedir de ninguém, muito menos dela.

Rob tinha os olhos úmidos, ele se sentia horrível, se deixou ser empurrado para fora de cabeça baixa, sua vergonha nunca mais o deixaria, tinha medo de olhar nos olhos dos outros e ver ali estampado alguma de suas maldades. O carro rodou até a casa em silencio, ninguém falou nada.

Sasuke tirou Rob do carro, apesar dos pedidos de Rob para trazerem a cadeira de rodas, o outro não o ouviu, jurou que compraria uma o mais tardar no outro dia, e assim o levou para a sala e se acomodou num dos sofás macios, se esquecendo de mandar trazer alguma comida e os remédios de Rob.

-Sasuke, estou com fome...E com sede, pode pedir a Rosa para fazer algo?

O moreno o olhou irritado, estava lendo alguns e-mails importantes.

-Certo...Avistou Rosa parada na porta e mandou servir algo ao seu marido inválido que estava sentado a sua frente e se voltou ao que estava fazendo.

Rosa trouxe uma bandeja e colocou na mesinha de centro, bem longe do alcance de Rob, o rapaz poderia jurar que era uma coisa feita de caso pensado, mas não disse nada, sua sede era enorme, o copo de suco parecia delicioso, por isso tentou se esticar...Mexeu o corpo devagarinho, tentou deslizar um pouco no sofá...E acabou caindo no chão frio com um som pesado.

-Ahhh Sasuke, me ajude...Pediu estirado no chão, sem conseguir se mover muito bem.

Rosa estava parada bem a sua frente, de braços cruzados, o olhando com certa raiva indisfarçada, e Sasuke se voltou a ele, por um momento ergueu os braços para alcança-lo, mas então notou seu olhar, ele tinha visto nisso uma oportunidade...

-Levante-se Rob...Acabe com essa farsa.

-Sasuke! Não...Não é farsa...E-eu queria que fosse... Me ajude por favor...Olhou para Rosa num pedido de ajuda, mas ela apenas recuou.

As lágrimas vieram, era impossível conter a tristeza, e Sasuke ainda o olhava, como se realmente esperasse que ele se colocasse em pé, mas havia mais maldade naqueles olhos neste momento do que em todos os outros, algo havia surgido na mente daquele homem, ele não deixaria suas dúvidas assim.

-Se levante Rob.

-E-eu não posso...

-Pare de fingir...

-Eu.Não.Posso.Andar!! Gritou Rob no final de suas forças, com a dor se insinuando em seu corpo frágil cansado do trabalho que executou, dos olhares que enfrentou, da falta dos remédios que deveria tomar.

Foi nesse exato momento que um gato enorme, gordinho e fofo entrou na sala, analisou o menino caído no chão e não teve dúvidas, foi até ele se esfregar em suas pernas, e subir para receber cafuné entre as orelhas, era um gato branco e tinha olhos azuis.

Rob carente de afeto aceitou esse carinho com gratidão, deixando suas lágrimas rolarem na face, Sasuke se colocou no chão ao seu lado e alisou o pelo bonito do gato enorme.

-Floquinho te odiava com todas as forças...Porque agora ele gosta de você?

Rob não respondeu, ainda estava deitado no chão meio de lado, as costas doendo, as pernas...Seus dedos formigavam lentamente, um a um, mas ele não tentou move-los, sentiu Sasuke ao seu lado e foi levantado com certo cuidado.

-Está sendo mais convincente a cada hora pequeno Rob...Talvez eu seja forçado a admitir que realmente nesse ponto não está fingindo, não é possível que esteja, mas eu não posso me deixar levar pela pena que sinto de você, pois não pode ser verdade essa falta total de memória e talvez eu possa provar isso agora mesmo.

-S-Sasuke, eu não estou mentindo, pelo amor de Deus!

Sasuke entrou no quarto de casal e deitou Rob na enorme cama, foi até gentil ao fazer isso, mas então se sentou entre suas pernas, que abriu com facilidade, apesar dos protestos do seu pequeno marido.

-O que? O-o que pretende fazer? Sasuke por que está fazendo isso? Conseguiu perguntar apesar de sua voz já estar trêmula demais e seu corpo todo arrepiado pelo pânico que sentia neste momento.

-Uma coisa sobre você que insiste em negar meu lindo e atrevido Rob é que você é totalmente, completamente ninfomaníaco, e isto ninguém consegue esconder por muito tempo, e eu vou provar agora que está tentando em enganar com esse joguinho de fingir essa absurda perda de memória...Você mesmo com raiva de mim, mesmo com ódio, mesmo assim me desejava, e nestes momentos a gente tinha a melhor foda de todas.

A voz rouca e totalmente baixa de Sasuke, o modo como seus olhos negros se focaram no corpo pequeno quase o despindo era enlouquecedor, mas ao mesmo tempo tremendamente assustador para alguém que nem lembrava ter feito sexo na vida, o ar faltou a Rob, seu corpo ficou quase inerte diante a perspectiva de ser violado dessa maneira, sem que ele entendesse tudo, sem que se lembrasse, sem que realmente quisesse isso.

Quase imediatamente a tudo isso seus instintos de se defender surgiram e ele levou as duas mãos espalmadas ao peito do mais forte tentando inutilmente empurra-lo para longe, gritando alto o suficiente para chamar a atenção de todos os empregados da casa, sabia que não podia impedi-lo, mas tinha esperanças de ser socorrido, esperança essa que morreu logo com as palavras dissimuladas de seu suposto marido.

-Não adianta gritar Rob, nossos empregados estão acostumados a seu jeito escandaloso de fazer sexo comigo, esses gritos não vão lhe ajudar em nada, apenas se entregue a mim como sempre fez, sei que me deseja, sinto isso em seu corpo, não adianta negar meu pequeno devasso.

Rob respirou desesperado, ele sabia que seu corpo reagia aquele homem, seu corpo era nesse momento seu inimigo também, estava debilitado, impossibilitado de se levantar e correr e mesmo assim reagia a ele, sentiu-se sujo e percebeu que tudo aquilo podia ser verdade, ele podia ter sido realmente um devasso algum dia, mas não mais...A dor que sentiu ao acordar sem memória, o medo que enfrentou por dias, a situação estressante nessa casa enorme, o desprezo de todos, a falta de carinho e amor, tudo isso cobrou o seu preço, juntando-se ao que passou a poucos minutos quando caiu no chão e foi humilhado e ele sentiu tudo escurecer, seu corpo cedeu nas mãos fortes que tentavam arrancar suas roupas.

Sasuke sentiu o corpo leve se soltar em suas mãos, olhou sorrindo para o rosto bonito e esperava ver ali o fogo do desejo, mas na verdade viu um garoto pálido e desacordado na cama, uma vergonha imensa o tomou, ele soltou a camiseta rasgada de suas mãos e as olhou com nojo, o que ele fez? O que estava prestes a fazer? Que tipo de homem ele era ao tentar obrigar aquele rapaz indefeso a ceder aos seus caprichos? E junto com esse sentimento veio outro mais assustador ainda, que o fez quase parar de respirar, Rob estava sendo sincero o tempo todo, ele não se lembrava de nada, ele realmente não podia andar, ele não mentiu, ele não mentiu...Não mentiu em nada até aquele momento, era inocente.

-Oh meu Deus! O que foi que eu fiz? Se perguntou atordoado e no mesmo instante pegou o celular e ligou para o irmão, que atendeu no segundo toque.

-Sasu, estou saindo do plantão...Como estão?

-Itachi, eu fiz burrada, venha aqui por favor, traga suas coisas, remédios, coisas de médico, eu...Eu não sei, Rob está desmaiado e a culpa é minha.

Itachi parecia já estar correndo ele ofegava enquanto falava ao celular, a voz grossa e irritada.

-Sasu, o que fez a ele? Você prometeu! Prometeu que não o machucaria, prometeu que seria gentil com ele, o que em nome de tudo que é mais sagrado você fez a esse pobre rapaz?

-M-me perdoe...Só vem depressa...E chorando Sasuke desligou o celular, ajeitando os cabelos de Rob sobre o travesseiro e analisando seu rosto fino, magro, as feições abatidas, olheiras fundas, os cabelos loiros jogados tão sem vida...E ainda assim ele era tão lindo, mas não se parecia com Rob, fisicamente era ele, em tudo...Mas porque esse mesmo Rob era tão diferente, tímido, doce e inocente? Será que uma perda de memória era tão profunda que mudava até mesmo a personalidade de alguém?

Relutante saiu de cima de seu pequeno marido e ajeitou as cobertas, analisando seu pulso, se algo de ruim acontecesse a ele por sua causa...Oh deuses...Ele jamais se perdoaria.

Foram os quarenta minutos mais aterrorizantes de sua vida, sentando ao lado de Rob que respirava pausadamente na cama, o corpo todo em repouso, agora que os soluços remanescentes tinham passado, e então Itachi adentrou o quarto com uma maleta nas mãos, estava pálido e nervoso, nem mesmo olhou para o seu irmão rumando até a cama e tomando os sinais vitais de Rob detidamente, só então após constatar que o rapaz estava mesmo apenas dormindo profundamente ele se virou para Sasuke.

-O que fez a ele? Não enrole, quero saber tudo!

Foi talvez isso que fez Rob abrir os olhos e gritar, gritar tão alto que ambos taparam os ouvidos, ele se debatia na cama, lutando para escapar, soluçando, implorando, lágrimas caindo sem parar, Itachi o segurou firme tentando acalma-lo e o chamando de forma calma.

-Rob! Rob! Sou eu, Dr. Itachi, está vendo? Sou eu Rob!

Após alguns momentos ele o reconheceu, e então se agarrou em seu jaleco, afundando a cabeça em seu peito enquanto chorava sentido, foi neste momento que Itachi notou as roupas rasgadas, e seu semblante se tornou frio como gelo enquanto ele apertava mais Rob junto a si e olhava para o irmão sentando do outro lado da cama.

-Sasuke, se você fez o que eu estou pensando que fez...Eu juro que não tenho mais um irmão, eu jamais vou te olhar de novo...

-Não! Itachi! Não, eu não...Eu não o machuquei, eu queria provar que ele me desejava, eu apenas...Eu tentei provar que ele estava mentindo, que ele...Você sabe que ele é ninfomaníaco não sabe? Eu só queria demonstrar isso a ele...Mas não deu certo, ele não é mais o mesmo, ele é inocente demais, ele não...Oh céus! Me perdoe!

Itachi estava com raiva, nojo, descrença e todos os sentimentos que podia sentir alojados no peito, ele amava o irmão com uma dedicação intensa, mas imaginar que ele quase estuprou aquele jovem só para tentar provar que tinha razão era demais, no entanto respirou fundo, ele precisava entender mais.

-Saia daqui Sasu, eu quero conversar sozinho com Rob.

-Mas Tachi...Ele é meu marido, eu devo ficar aqui...

-Não me faça perder a paciência! Saia! Agora! Gritou para ele.

Sasuke saiu correndo e fechou a porta ao sair, ele podia ser intimidador quando queria, mas seu irmão era o dobro e ele não o queria ver assim.

Itachi deixou Rob chorar tudo que queria, apenas lhe fazendo carinho nos cabelos macios, deixou os soluços cederem até se tornarem somente leves espasmos, e só então o soltou, indo pegar um copo de água e oferecendo um comprimido para acalma-lo um pouco, então se sentou e tomou suas duas mãozinhas frias entre as suas, que eram praticamente o dobro do tamanho.

-Devagar, me conte tudo...Absolutamente tudo, não tenha medo.

Rob confiava nele, e precisava contar tudo, desabafou tudo, da tristeza que sentia naquele lugar, das palavras sempre maldosas de Sasuke, do modo como ele o depreciava o tempo todo, contando todos os seus pecados do passado que ele nem se lembrava, até mesmo o fato de não comprar uma cadeira de rodas e o submeter a essa estranha dependência, e finalizou contando o episódio da sala, de ter caído e ter ficado abandonado no chão frio enquanto tanto Sasuke quanto Rosa o olhavam sem o ajudar e então finalmente o que quase aconteceu.

-E-eu sei que sou o marido dele, sei disso, mas eu não me lembro...Eu não sei nem mesmo como é fazer amor, eu não me lembro...E eu tenho medo, quero ser amado, mesmo sabendo que não mereço, eu devo ser muito egoísta, mas é o que eu desejo, e não posso mais viver aqui, eu não posso...Por favor me leve embora, um abrigo, qualquer lugar...Eu juro que se eu lembrar algo sobre os diamantes eu conto, só quero ser livre...Aqui eu me sinto...me sinto aprisionado.

Itachi o ouviu remoendo a raiva que sentia de Sasuke, deixar o pobre Rob sofrer assim era desumano, e ele estava certo que não podia mais confiar no próprio irmão.

-Rob, existem acusações sobre você, Sasuke não retirou as acusações, se sair daqui ira para a prisão, poderá ter uma cela especial, e terá acompanhamento mas...Não posso prometer que eu cuidarei de você lá, está entendendo?

-Sim, eu serei preso...E-eu entendi, mas...Sasuke me odeia, como posso viver aqui?

Sasuke entrou, ele tinha ouvido tudo, ele ficou o tempo todo ao lado da porta, estava infinitamente triste.

-Iria para a cadeia para se livrar de mim? Perguntou a Rob.

Rob estava tão assustado que não ousou responder, ele já vivia numa prisão.

-Sasuke, eu nunca pensei...Nunca imaginei que teria essa frieza, essa maldade, vou tentar um acordo com Kakashi, talvez ele consiga uma clínica para Rob, um local mais apropriado para a sua recuperação, onde eu possa ir visita-lo ao menos.

Sasuke tremia ao falar, sua voz calma e pausada, calculada.

-Rob é meu marido, eu cuidarei dele de agora em diante, como deveria ter cuidado desde de o princípio, não estou pedindo, eu estou afirmando, é um fato, ele é meu marido, tenho todos os documentos para provar isso, não deixarei que o leve de mim, entendeu?

-Sasuke...Itachi tentou argumentar, mas foi cortado pela voz calma e fria do irmão.

-Todo o dinheiro de nossa família passou para mim lembra-se? Eu sou dono do hospital, sou dono de tudo...Posso cancelar os programas de atendimento aos seus preciosos pacientes carentes se não concordar comigo.

Itachi estava pálido, ele sabia disso, ninguém melhor que ele para saber disso tudo, afinal antes que seus pais morressem naquele terrível acidente eles o deserdaram, e porque fizeram isso? Porque não aprovavam o relacionamento de seu filho com um rapaz pobre, eles viam nesse romance um golpe do baú, e para protege-lo o deserdaram, deixando tudo para Sasuke, absolutamente tudo, com a morte deles Itachi se tornou o tutor do irmão mais novo e administrador dos bens, mas assim que Sasuke entrou na maioridade legal tomou posse de tudo, dando ao irmão uma bela casa, alguns bens, uma renda muito boa e o cargo de chefe no hospital em que ele atendia tantas pessoas carentes, mas ele detinha o dinheiro e podia optar em tirar tudo de Itachi se desejasse.

-Se isso vai te prejudicar eu fico. Disse Rob tremendo, não podia sequer imaginar o seu único amigo, a única pessoa que lhe deu algum conforto e carinho ser prejudicado por sua culpa, ele jamais se perdoaria por isso.

Itachi se levantou pálido, ele estava profundamente magoado, talvez nunca mais fosse capaz de perdoar Sasuke por isso, e o próprio Sasuke tremia ao perceber isso, ele amava o irmão, mas sabia que ele era obstinado, essa jogada podia faze-lo vencer e continuar com Rob, mas definitivamente o faria perder o amor do único irmão.

-Realmente se parece com papai agora, parabéns irmãozinho...De novo sinto que o dinheiro é uma coisa amaldiçoada, sabe bem que tenho mais de quarenta pacientes que dependem do meu atendimento no hospital, que podem morrer se eu parar o atendimento deles, mas isso não importa desde de que continue a machucar Rob, pois seu coração é uma pedra de gelo e você não consegue perdoa-lo...Pois bem, acho que tudo que Rob fez a você foi culpa sua, culpa de sua total falta de amor, você nunca soube amar meu querido irmão, nunca soube perdoar...

Itachi olhou para Rob detidamente e se aproximou dele.

-Se meu irmão o ferir com palavras ou gestos, se ele não for absolutamente irretocável com você me avise, eu chamarei a polícia, mesmo que eu durma embaixo da ponte...Eu ajudarei você.

Sasuke se retraiu e tentou se aproximar de Itachi.

-Irmão...Me perdoe, eu não posso perder Rob, sabe que eu nunca seria capaz de deixa-lo sem dinheiro, eu disse isso apenas porque fiquei desesperado..Prometo cuidar de Rob com todo carinho, eu serei perfeito, eu darei tudo a ele...Só não tente leva-lo embora.

Itachi o olhou com um olhar triste antes de se virar e abrir a maleta de remédios, retirando alguns frascos de lá, colocou sobre a mesinha.

-Dê um comprimido a cada doze horas para ansiedade, e o leve ao hospital para a fisioterapia e a consulta com o psicólogo toda terça e quinta, o leve neste dia para me ver, sabe onde é meu consultório, pelo menos por enquanto, estarei procurando outra colocação em algum hospital das redondezas, se eu não conseguir procurarei em todo o estado, ou mesmo em outros, eu não dependerei de seu dinheiro mais, darei um jeito de transferir meus pacientes para outras instituições de caridade, mas lhe juro que não dependerei mais desse maldito dinheiro.

-Itachi! Calma...Eu tenho muito dinheiro, e esse dinheiro é seu também...

-Não! Não é, nunca foi, fique com ele, eu posso me sustentar com pouco, e eu sou médico, um bom médico na verdade, conseguirei emprego e tratarei de procura-lo bem longe de você, mas juro por tudo que é mais sagrado que se eu souber que feriu Rob eu mesmo vou denuncia-lo a polícia e nenhum dinheiro vai livra-lo da acusação.

Se virou para Rob e o olhou com lágrimas nos olhos, ele amava a medicina, era um médico de coração, queria ver seu paciente curado, ou ao menos mais feliz, e ele não se importava com nada que ele tivesse feito antes.

-Não posso leva-lo embora agora, tenho obrigações e como pode ouvir meu irmão ameaçou arrancar de mim meus pacientes, eles são crianças da ala oncológica e eu não posso abandona-los, mas não vou abandona-lo também, se precisar de algo em avise, acredito que Sasuke tenha sido sincero agora. 

Rob o olhava admirado, ele sabia que Itachi era um bom medico, tinha ficado feliz em saber que poderia contar com ele, mas jamais o prejudicaria, por isso mesmo se convenceu que obedeceria Sasuke em tudo, mesmo que isso o machucasse, ele não podia imaginar Itachi sofrendo por sua causa.

-E-eu sinto muito Dr. Itachi pelo transtorno que causei...E-eu ficarei bem agora...Pode ir.

Itachi suspirou pesadamente, e se voltou a Sasuke que se mantinha parado ali sem dizer mais nada, os olhos marejados.

-Senhor Sasuke passe em seu hospital amanhã a tarde para tratar assuntos referentes a minha demissão, eu vou cumprir o aviso e claro que preciso de algum tempo para remanejar meus pacientes da ala pediátrica, após pretendo deixa-lo livre de minha presença, mas apreciaria que me mantivesse informado do andamento do caso de seu marido, passarei todo o caso ao novo médico que me substituíra e tudo será tranquilo, até lá...Boa tarde.

Sasuke viu o irmão sair com sua habitual maleta preta, ele ainda se lembrava de seu irmão brincando com ele pelos corredores dessa enorme casa, de ficar com ele nos braços quando vinha tempestade, havia magoado seu irmão além da conta agora e provavelmente o teria perdido para sempre e ao se voltar a Rob percebeu o medo nele, perdeu o amor do irmão e a confiança de Rob, tudo no mesmo dia...Definitivamente não era uma boa pessoa.

 

 


Notas Finais


Puxa! Sasuke pisou na bola, tadinho do Rob, e do Itachi...Será que agora ele muda? Agora que percebeu que seu marido não é mais o mesmo, que é doce e gentil? E será que ele desconfia de alguma coisa? Veremos no próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...