História Some Time Later... Babys? - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, V
Tags Bts, Fluffy, Najuzinha, Taekook, Taekook Papais, Taekook+baby, Vkook
Exibições 281
Palavras 1.648
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, espero que você goste!

Boa Leitura!

*Tradução: Românticos e Consumistas!*

Capítulo 3 - Romantics and consumerists!


[Alguns Anos Depois]

— Appa, eu estou atrasada! Vamos, vamos! — A pequena Sook reclamou, apressando seu pai Taehyung, pois ele fazia questão de levá-la até seu colégio.

— Calma, adolescente rebelde! — O Kim pediu. — JUNGKOOK? Você viu minha...

— Em cima da mesinha, pelo amor de Deus, será que só minha cabeça aqui, nessa casa, funciona? — Kwan chegou na sala, com os cabelos lisos e bagunçados, o uniforme amassado, amarrando o cadarço.

 

— Mas que porra é essa, ein? — Taehyung pegou a barra da camisa do filho e esticou, fazendo uma careta de desaprovação. — Oh, Jungkook, cadê você? Você já viu o estado do seu filho?

— Meu filho? — Jeon apareceu no início das escadas, descendo-as vagarosamente, e tentava arrumar a gravata em seu pescoço, enquanto Taehyung batia o pé insistentemente no carpete da sala. — Meu? Meeeu??? Nosso filho! — Jungkook corrigiu, indignado. — E ele já tem dezesseis anos, que se vire para se arrumar. 

 

— Aigoo. — O acastanhado revirou os olhos. — Vai trocar essa blusa, agora! 

— Mas, appa Taehyung... — O garoto reclamou, mas parou logo ao ver o Kim mais velho cruzando os braços.

— Vai, Kim Jeon Kwan! Agora! — Taehyung elevou um pouco a voz, vendo o mais novo subir todo o lance de escadas e pisando com força no chão. — E não bate o pé para mim, garoto abusado!

— Vocês só podem estar de brincadeira comigo! — A mocinha sentou-se emburrada no sofá e sacou seu celular, digitando algo rapidamente.

— Amor, me ajuda com essa gravata aqui! — Jeongguk desistiu de lutar com o pano, e deixou Taehyung o fazer por si. — Meu bem?

— Hum?

— Você está muito estressado, o que está acontecendo?

— Quem está estressado aqui, Jungkook? Quem? Pode me dizer!? — Apertou o nó com tanta força, que o rapaz mais novo arregalou os olhos e balançou as mãos na frente de si. Ele tentava falar, mas mal conseguia respirar. — O que você está tentando dizer? Não estou entendendo... Para com a gracinha!

— Eu... Não... Consigo....

— Ah, meu Deus! Meu amor, me desculpa! —  Finalmente, percebeu que estava em uma plena tentativa de homicídio. Espalhou beijinhos pelo rosto do homem a sua frente, abraçando-o e dizendo vários "Me perdoa".

— Está... Ai, minha garganta! — Suspirou fundo, recuperando todo o oxigênio que Taehyung lhe roubara. — Está querendo ficar viúvo?

— E agora? Eu pareço com uma das suas modelos gostosas e frescas? — Kwan desceu as escadas, pé por pé, dando tchauzinho como uma Miss Universo. O que fez Sook rir.

 

 

—Menino, olha esse vocabulário, ein? — Jungkook o chamou a atenção.

— Vocês estão bastante desbocados! — Taehyung voltou a atenção ao marido. — Mas, sim, eu estou um pouco estressado com o novo desfile... Vou fazer um lançamento bom-bás-ti-co, eu tenho que me superar.

— Huum...

— Isso inclui escolher as melhores modelos, os melhores estilos... EU ESTOU SURTANDO! 

— Aish, vamos logo!? — Sook pediu, gaurdando seu celular no bolso da calça.

— Tudo bem. — Taehyung pegou a chave de seu carro, a qual estava pendurada na parede.

— Eu vou com você, appa. — Kwan pegou a chave do carro de seu pai mais novo e saiu levando sua mochila pendurada nos ombros.

— Mas olha que abuso! — Jeongguk mirou seu marido e pôs as mãos em sua cintura. 

— Vamos, casalzinho vinte. — A mais nova puxou a mão do Kim. — Se eu tiver que entrar no segundo horário, por suas culpas, eu vou surtar! 

— ‘Tá bem, gatinha, vamos, vamos! Você vem comigo, não é? — Taehyung questionou, acariciando seus cabelos, enquanto o mais novo fechava a porta da sala.

— Sim, sim! Vamos!

[...]

 

 

 

-Aham, sim... Claro... Tudo bem... Okay, okay. Está quase tudo pronto. Relaxa, okay? — Taehyung estava em seu escritório, sentado em sua cadeira giratória e bem inquieto, devido a ligação recebida. — Tudo certo, confie em mim! Annyeo... Nossa, desligou na minha cara! — Mirou a tela do seu celular, o colocando na mesa, e revirou os olhos. — Idiota, mesquinha!

 

— Senhor Kim?

 

— Sim, Jimin? — Levantou o olhar, encarando o amigo/secretário apenas com a cabeça para dentro de sua sala e o corpo no corredor. — Pode entrar.

 

— Seu marido ligou, perguntando como você estava. Eu disse que o senhor estava muito bem, tranquilo e ocupado.

— Fez muito bem, e para de me chamar de senhor. Eu não gosto desses tratamentos formais vindos de você... — Já era a quarta vez que Taehyung reclamava sobre isso com o rapaz. — Aish, você é meu amigo, Chim!

— Eu sei, mas aqui é um ambiente de trabalho e o SENHOR é meu chefe. — O garoto mais novo que o Kim revirou os olhos, logo deixando um pequeno sorriso adornar seus lábios. — Para de teimar. Enfim... Acho que não fui muito convincente.

— Por quê?

— Bem... — Entrou na sala, mostrando o buquê exageradamente grande, e uma caixa redonda, com um laço de fita vermelha a enfeitando. — Ele mandou te presentear. 

— Ah, meu Deus. — Não evitou sorrir largo, pegando as rosas vermelhas e outras flores coloridas menores, cheirando-as. — Esse garoto não tem jeito. — Pegou um pequeno papel, dentre o monte de flores.

— Garoto? — Jimin ficou um pouco confuso, afinal, Jungkook já era um homem.

— Ele é meu eterno garoto, cala a boca! Principalmente, na... cama... — O Kim disse tão calmo, que parecia fora da órbita.

 — Gente! — Jimin gargalhou por tal fala. Ele acabou sentando no sofá e ficou tentado a abrir a caixa de bombons.

Furtar um apenas não faria mal, certo?

— Awwwn! — Taehyung terminou de ler o recadinho, ficando extremamente feliz e relaxado. — Deixa eu ler para você? 

— Vai... Faz inveja em mim! — O Park conseguiu abrir a caixinha, pegando uns bombons para escolher qual comer. — Joga na minha cara que você tem um maridinho que, mesmo depois de duzentos fucking anos de casado, ainda manda flores, chocolates... — Comeu um que parecia de recheio de maracujá. Delicioso! — Quando não são joias, com poemas de amor. E eu já até procurei na internet e descobri ser de autoria dele!

 

— Você pode calar essa bocarra e escutar?

— Aigoo, desculpa. Conta, então.

— Não é um poema, mas está tão fofinho...

 

"Oi, meu amor. Eu sei que você não está tranquilo, muito menos bem. Só quero que saiba que eu sempre vou me orgulhar de você. Não importa se para essas pessoas mesquinhas não esteja bom o suficiente, ou que elas possam te criticar de forma negativa! Não importa!

Sabe por quê?

Porque só eu sei o quanto Kim Taehyung é maravilhoso, esforçado e talentoso. Você pode e deve se esforçar, mas não ultrapasse seus limites.

Saiba, meu querido, você é capaz, tudo bem? Vai lá e mostre a todos o que sabe fazer, deixando todos de boca aberta, como você sempre faz.

Beijos, do seu eterno Jungkook."

 

— Ai, que lindo! — Jimin colocou as mãozinhas nas bochechas. — Não! Sério! Por que não está surtando?

— Eu estou. Estou muito! Olha o tamanho do meu sorriso! — Realmente, seu sorriso irradiava os confins terrestres. — Vou grudar em meu quadro pessoal, pega meu ímã de coração? 

— 'Tá bem. — Jimin abriu a gaveta da mesinha e a vasculhou, pegando assim que achou o tal objeto.

— Tem tanta coisa da minha família aqui! — Exclamou feliz. — Sabe, Chim-Chim, eu nunca pensei que teria uma família tão linda! - Taehyung pegou uma foto que estava destacada e a retirou do lugar. - Isso foi em Milão. Tanto eu, quanto o Jungkook precisávamos tirar umas férias desse país. Fomos para a Itália, depois para Madri, na Espanha. Maravilha! 

-Entendi. E os amigos ficam de fora? Beleza! 

-Ah, Jimin! Desculpa. - Deixou um beijinho na testa de seu amigo, quem revirou os olhos. 

-Vamos, se apronte, porque daqui há... - Olhou em seu relógio de pulso. - Cinco minutos, você tem uma reunião com...

-Ah, puta que pariu! Você não me lembrou disso! Eu tenho um projeto dos garotos para ir também! Ah, Jimin, que eu vou fazer?

-Não sei, eu não sabia! - Se defendeu. - Eu te perguntei: Pode ser dia Vinte e três de novembro, às dezessete horas? Você confirmou. 

-Será que consigo terminar essa chatice em uma hora? - Taehyung, com a ajuda de seu secretário, começou a juntar seus papéis e canetas da mesa. - Vamos, vamos!

-Consegue nada! São em torno de trinta modelos que passaram para a última fase, mais quinze estilistas. - Park não era o tipo motivador, então, Taehyung apenas riu fraco e continuou caminhando até a sala de reunião.

-Obrigado, Jimin. Você me ajuda bastante. - Deu leves tapinhas nas costas do mais baixo. - Então, quero que ligue para o secretário do Jeon e pergunte se ele vai ao projeto. Sabe aquela loja de música virando a esquina aqui?

-Sim, senhor.

-Toma, compra uma guitarra para o Jungkook. - Entregou seu cartão para o garoto de meia idade. - Se eu não me engano, ele ficou doido com uma preta e azul. e, se achar algo interessante, compra para você açgo também.

-Sério?

-Serio.

-Eu poderia te beijar agora! Mas quero meu pescoço longe das garrinhas de Jeon Jungkook, O Empresário Bonitão Quarentão.

-Aish, para de lembrar isso!

 

O Park referia-se a uma antiga funcionária da empresa que era "desligada da vida;'  a ponto de não saber a quantidade do ciúmes que reinava em um ambiente chamado Kim Taehyung. Descaradamente, ela insinuou-se para o moreno e foi despedida, logo em seguida.

Jimin ria disso até esses tempos. 

 

-Aquela cadela!

-Olha o vocabulário!

-Uma cadela mesmo. O homem é meu, que absurdo!

-Isso, seu. - Balançou o cartão de crédito como se faz com um leque. - Deixa eu zerar esse cartão pesa... Quer dizer, comprar um presentinho para seu marido fucking sortudo. 

-Você também é extremamente sortudo. Qual chefe faz isso pelo funcionário? Aliás, conta isso para o Kookie e eu te mato. Ele já morre de ciúmes de você e sua bunda... Bem, bem... Você entendeu.

-Mas... Ele faz. - Disse, suspirando. - Kim Seokjin ganhou uma blusa maravilhosa ontem!

-Sério? Tudo bem. Mas eu te dei meu cartão todinho para você. Aproveite.

-Qual é o limite?

-N-e-n-h-u-m! - Entrou na sala e fechou a porta, sorrindo.

-Arrasaaaa!


Notas Finais


Então é isso!
O que acharam?
Até o próximo capitulo, ta bem?
Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...