História Someday - Capítulo 26


Escrita por: ~ e ~falloutclifford

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer, Ed Sheeran, One Direction
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Ed Sheeran, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Luke Hemmings, Michael Clifford, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Cashton, Larry, Muke, Ned, Ziam
Exibições 177
Palavras 5.515
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá serumaninhos

vcs sabem que hj é dia de levar tiro??
se não sabem então se preparem haha (risada maléfica)

primeiro tiro de todos
- hj decidimos fazer att dupla
segundo
- leia o cap que saberá
terceiro
-esse capítulo tá enorme, mais de 5 mil palavras
quarto
- Muke está muito perto de acontecer cof cof


ops n disse nada

estão preparados??
então...

BOA LEITURA A TODOS...

s2

Capítulo 26 - Recomeços


Fanfic / Fanfiction Someday - Capítulo 26 - Recomeços

Louis’s POV

 

- Tudo bem, Niall e Michael já saíram como você queria, agora me diz: o que você quer aqui? - Harry perguntou bravo e eu suspirei. Ele estava totalmente na defensiva, então seria muito difícil conversar com ele sem que ele queira me matar.

- Conversar com você, eu já disse isso - olhei para Harry e ele me encarava de volta, como se me incentivasse a continuar - eu estou cansado Harry. Exausto na verdade. Cansado de tentar conseguir o seu perdão, enquanto você só me ignora. Eu sei que eu errei, e errei feio, mas eu estou tentando me redimir. Só que você não ajuda em nada me afastando desse jeito.

- Eu não acredito que você continua insistindo nisso, Louis - Harry suspirou. Ele parecia tão cansado que eu quis me matar ao lembrar que a culpa era toda minha.

- Sim Harry, eu continuo insistindo nisso porque eu quero colocar um ponto final nessa história. Eu errei com você e isso não foi legal, eu me importei só comigo e não liguei para a sua opinião. E agora eu percebi que estou fazendo a mesma coisa. Estou te pressionando, sem ouvir o que você pensa, e isso te faz fugir - olhei em seus olhos e ele desviou o olhar.

- Eu não estou fugindo Louis - Harry falou, mas ele não parecia ter certeza do que dizia.

- Olha Harry, vamos ser totalmente sinceros um com o outro ok? Vai ser melhor, e aí a gente pode avaliar o que o outro tem a dizer e decidir o que podemos fazer daqui pra frente - dei um sorriso fraco, que Harry não retribuiu.

- Eu acho que já deixei bem claro a opinião que eu tenho sobre isso Tomlinson - Harry falou frio e isso doeu. Eu sentia tanta falta do antigo Harry, que dormia nos meus braços e sorria mostrando suas covinhas.

- Bom, então você pode me escutar, já que não tem nada a perder de qualquer forma - falei encolhendo meus ombros. O olhar frio que ele me lançava parecia penetrar minha alma.

- Comece a falar então Louis, quanto mais cedo isso acabar melhor - ele falou sem paciência.

- Harry eu machuquei você, machuquei muito, e não pense que não estou arrependido - falei enquanto Harry prestava atenção em cada palavra e para minha surpresa eu não estava nervoso - até porque se eu não estivesse arrependido eu não estaria aqui. Eu também sei que você não acredita em mim e nem no que eu falo na maioria das vezes, claro com motivos, motivos que eu me arrependo, acho que isso já ficou claro pra você - o encarei por um tempo depois que ele não respondeu continuei - eu só queria dizer que se eu pudesse voltar no tempo eu faria tudo diferente, eu nunca iria magoar você como eu magoei.

- É sério que você veio falar a mesma coisa de sempre? E que motivos são esses que você teve? - Harry perguntou com a sobrancelha arqueada.

- Tem razão, eu prometi sinceridade e não estou fazendo isso. Deixa eu começar de novo então - suspirei - quando eu te conheci Harry, te achei a pessoa mais linda que eu já havia visto no mundo e à medida que nossa convivência foi aumentando, percebi como você era lindo são só por fora mas também por dentro. Você era apaixonante Harry. Sempre foi e sempre vai ser - sorri e pude ver que ele tentava esconder um sorriso - como eu disse, você me encantou totalmente, e não foi difícil perceber que eu estava apaixonado por você Harry. Isso mesmo, você não ouviu errado, eu me apaixonei perdidamente por você e nunca achei que te namorar foi um erro. Pelo contrário, aquela foi a melhor época da minha vida - vi Harry arregalar os olhos e se as circunstâncias não fossem outras eu poderia até rir.

- Então por que você não queria me assumir? E por que terminou comigo? Que motivos você teve? - Harry parecia confuso e acima de tudo, triste.

- Porque eu sou um idiota, quer um motivo melhor do que esse? - me encolhi na cama com o olhar incrédulo que Harry lançava em minha direção - sério, eu poderia dizer que não te assumi porque minha família é homofóbica e eu tinha medo ou porque eu não queria sofrer bullying na escola mas você sabe que isso é mentira. Meus pais sempre te adoraram e uma vez eu até ouvi minha mãe falando para o meu pai que você é o genro que ela pediria a Deus. Então sim, o maior motivo foi eu ser idiota. Acho que eu precisava vivenciar a famosa frase “você só dá valor depois que perde”. Quando a ficha caiu Harry, eu já tinha te perdido há muito tempo. Os meninos se afastaram de mim e eu nunca me senti tão sozinho quanto naquele momento. Agora que estamos estudando na mesma faculdade, eu vi uma oportunidade pra me reaproximar. Eu sei que eu forcei a barra mas é que mesmo depois de tudo, eu ainda sou louco por você.

Harry ficou calado e sua expressão estava indecifrável. Aquilo estava me agoniando.

- Eu não acredito nisso, Louis! Você sabe o quanto me magoou? Por que falou todas aquelas coisas pra mim no nosso término? Até hoje eu tenho pesadelos com sua voz me falando que eu sou uma experiência, um erro - sua voz já estava embargada e eu conseguia ver que ele estava se segurando pra não chorar. Meu coração já estava em pedaços.

- Eu não sei, acho que pensei que se eu te falasse palavras grosseiras você não insistiria. Mas eu não pensei que isso traria consequências que durariam até hoje. Me perdoe mesmo Harry - peguei em suas mãos e ele as puxou.

- Você tem consciência de como eu sofri por você esse tempo todo, Louis? - Harry se exaltou - de como eu fiquei me torturando, achando que você terminou comigo porque eu não era o suficiente, tentando te esquecer e não conseguindo? Pra você simplesmente me falar que fez o que fez só porque é idiota. Por favor Louis, isso eu sempre soube que você é.

- Eu estou falando a verdade, Harry - suspirei enquanto massageava minhas têmporas - mas não vou te julgar, você tem todo o direito de pensar assim, afinal você foi o que mais sofreu. E eu sei que não temos muitas chances de voltar né? Eu destruí tudo que a gente tinha.

- Destruiu Louis. Você pegou meu coração, jogou no chão, pisoteou, esfaqueou, passou um caminhão tanque por cima. Eu ainda carrego comigo as cicatrizes até hoje. Você tem que ser muito estúpido pra me pedir pra reatar nosso namoro depois de tudo isso.

Olhei para Harry e não vi mais o garoto ingênuo que eu namorei. Agora eu via um garoto forte e mais maduro. Isso de certa forma era bom, apesar da maneira que ele teve que amadurecer rapidamente. Ele aprendeu da pior forma que algumas pessoas não sabem valorizar alguém. Eu me sinto muito culpado por isso.

- Eu tenho plena consciência disso, Harry. Mas será que você pode pelo menos considerar a ideia de voltarmos a ser amigos? Estar perto de você, mesmo que como amigo é melhor do que te olhar de longe. Eu não posso me afastar de você novamente Harry - forcei um sorriso - eu nem sei se conseguiria - completei baixinho.

- Louis, isso é… inesperado - Harry falou devagar, parecendo pensar na minha proposta - acho que essa é a última coisa que eu esperava ouvir de você. Pra mim ainda é difícil te perdoar, dar uma segunda chance à nossa amizade talvez seja um passo muito grande.

- Harry, por favor, me dê pelo menos a oportunidade de ser seu amigo de novo. Quem sabe com o tempo eu te mostro que sou digno do seu perdão - eu já estava desesperado. Mesmo se recebesse migalhas de atenção eu já ficaria imensamente feliz.

- E como você vai me mostrar que merece o meu perdão? - Harry indagou confuso.

- Sendo a pessoa que eu deveria ter sido quando a gente namorava mas não fui - falei envergonhado - claro que sem a parte dos beijos e abraços - dei uma risadinha sem graça.

- Me responde só uma coisa Louis: você teve tempo pra se arrepender e me procurar. Por que você só fez isso agora?

- Porque te ver com o Michael me fez morrer de ciúme - confessei envergonhado - e aí eu pensei que quem sabe eu ainda poderia lutar por você, mesmo que as chances fossem bem remotas.

- Ciúme do Michael? - ele riu - a gente até que combina mesmo - ele falou pensativo e riu em seguida - mas pra ficar com o Michael eu teria que enfrentar o Luke e apesar de tudo, o meu coração ainda pertence a você - falou triste e meu coração acelerou ao ouvir o final da frase.

- Então… isso quer dizer que você me dá uma segunda chance? Eu prometo que não vou ultrapassar os limites da amizade, se quiser prometo até de dedinho - sorri pra ele.

- Promete que não vai me machucar? - Harry parecia uma criança indefesa. Minha vontade era de abraçá-lo e não soltá-lo nunca mais.

- Prometo, vou tentar ser o melhor amigo do mundo pra você.

- Até mais que o Niall e o Michael? - perguntou risonho e eu fechei a cara.

- Por que o Michael tem que estar até nas nossas conversas? - falei bravo e Harry riu.

- Tudo bem Tomlinson, chega de ciúme. Vou te dar mais uma chance. Seja um bom amigo e faça valer a pena - sorriu pra mim e eu me derreti. O sorriso dele era lindo, e iluminava minha vida mais que o sol.

Sorri de volta pra ele enquanto me levantava e ia em direção a porta.

- Aonde você vai? - Harry perguntou fazendo uma carinha fofa de quem não estava entendendo nada.

- Pegar minha carteira no meu quarto. Agora que nós somos amigos novamente, precisamos sair pra comemorar, só nós dois - falei frisando o final da frase e vendo Harry corar. Adorável - só mais uma coisa - falei antes de sair do quarto, já abrindo a porta - eu me arrependo de muitas coisas, mas não me arrependo de ter te beijado lá no pub - fechei a porta sem dar tempo pra que ele pudesse responder, mas não sem antes ver sua expressão de choque.

 

Ed’s POV

 

Já havia se passado um mês do aniversário do Michael. Um mês que eu e Niall estamos juntos. O mês mais feliz da minha vida.

As coisas estavam normais, quer dizer, Liam e Zayn continuam sendo o casal exemplo, eles são muito fofos juntos. Tão lindos que eu até teria inveja, se não achasse que eu e Niall também somos um casal perfeito.

Ashton e Calum continuam como coelhos. Algumas vezes até brincamos que precisamos chamar o bombeiro Liam pra apagar o fogo dos dois. Apesar de tudo, também é lindo de se ver o carinho que eles têm um pelo outro, o amor que eles sentem. E também é bom ver que a chama da paixão não se apagou. E pelo jeito nem vai, pois eu consigo imaginá-los perfeitamente com sessenta anos e transando loucamente enquanto seus netos não chegam para visitá-los. Esse pensamento me dá arrepios. E náuseas.

Mas o que me impressionou mesmo foi aproximação de Harry e Louis. Eles agora se dizem amigos e eu não sei muito sobre o passado deles, só o que Niall me disse, que eles já namoraram e foi um término muito doloroso para o Harry. Por incrível que pareça esse lance de amizade tá dando certo, apesar de estar na cara que Louis quer muito mais que só a amizade do Harry.

Luke e Michael são outros que merecem o posto de casal fofo, mesmo que eles não sejam um casal, pelo menos não ainda. É até engraçado, os dois vivem discutindo porque Luke morre de ciúmes do Michael. Quando não estão discutindo por coisas bobas, eles estão juntos rindo de besteiras, vendo filmes, e uma vez eu até os vi no jardim conversando, Luke estava sentado encostado em uma árvore e Michael estava com a cabeça deitada em seu colo, enquanto Luke mexia nos cabelos dele. Eu não sei o que eles estavam falando, mas de longe eu podia ver Michael dando risadinhas e Luke sorrindo pra ele. Era uma cena tão fofa que até precisei tirar uma foto. Quem sabe um dia eu envie a foto para os dois.

Está tão na cara que um é apaixonado pelo outro que até fico com raiva por eles não terem se dado conta disso, ainda mais porque todos mandam indiretas pra eles o tempo todo. O mais fofo é ver Luke fazendo tudo que o Michael pede e até abrindo mão de algumas coisas, como por exemplo a Arzaylea.

Eles andaram se afastando ultimamente, ouvi Luke comentando que ela anda meio estranha, faltando muito às aulas e que quando vai, está com os olhos vermelhos e parece estar num universo paralelo, falando coisas sem sentido e rindo até da parede. Ele estava preocupado e por isso falou com a colega de quarto dela, que estava possessa porque uma pulseira dela - que era bem cara por sinal -  havia sumido e ela tinha certeza de que foi a Arzaylea que pegou. Michael até falou que viu um pessoal que sempre usa drogas comentando sobre uma festa que a Arzaylea foi e então nós começamos a ligar os pontos. Estamos todos suspeitando que ela está usando drogas, o que se for mesmo verdade, é péssimo. Apesar dela ser chata e falsa, pode ter um futuro brilhante pela frente como médica e está perdendo essa chance.

Faltavam apenas cinco dias para o natal e a universidade toda estava agitada. Muitos alunos já tinham voltado para suas cidades, inclusive Michael, Luke, Calum e Ashton. Liam e Zayn tinham acabado de sair e eu estava no meu quarto, terminando de arrumar minhas malas. Na verdade minhas malas já estavam prontas, eu só precisava guardar alguns itens como o meu carregador e meu notebook. Minha mãe havia me mandado uma mensagem falando que iria demorar um pouco para chegar pois havia acontecido um imprevisto então provavelmente eu seria o último do nosso grupo de amigos a ir embora.

- Hey baby - ouvi a voz de Niall e me virei, tendo a linda visão do meu namorado entrando sorridente no meu quarto - Liam e Zayn já foram, fizeram uma despedida tão dramática que nem parece que daqui a pouco eu vou ir pra mesma cidade que eles - riu enquanto me abraçava por trás, deixando um beijo na minha nuca.

- Ainda estou chateado porque não vamos passar o natal juntos - me virei de frente pra ele, lhe dando um selinho.

- Eu também estou, mas pensando bem isso tem até um lado bom - Niall falou e eu arqueei a sobrancelha. O que havia de bom em passar um tempo longe do namorado? Só iríamos nos ver de novo em janeiro, isso é horrível - minha família não vai me passar mais vergonha amor, minha avó sempre tricota aqueles suéteres bregas de natal e obriga a família toda a usar - fez uma careta e eu ri.

- Agora quero ver você vestido em um suéter desses.

- Nem pensar, minha família já me passa muita vergonha quando falam com você por skype, eu não preciso disso na lista de vergonhas também.

- Que exagero Niall, que vergonha a sua mãe passou em você?

- Não sei, que tal a minha foto de quando eu era bebê e estava pelado tentando roubar a comida de cima da mesa que ela te mostrou, ou então a vez que ela contou que eu peguei a calcinha da minha avó e coloquei na cabeça dizendo que era a minha nova touca, ou a vez que eu fui passear com a minha família no parque, tropecei e caí na fonte - Niall contou nos dedos e eu ri.

- Teve a vez que você foi apresentar um trabalho de ciências mas tropeçou no vento e caiu na frente de todo mundo também, não se esqueça disso - eu só conseguia rir da cara de ofendido dele.

- Hey, eu tropecei no pé do - espera, minha mãe não sabe dessa história, quem te contou isso? - perguntou bravo e eu ri mais ainda.

- Harry.

- Eu vou matar aquela lambisgóia de cachos - falou bravo com a mão na cintura e aí que eu tive um ataque de risos mesmo. Quem fala lambisgoia pelo amor de Deus?

Niall fez bico e se sentou na minha cama de braços cruzados, parecendo uma criança birrenta. Fui parando de rir aos poucos e me sentei ao seu lado.

- Eu vou sentir sua falta, sabia? - comecei a dar leves beijinhos por seu rosto, vendo-o desfazer o bico e começar a sorrir. O sorriso mais lindo do mundo.

- Sabia, Niall Horan deixa saudades por onde passa - falou convencido e eu revirei os olhos - falando sério agora, também vou sentir sua falta. Vou ficar te importunando com mensagens e ligações, mas não é a mesma coisa - falou triste enquanto se aconchegava em mim.

- Pensa pelo lado positivo, quando a gente se ver de novo em janeiro, vamos matar a saudade de um jeito ótimo - dei um sorriso safado e ele riu.

- Meu Deus Ed - deu um tapinha fraco no meu ombro - eu nem fui pra minha casa ainda e já quero voltar, só pra poder comemorar a nossa volta à universidade com você - sorriu malicioso pra mim.

Niall era uma caixinha de surpresas. Quando o conheci, o achei lindo, legal, engraçado e divertido. Nunca poderia imaginar que entre quatro paredes ele vira outra pessoa. O que não me incomoda nem um pouco, no entanto.

- Ao invés de comemorarmos nossa volta, podemos ter uma despedida digna - falei deixando beijos molhados pelo seu pescoço, e pude senti-lo se arrepiar.

- Você tem ótimas ideias, baby - Niall sorriu antes de me beijar.

Empurrei a mala que estava na cama para o lado, me deitando com Niall em cima de mim, enrolei meus braços por sua cintura o apertando e ouvindo Niall arfar. Sorri antes de puxar seu lábio inferior com os dentes, voltando à beijá-lo apaixonadamente. Eu era louco por ele e não sei como fui capaz de negar isso à mim mesmo por tanto tempo.

- Você é tão lindo - Niall disse sorrindo, acariciando minha bochecha - e eu tenho tanta sorte de ter você - me beijou novamente, me fazendo sorrir entre o beijo.

- Acho que eu é que sou o garoto mais sortudo do mundo, por ter você só pra mim - falei nos virando rapidamente na cama, ficando por cima dele.

- Somos o casal mais sortudo do mundo então - ele riu antes de me beijar desesperadamente. Nossas línguas se encontravam e eu sentia todo o meu interior se aquecer e meu coração bater mais rápido.

Quando o ar se fez necessário, desci minha boca até seu pescoço, alternando entre beijos molhados e mordidas leves, que faziam Niall ofegar e me puxar para mais perto de seu corpo.

- Não me provoca Ed, você sabe que pescoço é meu ponto fraco - Niall falou com a respiração ofegante antes de subir minha boca até sua orelha.

- Você é meu ponto fraco - falei mordendo o lóbulo de sua orelha e pude vê-lo se arrepiar.

Niall me puxou e uniu nossas bocas novamente, em um beijo faminto e desesperado, que transmitia tantos sentimentos, me deixando até meio tonto.

- Temos quanto tempo até sua mãe vir te buscar? - Niall interrompeu o beijo mas continuou dando beijinhos em meu rosto.

- Minha mãe vai demorar a chegar mas não se preocupe, pra você eu tenho todo o tempo do mundo - sorri vendo Niall corar e sorrir timidamente.

O beijei, e invadi sua camiseta, minhas mãos passeando livremente por seu abdômen. Ele é muito gostoso, perco a sanidade só de imaginar o que fazer com seu corpo.

Não aguentei e num ato rápido que assustou até Niall, tirei sua camiseta, o deixando com o dorso nu.

- Você me deixa louco Niall - suspirei, a medida que ia fazendo uma trilha de beijos da sua boca até seu peito.

Deixei beijos suaves por todo seu peito, descendo para o abdômen e aproveitando para lamber seu corpo. Para provocá-lo, dei algumas mordidas perto do cós de sua calça.

- Ai - Niall resmunga - você me mordeu forte, vai ficar a marca.

Dou um sorriso sapeca.

- Desculpa amor - falo tirando minha camisa, voltando a beijá-lo com urgência.

Niall levou suas mãos para minha cintura, abrindo minha calça a tirando logo em seguida sem interromper o beijo. Chupei seu lábio e Niall gemeu baixinho.

- Eu nem fiz nada ainda e você já está gemendo, anjo? - sussurrei com um sorriso.

- Eu não estou gemendo - ele falou teimando.

- Não? - levantei as sobrancelhas - pois então vou fazer você gemer - falei com um sorriso brincalhão.

Comecei a distribuir vários beijinhos pelo seu rosto intercalando entre suas bochechas e seu queixo, por último dando um beijinho e seu nariz o fazendo dar uma risada fofa e sorrir.

Por cima da boxer, pude sentir as mãos de Niall em minha bunda, apertando-a e me fazendo soltar um ofego.

- É assim que você vai me fazer gemer? - Niall perguntou desafiador.

- Calma amor, você ainda está com sua calça, enquanto eu já estou só de boxer. Isso não é muito justo comigo, você não acha? - perguntei maliciosamente enquanto abria lentamente o zíper de sua calça, vendo o volume que já havia se formado em sua cueca.

- Pode até ser injusto, mas a visão que eu estou tendo está ótima - sorriu malicioso, analisando meu corpo, seu olhar fixo na minha cueca por um tempo mais longo.

- Vamos resolver a injustiça então - sorri enquanto terminava de tirar sua calça. Agora estávamos os dois somente de boxer, minha mente cheia de pensamentos nada santos em relação à Niall.

- Me mostre do que você é capaz, amor - Niall parecia ter se transformado, de anjo a um demônio, ele era a própria tentação, bem ali na minha cama - quero ter algo pra me recordar quando estiver longe de você - falou da maneira mais fofa do mundo e eu sorri. Porra, eu estou perdidamente apaixonado por ele.

Tive que beijá-lo novamente, eu poderia passar o resto da vida o beijando e ainda assim não seria o suficiente. O beijo dele era o melhor que eu já havia provado, ele era a melhor coisa que já aconteceu na minha vida.

Minhas mãos adentraram sua cueca, e eu envolvi seu membro já bem duro, ouvindo Niall gemer baixinho. Aquilo era melhor do que a mais perfeita música.

Comecei a movimentar minha mão ainda dentro da boxer, dessa vez ouvindo Niall gemer audivelmente. Ele estava tendo prazer, então meu objetivo estava sendo alcançado.

- Amor, vai mais rápido - falou manhoso.

Retirei então sua boxer preta já manchada pelo pré gozo, e envolvi seu membro, já aumentando os movimentos da minha mão, o que fez os gemidos de Niall também aumentarem.  

- Geme meu nome amor - falei lhe dando um selinho - e pode gemer bem alto baby, a maioria dos garotos desse prédio já voltou pra casa - sussurrei em seu ouvido, mordendo e lambendo seu lóbulo, o que fez Niall estremecer e gemer, já que eu continuava com a mão em seu membro.

- Ed por favor não para - Niall já era uma confusão de gemidos e ofegos.

Parei os movimentos, fazendo Niall reclamar e eu tive que rir da sua cara emburrada.

- Eu te disse pra não parar, você fez de propósito, foi?

- Claro que não baby, mas eu sei que você gosta mais quando eu uso a boca ao invés das mãos - sorri maliciosamente antes de abocanhar seu membro.

- Um dia você ainda vai me matar - Niall já se contorcia na cama.

Desci até ficar de cara com seu membro, antes de fazer qualquer coisa olhei para Niall que agarrava os lençóis com força enquanto prestava atenção em cada movimento que eu dava. Lhe lancei um sorriso e com calma passei minha língua em torno da cabeça de seu membro dando algumas lambidas sem perder o contato com seus olhos, então com calma abocanhei tudo que consegui de seu membro envolvendo com a minha mão direita o que sobrou. Aos poucos fui fazendo movimentos de vai e vem com a boca, me deliciando com as expressões de prazer do Niall e seus gemidos que aumentavam conforme minha língua se movimentava por toda sua extensão.

- Se você continuar desse jeito, minha mãe vai achar só meu corpo quando chegar - Niall quase não conseguiu terminar a frase, a cada palavra pronunciada ele gemia despudoradamente. Claro que isso me incentivou a chupá-lo com mais rapidez ainda, suas costas se arquearam - amor, desse jeito você vai me matar.

- É uma bela forma de morrer, não? - ri e Niall olhou pra mim com uma expressão incrédula.

- Cala a boca Ed, e continua o que você tava fazendo - falou mandão.

Eu o envolvi com a mão o estimulando com movimentos rápidos em círculos. Niall gemia extremamente alto, não se importando se alguém ouvisse. Eu já estava extremamente duro, e os gemidos do Niall não estavam me ajudando.

- Amor, você tá tão duro, deixa eu te ajudar com isso - como se lesse meus pensamentos Niall me puxou, nos virando na cama e ficando por cima de mim. Suas mãos foram ágeis em tirar minha boxer e eu soltei um suspiro de alívio assim que me vi livre do aperto - bom saber que eu te deixo assim baby - sorriu maliciosamente antes de se abaixar e colocar meu membro em sua boca.

Aquilo foi demais pra mim. Agora era a minha vez de gemer desesperadamente, Niall era ótimo no que fazia com a boca. Na verdade, Niall era ótimo em tudo que fazia, seja com as mãos ou com a boca, e eu me pergunto com quem foi que ele aprendeu tudo isso. De qualquer forma, isso não importa, contanto que ele faça essas coisas só comigo não tem problema.

- Eu já te disse como seus gemidos acabam com a minha sanidade? - eu não tinha forças nem pra respondê-lo, nesse momento eu só conseguia gemer.

- Niall, se você continuar eu vou gozar - falei com dificuldade.

- Ah mas você não vai mesmo gozar agora, você só vai gozar quando eu estiver dentro de você - Niall parou e me puxou de encontro ao seu corpo me fazendo arfar - na verdade amor, quando eu estiver dentro de você, gozar vai ser a última coisa que você vai fazer. Primeiro eu vou te fazer gemer e gritar bem alto - sussurrou no meu ouvido e eu não contive o gemido que escapou de meus lábios.

Niall começou uma trilha de beijos, desde o meu maxilar até meu pescoço, onde ele deixou um beijo que com certeza deixaria marcas.

- Isso é pra você não se esquecer de mim - sorriu enquanto continuava com seus beijos, passando pelo meu peito, dando atenção especial aos meus mamilos, e depois chegando em meu umbigo, que ele rodeou com sua língua e eu precisei de muito autocontrole pra não gritar - você é tão perfeito amor, que eu poderia passar o resto da vida te admirando - sorriu mais uma vez, me puxando para um beijo ardente e voraz.

Senti seus dedos rodeando minha entrada, o que de certa forma me fez ficar mais excitado ainda. Eu queria Niall dentro de mim, de preferência o mais rápido possível.

Ele então penetrou um dedo e começando com movimentos, me fazendo arfar entre o beijo.

Seus movimentos estavam calmos e delicados, o que estavam me matando, aos poucos ele foi aumentando e cada toque dele eu soltava um grito rouco. Niall sem dó penetrou outro dedo me fazendo arquear as costas e se não bastasse começou a dar beijos em minhas coxas deixando algumas mordidas, fazendo meu prazer aumentar.

Seus movimentos agora estavam rápidos e ágeis e eu já estava delirando, estava sentindo que iria gozar.

- A-amor... - tentei falar que já estava quase no meu orgasmo, mas saiu um gemido de puro prazer.

Então sem aviso Niall retirou seus dedos de dentro de mim os levando em sua boca e os chupando enquanto não desgrudava seus olhos dos meus. Aquela visão ficaria pra sempre em minha mente.

- Acho que já tá bom - Niall deu um sorriso safado - agora é que a parte boa começa de verdade baby - me arrepiei ao sentir Niall se posicionar atrás de mim, seu membro pincelando minha entrada. Não era a nossa primeira vez fazendo isso, mas a expectativa ainda era a mesma. Afinal, eu já havia descoberto o que Niall é capaz de fazer.

- Então me mostra o que você é capaz - o provoquei, não conseguindo segurar o gemido quando o senti me penetrando.

- Você vai desejar não ter me provocado - Niall sorriu maliciosamente, e depois de esperar eu me acostumar com seu membro dentro de mim começou com as estocadas.

De início elas eram lentas. Mas então Niall aumentou o ritmo dos seus movimentos e quando ele acertou minha próstata, eu tive certeza de que iria chegar mancando em casa.

Nossos gemidos ecoavam pelo quarto. Niall entrelaçou suas mãos às minhas e não sei como, aumentou mais ainda a velocidade das estocadas. Eu já não conseguia pensar em nada, minha mente totalmente em branco.

- Amor, não para - praticamente gritei, sentindo Niall surrar minha próstata.

O quarto já estava quente, só não mais que meu corpo, que já sentia entrar em combustão. Se eu morresse agora, morreria feliz.

- Seu desejo é uma ordem, amor - ele continuou com as estocadas, me levando ao delírio. Eu já sentia que não iria aguentar por muito tempo.

- Niall eu já estou vindo, eu não vou aguentar - choraminguei, enquanto movimentava a mão pelo meu membro, sentindo a sensação tão conhecida em meu baixo ventre.

- Então vem amor, vem pra mim - Niall gemeu e eu não aguentei, vindo em jatos, que sujaram minha barriga. Niall deu mais algumas estocadas, antes de se desmanchar dentro de mim e literalmente desabar em cima de mim.

Nossas respirações ainda estavam descompassadas mas isso não me impediu de puxá-lo para um beijo. Claro que dessa vez o beijo não era desesperado, mas sim calmo e lento. Eu conseguia sentir os sentimentos de Niall.

- Eu com certeza vou me lembrar dessa nossa despedida - Niall riu - precisamos fazer isso mais vezes, mas sem isso de despedida.

- Não quero me separar de você - falei manhoso, enquanto o abraçava - seria o melhor presente de natal do mundo se você fosse lá pra casa comigo.

- Quem sabe eu não esteja embrulhado debaixo da sua árvore na manhã de natal - Niall riu e me deu um selinho. - Agora vamos tomar banho senhor Sheeran, daqui a pouco nossos pais chegam pra nos buscar e eu não posso voltar pra casa com cheiro de sexo - se levantou da cama e me puxou junto para o banheiro.

Tomamos um banho rápido, claro que com direito a algumas mãos bobas e beijos, muitos beijos. Assim que saímos do banho, vestimos nossas roupas - que ainda estavam jogadas no chão - e levamos até um susto quando o celular do Niall começou a tocar.

- Oi mãe - uma pausa - sim, estou aqui com o Ed - outra pausa - eu só vou passar no meu quarto pra pegar minha mala e já vamos pra aí, ok? - mais uma pausa - tudo bem, beijos.

- Como assim “já vamos pra aí” Niall?

- Minha mãe quer te conhecer baby. Na verdade meu pai também. Eles vieram só pra isso - ele falou e eu congelei. Como assim vou conhecer meus sogros desse jeito, sem nem um jantar? - Você não tá com medo né?

- Claro que não, inclusive já vou chegar lá pedindo pra sua mãe contar mais histórias constrangedoras suas.

- Você não se atreveria - ele falou bravo me puxando pela mão para fora do quarto e eu ri, agradecendo silenciosamente à Deus por Niall ser meu presente de natal adiantado.

 


Notas Finais


Eeeeee entãooo

oq acharam??

comentem e não se esqueçam
Daqui uma hora eu posto o próximo pessoal, se preparem.

outra coisa gente
muito obrigada pelos comentários do cap anterior
sério mesmo a fic voltou como era antes
to mtt feliz vcs n podem me ver mas to com um sorriso enorme
vou responder a todos os comentários
obrigada mais uma vez meus amores <3

e não se esqueçam Lana ama vcs <3

até daqui a pouco haha

s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...