História Someday - Capítulo 27


Escrita por: ~ e ~falloutclifford

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer, Ed Sheeran, One Direction
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Ed Sheeran, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Luke Hemmings, Michael Clifford, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Cashton, Larry, Muke, Ned, Ziam
Exibições 227
Palavras 4.184
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oi de novo hehe

Último capítulo de hoje pessoal, aproveitem <3

BOA LEITURA A TODOS...

Capítulo 27 - Vergonhas natalinas


Fanfic / Fanfiction Someday - Capítulo 27 - Vergonhas natalinas

Michael’s POV

 

- Michael, você tá tão grande e lindo - tia Liz me deu um abraço apertado assim que abriu a porta da sua casa - eu estava morrendo de saudades do meu quarto filho. Pode entrar que o Luke tá lá na sala - sorriu e me empurrou pra dentro de sua casa, indo cumprimentar meus pais.

Já era véspera de natal e dessa vez íamos fazer a ceia junto com a família Hemmings. Nós já havíamos passado outros natais juntos, mas Luke e eu ainda éramos crianças. De qualquer forma, era bom passar o natal com eles, todos eram animados e divertidos, e eu considerava a tia Liz minha segunda mãe.

A casa dos Hemmings era bem grande e espaçosa, e estava bem decorada. A enorme árvore no canto da sala estava cheia de presentes embaixo e eu me senti mal por ter esquecido o presente do Luke em casa. A sala estava cheia: em um sofá eu podia ver tio Andrew e ao seu lado estava Jack, também conhecido como o garoto do qual o Luke é clone e Celeste estava em seu colo. Eles riam de alguma coisa que passava na televisão. No outro sofá estavam Ben e sua noiva Claire, eles conversavam com uma mulher loira, que eu não sabia quem era, mas pela aparência deveria ter mais de cinquenta anos. Luke não estava a vista.

- Mike, que saudade de você - Celeste literalmente se levantou num pulo e me abraçou - você está tão lindo que acho que vou largar o Jack pra ficar com você - falou rindo quando Jack protestou.

Cumprimentei todo mundo e descobri que a mulher era uma das tias avós do Luke. Ela se chamava Pamela e era bem legal e engraçada.

- Michael, você chegou - fui literalmente esmagado pelo abraço do Luke que desceu as escadas parecendo um furacão - eu estava com saudades de você, desde que a gente chegou você não veio aqui em casa - fez bico e eu ri, beijando sua bochecha.

- Eu estava aproveitando minha mãe e as comidas gostosas que ela faz - dei de ombros rindo.

- E cadê a tia Karen? - Luke perguntou depois de cumprimentar meu pai, que já estava conversando com tio Andrew.

- Acho que tá na cozinha ajudando sua mãe a preparar a ceia.

- Já está tudo pronto, agora é só esperar o peru terminar de assar - mamãe e tia Liz vieram da cozinha, se sentando ali na sala com a gente.

- Eu e Luke estávamos tirando um monte de selfies idiotas e mandando para os meninos no snap enquanto os outros falavam de algum assunto que não me interessava nem um pouco.

- Então, vocês namoram né? - a sala inteira se calou quando Pamela fez essa pergunta, enquanto eu arregalei meus olhos.

- O que? De onde você tirou isso tia? - Luke parecia muito envergonhado e eu também não estava diferente.

- Ora Luke, não precisa esconder. Eu vi o jeito que vocês se olham e você tá usando uma pulseira com um pingente de letra M que só pode ser de Michael e o Michael também tá usando uma pulseira só que com pingente L que com certeza é de Luke. Na minha época os casais usavam alianças, como as coisas mudaram entre os jovens, puxa, preciso me atualizar.

- Pulseiras? Que pulseiras? - Minha mãe perguntou confusa.

- Essas aqui, olha - Pamela apontou para nossos braços - ai, fiquei com vontade de ter um namorado só pra ganhar uma pulseira dessas - falou sonhadora.

- Que coisa mais fofa, por que você nunca fez isso Jack? Aprenda a ser romântico como seu irmão - Celeste brincou e Jack revirou os olhos.

- Luke Robert Hemmings, você tá namorando o Michael e não me contou? - tia Liz perguntou incrédula com a mão na cintura.

- Mãe não é... - Luke foi interrompido quando mamãe e tia Liz começaram a pular no meio da sala e logo Celeste se levantou e começou a pular junto com elas.

- Nosso sonho se realizou, finalmente nossos filhos estão juntos - elas comemoravam enquanto nossos pais riam, assim como Ben, Jack e Claire.

Eu não sabia onde enfiar a cara.

- Eu esperei tanto por esse momento, nem acredito que finalmente aconteceu, estamos velhas, Karen - tia Liz fingiu limpar uma lágrima.

- Fale por você, eu ainda estou bem nova - minha mãe jogou o cabelo para o lado e eu ri - agora Michael Clifford, me fale porque você escondeu isso da sua mãe - me encarou e eu engoli em seco.

- Porque ainda é recente e queríamos fazer uma surpresa - Luke respondeu por mim enquanto entrelaçava nossos dedos, fazendo ondas de eletricidade percorrerem meu corpo, o que aquele garoto estava fazendo? - não é, amor?

- Ah… claro, a gente queria surpreender todo mundo - dei um sorriso falso.

- Como vocês começaram a namorar? E quando? Porque a gente já sabia que vocês se gostavam, isso já tava na cara há muito tempo - meu pai perguntou sorrindo e eu só queria me levantar dali e sair correndo. Nós nem estávamos namorando de verdade e nossas famílias já estavam nos passando vergonha.

- Essa é uma história ótima que o Michael ama contar - Luke sorriu - conta pra eles, Mike.

Vadio. Luke iria me pagar caro.

- Então… - comecei, tentando pensar em algo - a gente começou a namorar já faz duas semanas? - perguntei e vi todo mundo olhando pra mim com uma cara de expectativa, o que eles estavam esperando que eu falasse? - Isso, já faz duas semanas. E como a gente começou a namorar? Nossa, é uma história tão bobinha, vamos deixar pra outra hora né - dei um sorriso amarelo, sentindo Luke apertar minha mão e segurando a risada. Hoje iria haver um assassinato nessa casa. Um assassinato natalino.

- Bobinha nada, pode contar que eu quero saber - tia Liz falou e eu suspirei. Não era bom com mentiras.

- Bom… Luke sempre foi apaixonado por mim né, como ele mesmo me disse quando se declarou pra mim - comecei me gabando e olhando para Luke, que arregalou os olhos.

- Espera, agora eu entendi tudo - Pamela me interrompeu - você era o garoto que viajou para a casa dos primos nas férias e Luke chorou quase as férias inteiras por causa disso, eu lembro da Liz me contando isso por telefone enquanto a gente ria da cara do Luke. É, ele sempre foi apaixonado por você mesmo - começou a refletir e eu olhei incrédulo para o Luke, que já estava vermelho.

- Você chorou por isso? Que coisa mais fofa amor - falei irônico dando ênfase no final da frase.

- Eu era criança tá - falou mostrando a língua.

- Você tinha catorze anos Luke - tia Liz falou com voz de tédio, enquanto Jack e Ben caíam na risada.

- Agora eu lembro disso - Jack falava entre as risadas, ele já estava vermelho de tanto rir - Luke chorando enquanto jogava vídeo game porque vídeo game o lembrava do Michael e o Calum e o Ashton revirando os olhos e mandando ele parar de ser um bebê chorão.

- Você ainda tem esse vídeo dele chorando? Porque eu nunca apaguei - Ben ria enquanto falava.

- Você acha que eu iria apagar esse vídeo? “O Michael foi embora e me deixou, deve tá jogando vídeo game com o primo idiota” - Jack falou numa tentativa falha de imitar o Luke chorando e eu me segurei pra não rir.

- O que? Vocês tem vídeo disso? Quem foi o miserável que gravou? - Luke perguntou bravo.

- Calum - Ben respondeu enquanto mexia no celular, provavelmente procurando o tal vídeo.

- Agora eu quero ver - me levantei do chão onde Luke e eu estávamos sentados. Quer dizer, tentei me levantar né, já que ele me puxou de volta e eu caí sentado no seu colo.

- Ninguém vai ver vídeo nenhum.  O único vídeo que vocês vão ver vai ser o que eu vou gravar quando estiver matando o Calum. Agora continua a história de como a gente começou a namorar baby - deu um beijo na minha nuca e eu me arrepiei. O que esse garoto quer? Por que ele mesmo não conta essa história falsa? E por que ele não está incomodado de eu estar sentado no seu colo?

- Então… - dei uma pausa com esperança deles mudarem de ideia, o que não deu certo - como eu disse é uma história bobinha… - parei de falar quando ouvi o bip do forno avisando que o peru estava pronto, me fazendo levantar em um pulo - gente que tal irmos comer e deixar a história pra depois? Eu estou com uma fome, quem mais tá com fome? Vocês não estão com fome? Porque eu estou - fui praticamente correndo para a sala de jantar, fugindo daquele constrangimento. Eu nem sabia mais o que estava falando, só queria sair dali. E matar o Luke também, claro.

Me sentei do lado direito da mesa, enquanto esperava todos virem se sentar. Fiquei reparando como tudo estava decorado, a mesa estava farta de diversas comidas distintas mas tudo parecia uma delícia, tudo estava organizado perfeitamente.

Aos poucos eles foram se acomodando em seus lugares. Ben se sentou à minha frente, ao seu lado direito Claire e logo Celeste sentou-se do seu lado esquerdo, acompanhada de Jack, sobrando um assento o qual Pamela se sentou. Agora só restavam três cadeiras ao meu lado e os assentos das pontas que provavelmente seriam ocupados pelos pais de Luke. Meus pais entraram na cozinha acompanhados por Luke e seus pais logo atrás, eu estava rezando mentalmente para que minha mãe ou meu pai se sentassem ao meu lado mas pelo jeito isso não aconteceria.

- Luke meu amor pode se sentar ao lado do seu namorado, nós nos sentamos aqui - ela apontou para o fim da mesa já se sentando, eu queria fazer um escândalo.

- Mas eu já ia sentar perto dele mesmo, não consigo ficar longe do meu amor - me deu um beijo na bochecha e eu só sorri pra ele, mas lhe lancei um olhar que significava “eu vou te matar lenta e dolorosamente”.

Depois que tia Liz falou algumas palavras sobre como o natal é uma data importante e que deveríamos distribuir o amor pelo mundo, ela também disse que queria agradecer pelo meu namoro com o Luke. Coitada, se ela soubesse a verdade acho que infartaria.

O relógio da cozinha marcou meia noite e aí foi aquela chuva de abraços e beijos de feliz natal. Luke me deu um abraço apertado que eu retribuí. Será que se eu o estrangulasse alguém iria notar?

- Continua fingindo Mike, depois eu te explico - Luke sussurrou em meu ouvido, me causando arrepios.

- Depois não, você vai me explicar isso agora mesmo seu idiota, senão eu faço escândalo aqui e agora e termino esse nosso namoro que nem começou - sussurrei. O que eu mais queria era namorar Luke Hemmings, mas um namoro de verdade, não essa cena que ele estava fazendo para nossas famílias.

Aliás, por que ele estava fazendo aquilo? Uma coisa era mentir para uma desconhecida em uma boate, outra coisa era mentir pras nossas famílias. Era muito mais sério.

- O que vocês estão sussurrando aí? - ouvi a voz do tio Andrew e eu e Luke nos separamos do abraço na hora.

- Larga de ser chato Andrew, eles devem estar trocando juras de amor e você atrapalhando - tia Liz deu um tapa no braço dele e todo mundo riu. Menos eu, é claro - agora vamos comer, que não é só o Michael que está com fome - tia Liz disse indo para a cozinha e voltando de lá com o peru.

Me servi e comecei a comer e meu Deus, a comida estava ótima. A comida em Oxford era gostosa, mas não superava a comida da minha mãe e nem a da tia Liz.

- Então Luke, eu já te conheço e tudo mais, mas preciso perguntar mesmo assim. Quais são as suas intenções com meu filho? - meu pai perguntou e eu me engasguei com o peru.

- Pelo amor de Deus pai! Para com isso! - falei enquanto me encolhia na cadeira.

- Por que? Não se faz mais essa pergunta hoje em dia? - ele perguntou confuso e eu só bufei. Era melhor continuar comendo mesmo.

- As minhas intenções são as melhores. Sei que é cedo mas já estamos até fazendo planos pra um casamento no futuro - mentiu descaradamente e meu pai assentiu satisfeito.

- Vocês só vão casar depois que terminarem a faculdade né? - tio Andrew perguntou com a sobrancelha arqueada e eu decidi entrar no jogo do Luke. Se ele pode jogar eu também posso.

- Claro, Luke até queria casar antes da formatura mas eu exigi que ele tivesse pelo menos em emprego antes disso acontecer, afinal eu sou caro pra se manter né? - dei de ombros enquanto levava mais uma garfada de comida à boca.

- Eu que o diga - meu pai falou e Luke riu, enquanto eu o olhava indignado.

- Se prepare maninho, custa caro manter outra pessoa, pensa bem antes de casar - Ben disse rindo mas parou de rir quando Claire deu um tapa no braço dele.

- Luke te dá muitos presentinhos Michael? Ou ele não é um namorado fofo? - Pamela perguntou e eu sorri.

- Ele não é um namorado fofo - choraminguei - acreditam que ele nem me elogia ou me pergunta sobre meu dia? Isso me magoa tanto - funguei e dei um suspiro me fazendo de triste.

- Luke! Eu não acredito que você faz isso com o Michael - tia Liz brigou com Luke que me encarava mortalmente.

- Michael amorzinho, eu não sabia que você se sentia assim. Eu vou melhorar, prometo - Luke sorriu forçadamente.

- Bom, já sabemos quem é que manda na relação - Celeste comentou rindo.

- Quem? Minha mãe? - Jack comentou confuso e Celeste revirou os olhos.

- Ainda quero saber como foi que os dois começaram a namorar - tia Liz disse sorridente - deve ser uma história ótima.

Papai Noel, será que se eu escrever uma carta pedindo que todo mundo aqui tenha amnésia e esqueça essa história de namoro você atende meu pedido?

- Deve mesmo, o Luke não chorou dessa vez né? - Pamela perguntou e eu ri. Eu a conhecia a pouco tempo e já a adorava.

- Não, ele agora já é um homem maduro como ele mesmo diz - falei em tom de deboche.

- E você por acaso acredita nisso? - Jack perguntou rindo.

- Claro que não, mas que tipo de namorado eu seria se pelo menos não fingir que não acho Luke um bobão?

- Você me acha um bobão? - Luke perguntou ofendido.

- Um bobão apaixonado, amor - falei rindo - muito apaixonado.

O jantar seguiu sem mais constrangimentos e eu fiquei feliz que todo mundo pareceu esquecer do assunto “como Michael e Luke começaram a namorar”. Claro que meu momento de paz não duraria muito tempo.

Depois da sobremesa, todos voltamos pra sala, para a troca de presentes e eu sem presente pra dar pra ninguém. Parecia até que eu tinha ido ali só pra comer.

- Amor, seu presente tá lá no meu quarto, vem comigo - Luke me puxou pela mão, subindo as escadas.

- Eu até sei que presente é esse - Jack e Ben falaram rindo e eu corei.

Luke ainda estava com sua mão entrelaçada à minha quando chegamos no quarto. A sensação era ótima, apesar das circunstâncias.

- Okay, dá pra explicar que palhaçada é essa Hemmings? - cruzei os braços e comecei a bater o pé.

- Eles estavam achando que a gente tá namorando Michael, como eu iria dizer o contrário?

- Que tal “não mãe, nós não estamos namorando”? - falei me exaltando, meu tom de voz já começando a aumentar.

- Fala baixo Michael, o que eles vão pensar se te ouvirem gritando desse jeito?

- Você não me mande falar baixo não, porque isso só aumenta a minha vontade de te matar - falei me segurando pra não voar em cima dele - você é um idiota Luke, agora vamos ter que fingir esse namoro até a gente voltar pra faculdade em janeiro!

- E qual o problema? Pra mim está ótimo ficar de mãos dadas com você, te abraçar e te chamar de amor - Luke sorriu e eu me derreti. Foco Michael, Luke não gosta de você da mesma maneira que você gosta dele.

- Já que é pra continuar com essa ideia sem noção, então vamos pelo menos fingir direito - suspirei - quando a gente voltar pra sala seja um perfeito namorado por favor.

- Só se você também prometer se comportar - Luke riu.

- Mas eu me comporto, olha pra mim, eu sou um príncipe - olhei convencido pra Luke.

- É sim, é o meu príncipe - ele se aproximou e deixou um beijo em minha testa.

- Agora sim estamos parecendo um casal de namorados - ri baixinho.

- Talvez eu esteja treinando para quando acontecer de verdade - Luke falou num tom de voz tão baixo que eu não entendi nem duas palavras.

- O que você disse? Eu não entendi.

- Não falei nada. Vem, vamos descer.

- O que? E o meu presente que você disse que tava aqui?

- Não tem presente nenhum, não deu tempo de comprar - Luke falou envergonhado e eu o olhei com cara de tédio - nem adianta me olhar desse jeito, você também não trouxe um presente pra mim.

- Seu presente é a minha presença - dei um sorriso inocente - além do mais eu comprei um presente pra você, só esqueci de trazer. Tá lá em casa. Mas agora não vou mais te dar, se eu não ganho presente você também não ganha - falei fazendo birra e Luke riu.

- Mas como você é bobo. Você acha mesmo que eu não iria comprar seu presente? Eu só estava treinando minhas habilidades como ator - Luke falou convencido e eu só revirei os olhos.

- Idiota. Cadê o presente então?

Luke foi em direção ao seu guarda roupa gigante e voltou com dois papéis na mão. Espera, aquilo eram dois ingressos?

- Aqui Mike, feliz natal - me abraçou, depois de entregar um ingresso pra mim.

- Isso é um ingresso pra um show do Nickelback? - eu quase gritei de emoção - eu não acredito nisso, meu Deus você é o melhor amigo do mundo - literalmente pulei em cima do Luke, se ele não tivesse equilíbrio e não fosse forte com certeza nós teríamos caído no chão.

- Acho que isso quer dizer que você gostou né? - Luke perguntou rindo, ainda comigo em seu colo, mas agora minhas pernas estavam ao redor da sua cintura e eu estava segurando em seus ombros. Só conseguia imaginar a cara de minha mãe se ela chegasse no quarto e encontrasse Luke parado em pé, no meio do quarto comigo agarrado a ele como uma criancinha.

- Se eu gostei? Eu amei, nem acredito que vou ver Chad Kroeger cantar ao vivo. E tem também o Ryan Peake, que é tão lindo e fica tão gostoso tocando a guitarra - comecei a devanear e Luke me encarou com sua melhor cara de tédio - esse é o melhor presente, pode continuar namorando comigo de mentira pra me dar presentes assim - eu ri enquanto Luke me colocava no chão.

- Com tanta gente no mundo e eu fui namorar logo um interesseiro - Luke fez drama e eu só mostrei a língua pra ele - o show vai ser daqui a um mês, será que você consegue se controlar até lá?

- Vou tentar, mas não prometo nada - ri, só de me imaginar no meio da multidão cantando já sentia meu coração bater mais forte - agora vamos, que já estamos há tempo demais aqui em cima - espera, fica com meu ingresso, porque eu sou bem capaz de perdê-lo.

- Verdade, lembro até hoje da vez que sua família não viajou porque você perdeu seu passaporte - Luke riu, guardando nossos ingressos de volta no guarda roupa.

- Eu não perdi meu passaporte, o homem invisível que pegou e nunca devolveu - sorri e Luke me olhou com uma cara de “não acredito que você falou isso” - agora vamos lá pra baixo, e lembre-se: seja um bom namorado.

- Sim senhor - Luke fez continência e me seguiu pra fora do quarto, entrelaçando nossas mãos assim que chegamos às escadas.

- Até que enfim, demoraram tanto assim lá em cima por quê? Estavam transando é? - Jack perguntou rindo, levando um tapa na cabeça da tia Liz.

- Cadê seu presente Michael? O que Luke te deu? - Ben perguntou, parecendo procurar algum resquício de presente na minha mão.

- Uma camisinha - Luke se intrometeu, respondendo por mim enquanto a gente se sentava no chão da sala. Luke me puxou pra seu colo e suas mãos agora estavam em volta da minha cintura. Ele realmente era um bom ator.

- Luke! - tia Liz brigou com ele também - se comporte, seus sogros estão aqui sabia?

- Não tem problema Liz, a gente já conhece o jeito do Luke - meu pai disse rindo.

- Então querido, o que Luke te deu de presente? Não foi uma camisinha né? -  Liz parecia mais empolgada do que todos ali.

- Não, foi um ingresso pro show do Nickelback - sorri - Luke é o melhor namorado do mundo - me virei pra ele e deixei um beijo em sua bochecha, e Luke sorriu.

- Vocês são tão lindinhos juntos, mas não precisa ficar com vergonha Mike, pode beijar o Luke, eu sei que casais fazem isso, na sua idade eu beijava muito - tia Liz disse sorrindo.

- O que? - tio Andrew perguntou de cara fechada.

- Não fale como se você não tivesse feito a mesma coisa - tia Liz deu de ombros - como eu estava falando, não precisa ficar com vergonha Michael, pode beijar o Luke.

Senti Luke apertando minha cintura e eu congelei. Um beijo definitivamente não estava em nossos planos.

- Obrigado pelo aviso mãe. Mas eu não tenho vergonha de beijar o Michael e nem ele tem vergonha de me beijar - Luke disse na maior cara de pau e eu não estava gostando do rumo dessa conversa.

- Então se beijem ué - Celeste falou - é natal Luke, dê um beijo de natal no seu namorado.

- Eu não vou beijar meu namorado na frente dos meus pais, isso é constrangedor demais.

- Para de frescura Luke, não me faça ter que me levantar desse sofá e fazer vocês dois se beijarem - Celeste falou brava e eu suspirei. Pelo jeito não havia como fugir desse beijo.  Eu sabia que essa ideia do Luke de falso namoro não iria dar certo.

- Me virei ficando de frente pra Luke, que parecia nervoso. Imagino o que deve estar se passando na cabeça dele agora. Porque eu só conseguia pensar em como sempre desejei que ele me beijasse e parecia que finalmente eu iria conseguir o que eu sempre sonhei, mas não da maneira certa.

Vi Luke engolir em seco antes de inclinar sua cabeça pra frente, seus lábios tão próximos dos meus. Seu piercing chamava toda a minha atenção e eu não conseguia desviar o olhar da sua boca. Mordi meu lábio inferior e então o que eu mais queria aconteceu. Luke me beijou.

De início foi só um encostar de lábios, nós dois estávamos tímidos demais pra fazer qualquer coisa. Mas então Luke começou a movimentar seus lábios contra os meus e o choque que senti percorrer meu corpo foi tão grande que eu arfei. Minhas mãos foram pra sua nuca, puxando com um pouco de força seus cabelos, enquanto eu sentia suas mãos percorrerem minhas costas. Eu nem ligava para o fato de nossas famílias estarem assistindo, eu só queria aproveitar a oportunidade.

Senti a língua de Luke adentrar minha boca e nem em meus melhores sonhos eu imaginei que a sensação seria tão boa. Seu piercing gelado em contato com minha boca desencadeavam ondas elétricas por todo o meu corpo. Eu poderia muito bem beijá-lo para o resto da minha vida.

- Me sinto assistindo pornô. Em plena noite de natal ainda por cima - Jack reclamou e nós nos separamos ofegantes e corados.

Eu havia beijado Luke Hemmings e foi como eu imaginava que seria: cheio de fogos de artifícios e borboletas no estômago.

 


Notas Finais


Pra quem estava louco por um beijo muke, tá aí. Não sei se as expectativas de vocês foram atingidas, mas eu não sei se alguém percebeu que apesar de ser por causa de um namoro falso que LUKE INVENTOU PRA FAMÍLIA DELES, ele não pareceu se importar muito por beijar o Michael. Então, esperem muitos momentos muke daqui pra frente.

E pra quem achou que estava demorando muito, não sei se vocês fizeram as contas mas se passaram aproximadamente 3 meses na fic, e pra quem nem sabe que gosta do melhor amigo, como é o caso do Luke, a gente achou esse tempo aceitável pra acontecer um primeiro beijo deles. As coisas não poderiam acontecer de uma hora pra outra né?

Beijo pra vocês, até o próximo capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...