História Somente essa noite - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella
Visualizações 344
Palavras 1.815
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi lindjas!

Não abandonei a outra fic mas estava com essa história na cabeça. Ela pode ter entre 1 ou 2 capítulos e depende de vocês pra decidirem o que faço.

Vai funcionar assim, se gostarem posto mais um capítulo e se caso não gostarem fica por aqui mesmo, tudo bem?

Espero que gostem!

Meus amores do GFC dedico para vocês novamente. 💛

Capítulo 1 - Olhares


O ambiente era escuro e se não fosse pelas luzes que estavam direcionadas para o palco e algumas pessoas que passavam ao seu lado digitando em seus celulares, com certeza já teria pisado no pé de muita gente. Uma banda tocava uma música que ela não conseguia compreender bulhufas do que estava sendo dito. O que ela estava fazendo ali era um ponto de interrogação enorme em sua cabeça e por diversas vezes pensou em voltar para casa e descansar tudo o que seu corpo e mente pediam para descansar naquela noite de folga. Mas não, se deixou levar pelo grupo de amigos e companheiros de trabalho que agora estavam ocupados demais com pessoas que conheceram naquele lugar.

Encostada em uma parede acompanhada apenas pelo seu terceiro copo de vodca misturada com alguma outra bebida que já não conseguia mais lembrar, olhava as pessoas ao seu redor. A maneira que dançavam e o impulso que a música dava para os mais tímidos beijarem quem desejavam naquela noite. Olhou para baixo, analisando suas próprias roupas. Pelo menos nisso não estava tão diferente. Vestia uma calça preta que agarrava os contornos de sua perna, dando espaço para uma bota de salto alto cobrir a barra. A blusa era uma regata também preta com a estampa de uma das bandas de rock que estava no auge em seu país natal. Tinha os olhos cobertos por um delineador e um batom escuro em tons que lembravam o vinho.

Molhou os lábios com sua língua e voltou a encarar ao redor, olhando agora para a banda que tocava no palco já há algum tempo. Todos que estavam ali possuíam o corpo corberto de tatuagens e balançavam a cabeça com o barulho da música. Bebeu um pouco mais de sua bebida ainda encarando a banda se apresentando. Não sabia se estava bêbada ou se realmente os gritos que o vocalista dava a impedia de entender uma frase que fosse. Ele estava completamente suado, vestindo agora apenas sua bermuda e um par de tênis velhos. Os desenhos que estavam estampados em sua pele, pareciam mostrar uma história. Alguns números, alguns seres estranhos e algumas outras coisas menores que ela não conseguia distinguir de longe. Seu corpo era musculoso e definido. Se pegou encarando os movimentos que sua barriga dava a cada frase que ele supostamente estava dizendo. Quando voltou a olhar rapidamente para o rosto do homem pode perceber que ele a encarava e aquele olhar intenso que possuía uma voz rouca deixou seu corpo inteiro arrepiado. Ficaram por alguns minutos se encarando. Ele cantando e ela vez ou outra bebericando o conteúdo que restava em seu copo.

Quando o show acabou, ela já tinha terminado o seu quarto copo e dançava sem se importar se o ritmo do seu corpo combinava com o da música que estava tocando.

- Oi – Aquela voz rouca que há minutos atrás estava cantando para todos agora falava apenas para ela em seu ouvido. Seus corpos estavam pertos um do outro mas não se encostavam. Ela apenas virou seu rosto o suficiente para encará-lo e abriu um sorriso ao encontrar seus olhos.

- Hola – seu sotaque misturado com o excesso da bebida deixaram aquela palavra sair da maneira mais embolada possível, fazendo o tatuado soltar uma gargalhada

- Tava te olhando ali do palco e não consegui deixar de notar o quanto cê é linda – Seu olhar fez um caminho do rosto até a bunda da mulher em sua frente, que continuava dançando deixando suas curvas se sobressairem a cada movimento

- Gracías mas digáme una cosa, será que além de cantar también sabes dançar? – a morena virou o rosto mais um pouco, levantando sua sobrancelha o desafiando

- Deixa eu te provar moça do sotaque gostoso – ele imediatamente colocou suas duas mãos na cintura da mulher e colou seu corpo no dela, encaixando seus corpos suados e encostando seu peitoral e braços quentes, que ainda estavam descobertos pela falta de camiseta, naquela pele branca que estava descoberta pela regata.

Fechou seus olhos, deixando seu nariz descobrir os cheiros que o cabelo e o pescoço da desconhecida exalavam. Ela continuava se movendo, agora um pouco mais devagar, deixando sua bunda roçar pelo corpo que a apertava, sentindo o volume que se formava em suas costas. Mordia seu lábio inferior e se arrepiava aos poucos com a respiração que caía em seu ombro. Levou um de seus braços para trás, segurando na nuca do tatuado enquanto entrelaçou sua mão com a dele que continuava a apertar sua cintura.

Abaixou seu rosto para beijar o pescoço dela, distribuía beijos pela pele da morena e passava a língua para sentir seu gosto. Foi percorrendo um caminho até seu ombro, que agora estava descoberto após ter abaixado uma das alças da regata e a escutou soltar um gemido baixo. Abriu os olhos, sem descolar sua boca dela e a encarou de olhos fechados, e a língua percorrendo o lábio inferior no mesmo momento em que ele percorria a língua pelo ombro dela.

Apertou a cintura da morena com mais força e a virou bruscamente para sua frente. Surpreendida com o movimento, abriu seus olhos e encontrou os dele. Os dois estavam com as pupilas dilatadas, as bocas entre abertas e as respirações pesadas. Ela passou os dedos pelas costelas tatuadas dele, descendo devagar sentindo seu corpo contrair com o toque. Aproximou seu rosto e beijou o seu pescoço, subindo sua boca conforme seus dedos desciam. O olhou e deu um selinho rápido, logo afastando seu rosto. Ele por sua vez não conseguiu se controlar e a beijou com intensidade invadindo a sua língua para ir de encontro a dela. Colocou suas mãos por dentro da regata da morena para acariciar sua pele macia nas costas.

Exploravam um a boca do outro, e percorriam suas mãos descobrindo novos espaços em seus corpos. Ela finalmente entendia o que estava fazendo naquele lugar. Não conhecia nada, nem mesmo aquele homem que a beijava de maneira deliciosa, mas para ela era o suficiente. Parou aos poucos o beijo, depositando alguns selinhos nele. Virou a cabeça para observar o lugar e só parou quando encontrou uma parede mais distante de todos que permaneciam no local.

- Vem comigo – Voltou a encará-lo e segurou sua mão o puxando para o canto

Ele deixou que ela o guiasse até pararem no canto perto da saída dos funcionários. Ela se encostou na parede e voltou a puxar seu corpo para beijá-lo, dessa vez abrindo mais suas pernas, deixando ele no meio delas.

O beijo foi aumentando sua intensidade de antes. As mãos dela percorriam pelo braço dele, sentindo os seus músculos e a pele que se arrepiava com os toques de seus dedos. Sem aviso, ele retirou sua boca da dela, olhando para baixo e notando seus seios mais a mostra, devido a alça que ainda estava caída em um dos braços da mulher. Voltou a encará-la enquanto suas mãos se encontraram para abrir o botão daquela calça apertada. Ela mordeu o lábio inferior, dando um sorriso de canto e o encorajando a continuar.

Sem esperar mais um instante, colocou uma mão por dentro da calça e invadiu sua calcinha, posicionou dois dedos em seu clitóris e ficou pressionando o mesmo enquanto a encarava. Ela estava com a boca entre aberta e claramente seca, já que sentia dificuldade toda vez que tentava engolir um gemido. Dobrou uma perna, deixando a mão do tatuado conseguir mais espaço dentro de sua calcinha e fechou os olhos ao continuar sentindo ele pressionando o mesmo lugar, recebendo pulsações em resposta. Ele aproximou seu rosto no colo dela, depositando beijos enquanto começou a devagar fazer movimentos circulares ao redor de seu clitóris.

Ela tinha o coração acelerado e seu corpo não estava aguentando o calor que aquele encontro estava causando. Colocou uma de suas mãos no braço do tatuado, apertando com os dedos em seu músculo. Ele abaixou a direção de sua boca, afastando a parte da regata que estava no caminho, dando um chupão na pele descoberta enquanto aumentava o movimento da mão em seu clitóris. Ela apenas abaixou um pouco a cabeça, deixando sua respiração sair com gemidos no ouvido dele.

Para quem estava por perto, tudo o que se ouvia era o rock que agora voltava a tocar com a banda que tinha começado a se apresentar, mas para ele era uma mistura daquelas batidas com o gemido baixo que apenas ele tinha o privilégio de ouvir.

Levantou o rosto e encostou a testa na dela, seus dedos permaneciam massageando rápido o clitóris molhado e pulsante dela, se olharam e enquanto ele soltava sua respiração quente em direção ao rosto dela, ela tentava não chamar a atenção de ninguém e gemia tão baixo que as vezes sua voz falhava.

- Além do sotaque, você tem um gemido delicioso - sua voz saiu mais rouca do que o costume e ele deslizou seus dedos até a entrada, penetrando três deles de uma vez e sem aviso, a fazendo apertar seu braço com as unhas tirando um gemido alto da boca dele.

- Shhh - ela levou sua mão até a boca dele, colocando dois dedos em seu lábio para aquietá-lo - tenga controle - mordeu o seu próprio lábio para também segurar um gemido e invadiu os dedos na boca dele, para chupá-los.

Ela desceu a mão que apertava o braço para apertar o volume que estava incomodando na bermuda. Ele mordeu os dedos dela ao sentir sua mão e movimentou sua cintura para frente, desconfortável com o jeans.

Sentindo os espasmos que ela dava em seus dedos, aumentou a velocidade de sua mão e retirou sua boca dos dedos dela, para aproximar-se do ouvido da morena. - Não se segura - ela encostou sua testa no ombro dele, e mordeu com força sua clavícula ao rebolar nos dedos do tatuado até gozar.

Permaneceram na mesma posição, com as respirações ofegantes por alguns minutos até ele retirar sua mão de dentro da calça e se afastarem juntos. Ela sorria para ele, com seus cabelos bagunçados e ele espelhava seu sorriso, com algumas gotas de suor escorrendo de seu peitoral.

- Quer sair daqui? - ele segurou em sua mão, passando o polegar devagar pelas costas da mão dela

- Sí - ela afirmou com a cabeça - mas dejáme saber su nombre primeiro?

- É Henrique. Mas pode me chamar de Fogaça - Ele a puxou para perto ajeitando com a outra mão a alça da regata. - e o seu? Aliás, da onde você é?

- Soy da Argentina. Yo soy Paola. - ela se soltou de Fogaça e andou para frente, parando apenas para se virar ao perceber que ele permanecia parado a encarando - vamos?

- Vamos - ele voltou a segurar em sua mão, passando em sua frente para agora ser sua vez de guiá-la para fora dali.


Notas Finais


Tenham buenas noches e quem sabe eu volte logo! 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...