História Somewhere I belong - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tokyo Ghoul
Personagens Hideyoshi Nagachika, Ken Kaneki, Kishou Arima, Rize Kamishiro, Touka Kirishima
Tags Hide X Kaneki, Hidekane, Kanehide, Tokyo Ghoul
Exibições 9
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Não sei mas lê aí

Capítulo 8 - Try it


Hide segurava o rosto do amigo com suas duas mãos. Ele parou para pensar no que estava acontecendo ali. Eles queriam aquilo desde sempre, mas com medo de estragar tudo, desistiram. Isso é idiota, não é? Hoje em dia estão arriscando a vida um pelo outro, sem falar sobre isso. Uma das coisas mais lindas na vida é o amor eles reprimiram isso por muito tempo. O loiro que segurava o rosto do amigo se aproximou, dando um selinho rápido e abraçando ele em seguida. Kaneki se deixou ir, jogando o peso do seu corpo todo em Hide, ele praticamente se largou nos braços do outro.

Ainda existe um lugar a que eu pertença.

Era assim que se referia àquele loiro, ao raio de sol ambulante. Sempre iria ser assim, querendo ou não, eles só tinham um ao outro. Kaneki não sabia muito sobre a família de Hide mas ele lembrava que o amigo sempre dizia que ele era o único em sua vida. Era assim com Kaneki também, mas ele odiava dizer em voz alta. Ele sempre foi o mais frio dos dois. Isso foi uma das consequências do primeiro beijo. Hide nunca se importou com as pessoas que saia, já tinha se assumido pansexual desde sempre, mas isso não afastou seu amigo. Kaneki até gostava disso, dizia que o amigo era “mente aberta”. Mas não foi bem assim que ele reagiu quando o beijou. Ele colocava seus braços em torno do outro para se aconchegar. 

 

(Flashback)  

 

Era mais um dia antes do festival na escola. Tanabata Matsuri, todos pensavam no quão romântico era a história dos amantes que só se viam uma vez no ano, a dor deles e o amor deles. Kaneki estava empolgado, ele tinha escolhido seus pedidos para o dia, não acreditava muito nisso mas gostava do simbolismo na história dos amantes. Ele tinha ficado no trabalho de equipe com Hide de novo, sempre era assim pelas letras do nome. Já o amigo sempre dizia que era o destino. Eles resolveram ir na casa do loiro para fazer tudo, já que a tia de Kaneki provavelmente estaria de mau humor. Ela sempre fazia algo dar errado, assim como jogou os livros de Kaneki certa vez, o que resultou em uma aventura dentro do caminhão de lixo. Eles só enrolavam e acabavam por dormir tarde depois de fazer o trabalho e conversar tanto, mas esse dia era diferente. Kaneki estava alerta, deitado na cama do amigo, que logo sentou ao seu lado, e em sentido oposto se deitou. Um perfeito Yin e Yang. Eles não estavam entendendo nada, depois de tanto energético. Hide costumava não lembrar das coisas depois de três garrafas daquele café doido, era como se ficasse bêbado. Eles haviam tomado 7 garrafas.

“Acho que terminamos.” Disse o loiro se levantando um pouco, se apoiando em um braço para observar Kaneki que estava exausto.

“Sim, Hide... Agora eu só quero dormir.” Ele olhou para seu lado, as luzes já estavam apagadas, era apenas a luz da janela batendo em seus rostos. Sem obter resposta e depois de um longo tempo olhando seu amigo, ele fechou os olhos por um tempo. “Não consigo.” Riu ele.

“Isso é... uma garota, não é? Aposto que é a mesma!” O loiro disse levantando-se indo se trocar. Kaneki realmente não se incomodava com aquilo, ele já estava acostumado. Mas ele estava muito calmo. “Pode dizer, sabe que pode confiar em mim.” 

“Não é isso.”

“Já sei, quer se confessar mas está nervoso?”

“Mais ou menos isso...”

“Kaneki! Me diga!” O moreno logo se rendeu pelos olhos de cachorrinho daquele que sempre estava lá. 

“Tudo bem, Hide.”

Hide costumava ser o centro das atenções, das bagunças, assim ninguém buscava caçoar Kaneki. Isso fazia dele o bobo da corte do moreno, mas afinal, eles se protegiam. Kaneki muitas vezes buscava ajudar o amigo com as matérias e todas as coisas que ele ficava em dúvida. Mas nenhum dos dois sabia nada de romance, apesar de Hide ter se assumido pansexual aos 14 anos, ele nunca namorou ninguém. Kaneki apenas ouvia falar de seus casos e descasos. Mas eles não gostavam de falar sobre isso, já que viviam em seu mundinho particular.

“Eu queria beija-la... mas” logo ele foi cortado de novo.

“Que ideia é essa? Você provavelmente nem sabe como faz isso. E também, não se confessou para ela! Sabe que tem que fazer isso primeiro, ou não sabe?” Hide sempre fazia esse discurso todo quando se tratava de Kaneki ir em busca de uma namorada. Mas eles já estavam prestes a ir para a faculdade, mais cedo ou mais tarde eles iriam ter que dizer adeus. Mesmo com o plano de Kaneki das aulas de reforço de Hide, que eram completamente duras e faziam o loiro pensar em quanto seu amigo poderia ser sádico. Tudo isso por ele querer o melhor para Hide, ou por não querer ele longe?

“Eu já tenho um plano, eu vou entregar um poema e recitar ele como uma confissão. Só que, não sei beijar bem.”

“Isso não vai dar certo. Não sabe? Pesquisa no Google, cara, aprendi assim.” Disse rindo.

“Você sabe?” Kaneki pausou se levantando, sem querer acabou reparando de mais no amigo, que estava trocando de roupa. Olhou ao redor e torcia para que ele não percebesse. Mesmo que não fosse um problema.

“Sei...” Hide terminou de se vestir, olhando para Kaneki calmamente, depois percebendo o favor “...não está me pedindo o que penso que está, não é?”

“O que está pensando? Não vou ler sua mente.”

“Charles Xavier... não quer que eu te ensine, não é?” Kaneki instantaneamente estremeceu com a pergunta. Ele ainda pensava se aquilo iria dar certo, talvez não.

“Pode ser.”

“Pode ser? Ah, tudo bem. Só uma coisa, só se não for seu primeiro beijo. Não quero que se arrependa depois, como eu fiz.” Ele sempre fazia isso, sempre botava Kaneki em um pedestal como se fosse o ser mais precioso na face da Terra.

Kaneki se acomodou naquela cama, o loiro logo estava sentado ao seu lado. Se aquilo acontecesse eles talvez não conseguiriam dormir.

“Não... não é, é que eu beijo muito mal mesmo.” Kaneki disse quase murmurando.

“Só não segure em mim, isso é estranho.”

“Bem estranho.”

Em seguida o choque foi rápido, mas logo foi se tornando mais perigoso e voraz. Em questão de segundos. Kaneki não seguiu a regra, ele segurou seu amigo, segurava seu cabelo, sua blusa. Ficando por baixo do seu corpo, depois que Hide o jogou na cama. Ninguém poderia culpar os jovens, depois de tanto energético. Mas logo Hide desabou em cima do garoto de cabelo grafite. Kaneki olhou para o teto e acabou por deixar o sono vencer assim como seu amigo.

No dia seguinte, Hide parecia não lembrar das coisas. Kaneki acabou desistindo da sua confissão por tanta bagunça na sua cabeça, afinal, ele ainda se lembrava daquilo. E como aquilo foi bom, ele se culpava. Acabou passando o feriado que praticamente fecharia o ano escolar já que não conseguia parar de pensar. Ele passou o feriado em uma cafeteria qualquer, chamada Anteiku. Ele não queria aquilo, não queria estragar as coisas. Precisava procurar algo, alguém que tirasse tudo aquilo. Até que ele viu, a mulher de cabelos roxos e longos lendo livros. Ela era perfeita. Ela não tinha nada de Hide. Enquanto isso, o loiro passava o feriado com o resto de seus amigos, depois de insistir tanto por Kaneki mas ele não o respondia. 

Ele ficou sem entender, não sabia o que tinha acontecido com seu amigo. Mas mesmo assim botou seus pedidos e desejos mais pessoais junto com os outros. Um deles tinha ‘quero que Kaneki seja feliz.’ Ele também havia levado os do amigo, mas não os leu, já que assim eles não se realizam. De noite lá estava ele, ligando e ligando. Até que o moreno atendeu. E tentou conversar como se nada tivesse acontecido.

 

(Fim do flashback)

 

Depois de quase adormecer nos braços do loiro, Kaneki percebeu que estava tarde. Tentou se levantar sem fazer muito alarde, mas o outro logo notou. Logo que o amigo se moveu para longe, Hide segurou seu braço como um ninja.

“Onde está indo?” Ele perguntou sério.

“Dormir, sabe? Na minha cama.” Kaneki soltou a mão de Hide com força para longe dele, andando em direção até o seu quarto.

“Engraçadão. Eu posso ir?” O outro seguia o menor, que logo parou olhando para trás. Hide riu de sua expressão. “Vai embora amanhã, quer que eu te largue como se nunca tivesse te conhecido? Tudo bem.” O loiro se virou, mas sentiu os braços ao redor do seu corpo e um beijo em sua nuca. “ Só alcança aí” ele riu.

“Vamos Hide, estou cansado.” 

“Como as velhas festas do pijama. Só que sem festas.”

“E sem pijama.” O silêncio dominou. “não foi o que eu quis dizer, sabe disso.”

Hide logo riu baixinho, empurrando o amigo para o quarto. Em seguida já estavam deitados, o loiro alto não era geralmente uma “colher pequena” ou “colher grande”, ele era a “colher gigante”. Segurava todo o corpo de Kaneki em seus braços. Aquele sim era um bom lugar para se pertencer. Mesmo que no dia seguinte ele tivesse que ir.


Notas Finais


TA AÍ A EXPLICAÇAO PQ O HIDE N LEMBRA MT PQ ELE É LESADO BJS TCHAU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...