História SONYEON-UI TAIMING - |Jikook| - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Adaptação, Armyuny, Ativo!jungkook, Bangtan Boys, Boyxboy, Bts, Couples, Fanficlong, Fanficuny, Jhs, Jikook, Jimin, Jimin!bottom, Jjk, Jungkook, Jungkook!tops, Knj, Kookmin, Ksj, Kth, Lemon, Myg, Passivo!jimin, Pjm, Prostitute, Revelaçoes, Romance, Seme!jungkook, Ukejimin, Yaoi
Visualizações 129
Palavras 993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 36 - 일곱 - February [Book2]


Fanfic / Fanfiction SONYEON-UI TAIMING - |Jikook| - Capítulo 36 - 일곱 - February [Book2]

P.O.V Jimin

— Não sei o que você quer dizer com “imagens espelhadas”.

Um dos homens de preto de Chigun nos seguiu até o elevador, carregando minha única mala. Apertou o botão do décimo segundo andar, que era o último. Chigun não respondeu à minha pergunta enquanto saíamos do elevador e eu era carregada para outro loft. Este tinha o mesmo estilo e tamanho do anterior, mas era completo, com cozinha, sala de estar e uma escadaria que presumi levar a um quarto. Não havia paredes, exceto no canto, onde existia uma porta. Se eu fosse um homem de apostas, coisa que sou — meu appa me ensinou tudo o que sabe sobre jogos de azar —, apostaria que atrás daquela porta havia um banheiro.

Ele me levou até lá e, sim, era um banheiro. Fui até a pia pulando em um pé só quando ele me soltou. Do nada, minha mala apareceu e Chigun a vasculhou, puxando uma camiseta e um short de pijama.

— Aqui, vista isso. Vou pegar algo para você colocar a roupa suja. — Em instantes, ele voltou e me entregou um saco plástico. — Tudo bem? — perguntou, com a mão sobre a maçaneta.

— Sim. Obrigado. — Senti o rosto esquentar enquanto ele fechava a porta.

Idiota, idiota, sua desajeitado idiota!

O mais rápido possível, joguei no saco o jeans e a camiseta cobertos de tinta e vesti a roupa limpa. Quando terminei, lavei toda a tinta que consegui ver no meu corpo. Eu precisava de um banho, mas agora tinha que resolver as coisas com meu cliente, avaliar seu estado de espírito e saber se ele estava com raiva de mim.

Quando abri a porta do banheiro, ele estava lá e me pegou no colo novamente.

— Oooops! — Engoli em seco quando ele me carregou e me colocou sentado num sofá de veludo no tom mais profundo de roxo. Tão escuro que era quase preto, mas, se você passasse a mão sobre ele, as fibras se moviam e deixavam um tom mais claro, de berinjela. Assim que me acomodei confortavelmente, com o pé sobre o pufe à minha frente, Chigun se sentou, puxando meu tornozelo dolorido para seu colo. Inclinei-me para a frente e segurei as laterais da minha perna, sem saber como responder a um homem que me tocava com tanta liberdade.

— Vamos à sua pergunta sobre imagens espelhadas?

Assenti e mordi o lábio. Ele levantou a mão e traçou o centro do meu rosto com o dedo. Passou os lábios por meu queixo. Um arrepio percorreu meu corpo com aquele toque morno, ou talvez tenha sido a maneira sensual como ele me olhou, como se eu fosse o homem mais lindo do mundo. 

Jungkook me olhava assim. Droga, Jungkook me fazia sentir assim. Uma pontada de culpa me atingiu, mas eu a afastei. Jungkook e eu não éramos um casal. Amigos coloridos, certamente... com a esperança de algo mais. Um dia, talvez.

Não agora.

— Se você cortar o seu rosto aqui, bem no meio — ele traçou minha face com a ponta do dedo, o olhar aparentemente perdido nessa tarefa —, cada lado vai espelhar o outro.

Fiz uma careta.

— Isso aconteceria com o rosto de qualquer pessoa.

Sua mão pousou em minha bochecha, os longos dedos se entrelaçando em meus cabelos, agora, loiros segurando minha nuca.

— Sim, Joli Garçon, mas o rosto das outras pessoas não é simétrico. O seu é perfeito. Igual dos dois lados. Nenhum lado é melhor ou pior que o outro. Isso é incomum. Surpreendente. Você é único. — Chigun estava muito perto de mim e pressionou um beijo quente em minha bochecha. — Amanhã nós começamos a trabalhar, oui? Hoje, descanse. — Ele colocou meu tornozelo inchado sobre o pufe novamente, depois de arrumar um travesseiro embaixo dele. — Tenho coisas a fazer agora — anunciou, movendo-se como se já estivesse distraído com as tarefas que tinha pela frente.

Cara interessante esse Choi Chigun.

〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰〰

Faziam exatamente quarenta e cinco minutos que Chigun tinha me deixado ali parado. E fazia trinta minutos que eu olhava a tela brilhosa do meu celular, estava me decidido, em ligar ou não ligar para Jungkook.

Desde que cheguei em Daegu não o liguei, sinto que ele ficaria feliz em ouvir minha voz assim como eu, claramente, ficaria feliz.

Mas eu nasce assim, medroso, um completo cagão!

Eu tinha medo que ele me rejeitasse... Qual séria sua reação?

Dias antes da minha viajem para Daegu eu falei com TaeHyung, contei tudo para o mesmo e me senti mais aliviado, ele realmente sabia me compreender e isso me ajuda na parcela que ainda tenho que descobrir sobre mim mesmo. 

Ele falou que eu poderia mandar mensagens anônimas para Jungkook, mas ele tem meu número então descartei essa idéia logo no primeiro minuto. Tae também cogitou que eu poderia comprar outro chip, aliás meu celular tem entrada para dois chips o que, pra ele, facilita tudo. Mas pra mim nada facilitou ou vai facilitar.

Talvez se eu falar com ele por mensagens seria melhor. 

Levanto do pufe que estava sentado subindo as escadas do loft vagarosamente, ainda sentia algunas ficadas da dor que essa torção me causou. Chego ao final da escada já cansado respirando fundo tentando tomar o fôlego que me faltou.

Olho em volta, do que parecia um quarto, o cômodo tinha uma espécie de cama embutido na grande janela de vidro dando a vista urbana de Daegu.

Dou alguns passos olhando atentamente cada cantinho daquele quarto, sento na cama embutida com a janela me encostando nas almofadas que tinha na mesma colocando minhas pernas para cima.

Pego meu celular com delicadeza e um pouco de receio, ainda não sabia se estava pronto realmente para isso. Mordi meu lábio diversas vezes tentando criar coragem, que me faltava radicalmente.

Respiro fundo olhando através da janela e olho de novo para o celular digitando rapidamente a mensagem.

Oi, Jungkook é o Jimin... Queria saber como está... Quando poder, me responda. Sinto falta das nossas conversas. Bjs Jiminie♡

[15:30 | •Enviada]

Me respoda Jungkookie-ah... Por favor amor... Eu quero você...

[15:39 | •Enviada]


Notas Finais


Heslou!
Dêem uma olhadinha na minha fanfic Taegi... Mesmo não sendo tem OTP eu prometo que tu vai gostar!
Beijinhos Tchau!
😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...