História Sorry - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Barbara Palvin, Justin Bieber
Tags Agressão, Járbara
Exibições 47
Palavras 1.388
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Capítulo 9


Fanfic / Fanfiction Sorry - Capítulo 10 - Capítulo 9

Bieber

E quando amamos uma pessoa tudo nela é amado, desde seus defeitos até suas perfeições. Um erro do ser humano é perceber que ama uma pessoa quando já é tarde demais.

Alguns dias depois em que Barbara foi embora eu percebi o quanto a amava, mas não um amor de amigo, era algo que passava do ramo da amizade e poderia se aprofundar.

 Eu poderia dizer que meu peito ardia assim que eu a via, mas estaria mentindo, o que sentia quando via seus olhos azuis como o oceano era as famosas borboletas no estômago, tinha a sensação de estar nas nuvens quando conseguia faze-la sorrir, sentia-me no paraíso ou ouvir o som de sai risada. E sua voz era como musica para meus ouvidos, o raio de sol que aparece depois de um dia de chuva.

Ao vê-la ir embora depois dessa conversa catastrófica, eu não planejei nada disso a única coisa que quis foi poder toca-la mais uma vez, ver seu sorriso, mas isso não ocorreu.

Quando ela saiu daquela forma foi como reviver aquele dia, queria ter ido atrás dela, mas não conseguia mover um musculo sequer.

Respirei fundo e sai correndo dali com a esperança de conseguir encontra-la, mas era tarde demais. Ela já devia estar bem longe daqui. Avistei Eric conversando com alguns amigos que por sorte eu conhecia a maioria, andei até eles com as mãos no bolso.

“Eric, preciso de um favor seu.” Murmuro apenas para ele ouvir.

“Pode dizer Justin.”

“Quero o endereço da Barbara e o numero dela” Olhei para ele sério.

“Certo” pegou meu celular e digitou o úmero e deixou o endereço dela anotado. “Boa sorte” sussurrou e voltou a falar com os outros.

Andei até meu carro pensando o que poderia falar quando chegasse a casa dela, poderia ser direto ou poderia enrolar um pouco tentando puxar o assunto para a vida dela desde o dia que foi embora. Iria parecer um idiota olhando para ela fingindo prestar atenção, mas teria que fazer isso só para conseguir chegar ao assunto principal.

Entrei no veículo e dei partida dirigindo em alta velocidade até a casa dele, estava ignorando todos os sinais fechados a única coisa que queria era chegar logo na casa de Barbara.

Depois de alguns minutos estacionei em frente a casa e sai do carro andando apressado até a porta, apertei a campanha e esperei alguém abrir. Ouvi o barulho da porta sendo destrancada e observei a silhueta feminina aparecer no breu.

“Justin? O que estava fazendo aqui? Como soube onde eu morava?” Ela disse com a voz demonstrando sua surpresa.

“Eric me passou, eu preciso falar com você Barbara” Era fácil perceber meu desespero.

“Aquele traidor!” Resmungou com raiva e deu espaço para eu poder entrar.

Entrei e olhei-a enquanto fechava a porta bufando de raiva, só faltava sair fumaça pelas orelhas. Ela ligou a luz e consegui perceber que estava vestindo um roupão de cetim. Puta que pariu ela iria me matar dessa forma.

Acho que ela percebeu que eu a encarava sem piscar porque me encarou com o cenho franzido e os braços cruzados um pouco abaixo do seio.

“Há... Então, sobre o que eu queria conversar...” Gaguejei enquanto observava seu corpo. Eu sabia exatamente o que iria dizer e agora não sei nem como começar uma palavra sequer.

“Se for sobre aquele assunto desista, eu não irei falar nada.”

“Barbara você fez aquela merda por algum motivo, eu não acreditei naquela sua mentira que foi na festa porque quis!” Esbravejei olhando ela. Barbara me olhava assustada e seus braços agora estavam parados ao lado do corpo.

“Justin, eu...”

Você o que? Pensou que eu nunca iria descobrir? Eu te conheço desde que erámos crianças! Eu sabia que você estava mentindo, mas queria que você viesse desmentir.” Já estava gritando a essa altura de tanta raiva que sentia, raiva dela ter mentido, raiva de mim mesmo por não ter vindo atrás dela antes.

“Você não entende! Nunca entenderia!” Ela gritava agora. Parecia que estávamos disputando quem gritava mais.

“O que eu não entendo? Você poderia se explicar assim eu entenderia Barbara!”

Não pensava em diminuir o tom de minha voz perante ela, pelo menos não dessa vez. Barbara iria me ouvir e eu faria dizer tudo.

Eu não quero dizer!” Gritou, eu poderia jurar que a vizinhança inteira ouviu.

Barbara sentou no sofá e colocou suas mãos sobre o rosto. Ela estava frustrada e preste a chorar, eu sabia disso.

Aproximei-me com cautela e sentei ao seu lado colocando a mão sobre seu ombro.

Ela me olhou com os olhos marejados e suspirando. “Babi... Desculpa, não deveria ter pressionado você.”

“Justin... Só tenho uma coisa para dizer.” Ela sussurrou abaixando. “Foi por causa da Mila.”

Arregalei os olhos ouvindo aquelas palavras e várias possibilidades de como aquilo poderia ter acontecido apareceu em minha mente. Barbara foi forçada a algo? Mila a ameaçou? O que eu tinha haver com aquilo? Por que não havia me contado antes?

Levantei e andei pela sala passando as mãos pelo cabelo, eu ficaria maluco com todas essas perguntas rondando minha mente, já estava ficando meio paranoico só de imaginar a Barbara sendo forçada a fazer algo. Eu juro que quando eu souber a verdade irei até o inferno para matar essas pessoas, mas antes eu poderia tortura cada uma.

“Justin...” A ouvi me chamas, mas preferi ignorar por um tempo. Precisava por minha mente me ordem e a ouvir falar algo não iria ajudar em nada.

“Eu vou matar eles... Vou acabar com todos eles.” Murmurei várias vezes enquanto um sorria imaginando as cenas de vários corpos ensanguentados a minha frente.

Seria um prazer fazer uma bela tortura, uma tortura digna de passar em todos os jornais do mundo. Eu acabaria com cada um, eles iriam aprender que nunca deveria ter mexido com ela.

“Justin!” Ouvi Barbara me chamar e quando menos percebi ela estava a minha frente com os olhos demonstrando o quão assustada estava.

Olhei-a com o cenho franzido e segurei em seus braços respirando fundo, não iria machuca-la, iria apenas tentar arrancar mais informações sobre aquela noite.

“Certo, foi por causa da Mila... Quem mais estava com ela?”

“Não interessa, já disse que só tinha aquilo para dizer.”

“Mas que droga Barbara! Quem mais estava com ela?” Resmunguei apertando seus braços com pouco mais de força.

“Mais dois caras! Chaz e Christian!” Ela disse com seus olhos fechados com força, por medo de ver qual seria minha reação.

Mas minha reação foi ficar olhando ela surpreso, com raiva, com a sensação de ter sido traído. As pessoas que eu mais confiava nesse mundo tocaram nela, na minha Barbara. Eles iriam pagar por tudo, eu mataria cada um deles, começando por Chaz.

“Eu vou acabar com eles... Ninguém nunca mais vai toca-la.” Murmurei a abraçando e afagando seu cabelo.

“Você não vai fazer nada, dessa forma irá acabar com sua carreira e eu não quero isso.”

“Não se preocupe com isso Babi, eu sei me cuidar muito bem.” Sorri desfazendo o abraço e olhei ela.

“Não foi o que eu percebi uns anos atrás e, também, isso aconteceu à sete anos...” Murmurou acariciando meu rosto.

“Esqueça isso.” Resmunguei fazendo um bico. “Agora eu aprendi a lição, mas irei fazer uma exceção por causa disso”

“Você não tem jeito. Está ficando tarde e eu não irei deixar você dirigir a essa hora.” Falou me puxando escada a cima. “Tem mais um quarto aqui e você irá dormir lá por hoje.”

“Eu preferia dormir em outro quarto.” Sorri de lado olhando ela.

“Quando você se tornou tão safado? Vai dormir no quarto de hospedes.” Empurrou-me para dentro do quarto. “Tem uma camisa ali no armário do meu pai e as toalhas já estão no banheiro, boa noite Jus.” Beijou minha bochecha e saiu do quarto deixando-me sozinho com meus pensamentos.

Vesti a camisa que estava ali e me joguei na cama encarando o teto. Amanhã cedo eu iria ter uma conversa com Chaz e dependendo do que ele falar irei acabar com ele. Ninguém metido nisso irá sair impune, nem mesmo a Mila, irei encontra-la e acabar com a vida que ela tem.

Irão de arrepender de mexer com a Barbara, e nada que as pessoas façam ira apagar meu ódio e minha sede por vingança.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...