História Sorry for being who I am. - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Red Velvet
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Irene, Joy, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin, Yeri
Tags Chansoo, Chanyeol, Exo, Kyungsoo, Lemon, Long Imagine
Visualizações 215
Palavras 1.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei!
O próximo capítulo sai mais tarde. Me perdoem caso sair de madrugada.
Estou bolada pelo fato da Globo passar novela e não o show do Shawn ;--;

Capítulo 29 - Conversa, agressões leves e descoberta.


 — O que você tem a dizer em sua defesa? — Sun-ye passou o cinto pelo corpo.

— Que ele é um bost...

— Kyungsoo! — fora repreendido pela mãe. — isso não é defesa!

— Ok. — bufou.— Mãe, sinceramente, você acha justo o jeito que ele trata o Yeol?

— Yeol? — Sun-ye segurou um sorrisinho.

— Ah! O embuste. Que seja!

— É o jeito dele. — A mais velha tinha os olhos fixos na estrada.

— Jeito dele? Fala sério. Você engoliu aquele fiasco com o Lay, lá no restaurante? O porre que ele tomou depois? A maneira que ele olha pro Baekhyun como se tivesse nojo dele?

— É verdade, Baek? — a mais velha fitou o loirinho pelo retrovisor.

— É... estranho, tia. — falou baixinho.— as vezes parece que minha presença incomoda.

— E sabe por que? — Kyungsoo se sobressaiu.

— Não fale o que eu estou pensando.— Sun-ye freiou no sinal vermelho.

— Exatamente porque o Baekhyun é mais gay que a própria definição de gay!

— Kyungsoo... — o garoto revirou os olhos. — eu sei que homem nenhum vai ser igual seu pai…

— Não coloca meu pai na história! Eu não quero que nenhum homem seja igual ao meu pai. Até porque ele foi um bosta com você. — Kyungsoo grunhiu. — A questão é que esse cara não é quem você acha que ele é.

— Você gostava dele.

— Não. Eu não tinha nada contra. Mas também, ele aparecia só no fim de semana e não fazia idéia que eu era gay.

— Soo...

— Ah mãe. Pelo amor de deus! Você detecta mentira a quilômetros de distância. Será que você tá tão cega assim? — Kyungsoo acertou um tapa no porta-luvas.

Sun-ye não respondeu nada. Embora a mais velha quisesse acreditar, ela sabia que o garoto não falava nada se tivesse certeza. E ela mesmo já havia percebido coisas das quais estava se fazendo de cega.

Ah, o maldito amor.

As vezes a mulher agia como uma garota de coração machucado, que acreditava no primeiro sapo que se vestisse de príncipe. Kyungsoo não podia julgar a mãe. Ele era prova viva de quanto a mesma havia sofrido com as traições recentes.

— Eu te amo. — Kyungsoo disse debruçado na janela antes de sair.

Os dois pequenos saíram caminhando pelos longos corredores daquela escola, até pararem em seus respectivos armários.

— Você desistiu de ir ao baile? — Baekhyun tirou seu livro de química do armário.

— Não. — Kyungsoo bateu a porta. — Afinal foi só um beijo.

O loirinho deu alguns pulinhos empolgado.

— Nos temos que ir ao shopping!

Kyungsoo revirou os olhos. Se tinha uma coisa que ele odiava mais que ir ao shopping, era ir ao shopping com Baekhyun.

— Você desistiu da idéia de ir de vestido, não é? — o de cabelos escuro arqueou a sobrancelha.

— Meu amor. Oh Sehun vai de vestido. Você acha mesmo que eu vou perder meu brilho para aquela vagabunda?

— Ele vai de vestido? — Kyungsoo fez uma careta. — espera, como você sabe?

— O Kris me disse. — deu de ombros. — Eu vou ter que ir com ele e com o Kai.

— E com o Sehun. —Kyungsoo rosnou. — É, parece que o Kai ainda mantém os fetiches dele.

Os dois começaram a caminhar.

— Você ainda tem aquela roupa de colegial? — Baekhyun riu e levou um soco nas costelas. — Ah! Só perguntei.

— Eu tenho. Mas eu vou por fogo naquilo.

— Usa com o dumbo. — o loirinho que já ria descontroladamente saiu correndo quando Kyungsoo ameaçou bater nele.

— Soo...— Kyungsoo virou rapidamente ao ter seu braço tocado. — a gente pode conversar?

Luhan soltou o braço de Kyungsoo e colocou as duas mãos nos bolsos.

— Ah. Ahã.

— Me desculpa por ontem. Eu só pensei que… sei lá. Você tava tão perto de mim… não resisti. — riu fraco.— idiotice da minha parte.

— Ei. Tá tudo bem, Lu. Você é bonito e tudo mais, só que… eu gosto de uma pessoa..

— Você não tá puto comigo?

— Eu quis te socar na hora.— Soo, riu. — mas tá tudo bem!

— Você não desistiu de ir comigo ao baile, né? — o ruivo apertava os dedos dentro dos bolsos.

— Não. Até porque se eu desistisse o Baekhyun iria me matar. — os dois riram.

— Nada de terno combinando, não é?

— Meu deus! — Soo riu.— imagina, nós dois de par de vaso.

— Ia ficar lindo! Principalmente se o terno fosse rosa pastel.

— Não basta ser gay. Tem que fazer cosplay de Barbie?

Os dois começaram a rir loucamente com aquele comentário. O sinal atrapalhou a conversa dos dois que seguiram cada um para o seu caminho.

A aula fora entediante como sempre. Kyungsoo aproveitou a hora do intervalo para trocar algumas mensagens com a mãe sobre irem ao Shopping a noite e a mesma pareceu mais empolgada que os próprios garotos.

Baekhyun deixou Kyungsoo sozinho por longos minutos, já que o loirinho precisava falar com Yifan, e Kyungsoo não fez questão nenhuma de ter que encarar Sehun agarrado no pescoço de Kai o tempo todo.

— Posso sentar aqui? — Suho aproximou-se com seu copo de café. Kyungsoo apenas assentiu e deu lado para o outro. — O Channie tá bem?

— Tá sim.— o baixinho deu uma mordida no seu sanduíche. — ficou dormindo.

— Tá mesmo rolando algo entre vocês? — O Kim perguntou baixo.

— É. Agora eu acho que tá. — Soo virou para o outro.— Só não fala pra ninguém... ele ainda tá bem bagunçado.

— Tá tudo bem. Pode confiar em mim…— Suho sorriu confiante. — Afinal, o Channie também sabe de segredos meus...

— Kim Suho, tem segredos?— Kyungsoo riu.

— Todos temos.— o garoto virou o rosto e se perdeu na beleza do garoto que havia roubado seu coração.

— Suho... — Kyungsoo chamou o garoto pela segunda vez.

— Hmn. O que? Eu tava… Hmn... perdido.

Kyungsoo olhou pra frente e sorriu ao se deparar com a mesma visão que Suho tinha.

— Você... ah meu deus!

— Ah? Não. Eu…

— Não precisa mentir pra mim… afinal. Você sabe de coisas minhas também.

— É... eu tô completamente apaixonado por ele.— um sorriso triste brotou nos lábios do Kim.— mas ele nem deve saber da minha existencia.

— Faz ele saber então. — Kyungsoo deu um breve empurrão no ombro alheio.

— Ah. Cala a boca. — Suho voltou a dar atenção ao seu capuccino. 


Notas Finais


Quem será a paixão do Suho?
Aaa~
Baekhyun de vestido. Ces imaginam que coisa mais linda ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...