História Sou Luna - Depois do beijo - Capítulo 41


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Simón, Tamara, Tino, Yam
Tags Gastina, Lutteo, Simbar
Exibições 270
Palavras 2.394
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Musical (Songfic), Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oii!

Dessa vez eu fui mais rápida haha.
Gente, esse capítulo está muito legal, espero que gostem, está bem musical.

Boa leitura e um beijo ♡

Capítulo 41 - Melodias que contam tudo


Fanfic / Fanfiction Sou Luna - Depois do beijo - Capítulo 41 - Melodias que contam tudo

Luna

Assim que vi Matteo sair por entre a porta senti meu peito arder intensamente e não consegui fazer outra coisa a não ser chorar. Eu fiquei chorando por horas pensando em como conseguiria me acostumar sem a presença de Matteo, não era o fim do mundo claramente, porém se tratava do meu namorado, ou melhor, meu ex namorado, mas ainda sim o garoto que amava e amei na vida.

Se passaram horas e horas, então resolvi ir até o Roller, a fim de patinar e espairecer. Quando cheguei lá vi que Pedro estava prestes a fechar tudo. Limpei o rosto e apertei os passos.

-Pedro! - o chamei parando em seu lado. - Eu esqueci uma coisa.

-Tudo bem - ele disse sorrindo pra mim. - Mas você não pode se esquecer de fechar tudo, ok?

-Ok! - sorri fraco e ele me entregou as chaves.

Virei a chave e abri a lanchonete, me adentrei lá e fui até a ala dos armários, peguei meus patins e os coloquei. Fui rumo á pista, parei já dentro dela e passei minhas mãos pelo cabelo com força, em seguida comecei a patinar.

-Sé quien soy, estoy buscando algo, donde voy siempre te encuentro, sigo soñando - cantei a música que eu mesma tinha composto e ao mesmo tempo lutava com as lágrimas, que estavam presas dentro de mim. - Sé de ti, me estas, diciendo algo, donde vas siempre te encuentro, yo seguiré a tu lado. - cantei e patinei com mais rapidez. - Luces que se enciendem, crece mi pasión, sueña que es posible, sube y a el telón, sube y a el telón!!...

Gritei tão alto que pude ouvir o eco da minha voz, e depois parei e chorei me agachando. Solucei repentinas vezes e logo engoli o choro, me levantei e voltei a patinar e cantar.

-Vibras en mi, suelto mi voz, música es, sola no estoy, nacen y siento, melodías que lo cuentan todo. - minha garganta ardia ao que cantava, porém não podia parar, eu precisava de alguma forma soltar toda tristeza de mim. - Ven a cantar, seamos dos, música en ti, libre este amor. Cambiando el mundo, sempre música seremos todos!

Finalizei a música, me agachei novamente e voltei a chorar. As lágrimas pareciam competir uma corrida, e me faziam ficar sem ar.

-Eu entrego o prêmio de melhor cantora para... Luna Valente! - ouvi a voz de Simón se aproximar.

Levantei a cabeça e o olhei. Assim que ele viu meu rosto inchado e meus olhos avermelhados arregalou os olhos e veio mais rápido até mim.

-Luna! - ele exclamou segurando em minhas mãos e me levantando. - O que houve?!

-O...o...o... - eu tentei falar, mas não consegui por conta do choro.

-Tudo bem! Não precisa dizer nada - ele disse e me abraçou fortemente.

Pude sentir o calor dos seus braços invadir meu corpo, sentia falta, e me sentia segura. Eu sempre soube que podia confiar nele, porque era o que sentia, e o que ele demostrava pra mim todos os dias.

Correspondi o abraço mergulhando e escondendo meu rosto em seu ombro. Ele tocou sua mão cautelosamente em minha cabeça, e ali mesmo ele acariciou até cessar meu choro.

-O Matteo vai ir embora. - confessei.

-O que? - ele perguntou se afastando do abraço e me olhando incrédulo.

-Ele vai ir embora e não vai voltar - falei lutando contra o soluço, em vão.

-Poxa... - ele passou a mão pelo cabelo. - Luna, eu sei exatamente pelo que está passando, e você pode contar comigo, sabe disso, não é?

Balancei a cabeça positivamente. Ele sabia sim, porque ele viu sua melhor amiga ir embora, e eu nunca duvidei que pudesse contar com ele, nem mesmo quando ele não apareceu na competição.

-Obrigada, amigo, eu te amo.

Ele me olhou e me puxou para outro confortante abraço.

-Eu também te amo - ele disse em tom de sussurro.

Então Simón se afastou do abraço e girou comigo pela pista. Fechei os olhos - eu realmente confiava no meu amigo - e senti o vento se formar e balançar meu cabelo. Tentei pensar em coisas boas, e me lembrei dos momentos bons que passei com Simón em Cancún, então sorri verdadeiramente. Meu sorriso se desfez, porque era muito difícil não pensar nele. Era exatamente como dizia na canção, Matteo vibrava em mim, em sentia a vibração, mesmo que ele não estando comigo.

Ele parou de girar, abri os olhos e o olhei, ele me olhou de volta.

-Eu sei que vai passar por isso - ele afirmou.

-Eu sinto que falta algo em mim, Simón - falei.

-Sé muy bién que eres valiente y luchas por lo que sientes, una canción siempre vá contigo, para abrir nuevos caminos... - ele cantou um pedaço da música e balançou a cabeça para que eu cantasse junto.

-Vas a crecer, vas a despertar, a descubrir para deslumbrar en busca de tus sueños, tienes el valor y vas a volar - cantamos em uníssono e ele começou a girar novamente. - Vas sientir, vas encontrar, vas vivir para demonstrar que eres tan valiente...

-Todo lo que quieras lo podrás alcanzar. - finalizei sorrindo e ele me abraçou mais uma vez.

-Estou aqui com você, amiga - ele disse firme.

-Eu sei - sussurrei.

Depois, Simón me levou até a mansão, me abraçou e foi embora. Entrei cautelosamente para não acordar ninguém, fui até meu quarto, me joguei na cama, e dormi pesadamente.

Matteo

Naquela manhã eu acordei e olhei pela janela, e por mais que fosse um dia lindo, ao meu ver faltava algo, faltava alguém.

Eu estava acabado, meus olhos estavam inchados, o motivo era porque na noite anterior chorei até finalmente pegar no sono. Eu ainda me lembrava da expressão dela, e isso estava me matando por dentro. As vezes eu me perguntava se aquela foi uma decisão correta, se era mesmo o necessário a se fazer.

-O que eu fiz? - me perguntei passando as mãos pelo meu cabelo bagunçado.

-Você fez o correto, filho - minha mãe disse enquanto entrava em meu quarto.

Ela se sentou ao meu lado e pegou em minha mãe levemente.

-Mãe, - a chamei - por quê as coisas são tão difíceis?

-A vida é assim, querido, passamos por momentos bons, mas também temos que passar por momentos difíceis, para que possamos aprender a ser fortes. - ela explicou sorrindo lindamente. - Sempre buscamos uma saída, mas temos que entender que não podemos fugir, e sim enfrentar, com coragem.

-Obrigado, mãe, eu precisava ouvir isso - sorri.

-Não precisa agradecer, filho, e quero que saiba que tudo o que estiver ao meu alcance eu farei para que possa ficar com a mocinha, eu gosto muito dela.

Sorri. Luna com seu jeitinho distraído e simpático conquistava o coração de todos.

-Agora lava esse rosto e tenha um dia feliz com seu irmão. - ela disse limpando meu rosto.

-Que? Você está de brincadeira, não é? - perguntei.

-Ele vai ir embora hoje! - ela disse, resgatando um pouco de felicidade que ainda me restava.

Me levantei de pressa e minha mãe riu.

-Ok, vou ter um dia lindo com meu irmão.

-Me encanta esse laço de vocês - ela disse irônica e logo se retirou do cômodo.

Depois de me arrumar e passar um pouco da tarde sendo legal com meu irmão - obviamente porque ele iria embora e eu estava realmente muito feliz com esse fato - resolvi ir de patins até a praça e chamei que Gastón fosse lá, eu precisava desabafar com meu melhor amigo.

Sentei no banco e em menos de vinte minutos vi Gastón se aproximar. Ele se sentou ao me lado e deu tapas em meu ombro amigavelmente.

-Como sente, amigão? - ele perguntou.

-Péssimo. - respondi de imediato.

-Você fez a coisa certa, ou pelo menos acha isso - ele disse naturalmente. Olhei pra ele encarando-o.

-Não está ajudando. - falei.

-Foi mal... - ele disse passando a mão pelo cabelo. - Na verdade eu acho que fez a coisa certa, você poupou a Luna de falsas esperanças.

-Sim, exatamente isso.

-Cara... - ele disse desapontado. - Lutteo não pode acabar assim.

-Que?! - exclamei, não entendendo muito bem o que ele tinha dito.

-Lutteo, Luna e Matteo, é a junção dos seus nomes - explicou -, como Gastón e Nina, Gastina.

-Você andou lendo revistas de menina? - perguntei.

-Cara, claro que não! - afirmou. - Eu tenho irmã, você sabe.

-É, eu sei, então você roubou a revista da sua irmã?

-Não, ela me pede nomes e eu dou nomes, apenas isso.

-Sim, entendi - eu ri, pela primeira vez no dia.

Gastón era um amigo muito bom, tudo o que ele pudesse fazer para me ver bem, ele fazia.

-Ok! Agora temos que ir para o Roller, porque a Tamara disse que vai nos passar informações sobre a competição intercontinental. - ele disse e se levantou.

-A propósito, - me levantei - você vai participar?

-Não, não estou tão focado em patinação.

-Sim, sim, você está focado em um ser chamado Nina. - falei o fazendo rir.

Fomos patinando até o Roller e conversando sobre as coisas da vida, sobre como seria o próximo ano, entre outros assuntos. As vezes eu me pegava pensando na Luna, bom, era impossível não pensar.

Assim que chegamos no destino avistamos todos juntos em uma mesa da lanchonete, inclusive Luna, que parecia está triste, na verdade era bem evidente. Fomos até eles.

-Que bom que chegaram! - disse Tamara sorridente.

Sorri fraco.

-Então, até agora temos: Jim, Ramiro, Simón e Ámbar. - ela falou.

-Tamara - chamou Gastón - eu não vou participar, tenho que me concentrar em outros assuntos, como a prova final do Blake.

-Jazmín e eu também não - Delfi se prontificou. - Nós estamos bem focadas no Fab and Chic.

-Eu tenho o trabalho de assistência de moda, então também não poderei. - disse Yam.

Luna permaneceu calada durante todo tempo, e comigo não foi diferente.

Os outros saíram de lá, deixando Tamara, Luna e eu a sós.

-Então, vocês não disseram nada.

-Eu não sei se vou participar... - Luna tentou falar, mas a interrompi.

-Para! - exclamei. - É o que você mais quer, Luna. Olha se você não for eu também não vou.

-T-tudo bem - ela gaguejou me olhando.

Dei à ela um pequeno sorriso, e ela me devolveu.

Ámbar

Depois que a Tamara explicou tudo sobre a competição fui até uma das mesas da lanchonete, pedi um suco de limão ao Pedro, e conversei tranquilamente com minhas amigas.

-Ai, Delfi, todo mundo sabe que vocês se amam secretamente. - Disse Jazmín, ela tentava fazer Delfi finalmente assumir que gostava do baterista da RollerBand, Delfi por sua vez negava.

-Eu não gosto dele, Jazmín! - exclamou irritada. - Ele é só meu amigo.

-Ah, sim, amigo. - Jazmín disse em tom de ironia. - Mas você tem até razão em considera-lo apenas como amigo, vocês viram as roupas que ele usa? - ela fez uma expressão de desprezo.

Elas continuaram tagarelando, e eu observei em silêncio dando goladas em meu suco.

-Delfi - a chamei - se você gosta mesmo dele, mesmo que seja secretamente, não o perca de vista.

-Ámbar, eu não gosto dele! Não do jeito que estão pensando.

-Não me importa, estou apenas te aconselhando, e se não quer perde-lo e melhor ser ágil, pessoas como a Daniela aparecem o tempo todo. - finalizei me levantando.

As duas se entreolharam confusas, eu apenas deixei meu suco lá e fui até Simón, que afinava sua guitarra perto do palco. Me aproximei e envolvi seu ombro com meus braços.

-Você é tão sortudo - falei o olhando.

-Eu também acho - ele disse e me beijou em seguida.

Nosso beijo estava ótimo até que Nico interrompeu.

-Detesto atrapalhar os pombinhos, porém, temos que ensaiar - ele disse.

Continuei a olhar Simón e revirei os olhos, ele riu. Soltei-o e ele foi ensaiar com os amigos. Depois de poucos minutos o irmão gêmeo de Matteo resolveu aparecer por lá e chamar atenção de todos, exceto a minha, até porque eu sou Ámbar Smith, aquele babaca não merece minha atenção.

Sentada com as meninas ouvia ele falar suas bobagens.

-Eu sei vão sentir minha falta, mas tenho que ir.

A cada palavra que ele dizia meus olhos viravam e Jazmín ficava cada vez mais arrasada.

-O Roller não será o mesmo sem você, Mattías - Yam falou irônica.

A cópia do Matteo se aproximou da mesa que estava sentada e puxou Jazmín para um beijo deixando todos e até mesmo eu boquiabertos.

Me levantei rápido da cadeira e olhei abismada aquela cena deplorável.

Assim que ele largou minha amiga a encarei e ela nem se ligou e ficou o olhando sair do Roller toda boba.

-Jazmín! - exclamei. - O que foi aquilo?!

-Acho que estou apaixonada pelo, Mattías - ela disse suspirando.

-Jazmín, o Mattías mora em Londres - disse Delfi.

-O amor pode superar distâncias.

-Você não sabe o que está falando, ele tentou me agarrar!

-Isso foi antes, agora ele gosta de mim. - ela disse com firmeza.

Eu estava pasma com aquela situação. Eu não sou uma má amiga por querer que minha amiga fique longe de um cara como ele, certo?

-Delfi, olha o tanto de comentários - Jazmin disse mostrando seu tablet à Delfi ignorando completamente minha presença. - Temos que responder todos.

Ela se levantou, me beijou na bochecha e puxou Delfi consigo.

-Depois nos falamos, amiga! - gritou Delfi.

-Tudo bem.

Fiquei parada tentando absorver tudo aquilo, então Simón me abraçou por trás. Me virei bruscamente para poder olha-lo.

-Você viu aquilo?! - perguntei.

-Sim, loucura não é? - ele disse rindo.

-Simón, o Mattías não presta, ele tentou me agarrar. Eu não quero que minha amiga fiquei com aquele garoto, Jazmín merece coisa muito melhor - eu cuspia as palavras com pressa. - Você acha que ele sendo um completo babaca e idiota...

Fui calada por um bom beijo, que foi capaz de me fazer parar de pensar em Jazmín, e Mattías, e em qualquer problema que pudesse acontecer que eles estivessem em um relacionamento.

Ele me beijava fervorosamente e intensamente, e eu, obviamente, correspondi na mesma intensidade.


Notas Finais


Luna está passando por um momento bem difícil, mas Simón, que é um fofo sempre está de braços abertos para ajudá-la ♡

Eu adorei escrever esse momento Gastteo, o que vocês acharam? ♡

Mattías agarrando Jazmín de jeito, e a ruiva não foi boba, retribuiu da mesma forma, vocês imaginaram eles dois?

Simón calando Ámbar da melhor forma hehehe (aquela carinha)

Então, o que acharam do capítulo? Deixem ai nos comentários ♡

Até a próxima ♡

Ps: Faltam nove capítulos para a fic chegar ao fim, estou chorosa...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...