História Soul Dangerous - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Lucy Hale
Tags Criminal, Drama, Família
Exibições 212
Palavras 2.808
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


-- Oooi minhas nutelleiras gostosas!! Como vocês estão? Espero que não estejam bravas comigo shshshs

-- O motivo pela demora, foi por causa de tudo que estava no meu pen drive, inclusive as coisas de Soul Dangerous, ter sumido, após eu levar o pen drive em uma lan house. Mas espero que me perdoe, e por isso resolvi deixar o capitulo bem grandão.

-- Tenham uma ótima leitura meus amores <3

-- Tradução do capitulo: Fugindo de mim?

Capítulo 8 - Running away from me?


Fanfic / Fanfiction Soul Dangerous - Capítulo 8 - Running away from me?

CAITLIN BEADLES P.O.V

Quando Justin me ligou dizendo que precisava que eu pegasse o primeiro voo para Atlanta eu estranhei de primeira. Mas depois dele me explicar que Ryan estava se envolvendo com uma garota, eu não vi outra escolha á não ser ir direto para Atlanta. Eu amava, ou melhor, eu ainda amo Ryan. Ele é o cara que mudou toda a minha adolescência, e não é porque eu simplesmente quis seguir a carreira profissional longe dele, que deixei de vigiá-lo e até mesmo de amar ele.

Quando Justin disse que Ryan estava se relacionando com uma garota, que tinha idade para ser a irmã mais nova dele, eu não imaginava que ele poderia amar a pirralha.

- Oi amor, surpreso em me ver? – lancei um sorriso sarcástico, mas cheio de ódio.

Ódio pelo fato de Ryan ter dito que ama uma garota que não era eu. Ryan é meu, e eu não podia o deixar escapar de mim. Ele sabia que nos dois nos amávamos, sabia das loucuras que eu fazia por ele. E eu não deixaria jogar aquele sentimento louco pelo ralo.

- O que você esta fazendo aqui Caitlin? – ele perguntou, fazendo-me dar meus primeiros passos até ele.

- Não posso mais visitar meus amigos? – o respondi com outra pergunta.

Olhei ao meu redor, vendo Justin se recuperando do soco que Ryan tinha desferido em seu rosto, aquilo era patético. Meus olhos foram para uma garota morena, que estava atrás de Ryan. Quem era ela?

- Quem é você? – olhei a cima a baixo.

- Vocês são todos ridículos! – a menina esbravejou e saiu pela porta da casa, batendo com força a mesma. Olhei para Justin que estava sentado no sofá, mas logo se levantou.

Lancei um olhar para ele, como se mandasse o mesmo sair dali. Eu queria ter um tempo a sós com Ryan, e não queria que Justin presenciasse aquilo. Eu já esperava pelos inúmeros insultos que Butler fazeria.

- Ok, estou indo! – Justin se levantou com as mãos para cima em forma de rendição e seguiu pela escada. Assim que ele sumiu do meu campo de visão eu olhei aqueles olhos azuis que por anos foram e ainda são a minha perdição.

- Ryan... – ele me corta.

- Não me venha com essa de que veio visitar seus amigos Caitlin. Eu sei que o motivo por você estar aqui é por causa de Justin ter te informado sobre o meu envolvimento com a Morgan. Mas esquece Caitlin... – ele apontou o dedo para mim, e continuou. – Esquece... Porque agente não tem volta!

- Ryan você não pode falar assim comigo! – eu odiava quando alguém me reprendia ou brigasse comigo.

- Acha que não sei que Justin e vocês conversaram todos esses dois anos, sobre mim? Acha que não sei que você me vigia Caitlin? Você é doente assim como seu amiguinho. Vocês dois, são uns merda que acha que pode controlar tudo com a palma da mão. Vocês podem querer controlar todos Caitlin, mas não á mim. – suas palavras estavam sendo brutas demais comigo.

- Porque esta me atacando com sete pedras na mão Ryan? – eu me aproximei dele, e peguei em seu rosto, sentindo a maciez da sua pele. – Eu voltei, você deveria estar feliz por isso.

- Não! – ele tirou minha mão de sua face. – Não, estou feliz por isso... Porque você aqui, não é coisa boa Senhorita Beadles.

Ele me olha cima a baixo e sai do meu campo de visão. Eu sei que ele esta magoado por ter deixado ele no passado, para fazer a faculdade. Mas aquilo não era motivo suficiente para ele ter todo aquele ódio e rancor de mim.

Eu não vou me abalar com suas palavras, não vou chorar por ele. Ryan sabe que ainda somos um casal, mesmo estando separados. Sabe que ninguém irá quebrar nosso elo de fidelidade.

- Eu não vou desistir de você Butler. – falo em voz baixa, e me sento no sofá da sala.

CLAIRE JACKSON P.O.V

Tudo parecia estar dando uma revira volta na minha vida, por incrível que pareça aquilo estava acontecendo desde que Justin apareceu na minha vida. Como uma pessoa podia fazer todo aquele alvoroço em minha vida? Como eu queria poder voltar naquele dia em que resolvi matar aula na quadra, se soubesse que Justin estaria lá, jamais teria feito aquilo.

- Claire? – olhei para a minha esquerda e lá estava Maison.

Ele tinha me levado no sepultamento de Morgan, e trazido eu ate a residência de Justin. Eu queria acabar com a vida daquele infeliz, mas infelizmente eu não tinha força suficiente para matar alguém, por mais que essa pessoa seja uma pessoa do caráter de Bieber.

- Me leva para casa, Maison! – ele balança a cabeça em concordância e logo eu entro no carro.

O caminho todo eu não disse nenhuma palavra se quer em relação á nada. Minha cabeça se encostou naquele vidro do carro, e logo meus pensamentos começaram a pensar em toda aquela situação que eu estava passando.

Como era possível ter uma vida cheia de perdas em poucos anos? O pior é que tudo acontecia para eu me sentir culpada. A primeira perda foi a da minha mãe, ela não teria sofrido aquele acidente, se eu não tivesse insistido para que ela voltasse para casa. E Morgan, morreu por eu ser uma idiota, á ponto de desafiar alguém como Justin.

Eu duvidei que ele pudesse apelar para alguém que fosse próxima á mim. Ele disse que me deixaria sofrer por cada tapa que eu desferi contra seu rosto, e eu não acreditei. Ri e debochei da cara dele, e olha como estávamos agora? Com uma amiga debaixo da terra por minha culpa.

- Claire... – a voz do motorista atingiu meus tímpanos, me fazendo perder meus devaneios. – Já chegamos!

Olhei para a casa a frente e dei um suspiro. Eu não queria enfrentar meu pai, que nem ao menos sabia, do ocorrido com Morgan.

- Obrigada Maison! – saiu do carro e caminho na direção da entrada da casa. Abri a porta e não encontrei ninguém na minha frente. Menos mal.

Subi para meu quarto e joguei minha bolsa e sapato longe. Deitei na cama, e em menos de minutos meu rosto estava sendo banhado pelas inúmeras lagrimas, de culpa e ódio, não demorou muito para eu me perder de fez sobre minha consciência e acabar dormindo.

Tempos Depois...

Por incrível que pareça esses muitos dias tem se passado bem rápidos, e as férias estavam chegando. O que eu estava adorando, pelo fato de eu poder viajar e dar uma leve esquecida de Justin e de seu mundinho.

Apesar da dor que eu ainda estava sentindo, pela perda de Morgan, ela estava se amenizando. Jazmyn e Jaxon foram pessoas fundamentais durantes esses meses que se passaram.

- O que vai fazer hoje, minha linda? – Jaxon pergunta me olhando, e eu ri da maneira afeminada que ele me pergunta.

- Jaxon, às vezes eu me preocupo com a sua sexualidade! – sua irmã que estava ao meu lado disse.

- Cala a boca, Fiona! – ele a xinga, ela iria retrucar, mas eu dou um basta naquilo tudo.

- Chega meus bacuris! – entrelaço meus dois braços em cada um, me deixando ao meio deles.

Andamos até a saída do colégio, e fomos até o estacionamento. Vi de longe Maison, escorado em seu carro. Maison, também estava sendo bem importante para mim. Ele não era apenas um simples motorista, ele era praticamente como o irmão mais velho que não tenho.

- Olha só, se não é o motorista gostosão da Jackson! – Jazmyn diz, fazendo-me rir.

Ela insistia afirmar sobre eu e Maison tínhamos algo. Mas não, Maison jamais me olharia com outros olhos, afinal ele era apenas meu motorista, já cheguei a duvidar que ele me odiasse pela maneira que eu enchia o saco do mesmo, com as minhas idiotices.

- Para Jazmyn! – a repreendi e ela levanta a mão em rendição.

- Claire, vamos ao clube com agente? – Jaxon indaga e eu nego.

- Não estou no clima Jaxon! – movimentei meus dedos, os estralando.

- Para de carretagem mocinha! – a ruiva diz. – Eu passo na sua casa, às três e meia da tarde! Esteja linda e pronta.

Eu ia me pronunciar, mas ela coloca o indicar sobre meus lábios.

- Nem pense em discordar!

Bufo e me despedi deles. Uma coisa que eu sabia daquela família Bieber era que todos são muitos chatos e conseguem sempre o que querem. Seja pelo modo bom ou ruim. Cheguei perto de Maison e dei um beijo em sua bochecha.

- Olá de novo Maison! – sorriu e caminhamos para dentro do carro.

- Então... Como está indo no colégio? – Maison, parecia mais meu pai do que o meu pai verdadeiro.

- Há foi à mesma chatice de sempre sabe? – dou de ombros.

- Sei... – ele ri.

- Posso saber o que você esta rindo Senhor Bigarreli? – falo o olhando, com os olhos estreitados.

- Não é nada não, senhorita Jac... – o interrompo imediatamente.

- Nem pense usa essa droga de formalidade.

Maison colocou por uns segundos os braços para cima, como se tivesse se rendendo. E como todos os dias nós conversamos animadamente até chegar em frente a minha casa. Assim que cheguei em casa, saiu do carro e entro na casa mediana. Coloquei a minha bolsa sobre o sofá e me assusto ouvindo a voz do meu pai.

- Claire... – solto o ar que estava prendido em minha garganta.

- Posso saber o motivo por qual você me assustou assim, pai? – falo prendendo meus cabelos em um coque alto.

- Eu te assustei? – ele riu. – Que isso Claire, anda assustada por quê?

Olhei para ele com a minha testa enrugada.

- Você chega agora, e quer saber da minha vida? Qual é Senhor Pietro? Não esta satisfeito em ver que esta se distanciando cada vez de mim? – minha voz saiu mais do que amargurada.

- Que isso... Eu jamais queria e quero me distanciar de você. – ele pareceu ofendido. – Eu sou seu pai.

- ENTÃO AJA COMO UM! – grito.

Ficamos em silencio após eu ter gritado. Ele não podia ficar meses fora, e depois voltar e querer ser um pai presente na minha vida sendo que não era. Eu não conseguia agir tão falsamente. Peguei minha bolsa e subi as escadas correndo, enquanto o deixava na sala, ainda olhando para as paredes.

Abro a porta do meu quarto e a fecho com força. Estava tudo indo bem demais, e agora me aparece mais essa. Pietro querendo dar uma de pai presente. Bufei e fui até o banheiro, mas antes de completar meu trajeto eu ouvi um barulho do meu celular. Dei meia volta e peguei meu celular, já imaginado ser Jazmyn ou Jaxon enchendo a minha paciência, mas eu estava errada era mais uma mensagem restrita.

“Tudo ficará bem, meu anjo... Confie em mim!”Numero restrito.

Já perdi as contas de quantas mensagens daquele porte eu tinha recebido durante os meses. O que antes era todas semanas, agora era todos os dias. Já pensei que fosse Justin querendo me testar a paciência, mas não. Ele foi bem grosseiro ao dizer que jamais perderia o tempo dele, com uma garota fútil e mimada como eu.

Deixo de lado aquele celular e vou em direção ao banheiro tomar um banho para eu poder me refrescar um pouco.

Eu estava seriamente pensando em recusar aquele maldito pedido de Jazmyn, mas eu sabia o quanto ela ficaria chateada com o cancelamento de nossa saída, ao clube novo que abriu na cidade. Pelo que conhecia muito bem aquele clube era muito bem frequentado. O mesmo tinha sido inaugurado há uma semana, e já era conhecido como um dos melhores lugares turístico de Atlanta.

Olhei bem para meu corpo, e suspiro vendo o que eu vestia. Confesso estar completamente sem cabeça, e acho que fora por isso que mudei centenas de vezes minha vestimenta, até chegar em uma que eu achava apropriada para ocasião e claro, que não me deixasse parecendo uma verdadeira prostituta.

Meus pensamentos foram cancelados pela buzina do carro de Jazmyn. Peguei minha bolsa e meu celular, logo saindo do recinto onde estava. Desci as escadas e dei de cara com Pietro, vestindo uma camisa branca e bermuda jeans azul, o que não era nada comum, já que ele a maioria das vezes vestia seu ternos ora preto, ora azul escuro.

- Aonde vai? – ele quis saber. Minha vontade ela de mandar um belo: Não é da sua conta, porém ele ainda é meu pai, e querendo ou não eu devia respeito.

- Irei sair com uma amiga! – digo e ando até a porta. – Até mais tarde!

Não o deixo questionar e sai de casa sem dar mais satisfações. Ando até o carro de Jazmyn e assim que entro no mesmo, pude escutar a música melancólica de Adele.

- Sério mesmo que você escuta Adele? – indaguei assim que coloquei o sinto de segurança.

Jazmyn no volante era perigo, na certa!

- Vai me dizer que não curte ela? – a ruiva disse ao acelerar seu carro esportivo.

- Eu acho as músicas dela muito... – tento procurar uma palavra certa. – Muito melodramáticas.

- Falou a festeira! – ela zoa.

- Idiota! – riu. – Cadê Jaxon?

- Ele vai chegar com os outros.

- Outros? – minha testa se franziu levemente. – Que outros?

-Ué... Christian, a namorada dele, Justin, Charles, Caitlin e Ryan. – ela cita os nomes naturalmente. Porque eu tinha uma leve impressão que aquilo não acabaria muito bem?

- Não sabia que Christian tinha uma namorada. – comento. Afinal eu não tinha avisto na casa de Justin.

- Mas, ele tem! – ela afirma, e quando fecho já estávamos em frente ao clube. – O nome dela é Natasha, e ela é bem maneira... Você vai gostar dela.

Concordo com a cabeça e saímos do carro. Pagamos nossas entradas o que não fora nada barato. Meus olhos varreram pelo local grande e bem luxuoso, havia muitas pessoas, e a maioria de um físico admirável.

- Não é atoa que pagamos um absurdo para entrar aqui! – disse e me sentei em uma das espreguiçadeiras.

- Realmente o Blue Lake, é algo sensacional. – Jazmyn disse, retirando sua saída de praia, onde ela revelou seu biquíni. – Não vai tirar essa roupa, não?

- Mais é claro que vou... – mesmo estando com um pouco de vergonha eu começo a retirar minha blusa regata, e meu short jeans revelando meu corpo.

- Caralho! – Jazmyn diz.

- O que foi?

- Mano você é gostosa pra caralho! – sinto o rubor atingir minhas bochechas.

Estava pronta para repreender ela, mas a voz grossa e rouca que não ouvira há semanas atrás soou próxima de mim, o que me deixou ligeiramente, arrepiada.

- Olá Jazmyn! – Justin tinha seu sorriso sarcástico, como sempre. – Oi Claire...

- Oi Bieber! – falo de cara fechada e olho para todos que estavam ali.

Caitlin estava ali e ao lado de Ryan. É pelo visto o casalzinho tinham se acertado e tudo que Ryan falará para mim, tinha ido para os ares, assim que a garota fútil tinha chegado da viagem. Meus olhos pairaram em Charles que me cumprimentou de imediato, assim como todos. A única que não conhecia era uma loura que tinha as mãos entrelaçadas com a de Chris.

- Eu não conheço você. – ela sorri simpática.

- Eu sou Claire, você é? – perguntei.

- Sou Natasha Grier, namorada de Christian. – ela beija o canto de minha bochecha.

- E futura Senhora Beadles. – Chris diz, e beija a loura.

Riu e me distanciei deles. Aviso a Jazmyn que iria pegar uma bebida, já que o sol estava deixando minha garganta seca. Paro em frente ao quiosque do clube e sorriu para a atendente, logo pedi pelo drink e me virei para observar o clube, mas tudo que pude ver foi um tórax com uma cruz enorme ao meio do mesmo.

Meus olhos subiram e lá estava o rosto de Justin. Tento desviar dele, mas o mesmo não deixa, e me prende com seus braços fortes e musculosos, ao redor de mim.

- Por que esta fugindo de mim? – ele soa ainda me olhando.

- Não estou fugindo de ninguém Bieber! – falo, e me parabenizo por não ter gaguejado.

- Sua voz falando meu nome... – ele avança para frente, mas deixa sua boca rente ao meu ouvido. – Me deixa excitado!

- Foda-se! – sua risada invade meus ouvidos, me deixando sem ar.

- Incrível como tenta me evitar, mas seu corpo diz outra coisa!

- E... – respiro fungo e continuo. – E o que ele diz?

Justin ri e volta sua boca para perto da minha. Droga, como ele conseguia deixar eu tão vulnerável assim? Aquela aproximidade me lembrava de nós dois no hospital.

- Ele diz... – Justin contorna meu lábio com seu polegar, deixando minha boca entreaberta.

 

WinterDreams


Notas Finais


-- Hello Hello novamente shshsh Deixarei algumas informações do capitulo aqui em baixo meus anjos, então vejam todas, para não ficarem confusos.

-- Natasha Grier é interpretada por: Ashley Benson.

-- Claire Jackson: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/fd/06/38/fd0638de6162485a8b63bc873e24d5e9.jpg

-- Jazmyn Bieber: http://akphoto3.ask.fm/276/842/920/-369996976-1sr9ici-b0da4drfg5nkjda/original/avatar.jpg

-- Caitlin Beadles:https://smhttp-ssl-33667.nexcesscdn.net/manual/wp-content/uploads/2016/02/12547504_993652580696698_1175638675_n.jpg

-- Natasha Grier: http://cdn.ofuxico.com.br/img/upload/noticias/2013/04/28/169882_36.jpg

-- Trailer para quem ainda não viu: https://www.youtube.com/watch?v=gg7-ZsWRrk0

-- Desculpas, pela demora meus amores <3

KissesWithNutella!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...