História Soulmate (Long-Imagine Mark Tuan - Got7) - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags Bambam, Got7, Híbrido, Hoseok, Jackson, Jaebum, J-hope, Jimin, Jinyoung, Mark, Mark Tuan, Min Yoongi, Momo, Park Jimin, Romance, Sana, Sobrenatural, Suga, Suspence, Tuan, Twice, Wang, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 251
Palavras 2.297
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEEEEEEEEEEEI ❤

Como prometido, um capítulo novinho pra vocês!!

Boa leitura e não se esqueçam de ler as notas finais!! ❤

Capítulo 18 - Capítulo Bônus I - Coming Back to You


Fanfic / Fanfiction Soulmate (Long-Imagine Mark Tuan - Got7) - Capítulo 18 - Capítulo Bônus I - Coming Back to You


Era difícil respirar, como se ela estivesse presa em outra dimensão, não existia gravidade e ela se sentia leve. Não sabia distinguir aquilo de sonho ou realidade, se a sensação era boa ou ruim, mas ainda sim se sentia diferente.

A luz forte invadia os olhos da pequena Beatrice, que não sabia descrever o lugar em que se encontrava. A garota sentia como se estivesse flutuando, o seu corpo estava leve, como se estivesse em um estado de paz absoluta. Beatrice forçou sua mente a lembrar o que havia acontecido mas não obteve sucesso, passou a ficar confusa diante da situação em que estava. A luz forte a impedia de enxergar qualquer outra coisa, logo, a sensação de estar flutuando desapareceu completamente e a garota sentiu o chão frio abaixo de si e tentou se levantar, mas não tinha forças suficientes para o fazer. O frio a dominou, seus lábios que agora estavam roxos, tremiam sem intervalos, seu corpo foi perdendo cada vez mais a temperatura, como se estivesse morta, parcialmente morta.

Você não deveria estar aqui Beatrice. — A garota ouviu uma voz que parecia estar distante. — Você precisa voltar agora!

A garota tentou responder mas também não tinha controle sobre sua voz, percebeu que não podia fazer nada e se sentiu completamente impotente. Beatrice se esforçava o máximo mas apenas alguns murmúrios saíram de sua garganta. Ela queria pedir ajuda, queria gritar com todas as forças mas não conseguia sequer abrir os olhos.

Você precisa voltar. — Ouviu aquela voz novamente, percebendo que se tratava de uma mulher. — Olhe para mim Beatrice!

Sentiu uma necessidade absurda de reagir aquilo, abriu os olhos e logo a luz foi ficando cada vez mais fraca, revelando uma mulher com longos cabelos negros, com uma cicatriz em seu pescoço, como um símbolo. A mulher estava ajoelhada ao seu lado enquanto segurava firme em suas mãos. Sua expressão era de total desespero, assustando ainda mais a garota que não sabia o que estava acontecendo.

— Eu... — Beatrice sussurou, tentando o máximo permanecer com os olhos abertos.

Você o ama? — A mulher aumentou o tom de voz? — Você precisa me dizer se o ama!

Logo sua mente foi invadida com um turbilhão de flashes, como se fossem memórias. Beatrice notou que havia um garoto presente em todas aquelas lembranças e então sorriu, como se tudo voltasse a fazer sentido em sua cabeça. Ela não se lembrava de quem ele era, mas sentiu algo forte quando viu seu rosto em sua memória, sabia que o amava, o amava muito.

Diga! — A mulher gritou novamente. — Você tem que voltar agora. Você só precisa dizer que o ama.

Beatrice respirou fundo.

E-eu... eu o amo. — As palavras saíram naturalmente de sua boca.

Volte para ele Beatrice, volte agora.

A mulher sussurrou algumas palavras e seus olhos brilharam como Beatrice nunca havia visto antes, abrindo a boca e soltando um grito estridente, fazendo com que os ouvidos de Beatrice doessem, sumindo de sua visão em seguida. Logo sentiu seu corpo flutuar novamente, dessa vez com mais intensidade. Fechou os olhos quando sentiu que estava caindo, mas foi desperta quando sentiu seu corpo completamente molhado.

Abriu os olhos e sentiu como se todos os ossos do seu corpo estivessem quebrados, percebeu que estava em pé e que chovia muito, encharcando suas roupas e seus cabelos. Beatrice gritou quando ouviu businas em sua direção e correu para o outro lado, desviando de um carro que rumava em sua direção em alta velocidade.

Recebeu alguns palavrões do motorista do veículo e se sentiu ainda mais confusa. Ela estava sonhando?

Rolou os olhos para todos os lados e se assustou quando um raio caiu em uma das árvores próximas à ela, apertou o próprio corpo e permitiu que as lágrimas caíssem.

Percebeu então que se encontrava em uma rua escura e bastante movimentada, a tempestade estava forte e não havia onde se esconder. Beatrice forçou suas pernas a se moverem para longe dali.

Eu preciso voltar! — Sussurrou para si mesma enquanto começava a correr. Sem entender nada da situação, a garota seguiu seu caminho.

Não sabia muito bem para onde estava indo, mas sabia que precisava voltar. Correu por longos minutos até chegar em frente à uma enorme casa. Colocou os pés no jardim e caminhou até a porta de entrada. Beatrice não fazia ideia de onde estava, ou do que estava fazendo ali. Respirou fundo e tocou a campainha, seu corpo estremeceu e sua visão escureceu. Ouviu algumas vozes e logo a porta foi aberta.

B-Beatrice?

A garota não respondeu, fechou os olhos e perdeu o controle sobre o próprio corpo, caindo no chão em seguida, desacordada.



(...)




Mark Tuan POV's

Os dias eram escuros, passaram a ser depois que ela se foi. Eu ainda não havia me acostumado com a ideia de ficar longe de Beatrice, a ferida ainda era muito recente e eu não tinha certeza se um dia iria cicatrizar.

Quase cinco dias depois da morte de Beatrice e parecia que a dor nunca iria diminuir. Eu não me senti assim quando Emily morreu, ou melhor, quando eu a matei. Nem quando fui obrigado a assitir Claire morrendo em minha frente, sem poder fazer absolutamente nada. Amara Bennett tinha razão, o que eu sentia por Beatrice eu nunca, jamais, havia sentido por nenhum outro alguém.

Eu resolvi que iria me vingar, o vampiro que arrancou o coração da minha garota iria pagar por tudo o que me fez sofrer, nem que isso custe a minha própria vida.

Dizem que o amor você só encontra uma vez na vida, você se apaixona incontáveis vezes, mas amor de verdade, é só uma vez. Quando eu conheci Beatrice, eu estava perdido, sem rumo e não me importava com nada. Nos meus sonhos, Amara me dizia que em breve as coisas iriam mudar e eu finalmente teria a chance de ser feliz novamente. Antes de Beatrice eu era um caos e temia uma recaída daqui para frente.

Eu nunca me considerei uma pessoa boa e correta, sempre fui muito irresponsável e meu passado era horroroso. Eu já matei por simples diversão, por puro prazer de matar e o pior de tudo era que eu gostava. Meu lado lobo e meu lado vampiro viviam em conflito e muitas vezes eu perdia o controle da situação e era horrível lembrar as consequências quando isso acontecia.

Estar com Beatrice era como uma anestesia para toda essa dor do passado, ela não se importou quando descobriu que eu era um híbrido louco e sem controle, ela não se importou quando soube dos meus dois lados, pois quando ela estava comigo, eu me sentia humano, ela me tornava humano.

Estar com Beatrice foi o mais perto que eu cheguei da vida que eu gostaria de ter. Mas tudo isso foi arruinado naquele maldito dia.

As imagens de minha garota morta em meus braços me assombravam todos os dias, sem excessão. Era como um castigo por não ter sido capaz de mantê-la à salvo.

Andava cambaleando, tentando achar o caminho de casa. Tinha acabado de sair de um bar, tentei beber para fazer com que a dor fosse embora mas foi em vão, nada podia fazer a dor parar. Quando estava em casa, tudo piorava. O cheiro dela ainda estava presente, as coisas dela que eu não tive coragem de mexer, pois alguma coisa dentro de mim, ainda tinha esperanças de que ela voltaria, como um pressentimento.

Podem me chamar de iludido, talvez eu seja mesmo. Um louco alucinado. Mas, é difícil demais aceitar essa situação, parecia que minha ficha nunca iria cair, como se meu coração se recusasse a aceitar que ela estava morta, como se fosse um pesadelo no qual eu era incapaz de acordar.

Quando cheguei em casa, meus olhos se encheram de lágrimas novamente, era como se ela ainda estivesse lá. Eu odiava ter que viver naquela casa com as lembranças dela.

No fundo meu maior desejo era abrir a porta de casa e vê-la ali, esperando por mim. Ela me abraçaria e nós faríamos amor o resto da noite. No final, eu iria dizer que a amo e ela iria enfeitar seu lindo rosto com seu melhor sorriso. Beatrice possuía vários sorrisos, o mais bonito deles ela guardava apenas para mim. Ela sempre dizia que eu era o motivo de seu sorriso mais sincero.

Ao abrir a porta, encontrei todos os garotos na sala de estar, Jackson andava de um lado para o outro perplexo, Jinyoung passava as mãos pelos cabelos e respirava fundo. JaeBum foi o único que notou minha presença e se levantou depressa, chamando a atenção do resto dos garotos.

— Mark, nós precisamos conversar. — Bambam disse se levantando também.

— Se for aquele papo furado de que eu preciso seguir em frente pode esquecer, eu não estou afim. — Falei meio enrolado, me sentindo ainda um pouco embriagado.

— Mark, estamos falando sério. — JaeBum disse autoritário. — Nós precisamos te contar uma coisa.

— Ande logo com isso, preciso de um banho. — Bufei e me sentei ao lado de YoungJae.

Beatrice está viva. — Jackson disse de uma vez. — E ela está aqui.

Meu coração acelerou, mas logo deixei que minhas emoções tomassem conta de mim e as lágrimas escaparam sem eu perceber. Jackson não podia estar falando sério, eu não posso acreditar que ele foi capaz de brincar desse jeito comigo. Como se ele estivesse se divertindo ao me ver sofrer, colocando o dedo na minha ferida.

— Como você tem coragem de brincar com uma coisa dessas Jackson? — Me aproximei. — Você por acaso tem ideia do quão difícil está sendo pra mim?

— Eu estou falando sério cara. — Rebateu Jackson.

Ainda sem acreditar, soltei um riso frustrado e caminhei para o outro lado da sala. Minhas mãos tremiam e era difícil de me manter em pé.

— Ela chegou à pouco. — Yugyeom começou a explicar. — Nós também estamos surpresos.

— C-como? — Perguntei com um fio de voz.

— Nós não sabemos. Ela apagou logo depois de chegar até a porta. — JaeBum disse e se aproximou de mim, pousando sua mão sobre meus ombros.

— Jasmin foi quem atendeu a campainha, ficou tão surpresa que desmaiou também. — Completou Yugyeom.

Pisquei várias vezes tentando processar as informações e senti minhas pernas fraquejarem. Jackson correu até mim e me segurou, impedindo que eu caísse.

— Ela está lá em cima. Nós colocamos ela na sua cama, Sana está tentando fazer com que ela acorde, mas não sabemos ainda o que fazer.

Aquilo foi como uma injeção milagrosa, me soltei de Jackson e subi as escadas na velocidade da luz, precisava vê-la. Precisava saber se era mesmo verdade.

Ao chegar no corredor, vi Momo parada na porta do meu quarto. Seus olhos estavam tão vermelhos quanto os meus, provavelmente por causa do choro constante. Me aproximei um pouco relutante e ao cruzar a porta, pude ver Sana sentada na ponta da cama, ela estava com os olhos fechados e sussurrando algumas palavras em latim, deduzi que fosse um feitiço. Pousei os olhos sobre o pequeno corpo frágil de Beatrice sobre a cama, mal pude acreditar que ela realmente estava ali. Naquele momento eu desejei que tudo aquilo não fosse um sonho e se fosse, pedi aos céus que não me acordasse nunca mais. Momo me abraçou e eu pousei a cabeça em seus ombros soluçando, meu coração parecia ter parado de bater.

O mundo parecia estar fora de órbita, como se esse momento estivesse congelado e eu desejei que durasse para sempre. Nos braços de Momo eu desabei, não sei ao certo o motivo, se estava feliz por ela estar ali ou coisa do tipo. A realidade era que eu estava confuso, na verdade, todos estavam. Nós enterramos Beatrice, nós choramos a morte dela e agora ela está aqui, diante dos nossos olhos, viva.

Me soltei do abraço me aproximando da cama em seguida. Sana me encarava com uma expressão cansada, seus olhos estavam numa coloração roxo brilhante e eu sabia muito bem o que aquilo significava, ela estava exausta por usar seus poderes com intensidade.

— Ela está assim já faz tempo e eu não sei como acordá-la. — Sana disse entre soluços.

— Não importa, ela está aqui agora, ela voltou para nós. — Jasmin apareceu na porta, com o rosto triste e a ponta do nariz avermelhados por estar chorando também.

— C-como isso é possível? — Perguntei para Sana que limpava suas lágrimas silenciosas.

— E-eu não sei. — Respondeu. — Desconfio que tenha alguma ligação com Amara.

— Amara Bennett morreu à anos, isso não faz sentido.

— A magia de uma bruxa nunca morre Mark. — Explicou. — Beatrice foi destinada à você por Amara. O feitiço dela pode ter feito com que ela voltasse para você.

— E-eu não entendo.

— A magia não tem explicação Mark. Amara Bennett foi a bruxa mais poderosa que pisou nessa terra, tem muita coisa que está fora da nossa linha de entendimento.

Continuei encarando Beatrice, sua respiração estava calma, como se dormisse serenamente. Não pude deixar de reparar em sua pele pálida, como aquele dia em seu caixão, ela estava exatamente com essas roupas e com essa expressão. Meu corpo gelou e eu logo tratei de afastar esses pensamentos.

Segurei suas mãos e entrelacei nossos dedos, senti aquela sensação única, a mesma que senti quando a toquei pela primeira vez e sorri. Ela havia voltado para mim.

Imediatamente, Beatrice abriu os olhos e soltou minha mão. Seus olhos arregalados me encaravam e o medo era evidente em seu olhar, misturado com uma certa confusão em sua expressão.

Quem são vocês? 


Notas Finais


OOOOOLAAAAAAAAAAA


Mano eu tava com muita saudade nsjskskdkdkdkdkdd

Aaaaaaa eu to tão feliz de ter voltado, mesmo que seja por pouco tempo. :(

Enfim, o que acharam da capa nova? Fui eu mesma que fiz.

Deixei nos comentários a opinião de vocês sobre o capítulo.

Por favor, comentem, vamos bater recorde de comentários nesse capítulo para fazer a história voltar à ativa novamente!!!!

Eu amo vocês, muito obrigada por tudo! ❤

Vejo vocês nos comentários :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...