História Special Affair - HIATUS - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cody Christian, Fifth Harmony, Holland Roden, LaLi Esposito, Max Carver
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Cody Christian, Dinah Jane Hansen, Holland Roden, Lali Esposito, Lauren Jauregui, Max Carver, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Exibições 266
Palavras 2.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Por motivos de: tenho um ENORME projeto para terminar e duas semanas cheias de provas da Universidade para fazer, não pude postar semana passada, por isso, TALVEZ, poste a continuação do capitulo de agora, amanhã.

Sobre os erros, conserto depois :) Boa leitura.

Capítulo 8 - Chapter 8


Fanfic / Fanfiction Special Affair - HIATUS - Capítulo 8 - Chapter 8

Uma hora e meia de atraso foi o suficiente para tirar minha mãe do sério e talvez eu tenha feito isso de propósito depois que ela deixou claro que eu não poderia, de maneira alguma, chegar depois do combinado e não aceitaria nem meu trabalho como desculpa. Num ato de extrema benevolência, ela me ignorou por mais de meia hora enquanto visitávamos lojas de decoração como se estivesse me punindo por ter sido extremamente desrespeitosa. Mariana, por outro lado, preferiu não ficar no meio do fogo cruzado e apenas deu de ombros com a minha demora depois de me cumprimentar com um abraço afetuoso. Ela sabia que eu estava atolada em trabalho até o pescoço, mesmo frisando que o fato de ser workaholic iria me matar de estresse, então não adiantava tentar explicar, Mariana sempre sabia.

Cinco lojas depois, nada havia agradado minha mãe e isso já era o suficiente para que Mariana, apesar de ter olhado por mais de cinco segundos uma coisa ou outra, não ter escolhido nada também. Minha opinião, da mesma forma, havia sido ouvida e ignorada com sucesso por uma rabugenta Sinuhe que ainda não havia esquecido totalmente o motivo para não me dirigir a palavra. Comecei, então, a questionar o motivo da minha presença ali, já que não tive muito peso ou nenhum em qualquer decisão.  No entanto, ir embora dali usando a desculpa de ter que ler uma boa quantidade de novos livros que chegaram à editora traria um infarto a minha mãe e eu não ousaria magoar minha irmã depois de ela ter me listado os meus deveres como madrinha com brilho nos olhos. Além do fato de ela estar superempolgada, apesar das frustrações com a escolha dos ornamentos.

Enquanto elas acompanhavam a atendente da sexta loja até o fundo do estabelecimento, eu permaneci na parte da recepção observando o sorriso no rosto de uma mulher, cuja companhia deveria ser sua madrinha, enquanto ela pulava de alegria por ter encontrado algo que, pelo visto, parecia ter procurado exaustivamente. Não consegui reprimir a imagem de mim na mesma situação com Holland ao meu lado comemorando por uma simples decoração dourada que seria usada no meu casamento.

Meu casamento. Essas duas palavras nunca foram tão distantes como nesse momento. Prestes a testemunhar a união da minha irmã com o único homem que já fui capaz de amar, a ideia de ir ao altar parecia intocável e impossível. Mesmo durante meu relacionamento com Austin, eu nunca ousara imaginar tal cenário, embora ele tentasse – timidamente, tamanho meu desinteresse – colocar o assunto em nossas conversas vez ou outra. Apesar da falta de entusiasmo, eu acreditava no matrimônio desde que houvesse um notável comprometimento sentimental em ambas as partes. Algo que eu não sabia se era capaz de exercer.

Na hora do almoço, decidimos compartilhar a refeição num local próximo à última loja. Ao contrário dos inúmeros restaurantes luxuosos que mamãe me obrigou a acompanha-la durante as duas semanas desde sua chegada, este era o tipo de lugar que eu costumava frequentar com Holland e Max: aconchegante. Era possível sentir o cheiro da comida ainda na entrada e aquilo foi o suficiente para me roubar um sorriso honesto e afugentar o mau humor de Sinuhe, embora ela nunca fosse admitir que gostava mais daquele tipo de local do que o luxo de Upper East Side.

Mariana mostrou sua aprovação já escolhendo uma mesa antes mesmo que eu pudesse dar uma olhada no local. Sentamos próximo à enorme janela de vidro por onde era possível assistir os transeuntes indo de um lado para outro para chegar aos seus destinos e eu me pus a observa-los e questionar a história de cada um enquanto minha irmã conversava com mamãe sobre as roupas das madrinhas e dos padrinhos. Um garçom muito simpático se aproximou da mesa não muito tempo depois e anotou nossos pedidos com um pequeno sorriso no rosto prometendo voltar logo com as nossas refeições.

– Você já falou com Lauren sobre o jantar de hoje? – giro o pescoço e encaro Mariana confusa. – Não faz ideia do que eu estou falando, certo? – nego timidamente enquanto ela revira os olhos, mas logo me sorri como quem diz “Você é distraída, mas não ligo” – Os pais de Cody estão na cidade, a mãe dele vai nos acompanhar nas compras de agora em diante e mamãe teve a ideia de fazer uma pequena reunião. Alguns amigos nossos estarão presentes, além da família. Seria bom apresenta-los a Lauren, já que ela é praticamente da família agora.

– Hoje? Por que você não me avistou antes? – minhas noites de sábado costumavam ser muito quietas quando Holland não me empurrava para alguma casa noturna ou coisa parecida. No entanto, Lauren havia me convidado para o show da sua banda na Highline Ballroom e se sua mensagem não tivesse deixando explicito o quanto ela me queria lá, eu mal me lembraria que seria exatamente hoje.

– Eu avisei, Srta. “Eu tenho uma montanha de livros que devem ser lidos em dois dias, mas farei isso por você”. Depois de mais de uma hora tentando te convencer, você cedeu e disse que falaria com a Lauren. – agora que ela falou, lembro de ter dito que não poderia, mas a ideia de exibir novamente a linda mulher de intensos olhos verdes havia me deixado um tanto ansiosa, apesar de não ter lembrado que ela estaria ocupada apresentando-se. Claro, ainda tinha o nervosismo que não havia sumido mesmo depois de duas semanas mentindo, mas com isso eu poderia lidar. – Mas como nem se lembrou do jantar, aposto que ainda não falou com ela.

– Eu vou mandar uma mensagem agora.

Olho as horas e vejo que não há problemas em mandar uma mensagem para Lauren, mesmo sendo horário de almoço. Aposto que ela está com o Tomas se divertindo em algum lugar como havia me dito que faria na mensagem que mandou ontem. Depois de deixar o trabalho como barwoman – o que havia me deixado pasma, porque ela parecia gostar do que fazia – para seguir a carreira advogando num escritório cuja proprietária era Normani Kordei, uma velha amiga dos tempos de faculdade, ela havia encontrado mais tempo para ficar com seu irmão e acompanhar seu crescimento, algo que não era possível com o antigo trabalho.

Embora, em um novo ramo, a banda não havia sido deixado de lado. Os shows se tornaram dispersos, infelizmente, mas não era de todo ruim.

Me: Lauren, temo que não poderei ir ao show hoje. Esqueci completamente que mamãe havia marcado um jantar com algumas pessoas, incluindo parte da família Christian, e como madrinha da noiva, não posso faltar. Sinto muito. :(

Repouso o celular na mesa e levanto a vista para encontrar Mariana e Sinuhe me encarando com olhos brilhando em curiosidade. Sorrio amarelo para elas enquanto o garçom nos servia. O meu bom humor foi embora assim que percebi a realidade: eu teria que enfrentar todos perguntando por minha nova namorada e me olhando como se eu a tivesse inventado, mesmo que Mariana e Cody pudessem confirmar minha história por já terem-na conhecido. O sommelier serviu minha mãe com o vinho que escolhera previamente e encheu meu copo e o de Mariana com suco natural.

A tela do meu celular acendeu e eu larguei os talheres ruidosamente sobre o prato assim que li o nome de Lauren. Antes de abrir a mensagem, ouvi a risadinha de Mariana e ignorei ela estar rindo da minha urgência para saber o que havia escrito ali. Isso definitivamente era ridículo. Parte de mim estava feliz, porque isso só fortalecia toda a história sobre o namoro de mentira e não abriria espaço para duvidar que eu realmente gostava da Lauren a ponto de reagir daquela forma por causa de uma simplesmente mensagem. A outra parte, todavia, me reprimia por ter achado uma desculpa para aquela reação quando a verdade era outra.

Lauren: Isso é uma pena, anjo. Como madrinha, acredito que você tenha mesmo que comparecer a essa ocasião. O dever chama, certo? Falando nisso, poderia me enviar o endereço do hotel onde acontecerá o jantar e me dizer que tipo de roupa eu deveria usar?

Eu não acredito!

Reli a mensagem uma, duas, três vezes até me convencer de que Lauren havia deixado a entender que me acompanharia ao bendito jantar e estaria ao meu lado enquanto eu tivesse que sorrir e ser agradável simplesmente por ser irmã e madrinha da noiva. Ela realmente iria faltar ao seu compromisso com a banda porque estava fingindo ser minha namorada? Claro que eu poderia inventar um bom motivo para explicar sua ausência, embora preferisse ela ao meu lado, mas nunca pediria para que ela deixasse uma coisa que ela amava de lado por mim.

Eu sentia como se estivesse tremendo. Durante meu namoro com Cody e Austin, ambos haviam cancelado compromissos para ficar comigo, só que, por algum motivo, o fato de Lauren ter feito isso sem mesmo estarmos num relacionamento verdadeiro me fez mais uma vez ter a certeza de que eu havia escolhido a pessoa certa para toda essa loucura. Era Lauren.

Me: E o show? E a banda? Eles não vão ficar bravos ou chateados com você, ou melhor, comigo por estar te sequestrando? Você precisa ser honesta e me dizer a verdade. Odiaria saber que seus companheiros ficariam com raiva por minha causa e por algo que posso evitar. Eu poderia dizer que consigo fazer isso sozinha, mas prefiro que vá comigo. Entenderia se, mesmo assim, você tenha que faltar dessa vez.

Lauren: Vamos com calma, anjo. Haha. Não há necessidade para tal preocupação, já me resolvi com o pessoal e antes que comece a duvidar de mim, eles entenderam a situação, claro que não lhes contei os motivos verdadeiros, e já encontraram um substituto à altura. Podemos falar de horas e roupas agora?

Me: Às oito da noite, Four Seasons Hotel. Vista-se como preferir, é apenas um jantar casual. Ou melhor, o que minha mãe considera casual. Detalhe: ela odeia atrasos, então, por favor, chegue às oito e meia. Me fará muito feliz.

Eu mal podia esperar por esse jantar!

 

Às sete e cinquenta e cinco, Lauren havia me mandado uma mensagem informando que estava no hall do hotel esperando por mim. Eu já estava com meu vestido no lugar, maquiagem terminada, cabelo perfeitamente ondulado caindo feito cascatas pelas costas e salto Louboutin nos pés, mas não preparada para me encontrar com ela antes do combinado. Eu deveria ter imaginado, no entanto, que como uma pessoa cuja uma das qualidades era pontualidade, salvo o dia no café há quase três semanas, Lauren não correria o risco de irritar minha mãe com um atraso proposital e estaria à minha espera antes mesmo do horário esperado. Eu deveria ter imaginado.

Olhei-me no espelho uma última vez antes de guardar meu celular na bolsa e a maneira como meus olhos brilhavam em excitação resultou no meu subconsciente me reprovando por parecer uma adolescente borbulhando hormônios. Eu havia visto Lauren há uma semana – no último final de semana, prestigiei o show da banda que aconteceu num charmoso pub em Downtown – e se não fosse pelas mensagens que trocamos nesse tempo, eu poderia até dizer que estaria com saudade do seu bom humor característico e sua voz rouca entoando piadas inteligentes para me fazer rir.

Uma vez no lobby do hotel, não foi preciso olhar ao redor para encontrar Lauren toda maravilhosa parada próxima à três mulheres com as quais mantinha uma conversa animada. Caminho até elas sem ser percebida e toco o braço de Lauren, que ao me encontrar ao seu lado, sorri largo e me cumprimenta com um abraço apertado. Aspiro seu perfume com meu rosto na curva do seu pescoço e me encontro novamente agradecendo por ela ter cancelado com a banda e poder vir me acompanhar.

– Olá. – digo assim que quebramos o contato. Aproveito que estou fora de seus braços e analiso suas roupas de cima a baixo chegando a constatação que está linda. Como sempre.

– Oi. – responde fazendo o mesmo comigo. O sorriso que dá ao retornar seus olhos aos meus depois de ter vagado com eles por meu corpo todo faz minhas bochechas queimarem. – Deixei-me apresenta-la às minhas amigas. Anjo, estas são Dinah, Normani, sua noiva e Allyson.

Cumprimento cada uma delas com um rápido abraço e dois beijos no rosto. Não foi muito difícil relaciona-las aos seus nomes pelo tanto que Lauren fala delas. No entanto, fico feliz por conhece-las finalmente, eu nunca poderia lamentar por minha namorada de mentira estar me colocando no seu círculo social mais do que aquilo que nosso acordo achava necessário. Balançando a cabeça para afastar os pensamentos, foquei na mulher ao meu lado e no sorriso radiante em seus lábios, ela parecia tão feliz quanto eu por toda aquela situação.

– É bom finalmente dar um rosto à mulher que vive nos pensamentos dessa aqui. – Dinah, a loira de alta estatura, sorri dando um leve empurrão em Lauren que encolhe os ombros sem graça – “Camila é tão...”, “Isso me lembra a Camila...”, “Eu tenho que contar isso à Camila”. Fora todas as vezes que ela fala sobre um tal anjo. Acreditamos que seja você, no fim das contas. – gargalho da imitação de Lauren feita por Dinah numa tentativa de reprimir o calor em minhas bochechas. Então ela tem falado de mim com suas amigas? Ok.

– Dinah Jane! – a morena de olhos verdes diz entredentes tão vermelha quanto eu devia estar. – Anjo, por favor, ignore-a. Minha amiga tem uma séria mania de me fazer passar vergonha sempre que estamos em público.

– Amor, se comporte. – Normani deixa um rápido beijo na bochecha da noiva antes de voltar a atenção em mim. – É um prazer, Camila. Estávamos tão ansiosas para te conhecer que praticamente obrigamos Lauren a nos trazer com ela. Espero que não se importe.

– Claro que não. Fico feliz que vieram, na verdade. Já estava mais do que na hora de nos conhecermos oficialmente. – garanto para logo em seguida receber o braço de Lauren em minha cintura. Olho para ela estranhando sua ação, uma vez que suas amigas sabiam a verdade sobre nós e não havia necessidade para tal aproximação.

– Eu disse que ela não se importaria, Laur. – Ally riu quando Lauren revirou os olhos para a amiga maior. Holland, certamente, se daria bem com ela. Com todas, para falar a verdade. Todas pareciam e eram pessoas incríveis. – Olha lá, o Tomas se divertiu no passeio.

Viro-me para onde Dinah apontava e encontro o pequeno garoto com olhos verdes idênticos ao da irmã vindo em nossa direção nos braços de Mariana e Cody ao lado ostentando um sorriso polido e carinhoso para os dois. Arfo com a visão. Minha irmã sempre fora muito boa com crianças, não seria surpreendente vê-la tão animada ao lado de uma criança como Tomas, mas Cody sempre se mostrou ser completamente avesso à ideia de lidar com garotinhos ou garotinhas. Talvez a paternidade o tenha feito mudar de ideia.

– Sua irmã nos encontrou quando chegamos e pediu para levar Tomas para um passeio pelo hotel. – ouço Lauren sussurrar enquanto encaro a cena dos três se aproximando. – Acho que ela gostou dele, assim como o babaca. Nunca duvide do charme Jauregui, afinal. – volto meus olhos a ela e sorrio quando encontro seu característico sorriso torto. Ah, Lauren, eu nunca duvidei.

– Vamos, senhoritas? O jantar será servido em breve.

Suspiro agarrando ao braço de Lauren e deixando que ela me guiei ao The Garden, um dos restaurantes do local. Algo me diz que essa reunião será, no mínimo, interessante.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...