História Spell - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Oh My Girl
Personagens Arin, Binnie, JiHo, Mimi, YooA
Tags Bruxas, Drama, Jihooa, Magic, Miho, Miyoo, Ohmygirl, Romance, Sobrenatural
Exibições 25
Palavras 1.097
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, FemmeSlash, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yuri
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


♡ Boa leitura ♡

Capítulo 3 - 02. Plans


Fanfic / Fanfiction Spell - Capítulo 3 - 02. Plans

— Que lástima, querida! — A rainha disse ao olhar os olhos tristes de Mimi, sensibilizada como nunca sentiu. — Sim, pode ficar aqui o tempo que quiser. Meu marido não irá se opor, vendo-se que você tem uma família tão influente. Não que isso me influencie, eu deixaria de qualquer jeito. Apenas o rei... É um pouco difícil.

   Mimi deu um aceno compreensivo, por fora de mantinha calma. Mas ela só conseguia pensar no sucesso de seu plano, como fora tão fácil manipular um rainha apenas com um olhar.

   Pessoas como Mimi, para muitos, era uma lenda. À muitos anos, houve uma completa aniquilação de bruxas, ninguém ao menos desconfiava que muitas delas tiveram filhas. Porque quase todas, eram homossexuais.

    Houve uma época em que elas eram o terror da década, fazendo seus feitiços e maldades para qualquer um que estivesse à sua frente, era perigoso demais

  Ironicamente, Mimi nunca fora criada para ser má. Pelo contrário, eram criadas por uma família que ensinavam justamente o contrário, com medo de suas preciosas filhas adotivas serem mortas por causar ameaças. E ela de fato, não era ruim.

  O que alimentava o poder de uma bruxa, era sua tristeza. Ao nascer, todas obviamente tinham a tristeza de perder a mãe, o que as fizeram ser mais poderosas que suas mães. Mas mesmo com o poder do nascimento, Mimi tinha uma vida boa. Era feliz, com seus amigos e família, ao menos era.
  Só que um desses amigos, a transformou na bruxa que ela era hoje. Tão poderosa quanto qualquer outra de suas terras, ela vivia longe deles. Sabia se proteger, é claro.

  Ela conseguira entrar no palácio, com um feitiço manipulador sobre uma família rica e influente, nem ao menos precisavam de provas. Ela estaria lá, ficaria lá até onde quisesse. Ou pudesse.

 
                            •

Encontrei YooA em uma das enormes salas do salão, ela parecia... Não estar fazendo nada. Simplesmente estava sentada ali, princesas não tinham trabalho, afinal?

— Alteza? — Fiz uma reverência, então então prossegui; — Sua mãe me disse que poderia me mostrar um pouco do palácio, ou lhe seria pedir muito? — Tentei dar o mais amável dos sorrisos, mas ser amável nunca foi comigo.

— Não poderia ser outra hora? — Ela ainda não olhava na Minha direção. Como era óbvio o que ela sentia, apenas me sentei do seu lado e falei:

— Olha... Imagino como você se sente, imagino como seja frustrante ter que guardar esses sentimentos por tento tempo. Você pode me ver como uma amiga, YooA. Eu sei exatamente como Jiho se sentia, por que não me deixa entender você também?

— Você é parente de Jiho, e apenas minha hóspede. Sinto muito, mas não me sinto à vontade de partilhar meus sentimentos com uma desconhecida.
   
     Eu estava sendo chata, eu saberia, nunca conquistaria à confiança de ninguém deste jeito. Mas à questão é, de que jeito eu conquistaria? Eu só planejava virar uma amiga, uma amiga forte capaz de ferir. Conquista-la estava totalmente fora de questão, por motivos tão tolos até não me darei ao trabalho de dizer.
    Ela não saiu de onde estava, o que me fez pensar. O que eu faria? E até quando manteria Jiho presa? Eu devia ter arranjado correntes de verdade, se eu manter um feitiço desses por muito tempo, posso ficar doente. Eu não era tão poderosa assim.
  Pensei bem na época em que eu morava nos esconderijos das como eu, um lugar tão longe que não sei como conseguir vir para cá sem uso algum da magia. Eu tinha amigos, ou não. Não sei o que eles eram, não sei se já cheguei à ter amigos. Mas eu tampouco era odiada, as pessoas me toleravam facilmente. Porém, eu não conseguia lembrar de nenhum momento bom.

— Você poderia me dizer... Como a conheceu? Eu realmente sempre quis saber. Ela nunca me falou. — Perguntei, mas estava hesitante.

— Foi em uma das nossas passeatas entre o reino. Foi totalmente por acaso, eu simplesmente a vi. Ela estava em um canto qualquer, parecia nervosa, eu lembro. Trazia roupas... muito estranhas, por sinal. Nunca a vi com elas. Não sei o que me deu, mas eu precisava conhecê-la.  — Ela pareceu soluçar, mas não chorava. — E depois... Eu apenas não conseguia mais ficar longe dela. É como planta uma rosa, eu a plantei naquele dia. E ela cresceu, linda, mas com tantos espinhos...

   Ela absorveu aquelas palavras quietamente, e por um momento odiou YooA. Odiou ela por ter conseguido ser amada, por ter feito Jiho se apaixonar à ponto de arriscar tudo isso por ela, arriscar ser morta, como aquela princesinha sem graça valia tanto? E YooA, como podia se encontrar com uma garota às escondidas no próprio palácio? Era verdadeiro, era recíproco. Algo que ela nunca teve, que nunca teria. Ela odiava, e destruiria qualquer tipo de amor desses. Ao menos, os que estivessem perto.

— Sinto muito por Jiho. — Eu digo, falsamente. — Já que não me mostra o lugar, irei procurar por mim mesma. Tenha uma boa tarde, alteza.

     Mimi não queria mais permanecer naquele lugar claustrofóbico e fechado, então tratou de sair de lá. Ninguém notaria, é claro. E mesmo que notassem, ela não estava presa.

   Vestiu seu manto preto, que usava em quase todos os lugares sempre que saía. Ela fazia o possível para não virem seu rosto, mostrando o porque odiara tanto aquele vestido de festa, aquela beleza falsa.
   Não se surpreendeu ao ver Jiho no mesmo canto, ainda dormindo.

— Tão linda, mas tão estupidamente burra. Você é tão boba, como pode se sacrificar tanto por algo que nunca acaba bem? A paixão é assim, Jiho. Nunca, jamais, em circunstância alguma, termina bem.

   Desfiz as correntes que causei com meu poder e rapidamente senti um alívio em minha cabeça, botando correntes de verdade. Não eram tão boas, eu sabia. Mas ela não acordaria tão cedo, quando acordasse, mudaria. Ela não poderia fugir, jamais.

  Sentiu um vento desagradável percorrer sua espinha, ao lembrar de sua desamável volta. Ela não tinha um pressentimento bom contra isso, na verdade nunca tinha pressentimentos bons. E também não saberia o que aconteceria de lá pra frente, apenas de uma coisa: Se vingaria de todos que a fizessem mal. E Jiho era uma traidora, se ferir YooA à ferisse também, que assim seja.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...