História Spoby - What Will Happen? - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Aria Montgomery, Ashley Marin, Caleb Rivers, Cece Drake, Emily Fields, Ezra Fitzgerald, Hanna Marin, Ian Thomas, Jason Dilaurentis, Jenna Marshall, Jessica DiLaurentis, Lucas Gottesman, Melissa Hastings, Mike Montgomery, Mona Vardewaal, Pam Fields, Peter Hastings, Spencer Hastings, Toby Cavanaugh, Veronica Hastings, Wren Kingston, Yvonne Phillips
Tags Alison, Alison Dilaurentis, Aria, Aria Montgomery, Cavanaugh, Emily, Emily Fields, Hanna, Hanna Marin, Hastings, Montgomery, Pll, Pretty Little Liars, Spencer, Spencer Hastings, Spoby, Tobias, Toby, Toby Cavanaugh
Visualizações 81
Palavras 2.649
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie, tudo bom?! Finalmente depois de quase uma semana(cadê a vergonha na cara? Também não sei onde está) estou de volta, com esse capítulo top(mentira, tá só sofrimento mesmo)
Desculpem pela demora, minha vida realmente tava bem corrida essa semana!!
Enfim, sem mais enrolações, o sofrimento do capítulo é um oferecimento de: Brenda (a famosa Breeh_Weasley, escritora de Me After You - Spoby), ela destruiu meu Wrencer, então destruo seu Spoby!!(olha eu dando spoiler)
Espero que gostem, bebês <3

Capítulo 33 - Let the rain lead the pain


Fanfic / Fanfiction Spoby - What Will Happen? - Capítulo 33 - Let the rain lead the pain


No capítulo anterior:

P.O.V Toby

-Você finalmente acordou, Spen! – James respondeu a pergunta, sem graça com a situação em que estava – Eu prometo que nunca mais vou te abandonar, Spencer, eu como seu namorado deveria estar do seu lado, não cometerei mais esse erro! – ele pegou sua mão, mas ela a afastou.

A morena olhava confusa para James.

-Namorado? – Spencer perguntou, direcionando seu olhar para mim.

-Sim, sou eu James! – exclamou – Seu namorado, você deve estar muito cansada, quer que eu chame um médico, Toby v... – Spencer o interrompeu.

-N-não precisa – ela falou, parecia extremamente confusa – Me desculpe, mas eu não sei quem você é.

...

P.O.V Toby:

-Spence... – continuou James, com os olhos marejados pela tamanha tensão – Sou eu, James!

-Me desculpe, mas... – ela balançou a cabeça negativamente – Eu não te conheço.
 
Com a resposta de Spencer, James saiu do ambiente, claramente perplexo.

-Toby! – Spencer me chamou, após observarmos ele saindo do quarto – O que está acontecendo? Onde estou?

-Spence – falei, pegando sua mão – É muita coisa para explicar, mas antes eu vou chamar um médico.

Ela assentiu.

-Espere aqui, já volto! – terminei minha fala e saí em busca de um médico.

[...]

Estávamos no quarto hospitalar de Spencer, o médico já chegara, assim como Peter, que havia levado Melissa para casa, pois a mesma se sentia cansada demais para estar no hospital naquele momento. James dissera que esperaria do lado de fora pois não se sentia bem.

-Spencer Jill Hastings – pronunciou o médico, enquanto analisava a ficha de Spencer – Qual a última coisa que se lembra, Srta. Hastings?

-Eu....eu – ela parecia confusa.

-Acalme-se! – adverti, o que fez Spencer olhar para mim.

-Eu estava em um engarrafamento, ambulâncias, sirenes e... – ela fez uma pausa, dirigindo seu olhar para mim novamente – E Toby! Toby estava comigo. – Spencer parou por um momento como se estivesse se lembrando de algo mais – E um acidente! Era o carro de mamãe, onde ela está? Ela está bem? Onde... – a morena desesperou-se.

-Hey, Spence – falei, aproximando-me de sua cama e segurando sua mão – Acalme-se, vamos resolver tudo. Calma!

-Diga-me que ela está bem. – Spencer choramingou, lágrimas começavam a ocupar espaço em seu rosto.

Eu e Peter trocamos olhares preocupados em consequência da fala de Spencer. Olhares esses que foram percebidos pela morena.

-O que aconteceu? – ela voltou a questionar, ora olhando para mim, ora olhando Peter – Alguém pode me responder? – disse, razoavelmente irritada.

-Agora não é a hora, Spencer! – respondeu Peter, rigidamente. 

Ficamos em silêncio por alguns segundos.

-Srta. Hastings – o médico quebrou o silêncio – Precisamos que você mantenha calma, tudo bem?

Spencer assentiu.

-Então, conte-nos tudo o que se lembra!

Flashback ON:

“Saí do prédio, entrei no meu carro e fui para Filadélfia, mas fui parada por um engarrafamento. Olhei para o lado, e vi ele, Toby. Ele estava no carro ao lado do meu, ele também me olhou, mas apenas ignorei, fechando o vidro.

Estava a quase duas horas presa no engarrafamento, a fila de carros andava lentamente. Parecia que tinha acontecido um acidente, pois eu via luzes e ouvia barulhos de sirene.

A fila andou, finalmente. Então eu vi algo que me assustou, ali, jogada no asfalto, estava a bolsa de Melissa, eu sabia que era sua, pois era sua preferida, que ela sempre usava em viagens.

Saí do carro e corri até onde estavam as ambulâncias, Toby veio atrás de mim.

Ao ver aquela cena, desabei em lágrimas e corri para os braços de Toby, que me abraçou fortemente.”

Flashback OFF

-Depois disso, tudo é um grande borrão! Não me lembro de mais nada. – ela disse, após contar tudo o que se lembra sobre o acidente.

-Mas, e James? – questionei – Ela o conheceu antes do acidente. – falei, dirigindo meu olhar para o médico.

-Tem algo mais que está embaraçado em sua mente, Srta. Hastings?

-S-sim – ela parecia tentar se lembrar, mas ficava cada vez mais confusa – Algumas partes, e-eu não consigo me lembrar. Aquele homem – referiu-se a James – E-eu não sei quem ele é! Sinto que o conheço, mas quando tento me lembrar, simplesmente não consigo!

O doutor voltou a analisar a ficha de Spencer, fazia algumas anotações, enquanto estávamos todos em silêncio.

-Srta. Hastings, podemos dizer que a senhorita sofreu uma amnésia dissociativa, por conta do período em coma, causado pela a falta de oxigênio em seu cérebro. – disse o médico.

-Coma? – ela perguntou retoricamente.

-Acho que vocês dois – o doutor disse, referindo-se a mim e Spencer – Têm muito o que conversar, evitem falar sobre algo que pode causar nervosismo ou agitação. A senhorita precisa ficar calma e descansar. Volto mais tarde, para explicar melhor o caso da paciente! – o profissional saiu do recinto, seguido de Peter, que não disse mais uma palavra sequer. 

-Toby, por favor, me explique o que está acontecendo! – seus olhos tornaram-se marejados novamente.
  
Dei um grande suspiro antes de contá-la tudo o que acontecera.

-O que quer saber primeiro?

-Quem é aquele homem?

-Aquele é James – fiz uma pausa – Seu namorado. – encarei o chão ao dizer aquelas palavras que tanto me machucavam.

-Namorado? Quando isso aconteceu?

-Há aproximadamente três meses. -  respondi.

-Mas, eu não entendo..., quanto tempo estive em... – ela parou, com medo de dizer aquela palavra dita pelo médico há alguns minutos - Coma?

-Dois meses. – suspirei, voltando a olhá-la, Spencer demonstrava extrema perplexidade em seu olhar.

-Oh meu Deus! – exclamou – Como isso foi acontecer?

-Você desmaiou, e não acordou mais durante dois meses.

-Mas, por que eu desmaiaria?

-É uma longa história, Spence!

-Por favor, conte-me! – ela insistiu.

-Spence – levantei-me – Agora não, você precisa descansar! – falei, me dirigindo até a porta – Isso é demais pra mim, Spence! – falei – Me desculpe!

-Toby, não! Espera... – tarde demais, eu já tinha saído. Se fosse contar o que ela queria saber, precisaria tocar no assunto mais delicado, o qual ela não estava preparada para ouvir.

Eu conseguia ouvir o choro de Spencer chamando por mim lá dentro, isso me destruía, mas eu não podia fazer o que ela queria.

P.O.V Toby OFF

O rapaz saiu do ambiente, deixando Spencer chorando e clamando por seu nome. Ela estava confusa, perplexa, perdida em um mar de memórias soltas e bagunçadas em sua mente, e tudo o que precisava naquele momento era alguém, mas ela não tinha ninguém, estava sozinha. A única pessoa que achava que não a abandonaria, acabara de sair por aquela porta.

Sem respostas, a morena desistiu, logo em seguida, adormecendo por conta de seu cansaço.

[...]

Toby deixou aquele quarto as pressas, passando por James, que rapidamente levantou-se ao ver o rapaz.

-Toby! – chamou, mas o rapaz de olhos azuis continuou a andar – Como ela está? – obteve os pesados passos de Toby se afastando como resposta.

O rapaz seguiu seu caminho, saindo do hospital logo em seguida. Lágrimas faziam-se presente em sua perdida expressão. Aquilo não estava sendo fácil para o rapaz, mas quem disse que seria fácil?

Sem rumo, Toby apenas entrou em seu carro e saiu dirigindo por Filadélfia, que apresentava um cinza e escuro céu, anunciando que a chuva estava por vir. Mas isso não incomodava o rapaz, tudo o que menos lhe importava era a previsão do tempo naquele instante.

[...]

Spencer acordara com o barulho da porta sendo aberta, alguém acabara de entrar, seu campo de visão estava embaçado por conta do sono. Limpou sua vista com as mãos, e identificou quem estava a sua frente, Peter, James e o médico que lhe visitara mais cedo.

-Spence – James se aproximou da paciente – Como se sente?

-Cansada, confusa – respondeu a morena, ainda estranhando a aproximação do namorado desconhecido.

-É normal sentir-se assim, Srta Hastings! – pronunciou o médico – Bem, agora vamos explicar o que está acontecendo com a paciente. Reconhecemos de acordo com alguns exames, que uma parte de seu cérebro foi afetada pela falta de oxigênio, o que, consequentemente, causou o coma. – ele fez uma pausa – Seu problema, a amnésia dissociativa, é uma repressão de memórias, que no seu caso, foi causada por um evento traumático...

-O acidente de carro – completou Spencer, interrompendo-o – Quando vou ver mamãe e Melissa? Elas estão bem, não é?

-Não vamos entrar nesse assunto agora – advertiu Peter.

-Mas... – insistiu, mas foi cortada por seu pai novamente.

-Mas nada, Spencer! – ele disse autoritariamente, o que fez a filha abaixar a cabeça – Escute o médico. – completou, já mais calmo.

-Continuando – disse o doutor – Esse problema pode durar de dias a meses, vai depender da sua mente. Essas memórias continuam em seu cérebro, só estão escondidas – isso criou esperanças para Spencer – Podemos, quer dizer, faremos essas memórias voltarem, leve o tempo que precisar, srta. Hastings!

-Obrigada! – exclamou a morena, feliz com as notícias.

-Viu, vai dar tudo certo! – disse James, sorridente.

-Sim – ela respondeu sem graça, pois não sentia intimidade o suficiente com ele. 

O médico deixou a sala logo em seguida.

-Onde está Toby? – perguntou Peter.

-Ele foi embora. – respondeu Spencer tristemente.

-Não sei o que aconteceu, quando o vi, não parecia bem! – completou James.

-Estranho. – suspirou Peter – Bem, agora preciso ir, Melissa está em casa!

-Quando poderei vê-la? E minha mãe? – argumentou a morena.

-Dependendo de como estiver, trago Melissa aqui amanhã talvez!

-E mamãe?

-Falamos disso depois, filha – advertiu o pai – Você precisa descansar, passou por muita coisa! – Peter foi em direção a porta – Adeus, filha, James! – saiu logo em seguida, deixando apenas Spencer e o rapaz ainda desconhecido por ela.

-Então... – suspirou James.

-Então... – disse ela retoricamente pela falta de assunto.

Ficaram em um desconfortável silêncio por alguns instantes. 

-Há quanto tempo te conheço? – perguntou a morena, cortando o silêncio.

-Acho que há quase quatro meses. – o rapaz disse, tentando se lembrar da primeira vez que se encontraram.

-Como te conheci? – Spencer argumentou como se lesse a mente de seu namorado, e ao mesmo tempo, se interessando pelo assunto.

Flashback ON:

“As duas amigas saíram da loja, Aria percebeu que esqueceu a bolsa, ela volta lá, enquanto Spencer caminha até a saída do shopping. Estava olhando as vitrines, quando alguém esbarra na morena.

-Você não olha por onde an.. - a pessoa se interrompeu quando olhou para os castanhos olhos de Spencer - Me desculpe, eu te machuquei?

-Não precisa se desculpar! - ela disse corada, ele tinha lindos olhos castanhos claros e um cabelo escuro.

-Ah, que falta de educação minha! - ele disse pegando a mão da mulher e dizendo - Eu sou James, James Foster. - levando as mãos de Spencer até seus lábios.

-Eu sou Spencer. - disse totalmente envergonhada, percebeu então que não disse seu sobrenome, afinal qual iria dizer, Hastings? Drake? DiLaurentis, quem sabe? - Err...Hastings. Spencer Hastings.

-Foi um prazer conhecê-la, Spencer Hastings. - ele disse saindo, espera...como ele não sabia quem ela era ao ouvir seu nome, qualquer um saberia quem  era, a amiga da garota que desapareceu.

-Hey! - Spencer chamou - Você é novo na cidade?

-Sim, cheguei semana passada, trabalho no departamento de polícia de Rosewood. - ele falou, porque ela não estava surpresa? A morena deveria ter um ímã para policiais.

-Percebi, não me lembrava de seu rosto. – sentia-se desconfortável, então se despediu e foi em direção ao carro.

-Heeyy!! - Aria a chamou - Onde você estava? 

Percebeu então que Aria chegou no carro antes dela.

-Desculpe. - disse distraída.

-Olha só! - ela falou ironicamente - Spencer Hastings está sorrindo! O que aconteceu quando fui buscar minha bolsa?

Só depois do comentário de Aria, Spencer percebeu que realmente estava sorrindo.

-Nada demais! Só esbarrei em alguém.

-Quem foi o sortudo?

-Seu nome é James. James Foster. – disse a morena, abrindo a porta do carro.”

Flashback OFF

-Então se naquele dia eu não estivesse triste e deprimida, nunca teria esbarrado em você! – a morena sorriu, mesmo com essas memórias sendo confusas.

Eles riram, e depois se encararam com olhares de admiração.

-O que fazia lá? – ela perguntou.

-Bem, tinha acabado de terminar uma ligação discutindo com meu pai! – suspirou.

-Nossa, sinto muito! 

-Não tem problema – ele sorriu – Isso já passou, está tudo bem!

-Que bom! – ela exclamou.

Ficaram em silêncio novamente, só que dessa vez, um silêncio confortável, onde nenhum dos dois via a necessidade de dizer algo apenas para ter o que falar, da boca para fora.

-Eu gostei de você! – disse Spencer.

-Você já disse isso antes! – James riu.

-Exibido! – ela se juntou a ele, também rindo – Acho que fiz uma boa escolha!

-Com toda certeza! – James respondeu, admirando-a, e ela fez o mesmo.

-Nós poderíamos recomeçar? – a morena perguntou, já mais séria.

-Claro que sim! Dou-te todo o tempo do mundo! – o rapaz respondeu, sentando-se na cama, ficando ao lado dela, que o abraçou. 

James depositou um beijo no topo da cabeça de Spencer, mantendo-se abraçados.

-Pode não me tratar como namorada, mas sim como uma amiga? – perguntou a morena, com certo receio da resposta que receberia.

-Como quiser. 

-Isso tudo ainda é muito confuso para mim – os olhos dela tornaram-se marejados – E eu preciso de alguém para ficar ao meu lado, me apoiar! – fez uma pausa – É muito para digerir de uma só vez! – a primeira de muitas lágrimas escorreu de seus olhos.

-Será um prazer ser esse alguém! – James sorriu, secando seus olhos e voltando a abraçá-la.

Ficaram observando pela janela a chuva que começara a cair, esperando que essa levasse toda a dor.

[...]

A chuva já caía fortemente na estrada que Toby percorria. Sem rumo, ele seguia pela primeira auto-estrada que encontrara, sendo essa, um pouco movimentada, cheia de grandes árvores pelos dois lados. 

O som do rádio tocava ao fundo de sua mente, que era ocupada por memórias que o pregava peças, deixando-o pior do que já estava.

Flashback ON:
 
“As portas da delegacia foram abertas, mostrando Aria, Hanna, Emily, Spencer e a Dra. Sullivan descendo as grandes escadas do local. Todas ainda atordoadas com tudo o que acontecera em apenas uma noite.

-Nunca pensei que teria forças para voltar aqui – pronunciou a doutora, olhando para Spencer, que ganhou sua atenção em seguida – Mas seu amigo apareceu e conseguiu me convencer! – continuou, enquanto desciam as escadas – Ajudo pessoas a vencerem seus medos – ela fez uma pausa, enquanto caminhavam pela calçada – E ele me ajudou a vencer os meus.

-Meu amigo? – a morena perguntou, confusa.

A doutora apenas respondeu apontando a cabeça para o rapaz de olhos azuis que estava do outro lado da rua, encostado em sua caminhonete. Spencer seguiu o olhar de Sullivan, encontrando Toby, que a observava.

Nesse instante, milhares de sentimentos tomaram conta de Spencer, assim como de Toby. Os dois caminharam ao seus encontros, ela aparentemente nervosa, já ele nem tanto.

Trocaram olhares impossíveis de serem descritos naquele momento.

-Fingir não te amar foi a coisa mais difícil que eu já fiz. – pronunciou o rapaz, a morena nada respondeu.

A raiva tomou conta de Spencer, o que a fez levantar sua mão, pronta para direcioná-la ao rosto de Toby. Mas o rapaz foi mais ágil, segurando-a com a maior delicadeza possível naquela situação.

Aproximou seus corpos, fazendo com que suas testas ficassem juntas. Podiam sentir a respiração um do outro. Encararam-se por meros segundos. Segundos esses que rapidamente foram cortados por um beijo cheio de mistos sentimentos.

Aquele era um momento único para os dois, um que ficaria guardado eternamente em suas memórias.”

Flashback OFF

A dor tomava conta de Toby, a chuva se intensificava e o rapaz sentia-se sufocado. Abriu bruscamente a porta do carro, expondo-se a forte chuva que caía sobre a cidade. 

Os pingos de chuva começavam a tomar conta da roupa e corpo de Toby. As frias gotas misturavam-se com as quentes lágrimas do rapaz.

Direcionou seus olhos ao nublado céu acima de sua cabeça, esperando que um milagre surgisse, como nada apareceu, manteve sua cabeça ao alto e fechou seus olhos, sentindo as gotas percorrerem cada centímetro de seu rosto.

E ele lá ficou, parado no meio da estrada, afogando-se na tempestade, assim como em lágrimas, esperando que a chuva levasse a dor.

...
 


Notas Finais


Foi isso! Só sofrimento por hoje(por todo dia, né amiga? Não tem um capítulo feliz nisso aqui)
Parece que Spames é forte kkkkkkkkkk(tá parei)
Estou com muita peninha do menino Tobias, tadinho só sofre!!
(Lembrei o que eu tinha pra falar) Não sei se perceberam, mas eu escrevi esse capítulo praticamente inteiro em terceira pessoa, queria saber se preferem assim, ou com os P.O.V's?!
Espero que tenham gostado, desculpe qualquer erro!
Bye Bye <3
-R

PS: esse capítulo era pra ter saído de tarde, mas aconteceu que eu estava ajustando ele, quando minha mãe entrou no meu quarto me xingando, pq eu ainda não tinha me arrumado! Então fui obrigada as sair do notebook, e quando chego em casa o trombolho do meu irmão estava no notebook, arrgghhhh
PSS: advertimos que nenhum irmão foi agredido ou violentado moralmente para o desenvolver da postagem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...