História Sr. Ruper - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun
Tags Baekyeol, Chanbaek, Kaisoo, Sebaek
Visualizações 1.847
Palavras 3.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oeoeoe amiguinhos!
Como estão?

Primeiramente queria agradecer todo o carinho que vocês estão dando tanto a Sr. Ruper quanto a mim, vocês são os melhores! sz
Eu estou super feliz com todos os comentários, muito obrigada por eles também!

Queria pedir desculpas pela demora, não foi intencional. hihihi
Prometo que tentarei voltar mais rápido.

Beijinhos e boa leitura!

Capítulo 10 - Justo o Sehun? Ele é feio!


Enquanto Kyungsoo lia um livro qualquer deitado em sua cama macia e levemente bagunçada, Baekhyun observa sentado ao seu lado os diversos pôsteres de bandas e séries americanas pelas paredes do quarto do melhor amigo como se fosse a melhor e mais interessante coisa naquele cômodo.

E, para o loiro, realmente era.

Até porque se sentia inseguro em conversar com o outro sobre o que realmente queria tratar e temia que sua voz soasse fraca e baixa demais, denunciando que algo de errado realmente estivesse acontecendo consigo.

Já havia se passado algumas semanas desde o dia em que beijara Sehun e seu pai Chanyeol, este ultimo que fora de um modo repentino e estranho – um estranho bom –, mas mesmo assim. Até o momento ainda encontrava-se alheio e desentendido com aquele tipo de caricia trocada com seu pai, não negava a si mesmo que havia gostado, contudo não entendia no porque do mais velho ter o feito.

Baekhyun queria desabafar com alguém sobre o que acontecia consigo, queria dividir aquela nuvem preta que lhe cobria e esclarecer suas duvidas que até então eram tantas após ficarem sendo acumuladas no decorrer dos dias, e a melhor pessoa para poder compartilhar seus pensamentos, pesadelos e duvidas era com Kyungsoo, já que não poderia contar com os conselhos de seu pai.

Suspirou fraco, atraindo a atenção de Kyungsoo para si e por um momento retesou em seu lugar ao pensar que tinha dado voz a um de seus pensamentos sem nem ao menos perceber, só voltou ao normal quando o par de olhos grandes lhe cutucara tirando-o de seu transe.

─Baekhyun, não prenda sua respiração assim dessa maneira! ─Kyungsoo alertou, segurando no braço do melhor amigo olhando para o mesmo com um semblante sereno. ─Você está se sentindo bem?

─Desculpa. ─Suspirou novamente o loiro. ─Eu estou bem... Confuso, pra ser mais sincero com você Soo.

Confuso poderia ser dominado como pouco.

Ahn? Como assim? ─Kyung indagou sem entender muito bem. ─Você quer me contar o que está acontecendo? Eu posso tentar te ajudar.

─Bem... Eu tenho umas coisas para te contar e também quero que você me ajude a esclarecer esse bolo de confusão que está acontecendo aqui. ─Apontou para seu coração, rindo logo em seguida por causa de seu jeito.

─Você está me deixando um pouco preocupado, Baek. ─Suspirou um pouco. ─Mas vamos, me conte o que está acontecendo.

─Eu... Eu acho que estou me descobrindo, Kyung. Eu acredito que agora eu sei dizer o que eu sinto de verdade em relação ao amor, no que eu realmente sou e de quem eu gosto. ─Começou, mesmo que ainda estivesse um pouco incerto. ─Eu ultimamente tenho pensado bastante em uma pessoa que eu a admiro muito, e esses pensamentos acabaram me trazendo aquela sensação de estar gostando dessa pessoa bem mais do que deveria e do que a sociedade permite, porque você sabe... Para algumas pessoas o certo de verdade é gostar de alguém diferente de si como do sexo oposto, mas eu não acho certo e nem mesmo consegui seguir essa regra que a sociedade e algumas famílias adotaram, porque, Soo... E-eu estou gostando de um menino, eu acho que sou gay e é do Sehun que eu estou falando.

Olhou para o chão do quarto. Tal visão era mais interessante do que ter que encarar os olhos indecifráveis do pequeno Kim.

 ─Eu não espero que você seja meu amigo depois disso, mas eu queria muito, muito mesmo que você me entendesse ou pelo menos tentasse. Eu não quero que nossa amizade acabe assim por causa disso. Eu... Me desculpe.

Baekhyun esperava receber algum olhar de desprezo, palavras duras e grotescas juntamente com xingamentos e outras milhares de coisas provindas do melhor amigo, entretanto o que recebera foi apenas um olhar distante e um silencio sufocador que se prolongaram durante torturantes minutos, mas que logo foi substituído por um semblante com um sorriso sincero e amigável.

Kyungsoo havia o entendido como esperava, acreditava-o.

─Ah, Baek! Você é tão bobinho. ─Riu baixinho da cara confusa que o loiro fez com sua fala repentina em meio ao silencio. ─É claro que nossa amizade não vai acabar por causa disso, eu gosto de você do jeitinho que é e não me importa que goste de meninos. ─Riu alegre, achando graça de tudo aquilo. ─Eu não tenho nada contra, meu pai me ensinou desde pequeno que o importante é ser feliz independente de tudo e todos e se isso lhe traz felicidade e faz com que você se sinta bem sendo assim, então eu também fico da mesma forma. Você é meu melhor amigo e eu irei te apoiar em qualquer decisão que você tome, te alertando naquelas em que eu acho que podem ser prejudiciais para você. É para isso que os amigos servem Baekkie!

Ráh!

Foi tudo muito rápido, mas quando Baekhyun se deu conta já estava abraçado ao amigo com força enquanto o outro ria descontroladamente da situação e estado que estavam. Suas faces levemente amassadas formando um bico no lábio de ambos, as pernas de Kyungsoo abertas tendo o Byun no meio delas e as mão segurando firmemente no tecido das roupas.

Era tão bom e ao mesmo tempo tão relaxante saber que Kyungsoo não passou a sentir nenhum sentimento de repulsa para consigo, a sensação de tal era completamente arrebatadora. Sabia que Kyungsoo lhe entenderia, mas todo mundo acaba se surpreendendo com suas amizades, principalmente com as mais queridas e portadoras de uma confiança incomum.

E também é normal temer em assuntos como esse, pois pessoas com mente fechada e egocêntricas têm por toda parte, em uma esquina aleatória sob qualquer olhar.

─Eu já desconfiava por causa dos olhares nada discretos que você lançava para o Sehun, Baek. ─Kyungsoo proferiu quando foi solto pelo aperto do abraço de Baekhyun. ─Mas ele como é tapado deve não ter reparado, mesmo que esses seus olhares queimem a alma.

─Aish, cale a boca Soo! ─Baekhyun respondeu, envergonhado.

O par de olhos grandes riu e se levantou para colocar algum jogo no videogame ligado que até então se encontrava esquecido, colocou um jogo qualquer de luta e voltou a se deitar em sua cama ao lado do melhor amigo apanhando o controle em mãos. Baekhyun estava com um sorriso bobo e grande estampando em seus lábios por conta de ter o melhor amigo do mundo que lhe entendia perfeitamente.

Seu sorriso era tão grande que suas bochechas doíam.

Começaram enfim a jogar algumas partidas com os olhos atentos a tevê, xingando um ao outro quando eram acertados por golpes baixos e inesperados dos personagens. Riam alto, com certeza atraindo curiosidade de Hyemin que estava em algum cômodo qualquer da casa.

Entendiam-se como ninguém, e a cada dia que passava, só tinham mais ciência que a amizade duraria muito. E por que não até quando dessem o ultimo suspiro de vida?

─Mas Baek, me responda uma coisa... ─O pequeno Do falou após algum tempo em silencio, enquanto o jogo carregava novamente. ─Tinha que ser justo o Sehun? Ele é feio!

─Vá pro inferno, Kyungsoo!

 

〰♠〰

 

É normal pessoas sentirem atrações pelas outras, ter vontade de beijá-las e tocá-las em ocasiões mais intimas, mas sentir atração por alguém que deveria nutrir, na verdade, um sentimento de amor paterno não era tão comum assim. E era exatamente por isso que o Park se sentia sufocado e principalmente sujo em relação a seu filho.

Não queria ver o Byun com outros olhos, mas era praticamente impossível com sua mente insana e com as evoluções no corpo do menor. As coxas fartas, os lábios chamativos, as nádegas redondinhas e a pele leitosa contribuam apenas para esse sentimento sujo que aflorava em seu peito, deixando-o totalmente louco e para noites mal dormidas.

Lembrava-se perfeitamente da noite outrora em que havia ido olhar como Baekhyun estava dormindo e se surpreendeu com a imagem de sua bunda redondinha e bem marcada por causa da boxer para cima ─ já que estava deitado de bruços ─ lhe tentando, lembrava-se de ter mordido seu lábio fortemente quando o cobriu encostando suas mãos nos glúteos redondinhos arrancando um resmungar baixo do outro e deixou um beijo em sua testa antes de sair do quarto pertencente ao mais novo, andando em passos rápidos de volta para o seu próprio.

Sua visão ficara turva quando deitou novamente no meio de seus cobertores macios e fofinhos, sua respiração repentinamente ficou descompassada e sua mão involuntariamente se dirigiu ao meio de suas pernas acariciando sem pensar seu membro enquanto a única cena que passava por sua mente era a de Baekhyun que vivenciara há pouco. Retirou seu pênis de dentro da boxer azul marinha e da calça moletom cinza e apertou levemente sua fenda, gemendo baixo para não acordar ninguém.

Com os movimentos frenéticos de sua mão ora lentos e ora devagar, Chanyeol se masturbou pela primeira vez pensando em seu filho que dormia tão serenamente longe de qualquer tipo de pecado.

Por que agir daquela forma parecia ser tão errada e ao mesmo tempo tão certa? Por que Chanyeol tinha que adorar toda adrenalina de sua vida insana e seus sentimentos conturbados sobre Baekhyun?

Por que desejava tocá-lo como nunca desejou ninguém?

O empresário segurava em sua mão destra um porta-retratos com a foto de seu pequeno sorridente, fazendo um sinal de coração com seus dedinhos enquanto estava agarrado com seu antigo ursinho Sr. Ruper. Ver o sorriso tão ingênuo do loiro fazia com que um sentimento de culpa e repulsa tomasse conta de seu ser, tal repulsa não era de Baekhyun e sim de si mesmo.

Estava tão concentrado na foto de seu filho que nem mesmo percebera os berros raivosos de Yifan ao seu lado, já que um de seus casos estava sendo muito difícil para que pudesse resolvê-lo. Era sim um advogado muito competente, havia até mesmo reconhecimento no mundo inteiro com o ramo que seguia, contudo problemas em casos complexos iguais a processos sempre lhe tirariam do sério.

─Chanyeol, preste atenção em mim, caralho! ─Gritou exaltado com o empresário. ─Eu estou aqui me matando para raciocinar alguma solução para o processo que uma franquia de empresa, na qual tem parceria com a sua, está recebendo e você nem ao menos se dá ao luxo de me escutar! Sem contar que ainda tenho que ficar me sufocando com a reta final da guarda do Byun que você tanto quer que eu a garante.

─Desculpe-me. ─Chanyeol pediu, endireitando sua postura e olhando para alguns papeis a sua mesa. ─Pode me dizer novamente o que estava falando? E a proposito, quem escolheu sua profissão foi você mesmo e eu te pago para isso, não reclame.

─Vá se foder, Park Chanyeol. ─O chinês irritou-se com o olhar confuso e levemente espantado do amigo orelhudo. ─Deixe que eu pense sozinho, apenas saia dessa sala.

─Mas esse escritório é meu, para o seu governo. ─Bufou, deixando de lado as inúmeras folhas a sua frente. ─Sério, me desculpe, eu irei te ajudar a resolver isso. Apenas peço para que tenha paciência e me diga novamente, minha mente está uma bagunça ultimamente e eu lamento muito por isso.

─Ainda está pensando em como seu modo de ver Baekhyun mudou?

─Sim...

Yifan já sabia do ocorrido, pois o Park havia desabafado com o mesmo em uma noite que Baekhyun pousara na casa da avó. O empresário fez uma visita ao advogado e aproveitou a oportunidade para retirar, nem que fosse a metade pelo menos, daquele peso que estava em seus ombros e que tanto lhe tirava do sério.

─Qual é a intensidade de seus batimentos cardíacos quando ele está na sua presença e em ocasiões quando te pede ajuda para algo como escolher uma roupa para sair estando apenas com alguma roupa intima?

─Rápidos. Completamente e totalmente rápidos. ─Respondeu de imediato por impulso, suspirando logo depois. ─É estranho o que acontece, eu me sinto inebriado em seu cheiro doce e fico completamente louco ao ver de modo focado seu corpo ganhar todas aquelas curvas excitantes, assim como suas coxas e bunda que crescem a cada dia que passa. Eu tenho vontade de marca-las com minhas mãos, morde-las e lhe tomar como meu de um modo errado.

 ─Já pensou na possibilidade disso estar acontecendo apenas por fazer bastante tempo em que você não sustenta uma vida sexual ativa? ─Yifan sugeriu, recolocando uma caneta azul em que outrora estava em seus dedos dentro do recipiente. ─Talvez seus hormônios estejam voltando a aflorar e seu desejo por sexo está lhe tomando de maneira tentadora nos últimos meses e você percebeu justo agora, fazendo com que acabe por ver Baekhyun com esses tipos de olhos que clamam para uma visão mais íntima.

Chanyeol não conseguiu proferir muitas coisas, sua mente trabalhava em milhares de pensamentos. Aquela hipótese poderia ser mesmo a certa.

─Pode ser isso, falta de sexo, ou apenas uma ocasião que você se encontra a admirar o quão formoso esteja se tornando o corpo dele. Isto também lhe pegou de surpresa, afinal Baekhyun tem um corpo muito avantajado para a sua idade e meu amigo, só tende a evoluir mais.

─E o que você sugere que eu faça para dissipar esses pensamentos sujos?

O chinês não respondera por que não teve a oportunidade, pois o batuque levemente oco da porta fez com que ambos os olhos fossem direcionados a mesma juntamente com suas atenções; Chanyeol se recompôs em instantes e proferiu um frio “entre” para a alma que estava lá fora à espera de uma resposta permitindo para que entrasse.

Uma moça muito bela entrara com papeis em seus braços, uma caneta encontrava-se em sua orelha, os fios negros de seu cabelo estavam presos em um coque levemente bagunçado, a pele completamente branca e leitosa, o decote de seu uniforme mostrava perfeitamente os seios fartos, seu corpo com curvas tão belas como os de Baekhyun e a maquiagem clara lhe dava um ar mais bonito ainda.

Era tão linda quanto uma modelo renomada.

As sobrancelhas de Chanyeol se arquearam por um momento ao ver a imagem da bela moça, não conseguia se recordar de ter lhe vista perambulando pelos corredores e setores de sua empresa e muito menos a contratado, mas sua mente estava tão bagunçada ultimamente que seria comum não se lembrar dos últimos acontecimentos de sua vida profissional.

Contudo, seu rosto ainda era muito familiar ao empresário.

─Senhor Park, com licença. ─Pediu em um tom baixo, aproximando-se da mesa do dito cujo. ─Senhor Wu. ─Curvou-se mostrando respeito ao homem chinês que até então estava lhe olhando de modo curioso com uma pitada de malicia. ─Eu sou a sua nova contratada, responsável por organizar todas as reuniões da empresa e administrar sua agenda profissional. Estou aqui para lhe trazer os papéis de suas respectivas futuras reuniões.

─Hm, certo. ─Respondeu simplista, observando-a dos pés a cabeça. ─Eu não me lembro de ter lhe contratado, peço desculpas por isso pois minha mente está meio bagunçada ultimamente. Poderia me dizer qual é seu nome apenas para refrescar minha memoria?

─Não tem problema algum, senhor Park. Acredito que esteja assim por conta do trabalho exaustivo, prometo trabalhar duro para que não se encha de problemas quando estes puderem ser resolvidos por mim. ─Sorriu de um modo elegante, a boca ficava completamente moldada e atraente com o batom vermelho sangue. ─Me chamo Min Sook.

─Ah! Me lembrei de você. ─Chanyeol pareceu acordar. ─Você foi minha ultima entrevistada antes que passasse as melhores entrevistas para minha secretária pessoal analisar, lembro-me que ela disse que você era a única adapta a receber o cargo e assim o concedi. É um prazer poder recebê-la em minha empresa, senhorita Min.

─O prazer é todo meu, senhor Park. ─Lhe sorriu sedutora. ─Se me der licença, irei voltar para os meus serviços.

─Tudo bem, pode se retirar. Obrigado.

Só podia ser ouvido o barulho do salto de Min Sook na sala de Chanyeol se distanciando após ter a autorização para se retirar da sala, o Park fitava intensamente o corpo curvilíneo da moça contemplando a bela visão.

Yifan também olhava, mas não do mesmo modo que o melhor amigo.

O chinês estranhara minimamente, não sabia que Chanyeol havia contratado uma nova contratada, e que funcionara ela era. O outro deveria tomar proveito daquilo, até porque não é sempre que se encontra uma mulher bastante sedutora e ao mesmo tempo tão simpática como aquela.

Chanyeol tinha tirado a sorte grande, só deveria se tocar.

─Ela é bem...

─Incitante, atraente, bela. ─Chanyeol parecia hipnotizado.

─Eu iria dizer simpática, mas tudo bem. ─Yifan riu. ─Por que não aproveita? Se ela é tudo isso que você disse, deveria aproveitar e investir. Pode acontecer de até conseguir alguma transa com ela, jogue as suas cartas com ela Park! Assim pode perceber que é apenas por falta de sexo que está vendo Byun de modo impuro.

Era uma boa opção para acordar a realidade.

─Hm, tem razão. ─Pegou seu telefone, digitando o numero de sua secretária pessoal. ─Confirme minha presença para a festa de reconhecimento do doutor Kim Junmyeon, reserve dois lugares para mim e mais um acompanhante.

Wu sorriu ladino, satisfeito com a iniciativa de seu amigo para esquecer os pensamentos insanos com Baekhyun de alguma forma.

Se fosse para parar de querer ter Baekhyun para si de modo inapropriado e ainda ganhar uma boa foda com uma moça tão elegante e cheia de curvas assim, que fosse para apostar tudo.

 

〰♠〰

 

Jongin se encontrava excitado.

Já fazia dias em que buscava por alguma distração em sua vida que tinha se tornado completamente monótona, e, recordando de sua adolescência, resolvera voltar a vivenciar seus momentos mais quentes e íntimos. Por isso, a guia anônima de seu notebook e os diversos sites pornôs que assistiu haviam sido seus melhores amigos naquele inicio de noite em meio aos lençóis limpos de sua cama.

Fazia demasiado tempo que não vivia aquela adrenalina e sensação arrebatadoramente prazerosa de se tocar, era novo e ao mesmo tempo tão nostálgico, tão delicioso e certo de se fazer e ao mesmo tempo tão errado.

Errado em sua concepção, pois Kyungsoo lhe invadia a mente a cada movimento de sobe e desce que sua mão fazia sobre seu falo ereto e pulsante.

Era insano, e insanidade sempre lhe foi prazeroso.

Seu polegar acariciava sua fenda com lentidão, apertando-a em uma fricção deleitosa para logo depois espalhar um pouco de seu gozo sobre toda sua glande inchada. Sua mão logo voltara a descer pelo seu sexo, os movimentos que antes eram lentos agora passaram a ter uma velocidade mais rápida.

Sua mão se movia freneticamente e quanto mais se tocava, mais seu limite se mostrava estar próximo e por isso se apressava em alcança-lo. Gemidos roucos saiam de seus lábios maltratados pelas mordidas fortes causadas pelos seus dentes, deixando-os ainda mais avermelhados e inchados.

Com seu ultimo gemido, alto e grave, o moreno se desfez em sua própria mão com sua respiração ofegante e irregular sujando os lençóis que outrora estavam limpos. Precisou de alguns minutos para poder se recompor por inteiro e, quando estava melhor, levantou-se recolhendo os lençóis e se dirigiu até o banheiro para tomar um banho e relaxar seus músculos. Colocou os tecidos sujos dentro do cesto de roupas e se enfiou sob a agua quentinha que caia do chuveiro, desembaraçando todos os nós de seus músculos de suas costas.

Tudo já estava organizado após alguns minutos.

O moreno já estava vestido com peças de roupas confortáveis, os lençóis estavam na maquina de lavar e agora se encontrava sob a mesa de jantar juntamente com Kyungsoo que estava mais silencioso que o normal.

Não ligou de inicio, mas conforme o jantar fluía um silencio constrangedor – que até então o escritor não entendia – começou a pairar pelos ares.

─Como foi o seu dia, Kyung? ─Iniciou um dialogo, quebrando com o clima estranho.

─Bem. ─Kyungsoo respondeu breve.

─Ah, então tudo bem. Não te vi o dia inteiro, suas aulas de canto têm tomado muito o seu tempo, sinto saudades do tempo que ficávamos juntos. ─Riu por um momento, nasalado.

─Sim, também. ─Bebericou o seu suco. ─Estou um pouco preocupado com Baekhyun, pai. Esses dias acabei escutando uma conversa nada amigável de Sehun com outra pessoa no celular e estou com medo do que pode acontecer com o Byun, ele gosta muito do Oh.

─Sério? E o que você escutou?

─Prefiro não ficar comentando muito isso até conseguir comprovar que Sehun fará isso de verdade, desculpe. ─Sorriu e Jongin apenas assentiu, dizendo que entendia.

Contudo, não é como se a conversa fosse acabar ali mesmo.

─O que você estava fazendo antes do jantar, pai? Estavam vindo alguns barulhos diferentes de lá.

E o corpo inteiro de Jongin veio a congelar-se em seu lugar.

─Não estava fazendo nada, Kyungsoo, apenas escrevendo. Talvez você tenha apenas escutado coisas demais. ─Ditou firme, agradecendo mentalmente por isso a qualquer força sobrenatural existente.

─Engraçado, não foi exatamente isso que eu vi. ─Kyungsoo disse, abandonando seus talheres sobre seu prato.

─E o que você viu?

─Você se tocava, e parecia ser bom... Na verdade, muito bom.

Jongin só queria cavar sua cova ali mesmo.

Afinal, como iria explicar aquela situação para Kyungsoo de modo que não comprometesse sua reputação e postura de pai exemplar?


Notas Finais


Vishh, Chan querendo ter casos com a funcionária nova?
Como Jongin vai explicar isso para o Soo?

Esse capítulo serviu para as bombas do próximo, que por sinal, vão ser bem grandes! Pelo o que algumas amigas me falaram e reagiram quando viram os spoilers, vocês vão querer provavelmente me bater e também preparem os remédios, pois teremos uma montanha russa de emoções. ewe

Novamente, obrigada pelos comentários do capítulo passado! Nos vemos por aqui novamente?

Beijinhos amores e até o próximo! <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...