História Stand By Me - Norminah - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Dinah Jane Hansen, Fifth Hamony, Normani Kordei, Norminah
Exibições 252
Palavras 1.289
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Só para avisar, nem tudo são mar de rosas, por que até aqui foi fofo, foi lindo, mas as tretas estão voltando com tudo, tudo mesmo. E nada, absolutamente nada, é o que parece ser.

"Mas gostar não serve pra nada se você gosta sozinho."

Capítulo 31 - Much To Say


Normani Point Of View

“Eu poderia ficar olhando para ela, por dias, semanas, meses que não enjoaria, não sentiria medo de ficar insegura com os meus sentimentos. Nada disso. Amo todos os detalhes que fazem dela essa mulher incrível, com um jeito único e forte de ser. Amo cada respiração dela, e isso parece ser trouxismo, porém, é isso que faz com que eu me apaixone por ela a cada segundo do meu dia.”. Estava perdida em pensamentos, esses que faziam eu lutar para me recuperar logo. Eu me sentia outra pessoa quando estava com ela, e isso era totalmente novo, me sentia plena. Ficar com Dinah, era como se fosse o paraíso na terra, ela fazia todas as minhas vontades e eu particularmente, me surpreendi pela mudança repentina dela. Mas admiti também, que foi algo bom, ficar correndo atrás o tempo todo, era algo doloroso e sem contar que cansa, cansa você esperar por algo que não tem certeza se vai chegar.

Tirei esses pensamentos negativos da cabeça, e olhei para o lado, Dinah estava dormindo tão lindamente, que meu dó de acorda-la. Parecia um anjo, desprotegido, que precisa de alguém perto para mantê-lo nos trilhos. Fizemos amor a noite inteira, e senti-la perto assim, era algo prazeroso e ao mesmo tempo, dava medo. Medo de que ela pudesse ir embora, como sempre fez, medo de deixar que ela simplesmente visse que aquilo não daria em nada ou que, nada foi real.

- Dih amor, levanta. – Cutuquei sua costela, se ela ficaria brava? Muito.

- O que? – Ela falou com a voz grossa, e eu sabia que estava em apuros, mas era necessário.

- Desculpa, é que eu preciso do remédio agora, minha cabeça dói demais.

- Eu falei para a gente parar, mas você insistiu. Eu vou buscar, deita e fecha os olhos. – Ela se levantou pegando o robe vermelho, perto da porta do banheiro e saiu para a cozinha.

Eu sentia minha cabeça rodar, e sabia que seria uma recuperação difícil. Mas se tivesse ela por perto, tudo seria mais fácil de ser superado. Ouvi o barulho da maçaneta e a porá se abrir, mostrado uma Dinah com o rosto preocupado, cansado e com olheiras, e só agora percebi, isso machucava tanto ela, quanto a mim.

Tie my hands

Make me beg

Swallow my sins

Hurt me, hurt me again

- Eu tenho tantas coisas para dizer, mas sinto que não serão suficientes para descrever tudo o que eu sinto.

- Pode começar, estou aqui para ouvir. Sinto que, de certa forma, te devo isso.

- Você não me deve nada, só deixa eu falar, por que é muita coisa. – Tomei o remédio e me endireitei na cama, apoiando as costas na cabeceira. - Eu tinha medo de te perder, quando na verdade era você quem estava me perdendo. Eu te amo muito e sei que pode parecer precipitado, louco e sem sentido, mas eu sei, aliás, tenho certeza que a gente vai dar certo, e um “nós” pode ser dito.

Forever on the floor

Don't ever stop

I want more

Like nails on my skin

Swallow my sins

Hurt me, hurt me again...

Ficamos um bom tempo se encarando, e nesse momento as palavras não eram necessárias, eu sentia que ela queria seguir em frente, mas tinha medo.

- Eu... é.. não sei o que falar. – Se ela estava nervosa? Muito, e isso transparecia em sua feição, com os olhos arregalados e sem expressão.

- Eu quero fazer um pedido. – Olhei para suas mãos, que estavam juntas em frente a seu corpo, em modo claro de nervosismo.

- Pode fazer boo.

- Você aceita se a gente pudesse dar um passo a mais nessa relação? Digo, é... se tiver alguma coisa, é claro.

- Eu melhorei por sua causa, mesmo que tenha sido inconsciente. E agradeço muito por ter entrado na minha vida, mesmo de maneira tão louca.

- Então você aceita? – Olhei para ela em um misto de medo e nervosismo.

- Acho que podemos tentar, não custa nada. – Ela me olhou com os olhos brilhando e nesse momento meu peito se encheu de amor. Se isso era ser trouxa por uma pessoa, eu estava sendo por ela.

- Tudo bem, eu fico extremamente feliz com você por perto, pe estranho e ao mesmo tempo incrível. Só você faz eu me sentir assim.

- Já que você está morando aqui, pode trazer suas coisas, eu acho.

- Trago até meu cachorro, se você deixar. – Rimos e ela me beijou, beijo terno, calmo, com sentimento.

Alguns meses depois

Dinah Jane Point Of View

Nada do que a gente espera da vida, pode se realizar. Às vezes, e só as vezes, ela dá um jeito de desviar todos os seus pensamentos, todas as suas vontades. Normani e eu decidimos dar um passo adiante, e começamos a “namorar”. Está sendo tudo lindo, até aquela manhã. Ela acordou com dor no corpo e na cabeça, dei o remédio, e logo ela melhorou, o que veio depois foi a gota d’água. Estava me arrumando para trabalhar, ela foi até o closet me olhando com os olhos raivosos, eu não entendi absolutamente nada, e perguntei o que havia acontecido.

Flashback On

- Você acha que eu sou trouxa Dinah Jane?

- Do que você está falando Normani?

- Ontem à noite, quando estávamos no restaurante, você estava flertando com a garçonete. Eu não falei nada por que estava com dor em todos os lugares possíveis do meu corpo.

- O que? Você está louca, não é possível.

- Louca o caramba Dinah, a gente está junto. Isso não te dá o direito de sair flertando com outra pessoa.

- Eu nunca fiz isso Normani, pelo amor de Deus.

- Além de tudo é descarada?

- Você sabe diferenciar brincadeira de coisa séria? Eu acho que sim, então pode parando com esse surto.

- Olha, eu não estou nenhum pouco afim de ficar discutindo com você. Só abra bem os olhos antes de fazer alguma coisa que vá se arrepender depois.

Flashback Off

Eu estava sentada na minha cadeira no escritório, esperando dar o horário de saída. Não estava afim de voltar para casa, não enquanto ela dava os surtos dela. Aquilo foi ridículo e extremamente sem sentido. Já estava preparada para ir em uma nova boate inaugurada a poucas semanas, iria sozinha e estava tentando tirara aquela manhã da cabeça.

Fiquei com a mesma roupa que sai de casa, um vestido azul com uma cinta amarrada na cintura e salto.

Sai da empresa em direção a Poison Club, e para ser sincera, estava animada. Iria apenas me divertir, tomar todas e fazer novas amizades. Ou não, a noite tinha apenas começado.

Fui até o bar e pedi whisky puro, duplo e sem gelo, como sempre. Uma das minhas bebidas favoritas. Um rapaz se aproximou, que descobri se chamar “Bryan”, e conversas vai e conversas vem, bebidas sendo ingeridas uma atrás da outra, comecei a sentir tonturas. Achei que já estava com os goles subindo, fui ao banheiro, lavei rosto, na tentativa falha de haver melhora, mas foi em vão. Ai daquele lugar que já estava dando agonia, esbarrei em algumas pessoas e senti braços me segurarem com firmeza. Não vi quem era, só sei que apaguei.

O tempo pareceu parar, aquelas coisas maravilhosas que você achou possuir, já não passam de sonhos. As pessoas ao seu redor, são completamente estranhas, o seu amor parece não existir e a sua vida mergulha na escuridão. Tudo parece entrar em uma lentidão assustadora e então, você fecha os olhos e tudo, simplesmente tudo, desaparece.

“A única certeza que temos na nossa vida é a morte. O resto meu bem, sempre vai ser dúvida.”


Notas Finais


Adeus!

Twitter: @norminahdate


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...