História Stand by me - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Christian Chávez, Demi Lovato, Fifth Harmony, One Direction, Selena Gomez
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Christian Chavez, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Normani Hamilton, Personagens Originais, Selena Gomez, Zayn Malik
Tags Camren, Larry, Norminah, Romance, Semi
Exibições 78
Palavras 4.553
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente eu tenho algumas ressalvas sobre esse capítulo. Ele contém uma cena que pode de certa forma ofender alguns de vocês. Ela é crucial para o desenvolvimento da história. Eu peço desculpas se alguém se sentir ofendido pelas palavras que eu usei, mas foi preciso. E queria dizer também que isso não reflete em nada a minha opinião.

Espero que vocês gostem. E se sintam tão mal quanto eu me senti ao escrever isso.

O preconceito infelizmente é um câncer que cresce na nossa sociedade e nós jovens temos que nos unir para vence-lo

Sem mais delongas... Amo vocês!

Capítulo 13 - Capítulo Treze


Camila POV

Droga! Droga! Droga! Eu não tinha me expressado tão bem como eu queria. Não me arrependia de nada do que tinha acontecido entre nós dois, e a última coisa que eu queria era fazer ele pensar que eu não correspondia a nada do que ele sentia.

Eu não podia estragar tudo. Eu fui atrás dele. Entrei no banheiro e ele estava tomando banho. Reuni toda a minha coragem, engoli meu orgulho e entrei no boxe. Ele não me olhou. Estava embaixo do chuveiro com a cabeça encostada na parede.

- Me desculpa… - ele não moveu nenhum músculo - Eu não quis falar aquilo daquele jeito. Eu não me arrependo de nada do que tá acontecendo Laurence. Eu só me assustei, porquê faz três dias que nós nos conhecemos e já aconteceu tanta coisa…

- Não Camila! Para mim faz anos que eu espero por isso. Anos sonhando em te reencontrar. Agora se você quiser ir embora…- pelo amor de Deus cara! Agora foi a vez de eu começar a perder a paciência. Eu o puxei para que ele me olhasse

- Presta atenção. Eu to adorando tudo o que tá acontecendo tanto quanto você. Eu to desejando que tudo dê certo tanto quanto você. E eu não disse que te amo, mas também não disse que não te amo. Agora para de ser tão dramático - eu dei um selinho rápido nele - Você prometeu que não ia desistir de mim!

Ele finalmente pareceu entender que o problema não era nossa relação, não era ele e não era eu. Era o medo entre nós dois.

- Eu só tenho medo de você pegar aquele avião e perceber que VOCÊ vai desistir de mim. Que isso que está acontecendo entre nós dois não vale a pena.

- Eu não vou desistir de nós Lolo - eu sorri - eu só quero ir com mais calma. Eu tenho a impressão de que se nos formos rápido de mais isso também acabe rápido de mais. Agora o que não vale a pena é ficar discutindo. - eu colei nossas bocas novamente e ele me empurrou contra a parede.

Eu não sabia como ia ser nosso futuro. E não queria perder meu tempo pensando nisso agora.


Laurence POV

Na manhã seguinte eu levei a Camila de volta para casa na praia. O vôo dela sairia as dez da manhã. Ela, as meninas e o Chris se trancaram no quarto. Obviamente para fofocarem sobre nossa noite. Logo ela desceu com as malas.

Um frio percorria minha espinha e ficava revirando meu estômago. Como eu queria poder evitar que ela fosse embora.

O Troy ia levar o Harry e o Chris embora porque a Dinah, Normani e obviamente a Ally queriam ir também para o aeroporto. Então Camila se despediu dos garotos e nós fomos para o carro.

Durante toda a ida elas foram conversando e não pararam um minuto. Quando chegamos no aeroporto às meninas decidiram que queriam tomar café, mas obviamente era uma desculpa para deixar eu e a Camila a sós.

- Você tá tão quentinho - ela fez um bico. Eu a puxei a abraçando e sussurrei em seu ouvido.

- Você não quer ficar?

- Eu volto no começo de agosto Laur. Menos de dois meses!

- Pra mim vai ser a eternidade. - eu procurei os lábios dela em um beijo intenso.

- Cof ! Cof ! - Dinah estava como um poste do nosso lado - Já estão te chamando pro embarque Mila.

- Tá! Já vou indo - ela sorriu para Dinah e se levantou olhando para mim - lembra como falávamos quando éramos crianças? Camz da Lolo!

- Lolo da Camz - eu falei sorrindo. Ela selou nossos lábios.

- Não esquece disso tá bom!

Nós fomos até o portão de embarque, ela deu um abraço nas meninas e um último beijo em mim. Eu pude ver então ela indo até a entrada do embarque, entregar a passagem e desaparecer no corredor.

(…)




- Lolo! Você traz um presente bem bonito para mim? - Sofia a irmãzinha mais nova da Camila apareceu de repente na tela do meu Notebook.

- Sofia, tá maluca! Quer matar a gente do coração? - Camila repreendeu a pequena.

- A mamãe pediu para eu chamar você para o jantar!

- Tá eu já vou! - a menina ficou parada no mesmo lugar - que foi Sofia?

- Deixa de ser chata Camila - eu ri da expressão da mais velha - Oi Sosoh. Pode deixar que eu levo um presente bem bonito para você - o sorriso da pequena aumentou.

- Conseguiu o que queria? Agora vai descendo que eu já vou - a latina esperou até a garotinha deixar o quarto dando pulinhos e me mandando beijos. - Você conseguiu roubar minha irmã de mim! A única coisa que ela sabe falar é sobre você.

- O que eu posso fazer se eu sou irresistível?

Fazia já algumas semanas que a Camila tinha voltado para a casa. No começo eu fiquei apreensivo sobre como seria nossa relação durante esse tempo longe, mas logo que chegou em casa ela já me ligou para dizer que estava tudo bem. E desde então nós conversamos todos os dias antes do horário do jantar na casa dela.

Saber que ela já tinha falado de mim para a família me causou ao mesmo tempo felicidade e temor. Ela disse que a mãe dela sabia de toda a história, pois desde que o incidente de quando éramos crianças tinha ocorrido, ela tinha contado tudo para Sinueh. Aquilo me deixou um pouco envergonhado. Mas, como a Camila mesmo tinha dito, é muito melhor do que o pai dela saber que eu passava tardes sozinho com ela naquela época. Ela e a mãe decidiram que o pai so precisava saber que ela tinha conhecido um cara legal durante a viagem.

Sofia, por outro lado, tinha me adorado e todas as noites dava um jeito de vir falar comigo.

Eu também tinha falado com meus pais sobre a Camila. No começo minha mãe não gostou muito da idéia. Ela achava que eu devia me livrar totalmente do passado. Mas eu acredito que ela está feliz por eu estar feliz, assim como meu pai.

- Eu vou indo Laur, antes que minha mãe suba aqui. Que horas você vai sair daí amanhã?

Eu tinha decidido que não conseguia mais ficar longe da minha latina. Eu ia aproveitar o feriado de quatro de julho para voltar para aquela cidade da qual eu tinha fugido anos atrás. Mas valia a pena pra ficar junto da minha Camz.

- Vou pegar o vôo das onze da noite. Vou chegar aí quase meia noite. - ela fez uma careta - desculpa, mas era o único horário que tinha.

- A dona Sinu disse que eu podia sair quando meu pai dormisse e voltar antes que ele acordasse - ela sussurrou com um sorriso nos lábios.

- Fala para sua mãe que eu amo ela!

A minha vontade era de aproveitar e pedir a Camila em namoro, mas eu confesso que tinha medo da reação dela. Por mais que nós conversassemos todos os dia, não parecia que nossa relação tinha subido de nível. Então eu ia esperar.

O feriado tinha caído na sexta feira, então eu ia passar o fim de semana todo com ela. Por mais que eu estivesse estagiando no escritório da minha mãe ela não me liberava pra nada nas férias de verão. E ficou até um pouco chateada de saber que eu ia passar o feriado longe, mas meu pai disse que a levaria para uma viagem também e tudo se resolveu. Dona Clara esqueceu que tinha filho.

Eu não sabia como a Camila ia me apresentar para a família dela, mas ela tinha me convidado para um jantar na casa dos avós dela no sábado.

- Posso dizer que eu não vou mais?

- Claro que não… " Camila " - eu escutei a voz da mãe dela ao fundo - Eu vou indo Laur. Amanhã me liga antes de ir para o aeroporto. Beijo.

- Beijo! - eu vi a chamada de vídeo ser encerrada - Eu te amo.

(…)


Era mais de dez horas da noite, eu e o Chris estávamos assistindo uma série na sala e meu celular começou a apitar o wats.

~MENSAGEM ON~

Camz (Oi! Tá dormindo?)

( Não. Tô assistindo TV)

Camz ( Sozinho?)

(Com o Chris!)

Camz ( Hum! E tá interessante?)

( Não tanto quanto falar com vc ;) )

Camz ( kkk!)
( Não vejo a hora de te ver)
( Sinto muito a sua falta :( )

( Também sinto a sua)
( Espera um pouco!)

Camz ( o que aconteceu?)

( Tá no quarto? Posso te ligar?)

Camz ( Sim!)

~ MENSAGEM OFF ~


~LIGAÇÃO ON~

- Oi!

- Oi. O Chris me expulsou da sala, disse que o barulho do celular tava atrapalhando ele, e que ia te ligar pra atrapalhar nossa conversa.

- Outro Christian Chávez não existe no mundo!

- Não mesmo… - eu suspirei - Queria que você estivesse aqui comigo! Essa cama tá muito fria! - ela riu.

- Queria que eu estivesse aí pra que? - ela suspirou.

- Pra fazer umas coisas que seu pai não aprovaria! - eu sussurrei como se contasse um segredo.

- Não faz isso Laur. Desde o dia que você falou que vira pra cá eu tô quase enlouquecendo…

- É mesmo? - eu sorri.

- Faz três noites que eu tô sonhando com essas coisas que meu pai não aprovaria! - ela falou baixinho. Eu congelei

- Tipo o que? - minha voz saiu mais rouca e eu fechei os olhos para ouvi-la.

- Você me beijando… suas mãos em mim - a voz dela também estava rouca.

- Eu te tocando Camila?

- Sim!

- Minha mão te tocando… e minha boca no seu seio?

- Sim! - ela sussurrou com a voz ofegante.

- Eu consigo imaginar meus dedos dentro de você Camz

- Laur - ela praticamente gemeu meu nome.

Era óbvio que nos dois estávamos imaginando aquela cena.

- E minha língua…

- "Kaki" Sofia quer me matar do coração? - eu ouvi a vozinha ao fundo e logo depois um baque. Ela devia ter derrubado o celular - " Não to conseguindo dormir Kaki. Posso ficar aqui com você?" Vai pro seu quarto que a Kaki já vai lá ficar com você. Escolhe um livro pra eu ler. - ouvi outro barulho, provavelmente ela pegando o celular de volta - Laur eu tenho que desligar.

- Logo agora que seu sonho tava ficando interessante? - eu ri e ela bufou

- Amanhã você vai me pagar por isso Jauregui!

- Não vejo a hora. - eu ri - boa noite… e sonhe comigo.

- Pode deixar… boa noite… beijos.

- Beijos.

(…)


Eu estava andando pelo aeroporto. Tinha combinado de encontrar a Camila só no dia seguinte. O vôo tinha atrasado e já era mais de meia noite. Eu peguei um táxi até o hotel que ela tinha reservado para mim. Feriado de quatro de julho era uma droga por causa disso, todo mundo indo para as cidades menores ficar com os parentes.

Eu fui o trajeto todo vendo as ruas. Me recordando de cada uma delas. De como haviam mudado depois de tanto tempo.

Cheguei ao hotel e fui até meu quarto. Era bem amplo, um mine apartamento. Coloquei minha mala em um canto e a mochila sobre a cama. Peguei o celular para ligar para Camila. Ela insistiu que eu a avisasse quando chegasse.

~LIGAÇÃO ON~

- Oi - ela sussurrou.

- Oi. Eu já cheguei no hotel.

- Chegou bem?

- Sim. Tudo OK. Só falta você aqui. - pude sentir ela sorrindo.

- Amanhã eu vou estar… - a companhia do quarto tocou - Você pediu serviço de quarto?

- Não… deve ser engano… espera um pouco.


Eu fui em direção a porta com o celular ainda no ouvido. Eu abri, pronto para avisar que era o quarto errado.

- Oi!

- O…oi. Camila? Ee..u achei que você não viesse... – Disse ao abrir a porta e dar de cara com uma latina extremamente linda.

- Achou errado. - Ela me interrompeu.

Camila encerrou o espaço entre nós e me abraçou, talvez abraço não seja a palavra certa, ela me esmagou.


- Camz, eu preciso respir…ar. - Me amaldiçoei antes mesmo de terminar a frase, eu não queria que ela me soltasse.


- Desculpe.- Ela se afastou. - Quarto errado.

- Vai sonhando. - eu a puxei e ela pulou no meu colo. Eu girei o corpo trazendo-a para dentro do quarto e depois fechei a porta.

(…)


Nós tínhamos acabado de sair do meio da multidão, o desfile de 4 de julho estava praticamente na metade e Sofia tinha pedido para ir ao banheiro. A menina estava sentada sobre meus ombros para poder ver o desfile no meio de tanta gente.

Era óbvio que Alejandro tinha mandado a pequena ficar comigo e com Camila. Pra tentar evitar que um moleque de Miami colocasse as mãos imundas na sua filhinha. Eu me sentia um pouco mal enganado meu futuro sogro, mas eu ia falar o que?

Sofia e Camila saíram do banheiro e a pequena quis voltar para o meu pescoço, depois disse que queria comer churros. Camila foi até a barraca de churros e eu e a menor fomos comprar refrigerantes.

Eu peguei a sacola com as três latas e nós voltamos até onde minha latina estava.
Tava tudo indo muito bem de mais para ser verdade. Estávamos nos aproximando quando vi que Camila tinha encontrado umas amigas. Eu não acreditei no que meus olhos me descreviam. Eram três garotas, duas não me eram estranhas, mas a que estava no centro eu tinha certeza de quem era. Taylor Swift. A capitã das líderes de torcida da minha antiga escola. Líderes de torcida e jogadores de futebol no high school são os carrascos dos esquisitos, isso todo mundo sabe. Há anos atrás eu era a esquisita e ela era a líder de torcida… eu posso dizer que não tenho boas recordações daquela época.

- Éca! É a Taylor e as chatas com ela! - a pequena se expressou.

- Você não gosta delas?

- Não! Elas são muito chatas, todas elas do time da Kaki! Elas também não gostam de mim. Quando vão la em casa eu nem posso chegar perto do quarto.

- Hum! E dos outros amigos da Kaki?

- São todos chatos. Principalmente o Austin Chatone. A Kaki chorou muito um dia que eles brigaram - a pequena não parava de falar sobre os amigos da mais velha. Eles se achavam os melhores, não tinham tempo para crianças. Mas confesso que ouvir o nome do ex da Camila me deixou curioso. Ela não tinha dito o que tinha acontecido entre eles.

- E por que a Kaki chorou?

- Eu não sei direito, mas o papai queria bater nele, a mamãe que não deixou... Vamos lá chamar a Kaki, Lolo! Eu quero ver o resto do desfile! - nós nos aproximamos um pouco, eu queria que a Camila nos visse antes de estarmos perto o suficiente, mas não deu muito certo.

- … você não pode faltar na festa Mila! É de despedida pra você! - a loira falava enquanto segurava as mãos de Camila.

- Kaki eu quero ver o resto do desfile - a pequena gritou, fazendo as quatro garotas se virarem em nossa direção.

- A gente já vai Sofia!

- Sofia como você cresceu! - a loira veio em direção a nós e a pequena se agarrou mais a minha cabeça. - Quem é seu amigo? - eu olhei para Camila que parecia não se importar com a possível resposta de Sofia.

- É o Lolo! - meu peito acelerou um pouco - ele é meu amigo e da Kaki também, e ele mora em Miami

- Lolo amigo da Camila?- a loira me olhou curiosa e estendeu a mão - Taylor Swift!

- Laurence…- eu respirei fundo segurando a mão dela - … Jauregui!

- Jauregui? Eu te conheço de algum lugar? - eu quis sair correndo dali, mas me mantive firme.

- Se já foi para Miami Beach talvez já tenhamos nos visto! - ela me olhava ainda curiosa

- Eu vou indo meninas… se não essa baixinha vai me matar se perder o final do desfile! - Camila interferiu nos pensamentos de Taylor.

- Você vai então né Mila?

- Não sei Tay!

- Pode levar seu amigo. - Camila me olhou um pouco constrangida.

- Eu te ligo mais tarde. - ela se despediu das meninas e eu também. Ela me puxou pelo braço.

- Não sabia que você era Cheerleader.

- Já me aposentei- ela riu

- Então você virou amiguinha da Taylor?

- Depois que você foi embora ela me chamou para o time. - ela riu - não faz essa cara Laur! Ela é legal depois que você a conhece.

- Eu imagino - eu disse debochado - A que horas você vai na festa?

- Eu não sei se NÓS vamos na festa.

- Eu não vou…

- Então eu também não vou!

- É uma festa de despedida pra você Camila!

- Mas eu não quero ir sem você!

- Como vocês são chatos - a pequena gruniu chamando nossa atenção - Quando eu for grande eu vou ir em todas as festas, principalmente as que tiverem sorvete!



Camila POV

Eu estava terminando de me arrumar para a festa na casa da Taylor. Laurence tinha aceitado contragosto só para me agradar. Eu não queria ir sozinha. Na verdade meus planos era falar um oi para todo mundo é ir embora com Laur para o hotel que ele estava hospedado.

Meu celular apitou sobre a cama.

~ LIGAÇÃO ON~

- Oi!

- Oi! Já tô aqui na frente! - eu sorri.

- Vou pedir pra minha mãe abrir a porta!

- Você já tá pronta?

- Tá com medo de ficar na sala com meu pai de novo Jauregui?

- Não… é que… é que…

- Pode entrar Jauregui. Eu to quase pronta!


Eu sorri do nervosismo dele. Acho que tinha se traumatizado com o que tinha acontecido mais cedo. Eu tinha saído cedo do hotel e voltado para casa, como eu tinha combinado com a minha mãe. Meu pai tinha ficado muito resistente a eu ter algum relacionamento depois do que tinha acontecido com Austin.

A tarde nós íamos até a avenida principal, para ver o desfile do dia da independência. Laurence chegou cedo, com flores para minha mãe, chocolates para mim, uma caixa de charutos cubanos para o meu pai e um urso gigante para Sofia. Ele tava a fim de causar uma boa impressão.

Eu percebi que meu pai tinha gostado dele logo de cara, mas tava se fazendo de durão. Ficaram os dois sentados na sala por um tempo, enquanto eu e minha mãe terminavamos de nos arrumar. Sofia também ficou na sala e disse que os dois ficaram o tempo todo quietos.

Minha mãe disse que ele tinha ficado um garoto lindo. E para eu aproveitar que o destino tinha nos unido de novo, e ser feliz.

Ótimo! Até minha mãe me jogando pra cima dele. A verdade é que eu estava me sentindo realmente feliz ao lado de Laurence. E essa felicidade mascarava completamente o rancor que eu sentia.

Eu deci as escadas em direção a sala e ele estava lá escutando o discurso do meu pai : " Não trás ela muito tarde", " Não deixa ela beber demais", " Trás ela direto para casa". E o coitado concordando com tudo.

(…)

Nós chegamos na casa da Taylor e já tinha bastante gente. O grupo de Cheerleader, os caras do basquete, os caras do futebol, as garotas do vôlei e mais um monte de gente que eu não fazia a mínima ideia de quem eram.

- PESSOAL! - Taylor gritou assim que me avistou - A homenageada da noite chegou! - todos gritaram e bateram palmas - Camila Cabello, você foi, sem dúvida uma das melhores Cheerleader que eu conheci. Tenho orgulho de ser sua amiga. Dói no fundo do coração ver você nos deixar assim, mas sei que é para o seu bem! Eu te amo. Me dá um abraço - a garota estava com os olhos cheios de água. Eu a abracei.

- Também te amo Tay! - outras meninas também vieram me abraçar.

De repente eu percebi que tinha me afastado de Laurence. Ele tinha ficado perto da mesa das bebidas. Nós nos encaramos por um minuto e ele me deu sinal para continuar conversando com o pessoal.

Não me lembro de conhecer tanta gente, mas parecia que todos ali realmente iam sentir minha falta. Algum tempo depois Taylor, Suzie e Victória me puxaram até o quarto da loira. Sobre a cama estava uma caixinha vermelha. Dentro tinha um broche, uma insignia e uma faixa de capitã das Cheerleaders. Eu as abracei. Era óbvio que no mundo delas aquilo era o melhor presente do mundo. Qualquer garota morreria por aquilo.

Nós começamos a conversar e a relembrar nossas melhores apresentações. E também do dia em que eu entrei para o time. Taylor pareceu um pouco desconfortável naquele momento. Ela suspirou.

- Mila, eu não quero parecer… como eu posso dizer… deselegante, mas eu e as meninas temos uma dúvida. - eu sorri e assenti para que ela continuasse. Ela olhou para as outras duas, que abaixaram o rosto. - Você virou lésbica? - eu engasguei com minha própria saliva.

- O...o que?

- Não nos leve a mal Mila, mas você está com a Lauren não está? - Victória não ousou me olhar.

- Lauren?

- Camila nós já percebemos que esse " cara" que tá com você é a Lauren "estranha" Jauregui - Tentei fazer a minha melhor cara de paisagem - Laurence Jauregui. Olhos verdes. Branquelo. Tudo se encaixa - Elas se olhavam concordando a cada palavra de Taylor. Caramba, todo mundo conseguia notar isso só eu que sou tapada?

- Vocês estão de brincadeira, né?

- Mila! Todo mundo sabe como vocês eram grudadas. E que ela era a fim de você. - Suzie se encolheu.

- A garota ter virado trans eu até entendo… Mas você ter se envolvido com ela Mila? Você deve ter ficado muito chateada com o Austin. Mas ficar com algo como aquilo - eu a olhei com nojo.

- Eu não acredito no que eu tô ouvindo - eu me levantei indo até a porta

- Mila o que foi?

- Vocês tão me dando nojo. - eu desci rápido as escadas e tentei ir atrás de Laurence para a gente ir embora dali. Até sentir duas mãos me agarrando por trás e me puxando.

- Te achei meu amor! - ouvi a voz de Austin contra meu ouvido.

- Me solta Austin! - ele me virou de frente para ele e tentou me beijar. Eu o esbofeteei e consegui me soltar - Fica longe de mim!

- Que isso Camila? Vamos relembrar os velhos bons tempos - ele tentou me puxar novamente.

- Eu tenho nojo de você!

- Nojo de mim? - ele riu. E os amiguinhos dele também. Foi aí que eu percebi que tinha um monte de gente nos olhando. - E de beijar sua amiguinha lésbica você não tem?

- Para de falar merda Austin! - ele ria

- Eu não acredito que a garota tentou virar homem só pra ficar com você Mila!

- Cala a boca Austin - eu tentei esbofetea-lo mais uma vez, mas ele segurou minha mão e me puxou, prendendo-me contra ele.

- Aquela coisa nunca vai te foder gostoso que nem eu fazia Camila! Tá ouvindo. Só eu posso te comer daquela forma. - eu estava completamente enojada.

- Qualquer um pode ser melhor que você Austin - o grupinho a nossa volta zombou - Você me dá nojo. E ele é muito mais homem do que você.

- Eu vou te lembrar o que um homem de verdade faz Camila. - ele começou a me puxar em direção ao banheiro. Óbvio que ninguém tentou impedir o poderoso Austin. O capitão do time de futebol.

- Me solta Austin! Me solta. - de repente a única coisa que eu ouvi foi um baque surdo e Austin me puxando junto com ele para o chão.

- Tá tudo bem Camila - Laurence me puxou das mãos do idiota.

- Mas o que?… Há! Então a coisa resolveu aparecer?

- Você tá machucada Camila? - Laur nem prestou atenção no que o outro falava. Ele só me olhava preocupado.

- Eu to bem! Vamos embora Laur!

- Oh coisa nojenta! - o outro gritou - Por que é isso que você é… uma COISA que me dá nojo! Os hormônios fazem milagre, tá parecendo um hominho, mas eles não fazem crescer um pinto!

- Tá falando comigo oh idiota? - Laurence se virou para ele.

- E tem outra sapatão traveco aqui? - ele ria alto.

- Tá de brincadeira comigo? - ele estava sério indo em direção ao Austin.

- Você quer que eu te mostre como um homem come uma mulher? Vai ser nojento, mas eu posso te comer pra você aprender.

- Você tá dizendo que eu preciso ter um pênis pra dar prazer a uma mulher? - Laurence riu em deboche

- Isso minha querida, você precisa de um desse aqui ...- ele segurou o membro por sob a calça - ...pra fazer direito. E é disso que essa daí gosta, de ser fudida com força - o desgraçado apontou para mim. Eu tentei segurar o Laurence, mas ele se soltou de mim.

- Eu tenho uma surpresa pra você retardado! - ele abriu o zíper e o botão e abaixo as calças até o joelho. Todos ali ficaram de queixo caído. Inclusive Austin que olhou surpreso para Taylor.

Laurence subiu as calças e foi em direção a o outro que parecia em choque. Ele o segurou pela jaqueta e o prensou contra a parede.

- Escuta uma coisa desgraçado. Eu duvido que eu não faça melhor do que você! Eu duvido que ela tenha gemido pra você tão gostoso como ela geme pra mim - ele sussurrou - E você nunca mais vai falar desse jeito da Camila tá me ouvindo? - ele começou a esmurrar a cara o Austin. Os outros caras do time o seguraram. Mas parecia que todo mundo ali estava com raiva do maldito. Eu agarrei Laurence pela cintura.

- Vamos embora!

- Eu vou matar ele! - ele tentava se soltar e os outros o seguravam.

- Não vale a pena cara! - Algumas pessoas começaram a falar - Esquece tudo isso e vai esfriar a cabeça! A menina tá assustada! - ele finalmente parou de olhar para o Austin estendido no chão e me puxou para fora. Em direção ao carro que ele tinha alugado.

Nós estávamos no veículo em silêncio. Até ele para em uma rua qualquer e descer do carro. Eu o olhei aflita pela janela. Ele foi até uma caçamba de lixo e começou a chuta-la. Eu desci do carro e corri até ele.

- MERDA! - ele chutava com força, fazendo um barulho surdo. Um senhor da casa a frente abriu a porta.

- Tá tudo bem garota - ele gritou

- Tá tudo bem sim senhor - eu gritei de volta abraçando Laurence pela cintura. - Calma - eu sussurrei e fui tentando puxa-lo até ele estar totalmente abraçado a mim. As lágrimas corriam pelo rosto dele e ele soluçava em um choro desenfreado.

- Eu vou embora Camila. Você não precisa passar por isso!

- Laur!

- Você merece alguém melhor do que eu…

- Laur!

- Se eu ficar com você sempre vai acontecer isso. Os que não te julgarem vão te humilhar…

- Lolo!

- Você não merece uma coisa como eu… - ele tentou se soltar de mim, mas eu gritei.

- Laurence! - ele finalmente me olhou. Os olhos transpassando dor. Eu prensei minha boca contra a dele - Eu te amo do jeito que você é! Me ouviu?- eu limpei as lágrimas do rosto dele - Eu… te… amo!


Notas Finais


Eu me senti muito mal quando li essa cena! Eu fico imaginando quantas pessoas acabam passando por uma situação parecida porque ama uma pessoa do mesmo sexo! Gente o amor devia vir a cima de tudo! Nunca se sintam inferiores a ninguém por causa da sua opção sexual. O amor salva vidas o ódio só as tira!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...