História Star Wars - Relatório de um soldado da 501st - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Star Wars
Personagens Anakin Skywalker (Darth Vader), Obi-Wan Kenobi, Personagens Originais
Tags Clone Wars, Guerra, Guerra Dos Clones, Guerras Clônicas, Relatório, Soldado, Star Wars
Exibições 10
Palavras 769
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


A imagem na verdade não representa os acontecimentos desse capítulo. O mesmo não se passa em Mustafar, a imagem só representa Gizor Dellso.

Capítulo 2 - Traição de irmão


Fanfic / Fanfiction Star Wars - Relatório de um soldado da 501st - Capítulo 2 - Traição de irmão

Relatório de rotina, soldado CT-21-0408, dia dois.

Voltamos ao destróier estelar após a captura do geonosiano Gizor Dellso no planeta Geonosis e saltamos ao hiperespaço em direção à Coruscant, onde o engenheiro seria julgado e setenciado. Faltando cinco parsecs para chegar no planeta, os motores sub-luz foram desativados. Não havia nenhum sistema planetário próximo; estávamos à deriva.

Nenhum de nós podia entrar na ponte, então esperamos Capitão Rex e Comandante CC-1119 voltar com o diagnóstico da situação. Após cerca de 15 minutos, eles voltaram com nenhuma novidade além do que já sabíamos. O Comandante ordenou que quatro soldados descessem com ele até a sala de máquinas para analisar os motores sub-luz.

Após 20 minutos agonizantes de silêncio, nosso comlink apitou simultaniamente, por onde ecoou a voz desesperada do Capitão Rex. Imediatamente todos nós pegamos nossos riles e corremos pelo corredor principal. No entanto, a maioria dos soldados desceram para a sala de máquinas. O localizador do comlink do Capitão indicava claramente que ele estava no hangar, então eu fui para lá.

Ao abrir a porta para o hangar, me deparei com um buraco no teto por onde naves infiltradoras cuspiam super droides de batalha. Com meu rifle de raios em mãos, derrubei três deles antes de avistar Capitão Rex agachado atrás de duas caixas de hiperaço. Lancei uma granada de pulso eletromagnético (PEM) que fritou todos os circuitos próximos.

O Capitão andou em minha direção e perguntou:
- Onde estão os outros?
- Sala de máquinas, senhor!
- Certo. - após um momento pensando, continuou. - Esses não são todos. Droides desceram à ala da prisão, e não estão sozinhos. Estão atrás de Gizor, não podemos deixar eles capturá-lo!
- Sim, senhor!

Disparamos corredor abaixo em direção à ala da prisão. Não teríamos ajuda, já que estávamos indo na direção oposta à sala de máquinas. Quando chegamos no final do corredor, o painel de controle das portas estava destruído. Capitão Rex colou um detonador térmico à porta e ordenou que me afastasse. A explosão ecoou pelo corredor, provavelmente por ele inteiro.

A cela onde Gizor Dellso se encontrava estava com o escudo de contenção violado e os guardas estavam mortos, com suas armaduras queimadas no peito marcado por um feixe preto. Capitão Rex disparou pelo corredor de novo, pela direção por onde viemos, e começou a gritar pelo comlink que eles estavam nos dutos de ar.

Chegamos no hangar novamente, e este estava vazio. O Capitão começou a vasculhá-lo cuidadosamente, com suas pistolas repetidoras a postos. Ouviu-se uma explosão vindo mais abaixo do corredor, que abalou toda a nave. De repente, a tampa dos dutos de ar voou pelo hangar e Gizor disparou planando desarmado sobre nossas cabeças. Mirei nele, mas meu rifle foi arrancado de minha mão e caiu no chão a uma dezena de metros de mim. Capitão Rex disparou dentro do duto de ar, mas duas lâminas de luz vermelha refletiram seus raios de energia. Eram sabres de luz, e aquela era Asajj Ventress - magra como um urubu, com suas roupas apertadas e cabeça rapada, a assassina Sith de Conde Dookan. Fazendo um gesto com a mão, lançou Capitão na parede  fazendo ele desmaiar com o impacto. Repetindo o gesto, lançou uma caixa de hiperaço em cima de mim. Somente com a cabeça e a mão direita livres para fora da caixa , eu estava em uma posição imponente.

A assassina Sith desativou seus sabres de luz e os pendurou em seu cinto, enquanto desfilava até uma das shuttles. Agarrei uma das pistolas repetidoras do Capitão e disparei contra a assassina, a atingindo no meio das costas. Com uma urro de dor e raiva, ela arrancou a arma da minha mão e a esmagou. Eu estava morto, sabia disso.

Ouvi o som da porta do hangar abrindo, e senti um pingo de esperança. Um soldado poderia pegar os detonadores térmicos do Capitão Rex e explodir a shuttle, ou quem sabe derrotar a assassina. O soldado CT-5555 entrou, porém não reagiu. Comprimentou Ventress e partiu com ela na shuttle, explodindo as outras naves com os detonadores térmicos.

O lado direito do meu rosto foi queimado, mas essa foi a menor das consequências. Gizor Dollso fugiu, todos os nossos caças e shuttles foram destruídos e os motores sub-luz estavam inutilizados. Os danos em questão de créditos foi enorme, mas a pior perda foi CT-5555. Um de nossos próprios irmãos nos traiu. Quando as pessoas nos vêem, pensam que somos todos iguais. Mas não é porque somos clones que necessariamente somos iguais. A traição é algo desonroso, e CT-5555 responderá por isso assim que possível.

CT-21-0408,
finalizando relatório.


Notas Finais


Autoria de Daniel Detomini.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...