História Stars of Blood - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Lemon, Revelaçoes, Suspense, Violencia
Exibições 20
Palavras 1.243
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Drogas, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Como prometido, postei o quarto capítulo no mesmo dia :p
dessa muita coisa pra fala entao boa leitura pessuau.

Capítulo 4 - Quarto dia - Visita inesperada não devia ser ignorada.


Um garoto em cima da grade da sacada, que logo me avistando pulou da mesma. O que ele pensa que está fazendo, vai se quebrar todo ao chegar no chão.

-EI O QUE VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FAZENDO?! – Corri para a beirada e olhei para baixo, ele não estava mais lá... Ele deve ser de borracha, se fosse alguém normal... Bem, deixa quieto.

 

Deve haver algo de errado com essa casa, desde que cheguei aqui, coisas estranhas vêm acontecendo, aquela carta por exemplo... Se bem que, a vizinhança não é muito boa. Acho que vou ignorar isso mais uma vez...

Eu resolvi me mudar pra cá por que foi o único lugar no qual eu tinha condições para vir, e também que meu velho amigo já morava na cidade, então não haveria tantos problemas, foi o que eu pensei...

Voltei minha atenção para o lado de fora, já que estava na sacada. Observei ao redor, era a mesma paisagem do jardim morto, mas dessa vez eu podia ver as casas vizinhas, que também não estavam em boas condições, mas esse lugar é... habitável, eu acho. Já que não venho de família rica, não tenho tantas opções, pelo menos tenho algum lugar pra morar...

-Alois! Alois! Cadê de tu jovem?- gritou Yuri do corredor após ter vasculhado o quarto e visto que eu não estava lá. Será que ele tá com algum problema de vista? A sacada é bem visível do corredor... Ah, notei a ausência de seus óculos. Esqueci que ‘esse’ era o seu problema.

- Eu não sei como você conseguiu chegar aqui em cima, Yuri, normalmente teria caído de quatro na escada... Tem umas tábuas soltas no corredor, fique aí eu vou buscar seus óculos, onde eles estão?- falei logo me virando para o corredor caminhando em sua direção, sem muita pressa.

- Ah... Eu me esqueci deles, acho que estão em cima da mesa ou no sofá.

 

Passei por ele e desci as escadas. Chegando lá embaixo olhei ao redor, em cima da mesa... Não estava lá, então me virei e vi ele em cima do sofá. Caminhei até lá e peguei os óculos, olhei para o lado e vi a carta, de novo, caramba essa merda tá aqui ainda. Observei e notei que, mais uma vez ela estava diferente, dessa vez tinha apenas uma frase, a qual eu sussurrei ao ler.

- Seu amigo poderia ser meu brinquedinho... cuide bem dele. O que talvez não vá adiantar ,eu sempre consigo o que quero.- qual é a dessa carta o que está acontecendo- Mas o que diabos... Enfim, vou levar os óculos antes que ele comece a encher o saco.

Larguei- pela terceira vez e sei que sei que isso vai dar merda- a carta no sofá, e me dirigindo novamente as escadas,  repentinamente olhei para cima, vendo Yuri se escorando nas paredes, cuidando ao pisar os degraus, provavelmente iria perguntar por que demorei tanto.

-Calma aí Yuri, você pode cair -  segurei em seu ombro esquerdo com uma mão, e com a outra , pus delicadamente os óculos nele , encaixando na parte de trás das orelhas, observei seu rosto corado como um tomate, então ajeitei sua franja colocando um pouco para o lado.

Mas logo notei o que estava fazendo e travei.

- A-ah, bem eu... t-tome mais cuidado com seus.. Ó-óculos. – MERDA MERDA MERDA POR QUE EU TENHO QUE GAGUEJAR TANTO?  O QUE EU TÔ FAZENDO?- eu vou. Tomar. Uma. Água. Eu. Estou com. Sede. É isso.

Virei-me e desci as escadas de novo, como se nada tivesse acontecido, ou só disfarçando mesmo...

Olhei para a mesa e vi um prato com espaguete – que estava com uma cara ótima, juntamente com o cheiro que me guiava até ele. Yuri deve ter trazido comida de sua casa, já que a única comida que eu tinha aqui era o resto de Doritos que era pra comer na viagem.

Eu vou ter que comprar algumas coisas pra comer pela amanhã, acho que pelo menos para me alimentar tenho dinheiro. Como as pessoas desse bairro são pobres, o mercado da esquina deve ter produtos mais caros, então terei que ir próximo ao centro da cidade- que não é nem um pouco pequena, e como Yuri mora aqui há um bom tempo, irá me acompanhar. Obviamente.

                                                          . . .

Após ter comido o espaguete maravilhoso, inclusive ter ficado um bom tempo sentado na mesa, preso mais uma vez em meus pensamentos, olhei para o meu relógio no pulso e me assustei com a hora. 20h13min , como o se passaram três horas desde que acordei..? Sendo que nem fiz muita coisa desde então.

- Alois, eu vou voltar pra casa, outro dia eu venho aqui, ou me ligue caso precisar de alg—

-NÃO MESMO!- alterei minha voz. Talvez pelo desespero- quero dizer, não acha que é muito perigoso andar sozinho em um lugar desses à noite?- eu realmente estou preocupado com ele após tudo o que vi... e li.

-Certo... mas teremos que ir no mercado pela manhã. Então, tem alguma roupa pra me emprestar?- disse Yuri, que antes estava cochilando no sofá.

- Já vá tomar banho, assim te empresto um de meus pijamas, e toalha de banho também.

- Eu estou com preguiçaaa- disse ele se esticando mais ainda no sofá.

Subi as escadas, peguei um pijama e uma toalha de banho pra ele. Depois fui até a sala e joguei tudo em sua cara. O mesmo estava quase cochilando de novo.

- Vai tomar banho logo seu porco preguiçoso!

- Aaaii! Não seja tão rude, eu ‘estava quase dormindo...

-Vai logo que depois eu vou!

Só o ouvi resmungar algumas coisas, que não entendi, e então subiu se arrastando nas escadas. Que cara problemático...

                                                          .   .   .

Depois de eu ter tomado banho, estava escovando os dentes com a porta aberta, quando vejo Yuri entrando no meu quarto.

-Só vou pegar um travesseiro pra dormir no sofá , tá?

Não posso deixar ele sozinho, realmente estou preocupado...

-Bem, lá embaixo deve ser frio né... então pode dormir aqui. – olha, não que eu queira , mas foi a única solução.

Depois de ter dito isso vi seus olhos iluminarem, e sem dizer nada ele se dirigiu á cama, se jogando na mesma que fez um rangido por causa do pé quebrado.

-Estou com sono..

-Ok então.. – cuspi a água na pia, e sequei a escova, deixando ela em cima da mesma.

Caminhei até a cama e me aconcheguei nela, mantendo uma certa distância de Yuri que já devia estra dormindo. Eu só não queria deixa ele dormir sozinho, não tive muita escolha. E também que os outros quartos estão completamente vazios.

Fechei meus olhos, e logo lembrei do menino que pulou a sacada hoje a tarde, eu não dou muita importância porque ainda tem muitos pirralhos que acham que podem fazer o querem...me dei conta, só agora, da cor distinta de seu cabelo, pois apesar de ser jovem, ele era branco, algo  distinto para pessoas com sua idade.

Ando percebendo que esqueço muito rápido de problemas ou acontecimentos, mas não tenho nenhum foco definitivo... Então devem haver alguns remédios para esquecimento...

Quando estava quase dormindo com meus pensamentos, sinto braços gelados me envolverem. Assustei-me com o movimento repentino, mas como estava quase paralisado pelo sono, apenas cedi que ficássemos nessa posição pra dormir. Juntei minhas forças e resmunguei um:

- Boa noite... – e em troca recebi outro resmungo de sono.


Notas Finais


oiin , esse dois sao mt fofi.
Espero que tenham gostado do capítulo :3
vou digitar o próximo o mais rápido possível
Bjs no pulmão :* e até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...