História Status: pai solteiro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, J-hope, Jung Hoseok, Min Yoongi, Single Dad!au, Sope, Suga, Yoongi Papai, Yoonseok
Visualizações 246
Palavras 1.035
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oizinho
CDU7S9HCOUS
Vcs me odeiam, né
Eu não mando na criatividade, se ela vem, me atropela como um ônibus escolar
Na real eu detesto começar longfics porque nunca sei se vou terminar, mas se não ponho no word essas ideias, fico bem frustradinha sim
SENDO SINCERA, esse universo alternativo não é meu, é das incríveis e talentosas fanartistas que eu sigo no twitter, @87gloss e @notcypherwork que permitiram o uso da Myeong, a filhinha do Yoongi criada por elas. Lá embaixo eu deixo os links pras imagens dela <3
E né, escrever Yoonseok/Sope é sempre um desafio pra mim MAS VAMO LÁ

Capítulo 1 - 01


Não era novidade que Yoongi se encontrava, mais uma vez, deslizando o dedo para esquerda ou direita naquele aplicativo de relacionamentos. Já havia se passado uns três anos desde que ficara solteiro, e, mesmo dizendo a si mesmo que estava bem sozinho, acabou sentindo uma pontinha de carência daquele clima bom e gostoso de se ter alguém ao seu lado. Ele sentia falta disso, era normal para um rapaz como ele. Só que nem sempre as pessoas com quem conversava no aplicativo mantinham o interesse.

Não que fosse desinteressante, ou que não tivesse um bom papo, nem mesmo feio ele era. As conversas iam bem até o momento em que 99% das pessoas perguntava quem era a garotinha fofa agarrada às suas costas em uma bonita foto na praia – a maioria assumia ser sua sobrinha ou prima pequena.

“É minha filha.”

Tipo um repelente contra insetos, a informação afugentava quase que imediatamente toda pessoa com quem estivesse conversando. Mudavam de assunto, diziam que chamariam para conversar outra hora, mas no final era sempre a mesma história. Ninguém queria compromisso com ele. Ninguém queria um pai solteiro.

Claro que não estava reclamando de sua condição atual, a pequena Myeong foi a melhor coisa que já aconteceu em sua vida e não estava disposto a trocá-la por nada; só sentia que as pessoas precisavam ser um pouquinho mais flexíveis e entender que não era porque ele tinha uma criança pequena que ele não era mais “desejável” como qualquer outro ser humano solteiro e sem filhos. Mas ainda sim, acabava se sentindo mal por ficar estigmatizado como “pai solo” que sempre teria de dividir a atenção entre um companheiro e a filha. Às vezes pensava em parar de tentar se relacionar amorosamente e se focar só na pequenina de apenas 4 anos de idade. Myeong estava crescendo rápido e ele não queria perder um segundo precioso sequer de sua infância.

Myeong era uma menininha muito esperta desde que dera o primeiro berro naquele mundo. Yoongi acabou se transformando depois da paternidade, perdendo gradativamente o medo de ser aberto com seus próprios sentimentos ao lidar com aquela coisinha tão pequena e tão maravilhosa. Infelizmente não pôde impedir que a esposa, insatisfeita com o relacionamento, sumisse numa bela manhã de sábado. Deixou para trás um Yoongi perplexo com a situação e a pequena Myeong – na época com menos de um ano – dormindo em seu berço. Era como se ela nunca tivesse existido.

Myeong cresceu com o pai disfarçando o real acontecimento para que não pensasse que o problema fosse ela própria ou para que não matutasse tanto o assunto. Se sua mãe decidiu apagá-la de sua vida, Yoongi e Myeong fariam o mesmo e ficariam muito bem. A garotinha acabou virando uma mini cópia do pai, apaixonada por música desde cedo e cercada de pelúcias e enfeites do urso Kumamon, adorado pelo dito cujo. Era muito questionadora e também muito sincera, o que surpreendia Yoongi, mas fazia ele se lembrar de si mesmo, o que achava muito engraçado. E assim foram vivendo, um dia de cada vez.

Enquanto fechava o aplicativo e olhava para o nada, tornou a pensar sobre seu status. Era pedir demais que alguém quisesse trocar umas palavras sem se importar com a existência de sua filhotinha? Talvez não fossem tão exigentes se vissem como ela era apaixonante. E por falar nela, lá estava a criaturinha de pouco menos de um metro com seu pijama todo peludinho e capuz decorado com a face do Kumamon, esfregando os olhos num misto de sono e curiosidade.

“Appa, você vai ficar muito tempo na sala? Queria que o appa me colocasse na cama pra mimir...”

O jeito que a garotinha falava, meio embargado pela sonolência, fazia Yoongi se encantar todos os dias. Ela era muito preciosa para ser menosprezada por um bando de pessoas que nem sequer a conheciam e já viam nela um encosto.

“Não, querida. Já vou. Escovou os dentes?”

“Já sim.”, ela, então, mostrou os dentinhos minúsculos, muito semelhantes aos seus próprios, num sorriso escancarado, “Tão com cheirinho de morango.”

“Que gostosa essa pasta de dentes que compramos pra você, né? Assim não dá vontade de comer doces depois de escovar os dentes!”, com um sorriso estampado no rosto, pegou Myeong no colo e rumou ao quarto.

O quarto da menina estava à meia-luz, iluminado somente pela lâmpada fraca do abajur ao lado da cama. Os cobertores já estavam arrumados, só faltava se enfiar ali dentro como uma minhoca e passar a noite inteira quentinha. Mas por mais que já tivesse superado o medo de dormir sozinha, ainda gostava de conversar sobre qualquer coisa com o pai antes de adormecer.

Yoongi fechou as cortinas e checou se a janela estava trancada, o vento lá fora era forte e indicava que o outono estava em alta. Ao avistar a pequenina já deitada, foi até ela e ajeitou as cobertas, tendo certeza de que ela ficaria bem tapada ao longo da noite. Ele era extremamente zeloso pela filha, tudo tinha de ser perfeito, não media esforços para vê-la bem. Então sentou-se num pufe branco, ficando ao lado da cama e bem na altura dos olhos da filha.

“Appa, você tá bem?”

“Tô sim, meu amor. Por quê?”

“Tá parecendo triste. Sente falta da omma?”

“Não. Ela já não me faz mais falta. Na verdade, se eu pudesse conhecer outra pessoa bacana, ficaria feliz. Você me apoia?”

“Claro que sim, appa. Tomara que seja alguém tão legal quanto você.”

Depois de mais uns minutos e uma porção de bocejos, Myeong fechou os olhinhos e pegou no sono. Yoongi se dirigiu, por sua vez, ao seu próprio quarto. Antes de se acomodar na cama para ter seu sono merecido depois de um dia cansativo, checou o celular mais uma vez.

Para sua surpresa, havia uma mensagem não lida do aplicativo de encontros. Mais alguém.

Mas não era um simples alguém, porque poucas palavras nunca foram tão impactantes quanto aquelas.

Oi! Vi seu perfil e te achei super bacana!

E pela semelhança física, parece sua filhinha em uma das fotos, certo? Reconheço parentesco quando vejo. Lido com crianças o tempo todo, são minha paixão!

A propósito, meu nome é Jung Hoseok :)


Notas Finais


As imagens desenvolvidas da Myeong são essas daqui https://twitter.com/notcypherwork/status/875879995482288128
E como ela disse, vamos dar amor a ela <3
Até
FD9SHO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...