História Stay - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Sehun, Xiumin
Tags Chanbaek, Drogas, Presenteprakarinexará, Top!baekhyun, Xiuchen
Exibições 113
Palavras 2.464
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá >.<
Então gente, essa é uma Chanbaek que super amei escrever; tem um pouco de drama e foi um desafio que eu mesmo fiz comigo. Stay é um presente pra Karine ( minha xará) e espero que não somente ela, mas que todos gostem.
Obrigada a minha unnie salvadora da pátria @GabiChannie que me ajudou não somente com a capa da estória ( babando até agora) mas com a begatem também. Gabi, você sabe que te amo, né? Sei que sim...
É isso, Boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo único - Stay


 Pov Baekhyun:

 

Estava completando um ano e trinta e dois dias que Chanyeol fora embora da minha vida. No começo, eu tentei de tudo para que ele me perdoasse e que ficasse comigo, mas ele não me deu ouvidos. Eu o entendia, de verdade, afinal de contas, aquela não tinha sido a primeira vez que o machucara.

 

Conheci Chanyeol quando eu tinha dezenove anos; um amigo em comum nos apresentara. Dali começamos uma amizade e apenas cinco meses depois, eu o pedi em namoro.

 

Chanyeol sempre foi uma pessoa animada, de bem com a vida, estudioso… E eu era o contrário daquilo. Eu era sim bem animado, gostava de sair para beber, para passear e tudo mais, entretanto, eu era um viciado em drogas que, aos poucos, ia se afundando.

 

Meu namoro com Chanyeol nunca foi 100℅ um mar de rosas. A gente brigava muito e confesso que até bater nele, eu batia. É bem engraçado eu dizer isso, ChanYeol tem quase dois metros de altura e era mais forte, mas ele nunca levantou a mão para mim… Ele nunca me machucou de nenhuma forma.

 

Às coisas entre nós começaram a desandar mesmo quando terminamos nossa faculdade. Ele de direito e eu de música. Naquela época, eu quase não vivia mais sem a bendita droga, mas fiz de tudo pra terminar a faculdade que, hoje em dia, nem me servia de nada.

 

No meu aniversário de vinte e sete anos, tivemos nossa primeira separação séria. Ficamos três longos meses separados e foi aí que consumi mais drogas, fiquei devendo até a minha cueca. Mas quando o maior soube disse, ele pagou o que eu devia - ele já era formado há pouco mais de um ano e por pegar a empresa do pai, ganhava bem - e foi aí que voltamos.

Eu prometi ir para uma clínica, mas só aguentei dois meses.

 

Nossa atual separação aconteceu na festa de aniversário dele de trinta anos. Eu prometi que ia passar aquele dia sem usar drogas e sem fumar; ele confiou em mim, mas como um bom idiota que eu sou, quando vi ele com Kyungsoo, não me aguentei. O ciúme foi mais forte e eu enchi a cara, batendo no mais novo quando ficamos sozinhos. Daquela vez, ele não apanhou calado. Revidou e ainda me expulsou de sua casa, e o pior, de sua vida.

 

(...)

 

Meu ciúme até que não era somente coisa da minha cabeça, hoje em dia Chanyeol está noivo de Kyungsoo e pelo o que Jongdae me conta, eles irão se casar daqui há uma semana. Kyungsoo é tudo o que eu não sou, uma pessoa calma, amorosa e um ótimo advogado, enquanto eu sou apenas o garçom de um restaurante caindo aos pedaços e com um diploma na gaveta.

O que me deixa bem algumas vezes é quando meu chefe me deixa cantar algumas músicas no bar. Eu me sinto vivo e renovado.

 

O que eu ganho dá apenas para o aluguel, água, luz e comida. Eu tento o meu melhor para não usar drogas e apenas fumo o cigarro normal. Não era fácil, às vezes parecia que eu ia enlouquecer, mas eu pensava em Chanyeol e em como ele talvez ficaria feliz se soubesse que eu saí dessa vida de merda.

 

 

“ Baekhyun, tá me ouvindo, cara?” Saí dos meus pensamentos quando escutei a voz de Jongdae.

 

“ O que tá fazendo aqui?” Pergunto.

 

“ Eu vim te visitar e aproveitar pra trazer comida. Sua geladeira tá seca e eu duvido muito que você vá comprar comida.”

 

Jongdae é um bom amigo, o único que não me deixou como os outros.

 

“ Você tá de folga?”

 

“ Estou sim. O restaurante não abre às segundas, esqueceu?”

 

Vi meu amigo dar de ombros e continuar guardando as coisas que comprou na geladeira e no armário velho.

 

“ Eu tava pensando em sair, sabe?! Que tal se formos no cinema? Fiquei sabendo que lançou um ótimo filme.”

 

“ Eu não tô afim de sair, Dae.” Respondi, jogando a cabeça no encosto do sofá.

 

“Mas vai, e eu vou chamar Minseok pra ir com a gente. Vai se arrumar.”

 

Bem, não me restava escolha mesmo.

 

(...)

 

Eu sabia que aceitar sair com Jongdae não era uma boa ideia. Ele não parava de ficar se agarrando com o namorado e me deixava de vela. Após o final do filme, decidimos comer, mas meu estômago somente embrulhava com o quão meloso meu amigo podia ser com o namorado.

 

“ Eu acho que vou pra casa.” Disse, vendo meu amigo me olhar.

 

“ Termina de comer, Baekhyun.” Minseok que me respondeu, sorrindo.

 

“ Eu estou cheio.”

 

“ Não tá não. Você vai comer tudo e, somente depois, vou te levar pra casa.”

 

“ Jongdae, quer parar? Eu não sou mais nenhuma criança. Que droga, você me trouxe pra cá sem nem ao menos respeitar a minha opinião de não vir, me comprou a droga dessas roupas que nem uso e que não tenho como te retribuir depois e ainda fica me tratando como criança. Eu agradeço a preocupação, mas cansei disso.” A minha voz aumentou alguns tons, fazendo o casal arregalar os olhos.

 

“ Baekhyun, não é bem assim…”

 

“ Eu vou pra casa.”

 

Jongdae tentou me puxar quando eu levantei, mas Minseok não deixou. Peguei a minha carteira e o celular que estavam em cima da mesa e saí dali, as lágrimas bobas já começando a molhar meu rosto.

 

                             ♡

 

 

Era amanhã.

 

Era amanhã que o amor da minha vida iria se casar com uma outra pessoa, era amanhã que ele iria passar a dormir e beijar uma outra pessoa, era amanhã que eu já não viveria mais.

 

Meu coração dóia tanto que eu acreditava que ele não iria aguentar o dia seguinte. Jongdae me mandou uma mensagem pedindo para que eu não fizesse uma bobagem e que só iria ao casamento se eu deixasse. Aquele idiota, age como se eu não soubesse que ele era um dos padrinhos daquela palhaçada.

 

(...)

 

Duas da manhã e eu ali, implorando para que Sehun me vendesse um pouco de droga para que eu aguentasse tudo, mas nem esse babaca queria me vender mais. A droga era a única coisa que iria me fazer acalmar.

 

“ Eu já disse que não, Baekhyun. Se você arranjar a grana e me pagar ainda hoje, eu vendo, senão, nada feito.”

 

“ Sehun, eu nunca te dei calote. Me vende, por favor, cara.” Cocei o nariz. A droga que eu tinha comprado antes já tinha acabado e eu já sentia falta.

 

“ Não, Baekhyun, agora vaza daqui. Tem gente que quer e tem o dinheiro em mão.”

 

Sehun me deu as costas, indo atender outras pessoas. Puxei meus cabelos, gritando de raiva e saindo do local.

 

Assaltar fora a única coisa que eu nunca me submetera a fazer durante esses anos, mas olhem onde eu estava, de olho nos carros da rua esperando uma brecha qualquer para que eu cometesse tal crime.

 

Meus olhos marejaram ao perceber o quanto eu era uma pessoa podre. Não tinha mais nada em minha vida; perdi o homem que amava, meu melhor e único amigo me tratava como um babaca - e talvez, eu realmente fosse -, meus familiares agiam como se eu não existisse e eu era um drogado de merda que estava prestes a assaltar uma pessoa que não tinha culpa das minhas burrices.

 

Avistei o carro se aproximando e aproveitei pra me esconder no beco. Quando percebi que o carro estacionou, quebrei a garrafa de cerveja deixando a ponta fina e me dirigi a pessoa que estava de costas para mim. Respirei fundo antes de encostar a ponta do vidro na cintura da pessoa, que se assustou.

 

“ Eu não quero te machucar, então me passe apenas sua carteira, não reaja e eu vou embora sem causar danos.”

 

O homem assentiu e eu deixei com que ele pegasse a carteira.

 

“ Com você colado desse jeito eu não consigo pegar a carteira. Deixe-me virar.”

 

Bobagem a minha. Quando me afastei, o homem se virou e deu-me um soco, fazendo eu cair no chão. Ele chutou o caco de vidro que eu segurava, logo me puxando para cima e prendendo minhas mãos para trás do corpo.

 

“ Péssima ideia me assaltar rapaz, você está preso.”

 

                            ♡

 

“ Você tem sorte de eu lembrar de você, mocinho." Ouvi o meio irmão de Kyungsoo falar, enquanto o mesmo me levava para uma outra sala. “ Tem sorte de Chanyeol ter um bom coração.”

 

“ Eu não pedi que ligasse pra ele.”

 

O moreno riu, abrindo a porta da salinha onde, depois de um ano, eu me encontraria com Chanyeol. Jongin me jogou para dentro da sala, fazendo-me quase cair. Resmunguei e olhei pra frente podendo ver Chanyeol em pé e de braços cruzados.

 

“ Vocês têm vinte minutos.”

 

“ Chanyeol, olha, não precisava ter pago a fiança. Eu assaltei Jongin e fui pego, poderia cumprir a minha pena.”

 

“Não poderia não.”  Sua voz saiu mais rouca do que eu imaginava. “ Que porra, Baekhyun. Você virou um drogado de merda.”

 

“ Isso não é da sua conta.”

 

“ Claro que é. Sempre foi, Baekhyun.”

 

O ruivo passou a mão pelo o rosto e me encarou. Ver seus olhos marejados me causava uma dor imensa. Me aproximei dele, sentindo a vontade de abraçá-lo tão latente.

 

“ Me perdoa, Chan.”

 

“ Eu pensei que talvez você tivesse melhorado… Mas me enganei.”

 

“ Eu tinha, acredita em mim. Mas eu perdi o controle hoje. Porra, você vai se casar amanhã, eu não consegui lidar com isso.”

 

“ Então resolveu assaltar uma pessoa que não tem nada a ver com isso?”

 

Abaixei minha cabeça e chorei.

 

“ Não chora, Baekhyun. Eu deveria ter deixado você ficar preso, isso sim, pra aprender a ser gente.”

 

“ Para de me machucar, Chanyeol.”

 

“ Isso não é nada comparado ao que já me fez.”

 

Um tiro doeria menos!

 

(...)

 

Desci do carro do maior quando chegamos em frente a minha casa, me surpreendi quando ele desceu e desligou o carro, me seguindo.

 

“ Não vai embora? Você precisa dormir pra amanhã estar bem disposto pro casamento.”

 

“ O que eu preciso é cuidar de você.”

 

Tentei não sorrir, mas quando Chanyeol segurou em meu ombro, falhei miseravelmente. Abri a porta da pequena casa e entrei, esperando o maior fazer o mesmo para poder fechar a porta.

 

“ Não repare na bagunça.” Pedi.

 

“ Não vou.”

 

Estar com Chanyeol novamente era estranho, mas era tão bom… Me sentia em casa. Fui na cozinha e peguei um pouco de água, segurando a vontade de acender o cigarro.

 

“ Baekhyun, por quê se deixou levar pela droga? Me diz!”

 

“ Porque eu sou um idiota sem salvação.”

 

“ Idiota você é, mas pode sair dessa vida. Baekhyun você é formado, tem como subir na vida, é uma pessoa legal… E fica assim… Se deixando destruir.”

 

“ Chanyeol…”

 

“ Sem Chanyeol. Hoje com certeza foi a primeira vez que te vi tão acabado, sem vida. Baekhyun, eu te amo, eu não vou deixar essa droga te levar de mim, não vou deixar esse vício acabar com a sua vida, não vou deixar.”

 

E então ele me beijou. Sentir seus lábios nos meus sempre foi muito bom, e agora, estar beijando-o depois de tanto tempo me deixava ainda mais com vontade de beijá-lo. Chanyeol estava afoito, logo senti minha blusa ser rasgada e ele descer os beijos para o meu pescoço; ora chupando, ora beijando.

 

Levei ele para meu quarto, jogando-o na cama. Nossas roupas já não estavam em nossos corpos, os gemidos cada vez mais alto, as estocadas que eu lhe dava me cansava, mas sempre amei estar dentro do corpo do maior, sempre amei sentir seu orifício me apertar até eu gozar. E daquela vez não foi diferente.

 

                             ♡

 

“ Amor...acorda!” Ouvi a voz rouca me chamar e abri meus olhos vendo o sorriso gigante na face de Chanyeol. “ A gente precisa tomar banho, estamos sujos e já é tarde.”

 

A realidade finalmente batera; Chanyeol iria se casar há algumas horas.

 

“ Você já tem que ir?”

 

“ Sim.”

 

O olhei triste e ele levou suas mãos grandes ao meu cabelo.

 

“ Baekhyun, eu quero te perguntar uma coisa.”

 

“ Pergunte.”

 

“ Você ainda me ama?”

 

Ri.

 

“ Ainda pergunta? É claro que eu te amo, Chanyeol. Sempre amei, sempre vou amar.”

 

“ Baekhyun, se eu deixar o Kyungsoo e voltar pra você, você me promete, e desta vez tem que comprir, que vai se tratar e sair dessa vida? Me promete que vai para uma clínica e que quando estiver bom, vai sair da droga daquele restaurante e seguir seus sonhos?”

 

“ Se você estiver comigo, eu mudo Chanyeol. É só você ficar.”

 

Puxei o corpo maior que o meu e lhe abracei, acariciando seus cabelos e deixei as lágrimas caírem.

 

“ Então eu fico, Baekhyun.”

 

 

                                ♡

 

4 Anos depois:

 

“ Baekhyun, você tá pronto?” Jongdae me pergunta e eu assinto. “ Então vamos, é a noiva que se atrasa e não o noivo.”

 

Eu rio e ele me puxa para um abraço. Jongdae beija o topo da minha cabeça e me deseja sorte, se juntando aos padrinhos. Hoje finalmente vou me casar com a pessoa que tanto amo e eu não posso estar mais feliz.

 

Chanyeol nesses quatros anos ficou comigo em cada momento. Fosse nos bons ou nos ruins, quando eu não aguentava mais a ausência das drogas, cigarro ou bebidas. Hoje em dia, ele e eu bebemos apenas refrigerantes e sucos. Eu, para não cair em tentação, ele, para não me ver pior.

 

Não foi fácil desmarcar o casamento com Kyungsoo. O pai dele até mesmo desfez negócio com a empresa de Chanyeol, mas meu grandão não mudou de ideia e eu o agradeço por isso.

 

Agradeço por ter ficado comigo apesar de tudo o que já fiz. Agradeço a ele por ter me amado quando as pessoas só me davam as costas por eu ser um ex-drogado. Agradeço Chanyeol por me amar.

 

Agora trabalho em uma escola como professor de música para crianças do ensino fundamental. Não é grande coisa, não ganho muito, mas estou feliz. Eu amo o que faço e amo crianças.

 

Hoje além de ser meu casamento, completa três anos e meio que estou limpo de toda e qualquer droga e eu agradeço Chanyeol por isso também.

 

Ainda tenho muita coisa pela frente, tenho que sempre me manter limpo, não somente por Chanyeol, mas por mim e por aqueles que me amam também. Não vai ser fácil, mas se aquele que estiver no altar me esperando continuar comigo, sei que irei conseguir.

 

Porque Chanyeol não é somente meu futuro esposo, mas sim, meu anjo.

 

Fim. ♡ 


Notas Finais


Foi isso >.< Espero de coração que tenham gostado.
Se acharem que mereço, um simples '' gostei'' ajuda bastante.
Até uma próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...