História Still - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Daryl Dixon
Tags Bethyl
Exibições 108
Palavras 1.048
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Capítulo 30


Fanfic / Fanfiction Still - Capítulo 30 - Capítulo 30

 

Capítulo 30

Penúltimo Capítulo.

Reencontrando

“Perante um obstáculo, a linha mais curta entre dois pontos pode ser a curva.”

Bertolt Brecht

As mãos de Daryl estão por todas as partes, as estocadas estão cada vez mais constantes e profundas, fazendo Beth delirar em seus braços, gemer cada vez mais alto, sem se importar com nada e muito ninguém.

Ele afasta-se dela, fazendo-a encara-lo confusa, fazendo-o se deitar ao seu lado, sentando-se sobre a sua barriga, sentindo as mãos dele, alisarem as suas coxas, começando a beijar o peito do caçador.

-Senti a sua falta, mas nós dois temos que sair desse quarto, já faz dois dias. –Sussurra, mordiscando o queixo dele.

-Eu sei. –Garante, embrenhando os seus dedos nos cabelos dela, tomando os seus lábios e fazendo-a se encaixar em seu sexo.

Beth começa a cavalgar, descontroladamente, procurando a sua satisfação e a de Daryl, que não parece estar reclamando de nada, na verdade, ele só queria mais, muito mais dela.

O beijo se tornou mais urgente, mais seguro, fazendo com que Daryl senta-se, alisasse a linha da coluna da loura, sentindo-a ofegar entre os seus lábios, sentindo como se nada no mundo pudesse, de fato, atrapalhar qualquer aspecto da vida deles, como se eles já tivessem passado por tudo o que poderiam passar.

-Eu te amo tanto que chega a doer. –Declara, beijando o pescoço dele.

-Eu também te amo. –Declara, contra a pele da loura, fazendo-a parar, olhar para os olhos selvagens do caçador e ofegar.

-Como disse? –Pergunta, gaguejando.

Encontrar um carro foi algo inesperado, mas ao mesmo tempo bastante útil, já que adiantaram e muito a viagem, desde que eles encontraram pistas de Daryl e Beth, Sherry percebeu o quanto Dwight estava focado em encontrar os dois, principalmente, depois do casal ser atacado por uma horda de errantes, o homem estava estranho, muito estranho.

-Olha. –Sussurra, apontando em direção a um carro, com duas pessoas, um ruivo e uma hispânica.

-Merda. –Resmunga, pegando a sua arma.

Quando o casal percebeu a presença do carro deles, sacaram as suas armas e apontaram em direção ao carro, fazendo com que Sherry tremesse, foi, então, que Dwight parou o carro e apontou a sua arma em direção ao casal.

-Estão a procura de segurança. –Afirma Sherry, ao perceber que nenhum dos três iria abaixar as suas armas. –Por favor. –Implora, olhando-os nos olhos.

Carol está na varanda da casa deles, ela acaba de colocar Judith no seu berço, no segundo que Rick fica ao seu lado.

-Como está a menina? –Pergunta, coçando a garganta.

-Você está mesmo perguntando sobre isso? –Pergunta Carol, confusa. –Agora que Beth voltou? Não comece a arrumar problemas com quem não deve, Rick. Fique bem longe de Beth. –Avisa, preocupada.

-Quem tem que ficar longe de Beth? –Pergunta Daryl, saindo da casa e encontrando com Rick. –Puta que pariu, o que você quer com a minha mulher? –Questiona, entre os dentes.

-Eu só quero saber sobre a menina. –Começa e Daryl caminha, ameaçadoramente, em direção a Rick.

-A menina não é sua, agora é nossa. É melhor lembrar disso. –Afirma, grosseiramente. –A mulher também é minha, cuide da merda da sua vida, porque eu sei cuidar da minha. –Garante, grosseiramente, fazendo Rick engolir em seco.

-Entendi. –Diz, acuado.

-Eu já avisei mais de uma vez, não vou mais avisar, vou partir para a porrada. –Avisa, apontando em direção a Rick, que concorda com a cabeça.

O corpo de Dwight já estava demonstrando que estava prestes a desistir, que iria sucumbir a mordida, mas ele não queria morrer e deixar Sherry sem suporte, sem proteção e desde que eles encontraram com Rosita e Abraham, ela estaria segura, ele poderia desistir.

-Assume o volante, Sher. –Pede, parando o carro e saltando.

-O que aconteceu? –Pergunta, confusa.

-Você vai seguir e eu vou ficar. –Responde, batendo a porta do carro.

-Por quê? –Pergunta, preocupada.

Então, Dwight pega-a em seus braços, seguindo em direção ao carro de Abraham e Rosita, colocando-a no carro e Abraham travando o carro.

-Ela vai ficar bem. –Garante, olhando nos olhos de Dwight.

-Dwight, o que está acontecendo? –Pergunta, desesperada. –Você prometeu. –Lembra, desesperada.

-Vai. –Manda, olhando nos olhos de Abraham e o mesmo pisa no acelerador.

Dwight dá passos para trás, seguindo em direção ao seu carro e pegando a minha arma e destravando a sua arma, apontando em direção a sua cabeça, fechando os seus olhos e lembrando do sorriso de Sherry.

-Nós vamos ficar sempre juntos, não vamos? –Pergunta, alisando o rosto dele. –Você é a única família que eu tenho. –Sussurra, desconcertada.

-Vamos, nós vamos ficar sempre juntos. –Comenta, suspirando.

Agora ele entendia o que Jess sentia quando se matou, ele queria proteger as pessoas que amava, mas não conseguia, já Dwight agradecia por ter conseguido ajudar Sherry.

Ela estaria segura...

Ela teria uma família... Só que sem ele...

Quando aproximasse de Daryl, Beth alisa os ombros dele, fazendo-o fechar os seus olhos, tendendo a cabeça para trás e colocando um sorriso torto nos seus lábios.

-Senti falta disso. –Sussurra, animado.

-O que aconteceu para ficar com esses ombros tensos? –Pergunta, beijando os cabelos dele. –Diz-me. –Pede, sentando no colo de Daryl, que alisa a coxa delas por cima da calça jeans.

-Rick. –Responde, mal-humorado.

-Ele não tinha entendido que eu não quero nada com ele? –Pergunta, irritada.

-Esquece esse filho da puta. –Manda, entre os dentes.

-Ok, então, conte-me o que é Alexandria? Todos falam, falam, mas ninguém me diz o que é ao certo. –Pede, suspirando.

-Os milicos estão tentando achar a cura da desgraça que eles próprios causaram. –Revela, fazendo-a suspirar.

-Estamos seguros? –Pergunta, enquanto ele nega com a cabeça.

-Eu não gosto daqui, mas sair daqui com a Judith é o mesmo que colocar uma dinamite acesa no pescoço. –Responde, apertando a perna de Beth. –Meler, morreu. –Revela, com pesar.

-Meus pêsames, meu amor. –Deseja, beijando todo o rosto de Daryl.

-Eu sei que ele era uma desgraça, mas. –Começa, fechando os seus olhos, ao sentir o carinho de Beth em sua orelha.

-Ele era seu irmão, Dyl. –Rebate, dando-lhe um selinho. –E você o amava, não importa quem ele é, o que ele fez, ele é seu irmão. –Garante, entrelaçando os seus dedos nos dele. –Estamos juntos nisso. –Sussurra, beijando a mão dele.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...