História Still - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Daryl Dixon
Tags Bethyl
Exibições 104
Palavras 1.037
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Heterossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 31 - Capítulo 31


Fanfic / Fanfiction Still - Capítulo 31 - Capítulo 31

 

Capítulo 31

Último Capítulo

Perdas e ganhos

“No fim tudo dá certo, e se não deu certo é porque ainda não chegou ao fim.”

Fernando Sabino

Abraham não parou nem para descansar com medo que Sherry voltasse para aonde não deveria, já que ela só iria encontrar morte, caso ela voltasse e encontrasse Dwight.

-Por que ele fez isso? –Pergunta, ofegando. –Por quê? –Questiona, nervosamente. –Se ele não queria ir, por que ele. –Começa, nervosamente.

-O seu namorado foi mordido. –Revela Rosita, fazendo-a arregalar os olhos. –Ele não te abandonou, ele só vai para a terra dos pés juntos em breve. –Avisa, fazendo Abraham arregalar os olhos. –Nós até demos a opção de ir para Alexandria para servir como teste para a cura, mas ele não quis. –Avisa, despreocupadamente, percebendo o olhar de repreensão do ruivo. –O quê? Não estou falando nenhuma mentira. Ela precisa saber que o mundo não é cor de rosa. –Garante, negando com a cabeça.

-Não precisava ser assim. –Sussurra, repreendendo.

-Tanta faz. –Resmunga, despreocupada. –Um choque de realidade sempre é bom. –Sussurra, encarando a janela, enquanto Abraham encara a loura chorando, pelo retrovisor, sentindo todo o pesar das lágrimas da garota, o homem sente como se ela tivesse perdido, absolutamente, tudo na vida e, na verdade, ela havia perdido mesmo.

-Já temos muita realidade, Rosita, um pouco de fantasia não faz nenhum mal. –Argumenta, seguro, deixando a hispânica pensativa.

Alexandria estava tranquila, depois da conversa com Beth, a loura teve que deixar o caçador de lado, pois Hershel chegou do hospital, o homem nem sabia que o seu sogro estava tento problemas.

É estranho pensar em Hershel Greene como seu sogro, como parte de sua família. Afinal de contas, o homem, de certa forma, ajudou a destruir toda a sua família, a destruir a sua infância, mas a sua divida foi paga no segundo que colocou Beth Greene no mundo, no segundo que concebeu o seu lar.

-Olha, eu. –Começa Rick, aproximando-se de Daryl.

-Eu já lhe disse tudo o que eu tinha para lhe dizer. –Começa, irritado. –A grande desgraça do problema é que se eu não tivesse conhecido a Beth, eu já tinha enfiado uma porra de flecha no meio da sua testa. –Garante, entre os dentes. –Aquela mulher me domesticou demais. –Resmunga, trocando de posição e começando a arrumar a sua besta.

-É difícil não se apaixonar por ela. –Confessa, abaixando a cabeça. –Ela é forte, meiga e ao mesmo tempo tem uma força e determinação invejáveis. –Afirma, engolindo em seco. –Eu não vou mais perguntar por Judith, ela é de vocês agora, nada vai mudar isso. –Garante, dando passos para trás.

-Carl, pode ficar com ela de vez em quando se quiser. –Afirma, limpando a sua flecha. –Ele é irmão dela, mas você não. –Garante, sem encarar o xerife. –E nem tente isso. –Avisa, olhando-o ameaçadoramente.

-Eu já entendi que eu não sou bem-vindo, por isso eu também vim avisar que estou me mudando. Vamos ficar na casa do final da rua com a outra policial, a Michonne. –Revela, suspirando.

-Faz o que quiser da porra da sua vida, só não se intrometa com a minha. –Avisa, seguro.

-Ok. –Sussurra, entrando em casa.

As lágrimas de desespero de Sherry estão cada vez mais fortes, cada vez mais desesperadas.

-Como assim nós vamos ficar com eles? –Pergunta, nervosa.

-Não temos uma desgraça de opção. –Responde, nervoso, olhando para os lados. –Negan, nos intimou, senão ficarmos eles nos matam. Você por acaso quer morrer? –Pergunta, confuso.

-Sabe muito bem que eu não quero morrer. –Acusa, apontando em direção ao homem. –Por que me pergunta isso? –Questiona, sussurrando.

-Porque você está prestes a perder a porra toda com essa ladainha de que eles não são pessoas boas e nós não deveríamos ficar com eles. –Acusa, apontando em direção a mulher. –Eu sei que eles não são pessoas boas, não precisa ficar me lembrando disso em cinco em cinco segundos. –Avisa, apontando em direção a loura.

-Tudo bem, eu me controlo. –Garante, insegura. –Mas continuo não gostando disso. –Garante, olhando-o nos olhos.

-Eu tenho certeza disso, você não para de me dizer isso. –Afirma, sarcástico.

-Preferia que eu não falasse sobre isso? –Pergunta, irônica.

-Não, eu quero que me diga absolutamente tudo, só que. –Começa, incerto. –Não é para ninguém ficar sabendo. –Afirma, sussurrando.

-Merle? –Pergunta, confusa.

-Principalmente, ele. Merle, tem a péssima mania de lidar com todas as situações da forma mais podre e desprezível possível. –Responde, negando com a cabeça. –Ele não é confiável, Daryl sim, ele não. –Garante, seguro.

-Por que eu acho que você não está tão conformado assim de estar com eles? –Questiona, analisando-o com mais atenção.

-Porque eu não estou. Eu não vou ser capacho de Negan e você não vai ser a vigésima mulher dele. –Garante, seguro.

-Por que diz isso? –Pergunta, suspirando.

-Porque eu não quero. –Responde, severo.

-Chegamos. –Avisa Rosita, saltando do carro.

Sherry arrasta-se para fora do carro, sentindo todo o seu corpo reclamar, ela não queria estar ali, ela queria estar nos braços de Dwight, mas agora, ela sabia que era impossível.

-Sherry? –Chama Beth, com os olhos semicerrados.

-Beth. –Chama, correndo em direção a garota, abraçando-a e começando a chorar.

É difícil consolar alguém quando a pessoa sabe que aquele buraco no peito nunca mais seria preenchido. Afinal de contas, quando se perde alguém que se ama, o que mas resta?

Saudade?

Tristeza?

Sentimentos que podem lhe levar ao pesar e ao desespero, mas no final do dia, aquela pessoa que você se importava não estaria mais ali, somente em suas lembranças.

E depois que o mundo caiu a única coisa que a loura conseguia pensar era em como consolar as pessoas que haviam perdido outras pessoas.

-Dwight, está morto? –Pergunta Daryl, no segundo que Beth sai do quarto de Sherry.

-Infelizmente, sim. –Responde, suspirando. –Eu gostava dele, era um amigo. –Revela, observando uma careta no rosto de Daryl. –Ele nunca quis ficar comigo, Daryl Dixon, o seu ciúme sempre foi infundado. –Garante, negando com a cabeça.

-Se você diz. –Acusa, colocando ambos os lábios em sua boca.

-Vem cá, meu observante, ciumento. –Chama, aproximando-se dele e beijando o pescoço do homem. –Só existe você. –Declara, contra a pele dele.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...