História Stories Lost in the Time - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce
Exibições 11
Palavras 3.181
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


oie! sim eu to com minha outra fic atrasada né... mas já faz dois anos que eu to tendo ideias para essa, e já tenho ele toda programada, gente eu tenho muito carinho por essa fic, foi a primeira que eu comecei a pensar em escrever,(the secrets of Pines Family foi a primeira que eu postei realmente)
bem sem mais demoras, boa leitura!

Capítulo 1 - Anne Elisabeth Vogel


                                                                      

 

                    4 anos antes

 

     Eu me lembro do dia que aconteceu. Estávamos em casa era domingo perto do meio dia, meu pai estava fazendo panquecas para o almoço e minha mãe cantarolando músicas em quanto arrumava a casa. Sempre me disseram que eu era a união perfeita da aparência dos dois, o que eu levava como um grande elogio. Meu pai era de uma estatura alta e forte, com um rosto anguloso e ombros largos, os olhos de um tom de azul quase roxo que eu acabei puxando para mim, e os cabelos castanhos escuros. Por mais que a aparência amedrontasse alguns por estar sempre de braços cruzados e olhar pensativo, ele era o a melhor pessoa que eu já havia conhecido, era doce gentil e cozinhava como ninguém, por mais que passa-se muito tempo no trabalho sempre compensava quando estava em casa. Minha mãe já era diferente era baixa com pouco mais de 1,60 o corpo pequeno sem muitas curvas mas isso

 Não afetava sua beleza, tinha olhos verdes e cabelos curtos pretos como carvão que acabei ficando para mim também. Todos se encantavam por sua maravilhosa voz, ela me ensinou tudo que sei sobre música: piano, violoncelo, violino, e óbvio canto.

     Em outras memórias mal consigo lembrar de seus rostos, normalmente é só um borrão, apagando alguma coisa que eu sei que era importante, mas essa não teve como esquecer.

     Contamos que Foi um assalto, que entraram na casa, 3 homens em plena luz do dia e sem máscaras, eu estava com minha mãe ajudando a arrumar o quarto, quando ouvimos os barulho. Mas não foi isso, foi Dimitry, foi ele o culpada pela morte da minha família, ele já havia matado tia Helena a primordial lecantropo e tio Richard o primordial herege. Ele entrou na casa junto com outros 3 homens, meu pai estava na cozinha então foi o primeiro a vê-lo e começou a lutar contra ele para atrasa-lo. Minha mãe me pegou pela mão e me levou para o sótão, me abraçou forte e sussurrou algo no meu ouvido que eu não consegui entender.

- Anne querida isso que eu estou fazendo é um boqueio, você não poderá acessar sua parte hibrida, mas a magia estará com você okay? – ouvimos os passos vindo do andar debaixo. – não temos muito tempo, tente entender, é para sua segurança e a segurança de todas as espécies tudo bem? Lembre-se no final é tudo uma questão de escolha, sua escolha filha, quebre as duas maldições de transformação para retornar ao que você era antes okay? Avise isso ao Clã tudo bem? Eu te amo minha linda, nunca esqueça disso!  – ela beijou minha testa.

     Logo depois desmaiei e ela saio trancando a porta e passando a chave por baixo da mesma para que eu pudesse sair quando tudo tivesse acabado. Quando acordei os policiais já haviam chegado, eles me levaram para o hospital, disseram que levei uma pancada na cabeça, logo após alguns representantes do Clã chegaram, expliquei a eles o que havia acontecido entre soluços e lagrimas. A noite tia Agatha veio me visitar e me explicou o que havia acontecido, eu comecei a chorar e titia tentava me acalmar, sem sucesso. Até que uma hora ela disse.

- querida? - chamou atraindo minha atenção- quer ouvir uma história? -fiz que sim com a cabeça.

- qual? – perguntou.

- A minha. – assim que disse ela sorriu terna.

-Há muito tempo atrás, 3 pessoas que viviam em 3 cantos diferentes do mundo foram escolhidas, a cada uma delas foi atribuído diferentes dons maravilhosos, a feitiçaria, a licantropia e o vampirismo. Os dons os tornavam sobre-humanos.

     “A única coisa que os foi pedido foi que compartilhassem esses dons com os humanos tornando-os sobre-humanos também, e assim fizeram. Cada um dos 3 criou uma nova raça, os lilantropos, as bruxas e os vampiros. Depois o vampiro primordial teve dois filhos, o primeiro herege com a primordial bruxa, e o primeiro hibrido, com a primordial licantropa. E as raças viviam em paz umas com as outras e com os humanos, até que um dos escolhidos se rebelou, o vampiro primordial, ele se achava superior aos outros, queria ser o líder de tudo e todos, os outros 4 disseram que ele não poderia se rebelar, que eles viviam em comunidade, todos tinham seus dons e nenhum era melhor que outro, mas ele não deu ouvidos e começou uma guerra. Por muito tempo foi apenas destruição, mortes e tragédias, mas no meio de toda essa desgraça um amor surgiu, dois dos escolhidos haviam se apaixonado, a primordial bruxa e o primordial hibrido, e agora carregavam o fruto desse amor, um ser poderoso, com todos os dons combinados, chamado de triunde, então foi dada uma profecia, quando a criança tivesse idade suficiente ela acabaria com a guerra, trazendo o fim de toda essa tragédia, podendo todos assim viver em paz novamente."

     Antes que eu pudesse ouvir a história inteira, parei de chorar e acabei adormecendo.

-durma minha pequena- disse acariciando meus cabelos.

         

                                                                              4 anos após o trágico acidente

 

-Anne! Parece de tocar e venha logo tomar café! - gritou minha tia do andar de baixo.

-Já vou tia! - digo soltando o violino e descendo para cozinha.

     Após a morte dos meus mais ela me adotou, ela não era realmente minha tia, meus pais não tinham parentes próximos, somente tia Agatha uma amiga muito querida da família. Ela tinha 28 anos quando me adotou, parece que ela foi a única que se apresentou perante ao Clã e disse "é eu fico com ela". Então saímos da França, e fomos para os Estados Unidos, onde tia Agatha morava. Como a casa dela era pequena e só tinha um quarto, um banheiro, a sala e a cozinha, eu dormia no sótão, o espaço era grande e depois de decorado ficou bem aconchegante. No início ela não fazia ideia de como cuidar de uma criança, acho que ela mal conseguia cuidar de si mesma, então dês de pequena fiz de tudo para não dar trabalho. Sempre estudei em escolas públicas, me esforçava para tirar as melhores notas, participava dos clubes de dança e música, e pretendia voltar para França ao entrar em uma reclamada escola a Sweet Amories uma escola que ficava na pequena cidade em que eu costumava morar, o que seria um alivio para o Clã pois estão sempre querendo me manter por perto, os seres sobrenaturais morreriam se não existisse primordial com a sua espécie, mas agora só havia a mim e a Dimitry como primordiais, sendo assim se eu morresse só existiram os vampiros, todas as outras espécies morreriam, e eu no momento me encontrava mortal, com os lados vampiro e licantropo bloqueados eu me tornei mortal sendo somente bruxa.

- está tocando cada vez melhor querida! - comentou tia Agatha colocando um prato de panquecas na minha frente.

- Obrigada tia, estou ansiosa, mandei uma carta pedindo a minha admissão na escola da França que eu te falei, hoje eles me mandam o e-mail de resposta.

- querida se eles não te aceitarem eu mesma abro uma escola melhor para você estudar!

- Obrigado pela generosa oferta - brinquei - Mas você sabe do meu sonho e do Clã de eu voltar a morar na França titia.

- É querida eu sei... Mas depois de tantos anos com você aqui acho que me desacostumei a ficar sozinha- Seus olhos se encheram de lágrimas. Mas antes que eu pudesse dizer qualquer coisa ela as limpa e pergunta. - Bem e como funciona essa escola em?

- Ahh bem ela é uma escola para estudantes do ensino médio, com as aulas de músicas embutidas. Dizem que os adolescentes que estudam lá já saem com a careira formada, e além do mais a diretora do lugar é membro do conselho do Clã, então acho que já estou meio que garantida lá. – expliquei.

- Mas isso é ótimo querida, me perdoe por estar por fora de tudo isso mas você nunca precisou de minha ajuda mesmo. - disse abrindo um sorriso.

- Bem fico feliz que esteja comigo nesse momento, mas estou um tanto receosa, todos os estudantes que vão para essa escola estudavam em colégios particulares, tem um nível escolar bem mais alto que o meu, e a maioria é sobrenatural, vão ficar me encarando o tempo todo lá e...- antes que eu pudesse continuar ela me interrompe.

- Anne você está de brincadeira não é mesmo? - pergunta num tom de voz debochado - Anne Elizabeth Vogel! você sempre tirou as melhores notas, toca violino, piano, violoncelo e eu nunca vi alguém cantar como você! Você fala francês, inglês e alemão fluentemente! Dança balé e outros tipos de dança que eu sequer sei nomear! Querida você dá de 10 a 0 em qualquer mauricinho que tiver naquela escola! E no quesito seres sobrenaturais, querida deixem que olhem, o conselho provavelmente te anunciará mesmo. - minhas bochechas coram só com o pensamento disso, odiava ser anunciada, isso sempre acontecia quando eu era mais nova, era simplesmente vergonhoso– Além disso você é a causa da sobrevivência de toda a raça sobrenatural.

     Voltei a comer e ouvi tia Agatha tagarelar coisas sem nexo. Senti a vibração do celular em meu bolso e desbloqueei-o para ler o e-mail que acabara de chegar, ao perceber do que se tratava comecei a lar em voz alta.

-"prezada senhorita Anne Elizabeth Vogel e com muito orgulho e prazer que VOCÊ FOI ACEITA NA ACADEMIA SWEET AMORIES!"

     Me levantei da cadeira e dei um forte abraço em tia Agatha, agora que eu havia conseguidos a vaga ela ficaria sozinha, e minha vida mudaria de uma hora para outra. Teria que morar sozinha na antiga casa dos meus pais na França, iria me governar e teria que arranjar um emprego para pagar as despesas, forra estudar e ensaiar, tudo seria diferente. E por mais que o conselho insistisse em ajudar com todo (não duvido que tenha dedo deles no fato de eu ter sido aceita já que sempre quiseram me manter na França) eu queria me governar sozinha, saber que pelo menos por um tempo poderei fazer o que eu quiser.

     As duas semanas seguintes foram uma correria, conseguir a emancipação, arranjar alguma agência que levasse minhas coisas para França, anunciar minha volta ao conselho 9 que não ficou muito surpreso) e obvio me despedir da minha antiga vida aqui.

     Quando me dei conta meu voo já estava pousando na França, em uma pequena cidade chamada Sweet Valley. Faltavam três dias para as aulas começarem na Sweet Amories. Sai do aeroporto com as minhas malas, quando cheguei já era noite e eu não poderia ficar de bobeira, então peguei um táxi para minha casa.

     Ficava em um bairro familiar perto de uma praça e da escola em que eu estudaria, uma única rua com 12 casas cada lado, a minha era a bem do meio, a casa em si era grande, pintada de branco com as portas e janelas feitas de uma madeira escuras, garagem, piscina, sacada, 3 quartos bem espaçosos, 3 banheiros, cozinha, sala de estar, tudo, fora o fato de já estar toda mobilhada, tudo para ser o mais aconchegante possível. Paguei o taxista e entrei na casa, minhas coisas só chegariam amanhã, então a casa está exatamente como estava a 10 anos atrás. Subi com as malas em direção ao meu quarto, ele ainda estava decorado com várias bonecas e ursinhos de pelúcia empilhados nas prateleiras e o banheiro com toalhas de sapinhos e peixinhos  coloridos, no quarto o papel de parede branco com pequenas notas musicais eu deixaria, gostava dele, já as estantes de bonecas e ursinhos preencheria com livros e alguns enfeites, a cama de solteiro eu trocaria pela minha de casal, e a antiga TV seria trocada por uma de tela plana e meu Xbox seria instalado nela, fora isso não mudaria nada, gostava do tapete vermelho felpudo,  e dos 3 pufes coloridos espalhados pelo quarto, a escrivaninha seria ótima para os estudos e serviria de apoio ao meu laptop. As únicas modificações seriam feitas no meu quarto, o resto da casa permaneceria como está, gosto dela assim, o jeito como está arrumada me faz lembrar mamãe e papai, a bagunça organizada deles.

     Entrei no banheiro e tomei um banho rápido, peguei um pijama na mala e deixei para arrumar as roupas no armário amanhã, peguei um cobertor, pois por mais que aqui fosse verão o clima era ameno, deitei-me na cama e imediatamente cai no sono, teria um longo dia amanhã e logo toda a correria iria começar...

 

     Acordei pela manhã com o som da campainha tocando, com os olhos ainda sonolentos olhei para o relógio do celular. 9:48 o caminhão com as minhas coisas chegava as 9:30!

     Rapidamente troquei de roupa e corri para atender a porta, o caminhão já estava lá, eram 4 caixotes ao todo, fora o meu violino e o violoncelo que não pude trazer no avião, acabei não trazendo o piano pois usaria o antigo de minha mãe.

     Eles estavam quase terminado de descarregar quando percebo olhares sobre mim, alguns dos vizinhos tinham parado para olhar o que estava acontecendo. Na casa da frente uma garota de cabelos brancos platinados vestida ainda de pijama observava o que acontecia, assim que percebeu que eu a olhava lançou um sorriso e um aceno de mão, não lembrava dela aqui deve ter se mudado quando eu já havia saído da França, na casa ao lado da dela uma garota e um garoto loiros também olhavam, ele com olhar pensativo e ela de deboche, Nathaniel e Ambre, conhecia eles antes de me mudar, os dois são Hereges, por fim na casa ao lado da minha um garoto com cabelos tingidos de vermelho olhava a sena enquanto fumava um cigarro, não sabia se era o garoto que morava ali antes, Castiel, os pais dele eram amigos dos meus, ele era um hibrido, não sabia dizer se era ele, os cabelos não eram nada parecidos disso eu sabia, não consegui olhar muito mais para tentar reconhecer, assim que acabou de fumar o garoto entrou de volta para dentro da casa.

     Assim que acabaram de colocar as caixas em minha casa, assinei o recibo certificando que recebi a entrega. Depois voltei para dentro de casa e comecei a arrumar tudo, troquei as pelúcias por livros, os homens que fizeram a entrega trocaram a cama de solteiro e puseram a de casal no lugar, a de solteiro foi para o sótão junto com a antiga TV que foi substituída por uma de tela plana, instalei o Xbox, arrumei os armários e dei uma geral na casa. Quando finalmente terminei eram quase cinco horas, então decidi sair para comer alguma coisa e ver o que havia mudado na cidade.

     Pequei o caminho mais comprido para o centro, que passava por uma praça e pela minha futura escola, fui para o shopping em direção a praça de alimentação. Comi alguma coisa e decidi olhar um pouco as lojas, passei por várias lojas de roupas que não me chamaram muita atenção, entrei em uma livraria e dei uma olhada em alguns livros, mas acabei não levando nada. Estava quase saindo do shopping quando avisto uma pet shop. A última vez que tive um bichinho foi Kevin o antigo gato persa cinzento de minha tia, ele já era bem velho e morreu pouco tempo depois que fui morar com tia Agatha. Um cãozinho não seria má ideia, alguém para me fazer companhia e não ficar sozinha em casa. Estava prestes a entrar na loja quando repenso a ideia, um animal é muita responsabilidade, talvez eu adote um bichinho quando minha vida estivesse mais estável.

     Voltei para casa e fui checar a minha matricula da escola, eu havia me inscrito no aulas de música e dança fora os cursos obrigatórios da escola, minha turma seria a 202 na sala B.

    Como ainda eram 20:00 peguei meu celular, coloquei uma legin e uma regata atei meu cabelo é um um rabo de cavalo, e fui para o pátio de casa, onde tinha o chão liso e colchonetes para que eu pudesse dançar, coloquei meu celular no aleatório, e comecei a dançar de acordo com o ritmo, sem me importar se a coreografia estava certa ou não. Esse era o único jeito de me fazer relaxar sem estar na frente de um piano ou segurando algum instrumento, não precisar pensar em nada somente se mover no ritmo da música esvaziando a cabeça, sentindo o calor emanar de minha pele, e o vento contra meu corpo conforme me movimentava. Devo ter dançado por umas 2 horas, pois quando finalmente parei estava completamente encharcada, os cabelos mesmo presos grudaram nas costas devido ao comprimento. Desliguei a música e estava indo para dentro pegar uma água tomar um banho e ir dormir, mas me senti sendo observada, o quintal era cercado por cercas de madeira, aquelas bem típicas de casas americanas, só tinha uma portinhola que dava aceso ao pátio do vizinho que era o garoto ruivo de hoje de manhã, mas não a usávamos a anos. Estava procurando quem me olhava quando ouso arranhões vindos daquela portinhola, me aproximo da cerca e olho através dela espiando o pátio do garoto ruivo, me deparo com um cachorro enorme me encarando, ele era magro, grande, de pé deveria ser quase do meu tamanho, eu o analisava e sentia que estava sendo analisada também, ficamos assim por um tempo até ele voltar a aranhar a portinhola.

- O que ouve garoto? - ele continuava a aranhar e agora pulava na cerca tentando passar.

     Sem pensar abri a portinhola e o cachorro saio em disparada para dentro de minha casa.

-Não! Não garoto você não pode ficar aqui! - corri para dentro de casa e ele estava sentado no pé da escada, como se me esperasse. - Olha garoto você não pode passar a noite aqui! Se amanhã seu dono acordar e você não estiver lá ele com certeza vai surtar, então o que você acha ahh - procurei pelo seu nome na coleira- Dragon, há nome diferente- o cachorro me olha com olhar confuso- Bem a questão é você não pode ficar aqui, então vamos lá você tem que voltar para sua casa- digo pegando-o pela coleira e tentando leva-lo de volta. O mesmo não se mexeu.

-ahh vamos lá colabore! Eu não tenho nada para dar para você comer, não tenho lugar para você dormir não tenho nada- ele continuou parado sem fazer nada- Ta legal!  Eu me rendo! Mas acha de manhã você volta para seu dono quando eu for para escola tudo bem? - o cachorro dado por satisfeito corre para o meu quarto deitando-se ao lado de minha cama.

     Tranquei a casa e tomei um banho, me vesti e deixei uma mochila preparada com o que eu usaria amanhã. Me deitei na cama e coloquei a mão para fora das cobertas, acariciando de leve a cabeça de Dragon enquanto ele lambia minha mão. Fechei meus olhos e rapidamente cai no sono.

 

    


Notas Finais


por favor não deixem de comentar o que acharam e favoritarem!

beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...