História Storybrooke - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Henry Mills, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma, Regina, Romance
Visualizações 106
Palavras 8.952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E o último do dia!!

Capítulo 22 - Capítulo 22


- Eu não acredito! Mais que raiva! – resmungava Lily andando sem direção – Todos vão me pagar! Quem eles pensam que são para fazer isso comigo? Namoro? Eu irei acabar com esse namoro nem que tenha que matar alguém!

- Lily! – chamou Zelena saindo da casa e avistando sua irmã andando sem rumo – Espera!

- Me deixa Zelena! – gritou a morena, sua raiva era tamanha que para onde o nariz estava apontando ela estava caminhando. Quando percebeu estava perto da área destinadas as aulas, parou para respirar profundamente.

- Lily... – começou a ruiva assim que se aproximou – Vamos para casa? – tentou convencer sua irmã que o melhor agora era ir para casa.

- Não! – veio a curta e seca resposta – Eu vou ficar, ainda não engoli essa história de namoro... Emma nunca será de ninguém a não ser minha!

- Lily, acho melhor irmos para casa... Lá você pensa melhor no que está acontecendo... – tentou mais uma vez Zelena – Emma realmente está namorando, deixe-a em paz, e você deve seguir com sua vida.

Lily respirava forte e rápido - Eu vou esfriar a cabeça, você tem razão nessa parte... – virou-se para sua irmã – Vamos cavalgar? Lá eu penso melhor no que eu vou fazer para acabar com namorico ridículo da aprendiz de fazendeira com a minha loira!

Zelena a olhou incrédula, mas achou por bem aceitar – Vamos! – Pelo menos eu a mantenho longe de Emma e Regina! Sem comentar mais nada as duas mulheres começaram seu caminho em direção ao Bosque pela segunda vez no dia.

-SQ-

Depois do almoço e com tudo arrumado, todos estavam acomodados na cadeira de balanço ou em cadeiras de descanso. Estavam todos na varanda lateral, a qual a essa hora do dia já não batia mais o sol e deixava um clima ameno e agradável. A conversa rolava solta e leve. As vezes saia uma zoação ou outra, afinal Ruby e Kathryn estavam presentes e o melhor passatempo delas era tirar sarro das amigas.

- Emma, você quer conhecer o meu quarto? – convidou Henry assim que distribuiu os desenhos feitos para todo mundo ali.

- Eu posso ter essa honra? – perguntou de volta e olhou para Regina que estava sentada ao seu lado.

- Claro! – respondeu ela sorrindo – Só não demorem para voltar.

- Não vamos demorar. – respondeu Henry pegando a mão da loira e a puxando.

Emma sorriu, mas antes de ser deixada puxada por Henry, ela se inclinou e deu um beijo na bochecha da morena e se levantou – Vamos garoto! – ela anunciou Boa jogada o beijo no rosto, Swan! pegou o menino no colo, e acabou o colocando sobre o seu ombro como se estivesse carregando algo pesado – Pelos botões de Eugenia você está ficando pesado. – brincou e fez algumas cócegas no menino.

- Não estou não. – ele respondeu e gargalhou quando sentiu os dedos da loira lhe fazendo cócegas – Para! Eu tenho cócegas.

- Achei um ponto fraco seu... – falou a loira em tom de brincadeira – Agora eu sei onde atacar! – finalizou com mais cócegas, e Henry explodiu em gargalhada, finalmente saindo da varanda e indo para dentro da casa.

- Eu não sei quem é mais criança ali. – comentou Regina sorrindo diante da cena Mas você quer essas duas crianças na sua vida, não? Ah mente e como eu quero!

- Com certeza é a Emma. – respondeu Ruby rindo – Ela quando quer se torna mais criança que uma criança.

George riu – Com certeza o Henry é bem mais maduro que ela.

Regina gargalhou – Com um pai e uma amiga assim para que ela precisa de inimigo? – brincou.

- Ah Regina, se eles falaram isso é porque sabem o que falam. – interveio Kathryn que estava sentada e usava Ruby como seu encosto. Todos ali acabaram dando risada, e a conversa continuou naquele clima agradável.

Assim que chegaram a porta do quarto, Emma colocou Henry no chão que imediatamente abriu e entrou puxando a loira pela mão. – Vem que vou te mostrar tudo... Mas eu ainda vou arrumar do meu jeito, só preciso falar com mamãe e ela vai me ajudar. – disparou puxando a loira para a pequena estante no canto – Aqui estão todos os meus bonecos dos vingadores.

Os olhos da loira se arregalaram surpresos – Nossa que legal... Tem todos mesmo... – comentou examinando boneco por boneco – Até a Viúva Negra...

- Ela é muito legal, principalmente quando ela fica amiga do Hulk. – comentou Henry – Nessa parte aqui eu guardo todos os meus livros de história sobre cavalos. – disse apontando a parte de cima com um número razoável de livros.

Emma subiu os olhos e um imenso sorriso tomou conta de seus lábios ao ver a coleção de livro do menino – Você tem muitos livros aqui... – comentou e pegou um e deu uma folheada e o devolveu ao mesmo lugar.

- Mas eu quero mais livros, gosto bastante de livros...

- Onde está o que eu te dei, não o vejo aqui? – perguntou Emma curiosa.

Henry soltou uma risada infantil – Ele está ali. – respondeu e apontou para sua cama, onde estava o livro juntamente com a pelúcia que ela havia dado. Seu sorriso alargou ao ver os objetos em cima da cama – Minha mãe ainda não leu ele para mim. – disse meio triste – Eu dormir e não deu tempo.

- Calma que ela irá ler para você, não se preocupe. – disse Emma tentando animar o menino.

- E aqui fica a minha mesa com todas as minhas coisas para desenho. – disse ele mudando o foco do assunto e puxando a loira pela mão até a mesa no canto perto da janela – E aqui fica meu baú cheio de brinquedo. – mostrou abrindo a grande caixa de madeira.

Emma sendo mais criança que o menino, ela pegou dois brinquedos e começou a brincar. Os olhos de Henry brilharam e ele se juntou prontamente ao pegar mais uns brinquedos. Ali ficaram brincando por alguns minutos até Henry começar a bocejar.

- Acho que está na sua hora do cochilo... – comentou Emma já guardando os brinquedos – Vou chamar sua mãe...

- Não precisa... – ele disse indo para sua cama e abraçando a pelúcia do Spirit – Você pode ler a história para mim? – pediu ele dengoso.

Emma sorriu – Claro. Se arrume melhor. - ela disse terminando de fechar o baú, tirou o celular do bolso e tirou uma foto da prateleira com os livros infantis, o guardando logo em seguida e indo sentar-se ao lado dele na cama. Pegou o livro e ele se acomodou melhor e olhou ansioso. A loira limpou a garanta – O sol brilhava lá no alto, o céu tão azul, uma águia voando em liberdade passando entre as montanhas rochosas do lugar “A história que vou contar é sobre o velho oeste, dizem que a história foi escrita em cima da sela de um cavalo, mas ela nunca foi contada pelo coração de um deles...” – ela começou.

- Eles estão demorando, vou ver o que está acontecendo. – comentou Regina se levantando Confessa que você quer é ficar perto da sua loira arrasa quarteirão? E se eu quiser? Você está mais que certa, e por isso te apoio! Mente malvada! – Deixar duas crianças juntas as vezes não dá muito certo.

- Dois adultos também não dão muito certo... – brincou Kathryn – Mas vá ver suas duas crianças.

George aproveitou a deixa e se levantou também – Está bom aqui, mais esse velho aqui precisa esticar a carcaça na cama, se não ele não aguenta. – brincou – Cora, minha querida, obrigado pelo convite do almoço. Eugenia estava divino como sempre. Meninas até mais. Precisando estou sempre a disposição para seus planos malucos! – riu.

- Eu que agradeço sua presença e ajuda no plano. – riu Cora – Eu ficarei aqui mais alguns dias, espero que possamos tomar um café juntos.

- Quando quiser. Até mais. – se despediu e seguiu para sua casa.

Eugenia se levantou – Eu vou voltar para a cozinha, vou passar mais um café. Depois vou para casa também descansar, para voltar e preparar o jantar.

- Não precisa Eugenia, pode tirar o resto do dia de folga. Não hora da janta Regina e eu nos viramos aqui. – disse Cora – Estou falando sério. – completou ao ver a senhora querer retrucar.

Eugenia soltou uma respiração – Tudo bem. – disse aceitando a derrota – Então até amanhã. – falou e se virou para sair, quando voltou para sua neta – Juízo! – sem esperar por uma resposta da mesma, ela se virou novamente e começou a caminhar em direção da cozinha para fazer mais um café e então ir embora para sua casa.

Kathryn soltou uma sonora gargalhada ao escutar o que Eugenia havia dito – Você só dá risada, não é? – perguntou Ruby indignada.

- Ah minha morena sedutora, pode ter certeza que se fosse meu pai, ele com muita certeza já teria investigado todo seu passado e ainda te colocaria em uma sala para interrogatório. – comentou a loira – Fora a tortura que ele faria para saber as respostas.

- Sério? – perguntou Ruby temerosa.

Outra gargalhada – Claro que não, mas iria conversar com você. – respondeu Kathryn olhando para a morena e não se aguentando deu um beijo em sua bochecha – Se acalme, meu pai não é nenhum terrorista não.

Cora que observava sorria achando graça – Eu posso garantir isso, Ruby... Trabalhei com John por muitos anos. – confirmou a morena mais velha – Aproveitando que estamos só nós três aqui, gostaria de conversar um outro assunto com você, Katy.

A loira até sentou melhor, pois já sabia qual seria o assunto – Robin?

Cora afirmou com a cabeça – Sim... Regina me contou o que ele fez ontem, mas ele me mandou mensagem me contando outra coisa. Regina já conversou com você sobre isso?

- Ainda não, só do beijaço que elas deram ontem no celeiro. – comentou a loira - Explique-se melhor, tia Cora.

- Beijo no celeiro? Humm muito interessante... – Cora guardou a informação para si e começou a explicar – Enquanto estava esperando para embarcar no avião, recebi algumas mensagens de Robin, dizendo que ele foi expulso da fazenda por Regina...

- Eu vi essa cena... – comentou Ruby – Foi maravilhosa... Até lama Regina jogou nele.

- Sério? – perguntou Cora e Kathryn ao mesmo tempo.

- Muito sério! – confirmou a morena – Mas continue, pois Regina com certeza irá falar como foi para vocês.

Cora riu – Bom, ele disse que havia sido expulso por não querer compartilhar o mesmo quarto... – aquela informação deixou as duas mulheres mais novas surpresas - Emma fora mal educada com ele e Regina não tomou nenhuma atitude com relação a isso, e outras coisas sem sentido.

- Cora... Eu conheço a Emma, e uma coisa é certa, ela só é mal educada se a provocam. – Ruby defendeu a amiga.

- Eu sou prova disso. – acrescentou a loira – Cheguei sem educação e ela respondeu a altura, fora isso ela nunca fora sem educação comigo.

- Meninas, eu sei... – disse Cora acalmando os ânimos – Ontem mesmo eu conversei com Regina e ela me falou o que realmente aconteceu.

- O que houve? – quis saber uma Kathryn curiosa.

-SQ-

Assim que Regina chegou a porta do quarto viu suas duas crianças brincando, aquela cena encheu seu coração de alegria. Emma e Henry estavam tão entretidos na brincadeira não a perceberam parada a porta. Ela viu toda a movimentação quando seu filho mostrou sinais de sono e seu coração se aqueceu quando Emma começou a ler a história do livro.

“Spirit foi amarrado juntamente com sua companheira...” Emma parou a leitura quando sentiu o corpo de Henry pesar, respiração profunda e se mexer virando para o outro lado, agarrado a pelúcia de cavalo. Devagar ela se levantou, e deixou o livro em cima da mesinha ao lado da cama. Então olhou para a porta e levou um baita susto – Mulher quer me matar? – disse baixo e respirando rápido para tentar acalmar seu coração.

- Desculpa, não foi a minha intenção. – respondeu a morena e percebeu que seu filho se mexeu no sono – Vamos sair daqui antes que Henry acorde. – pediu baixo e a loira deu um meneio afirmativo com a cabeça. Assim que saíram, Regina deixou a porta do quarto entreaberta e seguiram para o andar de baixo.

- Há quanto tempo estava ali nos observando? – perguntou Emma assim que chegaram ao final da escada.

- Não muito... – respondeu Regina não dando muita importância, Emma sorriu ao perceber que a morena estava escondendo a verdadeira resposta.

- Algo me diz que você está mentindo. – brincou a loira Posso te agarrar aqui e agora? Posso? Vai diz que sim!

- Tudo bem, eu confesso... Eu estava ali desde a hora que vocês estavam brincando. – confessou a morena e sorriu com a cara de espanto da loira Posso te beijar até o mundo acabar? Ai, eu quero mais beijos! Pula em cima dela, Regina e beije-a até os lábios ficarem inchados! Hum até que não é uma má ideia. Eu só tenho boas ideias! – Eu fiquei preocupada, pois vocês não voltavam e eu fui atrás, e quando cheguei vi vocês brincando e não quis atrapalhar... Então aproveitei para ficar olhando vocês Nossa que mentira mais deslavada, você quer é ficar se esfregando nesse corpo maravilhoso e recebendo beijos dela. O que? E não adianta negar, eu sei o que você exatamente quer! Mente!

- Vamos para o escritório... – comentou Emma Será que posso te jogar naquele sofá de novo e terminar o que começamos hoje de manhã?  – Eu preciso fazer os relatórios e planilhas... – Regina apenas concordou com a cabeça Você vai me jogar naquele sofá e terminar o que começamos agora cedo?

Assim que entraram, Emma se encaminhou para a mesa do computador Não Emma, o sofá fica para o outro lado!! o ligando e Regina foi se servir de um copo de uísque Não, a loira foi para outra direção! Volte e pule no colo dela! Aproveitou para servir um para loira também. Depositou o copo sobre a mesa Isso para esse lado! voltou para se sentar no sofá Não volta, é para o outro lado! Ai Regina! enquanto Emma se concentrava em digitar os relatórios Sua loira tapada, a morena está lá no sofá te esperando, deixa essa papelada de lado e vai lá pegá-la de jeito! Minutos se passaram em um silêncio agradável, sendo apenas quebrado pelo som do teclado enquanto a loira digitava apressadamente Não acredito em vocês! As mentes das duas estavam inconformadas Vocês não sabem brincar!

Uma risada quebrou o silêncio da sala, Emma só ergueu o olhar para ver a sua morena – Do que você está rindo? – perguntou e voltou sua atenção ao computador.

- Eu estava pensando em como minha vida mudou muito nesses quinzes dias que estou aqui na fazenda. – respondeu simplesmente.

- Isso é bom ou ruim? – questionou novamente, mas dessa vez sem tirar seus olhos da tela.

Regina suspirou profundamente – Em partes é bom, e em partes é ruim... – fez uma pausa e Emma ficou esperando que ela continuasse – Isso é bom, porque meu filho tem mais minha atenção, tem pessoas com quem ele possa conversar... Tem espaço para brincar e coisas que ele não nunca teria em Boston...

- E você? – dessa vez a loira encarou o olhar castanho – Qual a parte boa para você?

Outro suspiro profundo da morena – Conheci pessoas maravilhosas... Minha vida desacelerou, agora tenho mais tempo para meu filho... – fez uma pausa – Não me entenda mal, gosto daqui, mas Boston carrega uma boa parte da minha vida, do meu trabalho... Adoro a diversidade de coisas que a cidade oferece... Sinto falta disso! – fez uma pausa um pouco maior, e Emma ainda a olhava – A pior parte é que eu perdi meu pai... – falou em um tom baixo e triste.

Emma sem dizer nada se levantou e foi na direção da morena, sentou-se ao seu lado e a envolveu em um abraço tenro e amoroso, o qual Regina prontamente correspondeu Posso ficar assim para sempre? Dentro do seu abraço e escutando seu coração batendo? – Eu sei qual é o sentimento... Te entendo muito bem. – murmurou Quero ficar assim eternamente com você dentro do meu abraço! – E quero que você saiba que estarei ao seu lado para o que você precisar. – apertou mais ainda a morena em seus braços. Ficaram mais alguns minutos em silêncio, apenas abraçadas, uma dando suporte a outra. Emma soltou brevemente Regina de seus braços, depositou um terno beijo em sua testa, se levantou e voltou para frente do computador.

- Me conte a história do pequeno Henry. – pediu Emma voltando a digitar seus relatórios e mudando o foco da conversa e tentando animar a morena.

O sorriso que Regina abriu não tinha igual, falar, pensar ou qualquer outra coisa relacionada a seu filho sempre causava esse efeito nela Falei que seu sorriso é lindo! – Ah meu pequeno Henry... Ele veio em um momento que me sentia sozinha, mesmo tendo minha mãe, meu pai e meus amigos... Minha carreira e meu escritório estavam em plena ascensão, mas sentia que algo me faltava, algo estava incompleta. – fez uma pausa, mas nunca sem deixar de sorrir Quero fazê-la sorrir assim sempre, não quero vê-la triste! - Um dia levantei e sabia exatamente o que faltava... Eu queria um filho, nessa época eu ainda não estava namorando o Robin... – fez uma careta Af porque foi lembrar dele? as duas mentes pensaram ao mesmo tempo. – Estávamos apenas ensaiando algo... Mas eu queria um filho, e decidi que faria inseminação... Eu dei muita sorte de engravidar logo na primeira tentativa, pois todo o processo é exaustivo... Desde então eu tenho esse pingo de gente para alegrar meus dias.

Emma sorria sem fim, mesmo com sua atenção voltada para o computador, ela prestou atenção em tudo que Regina disse – Eu fico muito feliz por você... Henry é uma criança formidável, você está fazendo um ótimo trabalho. – disse a loira imprimindo todos os relatórios e os guardando em suas devidas pastas em cima da mesa – Se um dia ele quiser saber sobre o pai, o que você dirá? – apenas comentou.

Regina soltou um grande suspiro – Eu direi a verdade, e explicarei tudo... Mas por enquanto ele nunca me perguntou sobre o suposto pai... – a loira concordou com a cabeça, Regina sorriu e mudou o foco da conversa - E você? Me fale um pouco de você. – pediu a morena ao terminar sua bebida. Emma também fez o mesmo e depositou o copo de volta ao seu lugar a mesa e voltando a preencher as planilhas.

- Minha vida não tem muita graça, e você sabe praticamente a parte principal dela... – brincou Emma e Regina sorriu. Um silêncio acolhedor pairou no ambiente enquanto Emma continuava preenchendo suas planilhas e Regina apenas observava a loira trabalhar Ela é tão sexy concentrada enquanto trabalha! Mas não tão sexy quando está tentando domar o cavalo bravo ou mesmo se exercitando. Mente! Ela deve ser sexy andando a cavalo também. Não irei comentar, mente! A mente ignorando o comentário de Regina prosseguiu Nossa, e na cama ela deve muito sexy, selvagem... Deve levar aos céus. Mente chega! A mente iria falar mais alguma coisa, mas a morena interrompeu Eu disse chega... por hora! Se tivesse rosto a mente estaria sorrindo abertamente.

-SQ-

- Regina me falou que desde que Robin chegou, ele só reclamou... – começou Cora Imprestável! – Foi Regina que não quis dividir o quarto com ele e nesse momento ele ficou bravo. Na hora do jantar, ele ficou reclamando da comida de Eugenia... Ficou desdenhando o que Henry contava que havia feito na escola, e ainda reclamou que Regina não havia perguntado sobre o dia e a viagem dele.

- Que homem mais sem noção. – comentou Ruby indignada Inútil! – Ele queria o que? Competir com uma criança?

Cora apenas soltou uma longa respiração – O pior não foi isso... Ela disse também que Robin brigou com Henry...

- Mas que maldito! Eu vou acabar com aquele pilantra... Eu só precisava de um pequeno motivo para acabar com ele e agora eu tenho. – esbravejou Kathryn Como ele ousa fazer isso com meu afilhado?

- Calma Katy... A briga só não foi pior, pois Emma interveio no momento certo. – continuou a mulher mais velha – Robin perguntou de Regina para o menino e ele respondeu que ela havia saído, mas não sabia para onde. – fez uma pausa – Na segunda vez que ele perguntou Henry respondeu a mesma coisa, então ele começou a chamar Henry de mentiroso, pois o carro de minha filha estava onde ela o havia deixado na sexta...

- Argh que pulha!! – Ruby falou entre os dentes – Eu vou amarrá-lo a um cavalo e deixar o cavalo arrastá-lo pela fazenda toda.

- Calma Ruby... – pediu Kathryn colocando a mão sobre a coxa da mulher – Continue tia Cora... – mesmo a raiva sendo palpável na loira, ela estava se segurando.

- Mas Regina me disse que havia chovido na sexta a noite e de madrugada, então ela foi de pick-up para cidade, e quando ela chegou viu Emma prensando Robin contra a parede e Henry chorando. – contou a mulher morena – Então Henry saiu correndo e Emma foi atrás. Regina sem saber o que fazer apenas esperou enquanto Robin sumiu da vista dela.

- Covarde! – bradou a loira.

- Bom continuando... – disse Cora – Emma voltou tempos depois com Henry no colo, e o deixou no quarto, pois havia chorado até dormir. Então elas foram para o escritório, e Emma contou o que havia visto e acontecido. Disse que Robin continuou chamando Henry de mentiroso, e tomou o livro do menino, Henry ficou pedindo o livro de volta, mas Robin não quis devolver, até que ele finalmente rasgou o livro e jogou de volta para meu neto. Foi nesse instante que Emma prensou Robin e Regina chegou. Minha filha ainda impediu que Emma desferisse um soco no meio da fuça do pilantra.

- Mas que cafajeste! – vociferou a loira – Ah você vai me pagar com juros e correção monetária senhor Robin Hood Gold, você não perde por esperar.

- Calma que ainda tem mais uma parte da história. – comentou Cora – Depois que elas conversaram sobre esse acontecido, elas engataram em uma conversa sobre negócios, sobre uns contratos, não sei bem o que, mas quando Emma falou que iria desfazer o negócio, ele entrou feito um raio no escritório e falou que Emma não tinha o direito de falar aquilo, pois ela não era ninguém, que ela nem deveria estar ali.

- Emma me contou meio que por cima o que aconteceu. – comentou Ruby Nota mental: a próxima vez quer ver esse covarde, passar sobre ele com um cavalo!

- Só sei que ele começou a falar coisas desagradáveis para Emma, inclusive investigou o passado dela e ainda a acusou de querer ficar com a fazenda. – explicou a morena mais velha – E por fim, quando Regina e Robin estavam sozinhos, ele tentou ludibriar minha filha falando que o que ele fez com Emma era para o bem de Regina, e que fora Emma quem havia rasgado e brigado com Henry. – Cora fez uma pausa – Aquilo tudo foi a gota d’água para Regina que o enxotou daqui, e de quebra ainda terminou o noivado.

- Essa cena eu vi. – comentou Ruby com um sorriso malicioso no rosto – Ela falou pouca e boas para ele, jogou a mala dele e quase acertou o precioso carro, e ele foi escorraçado daqui debaixo de muita lama, pois ela ficou ensandecida e começou a jogar lama nele. Indignado ele entrou no carro e foi embora.

- E provavelmente quando ele chegou a Boston me mandou muitas mensagens. – terminou Cora.

- Mas que calhorda, imprestável. – Kathryn disse entre os dentes – Bom, tia o que você pretende fazer com relação a tudo isso? – perguntou depois que conseguiu se acalmar brevemente.

- Só digo uma coisa, ele mexeu com a família errada. – falou a mulher visivelmente com raiva – Ele gosta de investigar o passado das pessoas, então eu irei investigar o passado obscuro e sujo dele.

- Ah lembrei... – disse a loira – Sexta eu fiquei até mais tarde no escritório, pois estava estudando o caso que havia acabado de aceitar e atendi uma ligação muito da estranha para Robin, era voz de mulher atrás dele, e quando disse que ele havia viajado, ela ficou brava e falou que iria ligar para ele na segunda, tentei fazer com que ela me dissesse o nome, mas não consegui. – terminou.

Cora ficou em silêncio por alguns segundos – Tive uma ideia... Kathryn você tem mais acesso as coisas dele lá no escritório, comece a investigar essa ligação e tudo relacionado a ele... – comentou Cora – Quando eu voltar para São Francisco, eu tomarei outras medidas mais efetivas. Tudo que você descobrir me avise, quanto mais evidências tivermos, melhor para nós. Você sabe muito bem disso.

- Só isso? – perguntou a loira.

- No momento sim, se eu precisar de mais coisas eu te aviso. – planejou Cora – Ah Regina por enquanto não deve ficar sabendo de nada. Quando for o momento certo, nós abrimos o jogo, por enquanto quanto menos gente souber, maiores as chances que Robin ser pego.

- Tudo bem. – concordou Kathryn.

- E eu? – perguntou Ruby se pronunciando por fim.

- Você ficará de olho naquela moça, a Lily, não? – Cora delegou essa missão a morena.

- Sim, a própria...

Cora concordou com a cabeça – Você também, tudo que acontecer enquanto estiver longe me avise, e o que eu puder resolver o farei. Pois tenho a sensação que essa moça ainda causará muita dor de cabeça tanto para Emma quanto para Regina.

- Com certeza. – respondeu Ruby – Tudo bem, eu ficarei de olho em Lily e te manterei informada. A morena puxou o celular do bolso pedindo um número que ela poderia falar com Cora, e prontamente a mulher mais velha forneceu o número.

- Estamos todas de acordo? – perguntou Cora e as outras duas mulheres acenaram com a cabeça concordando.

Os olhos de Ruby brilharam com uma ideia fantástica – Katy, me passe o numero da Regina, por favor. – pediu.

A loira a olhou curiosa – Para que você quer o número da Rê?

- Acabei de ter uma brilhante ideia. – riu maliciosa – Não se preocupe, não é para mim, é para Emma... – soltou.

- O que você pretende fazer? – questionou a loira novamente ao pegar o celular das mãos da morena e digitar o número de sua amiga e o devolver em seguida.

- Vamos apimentar um pouco as coisas entre elas. – deu uma risada travessa de quem irá aprontar Loirão depois dessa se você não me chamar para madrinha do seu casamento eu te mato! Os olhos da Kathryn arregalaram em um misto de surpresa e malícia, assim como Cora apenas deu uma risada de lado Essas duas não tem jeito.

- Adorei a ideia! Se prepare Regina, as coisas irão esquentar mais ainda para o seu lado! – disse dando um selinho rápido na morena. E como que em um passe de mágica, Eugenia apareceu na varanda.

- Acabei de passar o café. – anunciou segurando uma bandeja com o café, as xícaras e uns pedaços de bolo que ela havia feito no dia anterior – Hora do café da tarde.

- Tem certeza que não tem como eu te levar para ficar comigo por uma semaninha, pelo menos, em Boston, Eugenia? – tentou Kathryn novamente sorrindo ao tomar um gole do café que se serviu.

- Não minha menina, daqui dessa cidade eu não saio. – respondeu a mulher sorrindo amavelmente.

-SQ-

Emma terminava de arquivar as pastas com os relatórios, e as planilhas estavam preenchidas. Revisou mais alguns documentos, então fechou todos os programas e desligou o computador. Levantou-se e caminhou até onde Regina estava sentada. Sentou-se de lado no sofá encarando a morena que estava na mesma posição que ela. A loira esticou sua mão esquerda para segurar a direita da morena, que no instante seguinte entrelaçaram seus dedos.

- Sinceramente... – Emma quebrou o silêncio – Depois do nosso começo tumultuado e todas as brigas, nunca passou pela minha cabeça um momento como esse... – comentou olhando fixamente para os olhos castanhos – Nós aqui sentadas... – ergueu um pouco as mãos entrelaçadas – Mãos dadas e conversando tranquilamente Fora os beijos fogosos!

Regina abriu um imenso sorriso Ainda tem os beijos! – Então somo duas... – fez uma pausa e tomou um fôlego para criar coragem – Emma... Sobre o que Lily falou e depois o que você falou lá na varanda e no almoço é verdade? – perguntou tudo de uma vez, seu coração batendo forte no peito.

A loira sorriu serena – O que Lily disse é verdade sim... Eu nunca quis um relacionamento sério... – aquela resposta fez o coração da morena diminuir seus batimentos e a morena abaixar seu olhar Foi tudo apenas encenação para aquela mulher! – Mas tudo que eu disse também é verdade. – continuou Emma e Regina voltou a olhar para a loira – Sabe, eu perdi um pouco da minha crença nas pessoas para um relacionamento... – fez uma pausa e Regina esperou que Emma continuasse – Ou mesmo em acreditar nas pessoas... Antes de George e Ingrid me adotarem, eu fui “adotada” três vezes e devolvida as três vezes...

Os olhos de Regina se arregalaram surpresos e tristes ao mesmo tempo Que crueldade! – Emma...

A outra mulher apenas sorriu amavelmente para Regina – Não se preocupe, pois isso não tivesse acontecido eu não teria encontrado os meus pais que me adotaram. – Emma comentou feliz – Então os meus poucos relacionamentos amorosos foram todos por interesse, elas achavam que eu era dona da fazenda, e quando descobriam que eu era apenas uma funcionária elas achavam um jeito de terminar... E isso me fez se fechar para relacionamentos sérios.

- Que coisa mais horrível. – comentou a morena abismada.

- Sim... – concordou Emma – Com tudo isso eu já não acreditava mais nas pessoas, a não ser as pessoas que eu realmente conhecia que é o pessoal aqui da fazenda que considero minha família...

Regina balançou a cabeça em afirmação entendendo o que Emma havia dito – E Lily?

Emma soltou uma grande respiração – Lily foi uma noite errada de bebedeira e desde então ela fica atrás de mim, mesmo eu falando que não quero nada com ela... Na cabeça insana dela, Lily acha que temos um relacionamento.

- Entendi... – veio o comentário da morena Terei que tomar minhas providências para afastar de vez esse abutre de perto da Emma. Rá! Eu sabia que uma hora viria para o lado negro da força! brincou a mente Não querida mente, eu apenas estou cuidando que é meu. Possessiva, adoro!

- E tudo o que eu disse na varanda e durante o almoço é verdade... – completou Emma Sem tirar uma vírgula. – Eu adoro Henry! Ele é uma criança fantástica. – fez uma pausa e olhou profundamente nos olhos castanhos a sua frente – Eu realmente quero um relacionamento sério com você e tudo que ele traz... Eu quero tentar... Mas eu não sei fazer isso... – explicou a loira Nossa, como você está deixando a morena confusa com essa explicação confusa. Ai mente não atrapalha, você sabe que não sou boa com palavras, muitas vezes... – Mas com você é diferente, eu quero tentar, bem, isso se você quiser também... – fez uma pausa ligeira para tomar fôlego – Sei que no começo será difícil, não sou uma pessoa fácil de lidar... Mas por você e pelo garoto... – Regina apenas ergueu uma sobrancelha repreensiva, mas depois sorriu ao perceber que era uma forma carinhosa de Emma chamar seu filho – Eu quero muito tentar... Tentar com você.

A morena ficou em silêncio ponderando tudo que Emma havia dito – Emma... Eu não sei...

- Olha Regina... – interrompeu a loira – Você não precisa falar nada agora, entendo que tudo é muito recente, que você acabou de terminar um noivado, sei também que quinze dias não são parâmetros para comparar nada, assim como quinze anos também não são... – fez uma pausa Nisso a Loirão tem razão, você conhece o Robin a praticamente dez anos. – Não precisamos apressar nada, não precisamos rotular nada, podemos ir devagar, nos conhecendo, sem pressão... Crescendo aos poucos... Vivendo cada momento...

Diante de tudo aquilo que Emma falou, não tinha como Regina recusar, ela também não queria recusar nada com a loira – Eu também quero tentar, sem pressa... Nos conhecendo melhor...

Um imenso sorriso surgiu nos lábios da loira – Só peço um pouco de calma comigo, pois para mim tudo isso é novo e eu não sei como agir, quero que você converse comigo quando eu fizer algo errado e não perceber... Quero que o diálogo sincero seja uma das bases da nossa relação...

- Emma! – interrompeu a morena colocando um dedo indicador nos lábios da loira Não, era para ter beijado e não colocado o dedo a silenciando. – Calma e repire fundo. – brincou – Como você disse vamos com calma, e claro que irei te ajudar e você pode ter certeza que irei conversar com você sobre qualquer coisa. Eu também não sou uma pessoa fácil de lidar, tenho meus momentos bons e maus... Não será um passeio no campo o tempo todo. Mas eu também quero tentar. – sorriu ao final fazendo Emma soltar uma respiração que nem sabia que estava segurando, e sorriu por fim.

- Estamos oficialmente juntas? – perguntou por fim, só para confirmar Estamos! Agora pule em cima dela e termine o que você começou hoje de manhã! Vai Emma não seja covarde!

- Sim, estamos! – respondeu Regina que no instante seguinte teve seus lábios capturados pelos da loira em um beijo casto, selando a promessa de um relacionamento longo e duradouro Isso Loirão, vem para cima! Mas vem com tudo!

- Então você quer ter filhos? – perguntou Regina ao terminar o beijo e sorrir Não muda o foco da conversa. Volta a colar os seus lábios com os dela.

- Sim, quero muitos... Quero poder adotar pelo menos um casal. – respondeu a loira com o olhar sonhador Mas só quero isso com você ao meu lado! – Mas isso claro será para um futuro próximo. Você ainda quer mais filhos?

- Não havia pensado sobre isso ainda... Mas acho que seria legal Henry ter mais irmãos, pois sou filha única e senti falta de irmãos para compartilhar brincadeiras, brigas e tudo o que o relacionamento entre irmãos tem. – explicou a morena sorrindo Mas eu os quero com você! – Como você disse, quem sabe em um futuro próximo.

Batidas interrompeu a conversa – Sim? – disse Regina Está vendo, se estivéssemos nos beijando como de manhã, seriamos interrompidas novamente. O que há com as pessoas dessa fazenda que adoram interromper as pessoas quando estão beijando?

- Com licença menina Regina... – disse Eugenia abrindo a porta e colocando a cabeça para dentro – Vim avisar que acabei de passar um café fresquinho com bolo... E avisar também que Henry acordou e está lá com sua mãe na varanda.

- Obrigada Eugenia, já estamos indo. – respondeu a Regina sorrindo, e a senhora acenou com a cabeça e saiu fechando a porta novamente. Sem dizer nada, Regina puxou Emma pela gola da camisa xadrez e selou seus lábios com o da loira em um beijo que começou singelo e que aos poucos foi se tornando voluptuoso, cheio de desejo. Mas como tudo que é bom dura pouco, a morena tratou de terminar antes que jogassem gasolina no fogo Credo Regina, achei que agora eu iria me divertir... E ser novamente interrompidas? Não obrigada, estou só aguardando a hora certa de dar o bote na senhorita Swan, a hora que não terá ninguém para nos atrapalhar. Vendo por esse lado, concordo com você!

- Ai café da Bah, vamos antes que Kathryn tome tudo. – brincou Emma respirando pesadamente Ainda bem que ela parou, pois acho que eu não conseguiria me controlar se continuássemos, pois aquele beijo de manhã ainda está impregnado em minha pele. Se levantando, pegou seu chapéu e estendeu a mão livre para a Regina que aceitou prontamente. Caminharam juntas para fora do escritório e foram para a varanda encontrar as outras pessoas.

-SQ-

- Droga! Fiquei duas horas nesse cavalo e nada veio a minha mente ainda sobre o que fazer para acabar com aquele namoro ridículo. – resmungou Lily – Ok Lily, não se descontrole ainda, você logo terá um plano para acabar com tudo e ter Emma novamente para você.

- O que você está dizendo? – comentou Zelena ao chegar por trás montada em seu cavalo.

- Nada minha querida irmã... Apenas pensando! Apenas pensando.

Zelena suspirou cansada – Espero que não seja nada contra Regina e Emma.

- Ai como você pode pensar uma coisa dessas de mim? – questionou Lily fingindo estar indignada.

- Porque eu te conheço estimada irmã. – Zelena respondeu com sarcasmo – Vamos embora? – sugeriu Diz que sim, pelo amor de todas as divindades!

Agora foi a vez de Lily soltar um suspiro cansado – Vamos. – concordou pela primeira vez no dia com a irmã. Sem mais elas continuaram para terminarem a trilha e então poderem voltar para o carro que estava estacionado na frente da casa principal.

-SQ-

- Vocês tem alguma coisa nos contar? – perguntou Cora ao notar as mãos dadas das duas mulheres Não precisam, está estampada na cara de vocês! É oficial, vocês estão namorando!

Emma olhou para Regina – Não temos nada para contar, além do que vocês já sabem. – disse a loira Vocês terão que descobrir, mas acho que está bem claro!

- E essas mãos dadas? – questionou Kathryn em falso tom acusatório.

Regina sorriu maliciosamente – Ora Katy, não foi você mesma que anunciou que nós duas estávamos namorando? Então não temos nada para contar fora o que vocês já sabem. Não insulte minha inteligência, por favor!

Quatro pares de olhos olharam surpresos para as duas mulheres ali ainda paradas em pé perto – Isso quer dizer o que estou pensado? – perguntou Kathryn.

- Não sei o que você está pensando Katy. – brincou a morena – Principalmente se envolver certa morena com mechas vermelhas. – riu ao ver a amiga ficar vermelha Isso! Vamos deixar a Katy vermelha também!

- Agora é oficial? Vocês estão namorando? – quis saber Ruby ansiosa Pelos botões da minha avó digam que sim!

- Eu não diria namorando, mas estamos juntas e vamos explorar o que estamos sentido. – explicou Emma olhando para a morena ao seu lado, então recebeu uma trombada e desabou no chão. Quando percebeu o que estava acontecendo, viu Ruby em cima dela.

- Sua... Sua... – Ruby não sabia o que dizer Amém! Finalmente! – Você merece um soco. – e desferiu o golpe no ombro da amiga – Isso para você nunca mais duvidar dos meus dons de previsão do futuro, pois Mãe Ruby tudo sabe e tudo vê. – riu e deu outro golpe no ombro – Esse significa: Eu te falei! – riu maliciosa – Agora estou esperando suas falas... Não, calma, deixa eu pegar o celular para gravar o que você irá dizer a minha pessoa. – terminou Ruby, tirou o celular e acionou o aplicativo de gravador de voz – Pode começar!

- Ow não precisava me bater sua bruta. – disse Emma sorrindo.

- Não era isso que eu queria ouvir... – comentou Ruby e deu um leve tapa no mesmo ombro da amiga – Vamos começar de novo.

Emma gargalhou – Tudo bem... Mas chega de agressões, sua violenta. – brincou, respirou fundo para voltar a calma e limpou a garganta – Você tinha razão Ruby... Eu estava errada e admito meu erro... – fez uma pequena pausa e Ruby encheu o peito de ar, orgulhosa e olhou para as outras mulheres toda pavão – Você sempre será pior que eu no mano-a-mano. – a loira sorriu maliciosa.

- O que... – ela voltou a olhar sua amiga e quando ia começar a questionar, foi quando percebeu que Emma conseguiu inverter as posições e ficar em cima da morena – Emma!! Isso não é justo! – exclamou ao perceber o que havia acontecido enquanto se esperneava tentando sair debaixo da loira.

 Emma sorrindo se abaixou e abraçou fortemente Ruby e segredou em seu ouvido – Obrigada por tudo minha amiga, minha irmã... E você tinha razão quando falava que minhas brigas com Regina tinha mais coisas por trás. – então se levantou e trouxe juntamente consigo a morena que estava surpresa.

- Também te amo minha irmã! - exclamou Ruby devolvendo o abraço e depois indo sentar-se novamente ao lado de sua loira, depois de pegar o celular que havia ido parar longe.

Regina sorriu para Emma, e as duas foram se sentar na cadeira namoradeira, e Henry aproveitou a oportunidade para sentar no colo da loira – Você eu deixo namorar a minha mãe. – ele disse pegando a todos de surpresa, menos Regina e Cora.

- Fico muito honrada com a sua permissão, garoto. – disse Emma dando um beijo nos cabelos curtos do menino Só falta pedir em casamento, aproveita a oportunidade!

- Mas não se empolguem... – começou a morena mais nova – Nós vamos devagar, nos conhecendo e tudo ao seu tempo. Pequenos passos.

- Não importa, pois já um grande passo vocês assumirem que gostam uma da outra e que querem ter um relacionamento. – completou Kathryn Ai preciso começar a planejar o casamento.

Uma conversa distraída e leve pairou ali entre elas e Henry, enquanto degustavam do café da tarde em um clima agradável para uma tarde que começava a dar sinais que estava terminando.

- Emma, lembrei... – comentou Ruby assim que depositou a caneca em cima da mesa de centro – Preciso terminar de medicar um cavalo, você me ajuda?

- Claro. – respondeu a loira – Assim aproveito para dar uma volta com o Bonitão!

- Você vai brincar com ele? – perguntou Henry interessado.

- Não Henry, dessa vez eu vou apenas levá-lo para um passeio mesmo. – respondeu a loira já se levantando e pegando seu chapéu que estava no chão após a trombada de Ruby.

- Posso ir junto? – pediu animado, então olhou para sua mãe e pediu novamente – Deixa eu ir junto mamãe?

Regina estava receosa, mas Emma se adiantou em acalmá-la - Não terá perigo, o Bonitão estará amarrado e eu o deixo longe do garoto.

- Tudo bem, você pode ir. – concedeu Regina por fim.

- Eba! – gritou ele feliz e pegou o chapéu das mãos da loira e o colocou em sua pequena cabeça – Vamos? – perguntou cheio de ansiedade.

- Você está lindo assim. – disse Kathryn toda cheia de encantos – Deixa eu tirar uma foto de você assim. – tirou o celular do bolso e tirou uma foto de seu afilhado – Mas acho que você deva ir também Regina, assim como eu...

Regina ergueu sua sobrancelha, em um ato característico – Por que?

Ruby apontou para o carro estacionado a frente da casa – Porque Lily ainda está na fazenda. Ela ainda pode querer aprontar alguma coisa.

- Então vão todos juntos. – falou Cora pela primeira vez, se incluindo na conversa.

- E você, mamãe? – quis saber a morena mais nova.

Cora levantou seu livro – Eu ficarei aqui lendo, passear pela fazenda ainda não é o meu forte, mas quem sabe agora durante a semana eu conheça alguma coisa.

- Tudo bem, você vai ficar bem sozinha? – questionou novamente.

- Ficarei bem aqui, não se preocupe. – disse já abrindo o livro e voltando sua atenção a sua leitura.

O caminho para o estábulo foi feito sem maiores problemas, regado a conversas leves e algumas tiradas de sarro entre elas. Ruby de mãos dadas com Kathryn, enquanto Emma de lado tinha sua morena, com suas mãos dadas e dedos entrelaçados e na outra segurava a pequena mão de Henry, que olhava ansioso para chegar logo ao estábulo.

Assim que chegaram à porta do estábulo, Emma percebeu Regina ficar incomodada – Aconteceu algo? – perguntou preocupada.

- Não aconteceu nada, é apenas meu medo de cavalo... – comentou a morena apertando mais forte a mão da loira.

Emma olhou para Ruby, e indicou para que ela pegasse a mão de Henry – Vem aqui comigo Henry. – pediu Kathryn estendendo a sua mão para o menino – Vamos lá dentro ver os cavalos. – sem dizer nada, apenas abrindo um sorriso ele segurou a mão de sua madrinha e os três entraram no celeiro, deixando Emma e Regina para trás.

A loira fez com que a morena se virasse e ficasse de frente para ela e a olhou diretamente nos olhos – Não precisa ter medo, pois ali, todos os cavalos estão presos em suas baias, e eles não irão te atacar... – disse Emma calmamente E eu estou aqui para te proteger! – E eu estarei ao seu lado sempre... – fez uma pausa – Tudo bem?

Regina soltou uma longa respiração – Tudo! – disse segurando novamente apenas uma mão da loira – Vamos entrar? – perguntou com o olhar destemido, Emma sorriu e deu um leve aperto na mão da morena e caminharam para dentro do estábulo.

Regina conseguiu segurar seu medo de cavalos ao perceber que realmente eles estavam presos e que não apresentavam nenhuma ameaça. Sorriu quando viu Henry passando a mão na cabeça de um potro. Seus olhos brilharam ao ver Emma segurar um cavalo enquanto Ruby terminava de passar a medicação no mesmo. E por fim sorriu novamente quando Emma laçou o pescoço do Bonitão e estavam prontos para passear.

Henry estava de mãos dadas com sua mãe, com Ruby e Kathryn ao seu lado e mais a frente Emma ia guiando o cavalo pelo passeio. A loira optou por andar a frente para não ter nenhum problema do cavalo fazer algo repentino e machucar alguém.

 Enquanto ela ia caminhando com o animal, a loira aproveitava para ir conversando com ele, e começando a colocar alguns comandos bem simples para o animal obedecer.

-SQ-

Lily estava andando de volta para seu carro quando ao longe avistou Emma caminhando com o cavalo. Um imenso sorriso surgiu em seus lábios – Agora ela não me escapa... – comentou, mas ela não percebeu as quatro pessoas que vinham atrás. Saiu em disparada sem dar chance para sua irmã segurá-la.

- Droga Lily, isso já passou dos limites! – resmungou Zelena começando a correr atrás da irmã – Vou fazer você passar tanta vergonha agora que não irá querer sair de casa por no mínimo uma semana.

Emma estava distraída com o cavalo, então deu um comando para ele dar a volta ao redor dela, e ao se virar junto viu uma Lily enlouquecida correndo desesperada em sua direção – Ai droga... – murmurou Me deixa em paz ser do além! continuou fazendo a volta e soltou um comando para o cavalo – Pare! – comandou a loira e dessa vez sem pestanejar, o cavalo parou, no mesmo instante que Lily se aproximou e impedindo o caminho dela. A mulher por pouco não colidiu com o cavalo parado a sua frente.

- Sai pangaré! – bradou ela raivosa Agora isso, já não bastasse as pessoas me impedindo, agora tem esse animal. Nesse instante Regina viu o que acontecia e seu sangue ferveu em instantes Mas que maldita! estava pronta para acabar com aquela mulher descarada Eu vou acabar com você, sua sirigaita! quando sentiu uma mão em seu braço a impedindo de se aproximar.

- Calma Regina... – comentou Ruby, que a segurava – Confie em Emma que ela saberá o que fazer, e qualquer coisa nós intervirmos.

- Mas...

- Calma Rê, a Ruby tem razão... – Kathryn também tentou acalmá-la Se eu quero esganar aquele pescoço de frango, imagino a Regina! – Vamos confiar em Emma Vai Loirão, manda esse despacho mal acabado para a lua.

Sem muita opção no momento, Regina apenas segurou mais forte a mão de seu filho para impedi-lo de se aproximar da loira e do enorme cavalo, na opinião da morena e soltou uma longa respiração.

- Ai Lily, por todas as divindades existentes no mundo! Chega de aprontar! Vamos embora! – disse Zelena cansada da corrida atrás da irmã, ao parar do lado das outras mulheres.

Lily tentou passar pela frente do cavalo, mas Emma deu o comando para o cavalo dar alguns passos a frente que prontamente ele atendeu. Então Lily tentou ir por trás, e novamente fora impedida pelo cavalo ao receber o comando de Emma e ir para trás. Tentou dar a volta, mas o cavalo a acompanhou durante todo o movimento.

- Qual é Emma? Você está pior que criança com isso! – exclamou Lily completamente sem paciência.

Uma gargalhada fora ouvida – Criança? Eu? – perguntou surpresa – Você que não está me dando paz, mesmo depois de todos os foras que você levou hoje... Acho que quem está pior que criança aqui é você!

- Eu não aceito que você esteja namorando... – falou Lily raivosa e tentou novamente passar pelo animal, mas Emma novamente deu mais um comando e cavalo obedeceu – Seu pangaré, sai da minha frente. – berrou a plenos pulmões.

Nesse instante o cavalo parou, virou sua cabeça lentamente para a direção da mulher Como é que é? Sua desaforada? Sua expressão era de eu sei muito bem o que você disse, e irei te mostrar quem é o pangaré aqui. Ele lentamente começou a se virar de vez para a mulher morena, que assustada deu alguns passos para trás. Então vagarosamente ele começou a caminhar em sua direção Irei te mostrar quem é pangaré! Sua expressão facial estava fechada. Seu rabo se agitava de um lado a outro. O cavalo soltou uma respiração profunda enquanto seu olhar era focado em Lily.

- Emma... – fraquejou diante da imponente figura do cavalo – Faça alguma coisa.

A loira segurou firme a corda do laço, claro que ela não iria deixar nada acontecer com a mulher, apesar dela merecer. Mas isso serviria para dar um susto bem dado e quem sabe assim Lily a deixar em paz – Estou tentando, mas o cavalo é de opinião forte. – comentou em tom de brincadeira Vamos lá Bonitão, dê um susto bem dado nela! – Pois eu ainda estou domando-o... E não tenho culpa se você o insultou.

- Zelena! – chamou pela irmã enquanto ela dava mais alguns passos para trás – Me ajuda!

A ruiva sorriu maliciosa – Eu não... Você que se enfiou nessa enroscada, que saia dela sozinha, eu cansei de te ajudar por hoje. – disse divertida, mas tinha lá no fundo um pouco de apreensão – E outra, eu que não chego perto de um cavalo bravo como esse.

Apesar de ser séria a cena, ela até que tinha um Q cômico, pois o cavalo continuava andando vagarosamente na direção da mulher que ia andando de costa. Então em um rompante ele acelerou e se aproximou de vez de Lily que assustada praticamente se jogou de costa para se afastar, mas ela não conseguiu manter o equilíbrio, pois tropeçou em um pedaço de tronco no chão e acabou caindo de costas em uma enorme poça de lama que havia se formado com a forte chuva de sexta-feira e mesmo com o tempo bom, não fora o suficiente para secá-la. O cavalo soltou um relincho muito parecido com uma risada e balançando a cabeça Pangaré uma ova. Eu sou alazão! Sou um garanhão! Pangaré é você!

Aquela cena durou apenas alguns segundos, que foi o suficiente para deixar todos em pânico. Depois do desfecho e o único som era do cavalo, sonoras gargalhadas romperam o breve silêncio. O cavalo não contente virou-se e deu uma patada no chão jogando lama na cara da morena que ainda estava dentro da poça de lama. Aquilo fora motivo de mais gargalhadas por parte de todos ali presentes. Então todo satisfeito o cavalo caminhou todo pomposo de volta para o lado de Emma e soltou outro relincho Sou um cavalo árabe galante!

- Juro que seu eu não soubesse que o Spirit era apenas um desenho, eu poderia jurar que você seria a encarnação dele. – comentou Emma passando a mão pela crina e pescoço do animal, que levemente inclinou a cabeça para a loira fazer mais carinho, ainda sorrindo para o que havia visto, então olhou para a mulher na poça de lama – Acho que com isso você aprendeu a nunca chamar um cavalo bravo de pangaré. – riu novamente.

- Argh que raiva! – vociferou Lily se levantando da poça toda suja – Eu vou acabar com vocês... Todos vocês!

Kathryn sorriu maliciosa – Só se for na briga na lama. – soltou mais uma risada – Mas eu duvido, pois temos ótimas competidoras de briga na lama!

- Vocês todos vão me pagar!

Zelena se aproximou da irmã – Você não irá acabar com ninguém, muito menos hoje. – disse em um tom extremamente sério – Agora sem reclamar, nós vamos voltar para casa.

 - Eu não vou voltar para casa antes de dar uma lição nelas. – disse ao se aproximar da irmã e olhando para todos ali com ódio no olhar.

Respirando profundamente Zelena segurou bem forte a orelha da irmã e começou a arrastá-la de volta para o carro – Nós vamos embora e não tem discussão! E se precisar te arrastar pela perna, ou mesmo te amarrar, eu não hesitarei em fazê-lo. – falou enquanto ia andando – Pessoal, desculpem pelos modos de minha irmã e suas confusões... Um bom fim de tarde a todos. – foi dizendo sem parar de andar ou menos ainda sem soltar a orelha da irmã que ia reclamando de dor e tentando se soltar, mas inutilmente. Zelena fingia que não ouvia e continuou segurando forte e praticamente arrastava a irmã.

Gargalhadas eram ouvidas mesmo depois que as duas irmãs já não estavam mais presentes no local. Viram o sol começar a se por, e com apenas troca de olhares, concordaram que estava na hora de levar o Bonitão de volta para o estábulo. Assim que ele fora colocado em sua baia novamente, Emma o presenteou com muitas cenouras, laranjas e beterrabas.

- Hoje você mereceu esse prêmio, Bonitão. – murmurou a loira passando a mão pelo nariz do animal – Obrigada pela ajuda. – sem mais ela saiu e trancou o estábulo. Emma juntou-se as pessoas que estavam esperando por ela do lado de fora, entrelaçou seus dedos com os de Regina. Henry reclamou de canseira, e foi prontamente para o colo da loira, enquanto ao lado deles estavam Ruby e Kathryn também de mãos dadas e caminhando na direção da casa principal.

 


Notas Finais


Lily não desiste, parece que não aprende! Kkkkk Cora já bolando o plano para tirar os esqueletos do armário do passado de Robin, e Lily entrou na dança também! Emma e Regina conversando abertamente e mesmo que não tenha ocorrido um pedido oficial de namoro, já podemos comemorar que elas estão juntas e estão indo no caminho certo! Momento fofura em família hahaha E mais uma vez Lily tenta algo e sai frustrada kkkk ...

Bom, domingo acabando, agora só falta a parte da noite! huhuhu
Alguém percebeu a sutil mudança nas roupas de Regina? kkkk Quando ela menos esperar estará usando o modelito country kkkkkk

Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...