História Storybrooke - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Henry Mills, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma, Regina, Romance
Visualizações 247
Palavras 7.438
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vamos para mais um capítulo!!

Capítulo 24 - Capítulo 24


- Boa tarde. – cumprimentou Emma ao tirar o chapéu e avistar a mesma atendente da manhã.

- Senhorita Swan... – começou a mulher – O senhor Brownstone a está esperando.

- Obrigada. – agradeceu e seguiu para o elevador – Senhor Brownstone? – bateu levemente a porta assim que o elevador parou no andar da sala do senhor.

- Entre, está aberta. – veio a abafada resposta.

Emma sem pressa abriu a porta e entrou. Viu o senhor debruçado sobre um mapa e já fazia algumas anotações em um pequeno caderno de mão. Em cima do mapa havia algumas plantas de construções.

- Senhor Brownstone! – chamou a loira ao se aproximar da mesa que o senhor estava debruçado e anotando em seu caderno.

- Senhorita Swan, mil perdões por hoje de manhã... – disse assim que escutou a voz o chamando ao se virar e ver Emma ali – Mas infelizmente tive que fazer uma viagem de emergência, pois minha filha está doente, mas agora estou aqui e vamos aos negócios.

A loira sorriu – Espero que sua filha esteja melhor. – comentou ao se aproximar e ver que ele estava estudando o mapa da fazenda e as plantas das construções existentes.

- Ah sim, é apenas um leve resfriado, o qual ela já fora medicada e a mãe ficou para auxiliá-la caso piore. – respondeu.

- Fico feliz em ouvir isso. – comentou a loira – Bom, como o senhor disse vamos aos negócios e vejo que o senhor já se adiantou... A que conclusão chegou?

O senhor voltou a olhar para o mapa – Pelo menos através do mapa vejo que a fazenda adquirida não tem muitas depressões, e o solo provavelmente deva ser parecido com o do Vale dos Sonhos...

Emma concordou com a cabeça – E quantas as construções que comentei com o senhor? São viáveis? – quis saber.

- Menina, é uma pena que você só pense em cavalos e fazendas... – brincou o senhor – Pois se fosse engenheira com certeza teria uma vaga aqui para você, pois as suas ideias são ótimas, e pelo projeto das construções anteriores poderemos ampliar o Bosque com muita certeza, assim como fazer uma área maior da parte verde, assim como também podemos até fazer uma pousada um pouco maior a qual você me disse, claro se você quiser. – respondeu o senhor.

- Perfeito. – comemorou a loira – Você teria algumas plantas das possíveis construções? Pois eu só administro a fazenda, mas nessa parte a dona precisa dar o aval final e ela quer dar uma olhada.

- Emma, minha querida, enquanto você tem as ideias maravilhosas, eu as construo... – o senhor sorriu – Aqui estão todas as plantas e os relatórios descrevendo cada detalhe, assim como o orçamento da obra com tudo incluso, mão de obra, material, e as formas de pagamento.

- Muito bom... – fez uma pausa ao olhar tudo o que ele comentou - Caso ela aprove, quanto tempo o senhor acha que pode começar o projeto de ampliação sem atrapalhar o andamento da fazenda? – quis saber Emma novamente, por mais que ela precise ampliar, isso não pode atrapalhar no andamento das coisas na fazenda.

- Estamos no meio do mês... – comentou ele olhando para o calendário em cima de sua mesa – Início do mês que vem já poderemos começar.

- O senhor será responsável por orientar e supervisionar as obras, sim? – mais uma pergunta.

O senhor deu uma respirada funda – Sim, eu serei o principal responsável, mas minha filha também se responsabilizará... – Emma o olhou interrogativamente – A idade um dia chega, e preciso começar a deixar minha filha comandar os negócios, mas não se preocupe eu serei o responsável principal. Ela será mais presente o que eu.

Emma sorriu para o senhor – Entendo... Não me preocupo, pois sei que sua filha fará um trabalho excelente assim como o seu.   

- Disso eu não tenho dúvida. – comentou e se aproximou de seu mini bar - Aceita uma bebida?

- Uísque, pode ser? – pediu a loira – Qual a previsão para o término das obras?

- Com todo prazer. – disse ao colocar a bebida âmbar no copo e entregar a loira já tomando um gole da bebida – De seis meses a um ano. – respondeu o senhor já bebericando sua bebida.

- É um tempo um pouco amplo, mas entendo que são muitas coisas e não se pode apressar nada para não atrapalhar o andamento da fazenda. – comentou Emma terminando sua bebida. Então olhou para o relógio e viu que sua reunião já havia se estendido mais do que desejava – Bom, senhor Borwnstone, irei discutir com a senhorita Mills sobre o projeto e o orçamento, e assim que tiver uma resposta eu entro em contato com o senhor e combinamos para começarmos o mais rápido possível as obras. – disse a loira depositando o copo em cima da bancada o mini bar e indo em direção da porta.

- Sim, por favor, faça isso. – comentou ao estender sua mão para cumprimentar a loira – Tenha uma boa noite.

- O senhor também. – falou Emma ao soltar a mão do senhor e seguir para o elevador. Assim que chegou rua, viu que o sol já havia se posto – Ai droga, não quero pegar estrada a noite. – tirou seu celular do bolso e digitou uma mensagem para Ruby avisando que dormiria em Boston, para evitar pegar estrada a noite, e pediu para avisar todo mundo, inclusive Regina. Emma soltou uma grande respiração – Preciso procurar um hotel para ficar... – quando abriu a tela novamente do seu celular se lembrou de Kathryn, procurou por seu contato e ligou.

- Emma? – veio a voz do outro lado da linha depois do quinto toque – Está tudo bem?

- Sim, não se preocupe, está tudo bem sim. – ela respondeu – Kathryn, a oferta do quarto de hospede ainda está de pé? – perguntou envergonhada.

- Claro. Pode vir que já estou em casa, vou te mandar o endereço. – ela respondeu – Até daqui a pouco! – desligou e segundos depois o celular de Emma apitou com a mensagem contendo o endereço da loira.

-SQ-

- Emma, entre e fique a vontade. – pediu Kathryn assim que abriu a porta para loira – Coube a pick-up na vaga do meu carro no estacionamento do prédio?

Emma entrou sem pressa – Coube Kathryn, muito obrigada! Tem certeza que seu carro pode ficar na rua?

- Claro. Eu tenho seguro caso roubem, mas o prédio tem porteiro vinte e quatro horas, então não se preocupe. – disse a outra loira – Quer tomar um banho? Você já jantou?

- Eu gostaria de um banho sim, mas eu não trouxe nada para isso, pois não era minha intenção passar a noite em Boston. – comentou a loira colocando o chapéu em cima de uma mesa no canto, juntamente com o seu celular e as chaves da pick-up Cara, eu to pregada! Um banho quente viria bem a calhar! E com certeza uma cerveja ajudaria!

- Isso é o de menos. – disse indo em seu quarto arrumar uma calça de agasalho e uma camiseta para Emma usar depois do banho – Ainda bem que não joguei fora as roupas do Malcon, pois Emma não ficaria confortável em uma das minhas camisolas. – riu do pensamento. Assim que achou as roupas as levou para o banheiro, juntamente com uma toalha limpa e retornou a sala e Emma estava na janela olhando a vista da cidade – Coloquei uma calça de agasalho e uma camiseta, juntamente com uma toalha para você no banheiro, fique a vontade para quando quiser tomar seu banho. – parou ao lado da loira e também ficou olhando a vista da cidade – É linda, não?

- Muito. – respondeu a loira hipnotizada – Talvez essa seja a única coisa que sinto falta lá na fazenda, a vista noturna que a cidade tem.

- Essa vista foi o motivo que me fez ficar com esse apartamento. – comentou a loira, então voltou sua atenção a loira ao seu lado – Você já jantou?

Emma ia responder, mas seu estômago fora mais rápido fazendo um barulho de reclamação Muito obrigada estômago traíra! – Acho que meu estômago já respondeu por mim. – brincou a loira envergonhada.

 Kathryn soltou uma gargalhada – Não precisa se envergonhar, eu também não jantei... – fez uma pausa – Pizza ou comida chinesa?

Os olhos de Emma brilharam ao se virar para a outra loira – Pizza! – respondeu sem pestanejar – Vou tomar o banho, o dia hoje foi longo.

- Eu aproveito para pedir a pizza, algum sabor em especial? – perguntou já pegando o cardápio da pizzaria que geralmente fazia o pedido.

- Algo que não tenho muito coisa verde por cima. – respondeu ao fechar a porta do banheiro.

Kathryn sorriu e pegou seu celular para fazer o pedido da pizza, e viu uma mensagem de Regina de duas horas atrás.

6:05 pm: Emma entrou em contato com você? Ruby me disse que ela iria passar a noite em Boston.

Você não era assim Regina, mas estou gostando de ver você toda preocupada pela Loirão como diria a Rubs... Ai que saudades daquela doida! A loira digitou a resposta para logo em seguida ligar na pizzaria e fazer seu pedido. Assim que terminou, desligou o celular e foi sentar-se em sua cadeira de frente para a vista que Emma estava agora a pouco hipnotizada.

-SQ-

Regina estava que não se aguentava de agonia, pois nem Kathryn respondia sua mensagem e nem Ruby sabia mais nada de sua loira. Nessa aflição toda, não passou pela cabeça de Regina pedir o número da loira. Então seu celular apitou ao receber nova mensagem.

8:17 pm: Emma está aqui comigo. Está no banho, e depois vamos jantar. Parece que ela teve um contratempo na construtora, mas amanhã ela volta para a fazenda. Se acalme.

Após terminar de ler e reler algumas vezes a mensagem de sua amiga, um peso saiu de seu coração – Bom, amanhã eu puxo a orelha dela. – comentou ao colocar o celular de volta a mesa de centro.

- Notícias de sua namorada? – perguntou Cora ao ver a aflição de sua filha sumir.

Regina soltou uma grande respiração – Sim, ela está lá na Katy, parece que teve um contratempo na construtora.

- Menos mal. – respondeu Cora ao voltar sua atenção para seu livro – Bom, isso que sirva de lição para vocês, pois na próxima vez que se encontrarem peguem o número uma da outra para vocês não ficarem nessa gastura toda. – a mulher sorriu de lado ao ver a expressão da filha Você realmente gosta dessa mulher, pois só te vi assim com relação ao seu filho.

Mais uma vez Regina soltou uma longa respiração – Porque eu não pensei nisso antes. – murmurou É ponto para sua mãe! Mente má! Ué Regina, ela tem razão! – Bom, vou me recolher, e aproveito passo no quarto do Henry para dar um beijo. – fez uma pausa – Boa noite, mamãe!

- Boa noite minha filha! – desejou a mulher mais velha – Daqui a pouco eu subo também.

Sem dizer mais nada, Regina deu um beijo na bochecha de sua mãe e se encaminhou para a escada, seguindo para o quarto do filho, o qual já estava dormindo profundamente. Ela deu um beijo em sua cabeça, ajeitou as cobertas, apagou as luzes, saiu e fechou a porta do quarto e foi para o seu.

-SQ-

Emma voltou para a sala no mesmo momento em que o entregador tocou a campainha. Kathryn se levantou, pegou o dinheiro, pagou pela pizza e trouxe para a cozinha, juntamente com meia dúzia de cervejas, e fez sinal para que Emma a acompanhasse Cerveja! Você leu a minha mente Kathryn!

- Sei que você não queria nada verde sobre a pizza, então pedi os sabores tradicionais, e não me disse nada sobre cerveja. – brincou a loira ao colocar a pizza e as cervejas sobre a bancada – Espero que seja a cerveja que você goste.

- É cerveja? – perguntou ao se sentar no banquinho e Kathryn confirmou com a cabeça – Então eu gosto. – brincou por fim já abrindo uma e dando um grande gole no líquido amarelado Era tudo que precisava para terminar o dia. – fez uma pausa e pegou um pedaço de pizza com a mão mesmo e deu uma mordida – Pizza e cerveja. Sinceramente não tem combinação melhor que essa!– comentou assim que terminou de engolir o pedaço que estava mastigando – Muito obrigada por me deixar passar a noite aqui, Kathryn.

- Não precisa agradecer Emma. – comentou Kathryn abrindo sua cerveja, após colocar o seu pedaço de pizza no prato – Com você e Regina namorando, somos praticamente da família.

- Eu e Regina, e você com Ruby. – completou a loira após outra mordida na pizza Rá achou que eu iria esquecer? Não não... Eu ainda irei atrapalhar vocês em um momento mais íntimo! Isso Emma, nossa vingança ainda será maligna! Sim, mente! – Afinal Rubs é como uma irmã para mim.

- Um brinde a nossa família. – propôs Kathryn levantando sua long neck.

Emma tocou levemente o gargalo de sua garrafa com a de Kathryn – A nossa família. – brindou e tomou um grande gole da bebida seguida por Kathryn Ai eu realmente precisa de uma cerveja! Comeram em um clima leve com uma conversa descontraída até que terminaram e foram se sentar na sala, mais especificamente nas cadeiras na janela que tinha a vista da cidade.

- Você achou a livraria? – perguntou Kathryn curiosa – O que você comprou lá? Ai desculpa, mas as vezes a minha curiosidade fala mais alta.

Emma sorriu ao terminar a sua última long neck e colocar a garrafinha no chão e se acomodou melhor na cadeira – Achei sim, aliás, obrigada pela informação. – fez uma pausa – Não comprei nada demais, apenas queria achar o livro do Henry que aquele boçal rasgou.

- Você achou? – quis saber a loira ainda olhando para a vista.

- Achei... E aproveitei para comprar mais alguns livros para o garoto. – soltou por fim Emma – Achei alguns que ele não tem e comprei.

Kathryn riu e voltou sua atenção para a mulher ao seu lado Ela realmente ama o Henry como filho dela! – Como você sabe que ele não tem esses livros que você comprou?

Emma finalmente conseguiu tirar sua atenção da vista e olhar para a sua nova amiga – Eu tirei uma foto da prateleira de livros dele ontem quando me mostrou o quarto, e toda hora eu olhava para ver se ele tinha o livro ou não. – fez uma pausa Ainda bem que tirei a foto, pois eu não iria conseguir me lembrar de todos os títulos que ele já tem! – Assim eu comprei livros que ele não tem. – sorriu triunfal.

- Você não existe Emma. – brincou a loira mais baixa.

- Muito pelo contrário, eu existo, mas para sorte de vocês mulheres, sou apenas uma e meu coração já está ocupado pela morena mais linda desse mundo. – falou Emma toda apaixonada Sério, onde você tirar essas falas? Foi de algum livro de cantadas baratas! – Porque se não estivesse ocupado, eu seria a perdição de vocês. – brincou no final, fazendo Kathryn gargalhar.

- Ainda bem que eu não gosto de loira... - retrucou Kathryn brincalhona Preciso perguntar de onde ela tira essas frases! – Loira já basta a minha pessoa. – gargalharam.

- Acho que vou me recolher, você se importa Kathryn? – perguntou Emma ao bocejar Eu literalmente irei capotar na cama! Espero sonhar com a minha morena! – Afinal amanhã tenho uma dona onça e uma oncinha para enfrentar quando chegar. – brincou.

Mais uma gargalhada fora ouvida – Dona onça e oncinha, essa foi boa... – fez uma pausa para recuperar o fôlego – Claro que não me importo, o seu quarto já está arrumado, é só você deitar.

- Então boa noite Kathryn. – desejou a loira, passou perto de seu chapéu e pegou seu celular – Você se importa se eu levantar cedo amanhã? Tenho que chegar cedo na fazenda.

- Claro que não. – respondeu a loira – Caso que não consiga acordar tão cedo Emma, faça uma boa viagem e quando vier para Boston, saiba que sempre pode ficar aqui em casa.

- Obrigada. – agradeceu e se virou – Boa noite. – e foi para o quarto.

Kathryn ficou mais alguns minutos ali olhando a vista da cidade até que finalmente o sono a venceu e ela foi para seu quarto dormir.

-SQ-

Emma desceu da pick-up e se alongou – Gente, isso porque eu dormi muito bem ontem na casa da Kathryn, mas viagem assim quebra qualquer um. – fechou a porta e foi para marcenaria do velho Giuseppe Primeiro compromisso do dia!

- Bom dia, pequena Emma. – cumprimentou o senhor – Em que posso ser útil?

- Bom dia Giuseppe. – ela se aproximou do balcão e tirou a “planta” da casinha da árvore e mostrou para o senhor – Bom, eu preciso de material para reformar a casinha da árvore lá na fazenda para o pequeno Henry.

O senhor deu uma risada ao ver o papel com letra de criança e todo riscado de giz de cera – Essa é a “planta” do projeto?

- Sim, pois Henry é meu ajudante e ele que anotou tudo que eu ia falando. – disse Emma orgulhosa – Mas eu sei exatamente o que precisamos também.

- Isso me lembrou quando George e o velho Henry apareceram aqui a vinte e cinco anos atrás com o mesmo tipo de planta para uma casinha na árvore para uma menina loira e outra morena que haviam acabado de chegar para morar em definitivo na fazenda. – comentou o senhor saudosista.

Emma sorriu ao se lembrar de quando seu pai e o velho Henry decidiram construir uma casinha e todas as brigas que aconteceram – Hoje eu venho por causa de um garoto que roubou meu coração, assim como a mãe dele.

- Então não podemos deixar esse garoto decepcionado... – fez uma pausa para pegar seu bloco de notas – Então do que você precisa?

- Bom vamos lá... – começou falando tudo que iria fazer na casinha e dando as medidas e quantidades de madeira que precisaria, vez ou outra Giuseppe dava uma dica para melhorar a sustentação ou mesmo na fixação da madeira – Então eu venho buscar na sexta as madeiras.

- Sem problema, até sexta eu já terei tudo que você precisa em madeira para a reforma da casinha. – disse o senhor – Até sexta!

- Até sexta. – se despediu Emma e foi para a pick-up saindo em seguida e indo direto para a fazenda – Ai que saudades de você, morena. – murmurou a loira.

Ao estacionar e desligar a pick-up foi o tempo de descer do veículo que a porta da frente da casa se abriu e um vulto moreno passou correndo em direção a pessoa que havia chegado. Emma acelerou alguns passos para se encontrar no meio do caminho com Regina que quando se aproximou, ela literalmente se jogou nos braços da loira.

Emma a recebeu e abraçou fortemente dando um breve rodopio completo e parando de frente para a casa novamente, ainda sustentando a morena fora do chão Que saudades eu senti de você! Ai você não tem a mínima noção do quanto! suas mentes pensaram ao mesmo tempo. Devagar Emma colocou Reina de volta no chão. Imensos sorrisos adornavam seus lábios. Os rostos iam aos poucos se aproximando, os narizes se tocando. Respirações se misturando e o leve roçar dos lábios unidos. O beijo era casto cheio de saudade. Sim! A língua da loira passou pelos lábios da morena pedindo passagem. Regina prontamente atendeu ao pedido e quando suas línguas se encontraram um tremor percorreu ambos os corpos Saudades desses lábios. Desse perfume! Uma excitação se apoderou das duas mulheres que o beijo criou vida e a cada investida dos lábios ele se tornava ávido por mais. Cada investida era carregado com uma sensação. Desejo, volúpia, saudade, um gosto de quero mais sempre. Encostaram suas testas quando o ar faltou. Suas respirações pesadas, o peito arfando com o beijo. Sorrisos bobos nos lábios inchados devido ao ardente beijo Não, não para, vamos continuar nos beijando! Ficamos mais de um dia sem nos beijar, fora todos esse anos em que não nos conhecíamos!

- Estava morrendo de saudades de você, morena. – comentou Emma puxando uma grande quantidade de ar, trazendo com ele o perfume de Regina e a calma que ele proporciona em seu corpo Esse perfume me enlouquece!

- Eu também estava com muitas saudades de você, minha loira abusada. – falou Regina e a abraçou novamente, envolvendo seus braços ao redor do pescoço alvo da mulher mais alta e enterrando seu rosto ali Saudades desses braços em torno de mim, dessa segurança e de seus beijos.

- Eu também estava com saudades de você! – veio a abafada voz de Regina. Ficaram ali abraçadas por alguns minutos apenas sentindo a presença da outra. Regina foi a primeira a quebrar o abraço ao se afastar um pouco e encarar aqueles olhos verdes – Nunca mais faça isso comigo! – exclamou dando leves tapas nos dois ombros da loira Selvagem! Adoro! – Eu quase morri de preocupação, pois você falou que vinha ontem e chegou somente hoje.

A loira soltava alguns risos e segurou as mãos que a estavam batendo Quero ver toda essa selvageria na cama! Quero mostrar todos os meus truques de domadora! – Eu não tive escolha, e a culpa não foi minha... – disse calma e depositou um beijo nos lábios da morena Você com certeza não irá resistir e será domada! – O senhor Brownstone, dono da construtora teve um viagem de urgência por causa da filha que estuda fora e estava doente, e remarcou meu horário para o final da tarde, enquanto discutíamos sobre o projeto de reforma eu não percebi que o dia já havia acabado... – fez uma pausa – Achei prudente não pegar a estrada a noite, principalmente porque eu já havia acordado cedo e queria evitar dormir ao volante. Acabei aceitando a oferta de Kathryn e dormir lá no quarto de hóspedes dela. – Emma terminou e olhou fundo no par de olhos castanhos – Você me perdoa? Se não perdoar, terei que usar meus truques para que você me perdoe.

Regina passou os braços ao redor da cintura da loira e depositou sua cabeça sobre o peito da mesma – Claro que eu perdoo, mas só se você não fizer mais isso. – sorriu por fim.

Emma sorriu passando seus braços ao redor da morena e a apertando levemente – Tentarei não fazer mais isso. – beijou o topo da cabeça que estava aninhada em seu peito Não foi dessa vez que você vera meus truques! – Hey morena... – Emma quebrou o silêncio – Queria poder ficar aqui o resto do dia assim, mas eu preciso descarregar a pick-up e correr para a reunião, a qual eu já estou mais que atrasada.

- Almoça comigo? – perguntou a morena ao levantar a cabeça do peito de Emma Fala que sim!

A loira deu um leve beijo nos lábios de Regina – Podemos jantar? Meu dia hoje vai ser corrido... Não sei se terei tempo hábil para fazer uma almoço decente. – fez uma pausa – Assim eu aproveito com calma a sua companhia e de Henry, o qual também estou morrendo de saudades. – sorriu.

Regina abriu um imenso sorriso – Perfeito. – deu um beijo na loira – Te espero para o jantar. – soltou de vez do abraço, deu mais um beijo na loira – Agora vá resolver suas tarefas... Antes que eu te agarre e te arraste até o quarto, já que não consigo parar te beijar! Até mais tarde!

- Até mais tarde! – Emma deu mais um beijo nos lábios da morena e entrou na pick-up e partiu em direção a ala leste para deixar as selas feitas sob medidas e as outras coisas que a equipe precisava, e o resto deixaria no celeiro principal, então finalmente iria para a reunião.

Regina voltava para a casa e sentou-se ao lado de Cora que estava na cadeira de balaço lendo seu livro calmamente – Ai o jovem amor... Não tem nada que se possa comparar! – brincou a morena mais velha ao ver a cara de apaixonada da filha.

- Amor não tem idade minha mãe! – comentou Regina olhando a vista da fazenda.

Cora soltou uma risada – Você tem razão minha filha, realmente o amor não tem idade. – concordou voltando sua atenção para seu livro.

- Você não pensa em arrumar outro amor? – veio a pergunta de Regina depois de ficarem algum tempo em silêncio.

A mulher mais velha soltou uma respiração longa – Eu amei muito seu pai, Regina... Mesmo quando nos separamos eu ainda o amava muito... – fez uma pausa – Mesmo depois de todos esses anos separados, eu não deixei de amá-lo.

- Então porque vocês não conversaram ou se acertaram? – quis saber.

- Nós acabamos nos acertando de certa forma... – começou Cora – Por mais que eu o amasse, eu não aceitaria voltar a morar aqui nessa cidade... Esse não era o meu sonho, mas o dele. Tanto que ele me ajudou a realizar o meu que era sair daqui dessa cidade, e quando chegou a vez realizar o sonho dele, eu não o impedi, pelo contrário, dei a liberdade que ele precisava para realizá-lo... Por mais que isso me rasgasse por dentro por saber que eu não o teria ao meu lado e nem eu estaria ao lado dele... – fez uma pausa e limpou a pequena lágrima que escorreu por seu rosto – Por isso eu não sei se estou pronta para deixar seu pai partir das minhas memórias e se entregar a um novo amor.

Sem dizer uma palavra Regina abraçou fortemente sua mãe – Eu te amo. – disse a morena mais nova – E agradeço por você me apoiar nesse momento...

- Eu também te amo, minha filha... Mesmo que de um jeito torto eu sempre te apoiei. – beijou o rosto da filha.

Regina sorriu – Só mais uma pergunta... – fez uma pausa e Cora deixou que ela continuasse – Você não se importa de eu estar em um relacionamento com uma mulher? Por favor, diz que não!

Cora sorriu abertamente – Regina, minha filha, eu me importo é com a sua felicidade, e se ela vem através do amor de um homem ou do amor de uma mulher para mim não tem diferença, contanto que esse amor te faça feliz... – fez uma pausa Como está fazendo! – Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade retrógrada que vem arrastando por séculos somente um padrão de amor, o qual eles julgam ser o certo... Sei que não será somente flores nos caminho de vocês... Vocês ainda enfrentarão a ignorância de muita gente, mas saiba que eu sempre estarei ao seu lado te apoiando.

Mais uma vez sem palavras para descrever o que estava sentindo Regina apenas abraçou fortemente sua mãe, que correspondeu ao abraço. Depois que terminou o abraço, elas ficaram ali mais um tempo conversando sobre tudo e sobre nada.

-SQ-

Kathryn estava concentrada no estudo do seu caso quando foi interrompida por batidas na porta – Entre. – disse em tirar a atenção dos papéis.

- Kathryn, você tem um minuto? – perguntou Robin ao colocar a cabeça para dentro da sala O que será que esse projeto de homem quer?

A loira levou os olhos dos papéis que estava lendo – Claro, Robin, entre e sente-se. – disse se sentando melhor na cadeira para olhar bem para o homem a sua frente – Em que posso ajudá-lo? Ou melhor em que posso arruiná-lo?

Robin entrou e se sentou na cadeira – Ontem eu escutei algumas conversas entre os funcionários...

- Ora Robin, agora você deu para escutar fofocas que os funcionários fazem. – brincou Kathryn sarcasticamente Pior que maricotinha fofoqueira!

O homem ficou vermelho de raiva Fique calmo, Robin! – Não é nada disso Kathryn! – falou tentando manter a calma – Eu estava passando para ir para minha sala e acabei escutando, foi isso.

Kathryn estava segurando a risada – Bom, o que foi que você escutou para chamar tanto assim a sua atenção enquanto ia para sua sala?

- Bom, eu escutei algo sobre aquela loira ter aparecido aqui, isso é verdade? – perguntou por fim Robin, não se contendo em curiosidade.

Kathryn olhou para o homem Será Emma que ele está falando? Com certeza sim, mas vamos fingir não saber de nada! – Bem, você terá que ser mais específico, pois ontem vieram muitas loiras aqui...

- Estou falando daquela loira que cuida da fazenda de Regina...

A loira sorriu abertamente – Ah, você está dizendo da Emma? – interrompeu o homem.

- Essa mesma!

Kathryn sorriu mais um pouco Se corroa de raiva e inveja Robin! – Ela veio aqui sim, veio pegar umas encomendas para a fazenda e aproveitou para dar um pulinho aqui e almoçamos juntas.

- Entendi... Agora vocês estão amiguinhas, é isso? – perguntou inconformado Inacreditável!

- Praticamente somos família agora. – respondeu ela travessamente. Os olhos de Robin se arregalaram – Pois eu estou de rolo com a irmã dela, a Ruby. Você chegou a conhecê-la?

- Ah sim sim, conheci. – mentiu ele descaradamente – Uma moça muito simpática.

Os olhos de Kathryn riam silenciosamente Não sabe nem mentir! – Foi só isso que você ouviu? Que Emma veio aqui?

- Não! – falou rapidamente se denunciando, então limpou a garganta e respirou fundo – Não foi só isso... Escutei também eles falando algo que me deixou um pouco preocupado, afinal colocaram um par de chifres na minha cabeça.

- É? O que seria? – perguntou zombeteira Infelizmente não colocaram nada nessa caixa d’água que você chama de cabeça, porque Regina sabe respeitar, diferente de você que eu aposto que aquela mulher que te ligou na sexta é sua amante! Eu irei descobrir, não se preocupe.

- Estão espalhando por ai que Regina e eu terminamos nosso noivado.

Kathryn sorriu de lado – Mas isso não é verdade?

- Não, apenas demos um tempo. – respondeu ele convicto Descarado! – Estamos apenas dando um tempo, mas nosso noivado ainda existe.

- Mas você falou em par de chifres. – comentou a loira Existe uma ova, ele acabou e só você que não quer admitir.

- Ah sim, além de espalhar que terminamos nosso noivado, ainda estão dizendo que ela está namorando essa loira barraqueira que cuida da fazenda. – ele disse e em seu tom de voz podia-se perceber a raiva contida – Isso é verdade? Era o que me faltava Regina virando sapatão!

Kathryn soltou uma respiração longa – Robin, eu não sei te dizer com precisão quanto a isso porque Regina não conversou nada comigo sobre isso... Então ficarei te devendo se é verdade ou não. – fez uma pausa – Mas se ela estiver namorando a Emma, eu fico muito feliz, pois Emma é uma ótima pessoa.

O rosto de Robin se avermelhou instantaneamente – Mas ainda somos noivos, tivemos apenas um desentendimento, e estamos separados.

- Ao meu ver, estando separados quer dizer livres, e livres quer dizer que se pode namorar quem quiser. – alfinetou a loira Machista preconceituoso.

- Isso é inadmissível! – se exasperou o homem se levantando – Regina é minha noiva e ela não pode estar namorando ninguém.

- Se você for se exaltar, peço que você se retire. – disse Kathryn firmemente Não irei aturar suas grosserias. – E como disse, se ela estiver namorando, fico muito feliz com isso. – deu ênfase a condição do pronome – Agora chega de falar disso, tenho muita coisa para fazer, se me der licença, tenho que voltar a estudar o meu caso. – disse erguendo os papéis que estava lendo.

Sem dizer mais nenhuma palavra Robin se levantou e saiu apressadamente da sala e se trancando em sua própria sala. Pegou seu celular e digitou algumas mensagens para Cora – Se realmente Regina estiver namorando aquela loira, elas irão me pagar muito caro... Isso não ficará assim, Regina eu te terei de voltar a qualquer custo. – falou para si mesmo e colocou o celular sobre sua mesa e ficou pensativo.

-SQ-

- Mas é hoje que esse celular não vai parar... – brincou Cora ao escutar vários apitos de mensagens chegando – Deixa eu ver quem está morrendo para me mandar tantas mensagens assim. – comentou e pegou seu celular e destravou a tela de proteção – Humm mensagens de Robin e de Kathryn... Vamos ver o que Robin mandou...

10:13 am: Cora, você ficou sabendo da última? Acho que Regina está ficando louca... Fiquei sabendo que ela está namorando a tal Emma da fazenda.

10:15 am: Ainda por cima estou passando como corno aqui no escritório... Você pretende tomar alguma providência quanto a esse boato sobre Regina?

10:17 am: Essa pouco vergonha não pode continuar... Ela vai levar seu nome e o meu para a lama, se esses boatos forem verdades.

10:18 am: Só me diz que posso contar com sua ajuda para ter Regina de volta.

- Nossa senhor Hood Gold, como você está desesperado... – sorriu maliciosamente – Será porque está se passando por chifrudo ou por que minha filha está namorando uma mulher? Ou seriam as duas coisas? – fez uma pausa – Vou dar corda para ele se enrolar, fingirei que não aceito o namoro de Regina e ver o que ele faz.

10:29 am: Calma Robin, não se desespere... Irei apurar os boatos sobre esse namoro... Eu também não aceitarei minha filha se dando ao desfrute com uma mulher, onde já se viu uma coisa dessas... Sim, eu o ajudarei a reconquistar minha filha. – digitou e enviou a mensagem – Agora é só aguardar... Vamos ver o que ele fará... Agora vamos ver as mensagens da Kathryn.

10:14 am: Cora, Robin está possesso, descobriu que Emma e Regina estão namorando, veio me perguntar como quem não quer nada, mas eu também fingi que não sei de nada e o deixei na dúvida... Ele está firme no propósito que eles deram um tempo no noivado, mas tenho quase certeza que ele tentará se reaproximar de um jeito ou de outro. Temos que ficar atentas quanto a isso!

Cora riu – Parabéns Kathryn!! – exclamou a mulher feliz – Esse Robin não saberá de onde veio a pancada. – comentou e digitou a resposta para a loira.

 10:36 am: Muito bem Kathryn, você fez o certo. Ele já veio se lamentar comigo e tentar me envenenar, mas eu fingirei que estou do lado dele e vou dar corda para ele se enforcar. Qualquer notícia me avise! – colocou o celular de volta em cima da mesa e voltou sua atenção ao seu livro novamente.

-SQ-

O dia havia sido corrido para Emma. Ela havia resolvido todas as pendências das reuniões, assim como distribuído o material que havia encomendado. No meio da tarde ela havia deixado a pasta com os projetos de ampliação e construção juntamente com o orçamento e tudo que Brownstone havia colocado ali nas mãos de Regina, que olharia com mais calma amanhã e depois elas discutiriam sobre o mesmo. Agora ela havia tomado um banho e estava pronta para ir para a casa principal jantar com Regina e Henry.

- Pai, estou indo jantar com a Regina e Henry, mais tarde estou de volta. – anunciou assim que passou pela sala para pegar a sacola da livraria Um jantar em família.

- Bom jantar, até mais tarde. – disse ele sorrindo ao ver a filha sair pela porta, então voltou sua atenção para o programa televisivo Ainda bem que Emma está se dando essa chance de viver essa linda história com Regina e Henry!

- Oi Bah! – disse ela ao entrar na cozinha e ver a senhora terminando a comida da janta. A loira se aproximou da mulher, depositando um beijo em sua bochecha – O cheiro está muito bom.

- Oi menina Emma! – respondeu a senhora – Estão todos lá na sala te esperando, avise que o jantar está quase pronto.

- Tudo bem... – respondeu já se caminhando para a sala.

- Emma!! – Henry exclamou feliz ao ver a loira entrar na sala e correu em sua direção. Ela se abaixou, depositando a sacola no chão e abrindo os braços para receber o menino. Henry abraçou fortemente a loira – Estava com saudades de você. Eu não te vi ontem, tentei ficar acordado para te ver chegar, mas eu não consegui. – disse ao se soltar do abraço.

- Eu também estava com muitas saudades de você. – Minha criança ela completou mentalmente e se levantou, não sem antes de pegar a sacola e segurar a mão de Henry para eles voltarem para o sofá – Eu não consegui voltar ontem mesmo, eu cheguei somente hoje de manhã.

Henry se soltou da mão da loira e sentou-se no sofá – Boa noite Cora. – cumprimentou Emma e a mulher mais velha fez um gesto para ela se aproximar, o qual Emma prontamente obedeceu Ai pelos botões de Eugenia, juro que não fiz nada, sou inocente!

- Boa noite Emma. – cumprimentou de volta – Agora me dê um beijo, afinal sou sua sogra. – brincou e Emma sorriu a beijando no rosto.

- Oi morena... – disse a loira ao se sentar ao lado da morena mais nova e beijá-la no rosto.

- Boa noite. – disse Regina sorrindo e segurou o rosto da loira entre suas mãos e a beijou demoradamente nos lábios – Oi para você também. – disse assim que terminaram o beijo.

- Henry adivinha? – brincou Emma ao se virar para o menino no sofá a sua frente. O menino fez uma cara pensativa, mas nada disse – Eu já passei na loja do Giuseppe e encomendei as madeiras para a casinha da árvore e ele me disse que sexta-feira eu posso passar lá para pegá-las.

- Oba! – comemorou ele feliz – Então podemos começar no fim de semana a reformar a casinha?

- Sim, poderemos. – concordou a loira – E adivinha mais o que? – fez um mistério.

- Ai fala logo que eu não sei o que adivinhar. – disse o menino angustiante.

Emma sorriu e tirou de dentro da sacola o livro que Henry adorava – Para você! – disse ao entregar o novo exemplar para o menino.

Os olhos de Henry brilharam felizes, assim como Regina olhou surpresa, e Cora olhou emocionada – O meu livro favorito... – fez uma pausa e se corrigiu – O meu segundo livro favorito agora, pois o primeiro é o que você me deu sobre o desenho do Spirit. – pegou o livro e o abriu e começou a folhear as páginas.

- Ah Emma, você não precisava... – começou a morena com os olhos úmidos Que gesto mais lindo esse!

Emma sorriu abertamente – Eu sei que eu não precisava, mas eu queria fazer isso para o garoto. – comentou Ele merece! – Mas como eu não me aguento, eu não comprei somente esse... – brincou e ergueu a sacola com os outros livros – São todos para você.

Henry se levantou de seu lugar e se aproximou. Sua cara era de incredulidade – São todos para mim? Mesmo mesmo? – perguntou ainda levemente descrente.

- Sim, são todos seus. – afirmou Emma ao entregar a sacola e ele se virar para sua mãe.

- Me ajuda. – pediu entregando a sacola para sua mãe. Ela abriu e ele foi tirando um livro de cada vez, a cada livro os olhos de Henry brilhavam mais e mais intensos. Regina olhava emocionada a felicidade de seu filho. Cora agora estava surpresa com o gesto de Emma, mas por fim sorriu feliz com a alegria do neto – Nossa, quantos livros e tudo sobre cavalos.

- Você gostou? – quis saber uma curiosa Emma.

- Não gostei... – fez uma pausa e Emma o olhou em dúvida – Eu adorei. Todos. Eu adorei todos! – virou-se para a morena mais nova – Mamãe, vou precisar de outra parte na estante para meus novos livros.

- Prateleira, Henry. – corrigiu a mulher – Amanhã podemos arrumar tudo na prateleira na sua estante, pode ser? – perguntou e ele concordou com a cabeça ainda olhando para os livros – Você consegue levá-los lá para cima sozinho?

- Deixa que eu ajudo. – se ofereceu Cora Assim dou um tempinho para vocês ficarem sozinhas.

- Menina Regina, o jantar está pronto, quando quer que sirva? – perguntou Eugenia ao adentrar a sala.

-Bah, olha quantos livros eu ganhei de Emma? – disse Henry todo orgulhoso.

- Agora você terá muitas histórias para ler antes de dormir. – comentou a senhora sorrindo.

- Pode servir Eugenia... – respondeu Regina – Que já iremos jantar assim que minha mãe e Henry voltarem do quarto. – a senhora nada respondeu, apenas acenou com a cabeça e saiu em direção a cozinha.

- Vamos que eu estou com muita fome. – comentou Henry para sua avó – Você leva esses que eu levo esses. – dividiu desigualmente, fazenda a mulher mais velha sorrir com o pouquinho que ele levaria.

- Você não dividiu muito certo, garoto. – comentou Emma sorrindo Menino mais liso.

Cora comentou brincando – Está vendo, Emma quem traz os livros e eu que tenho que carregá-los.

Emma riu – Não tenho culpa se o garoto não sabe dividir igualmente.

- Henry, pegue mais um pouco de livros das mãos de sua avó. Não é justo ela levar mais livros que você. – repreendeu Regina.

- Ah! Mas vovó é grande e mais forte. – tentou argumentar, mas a morena apenas deu um olhar significativo – Tudo bem. – se conformou – Vovó me dá mais uns três livros, por favor.

A mulher mais velha sorriu e pegou os três livros mais finos e entregou ao neto – Agora está dividido igualmente. Vamos que eu também estou com fome. – subiram as escadas e foram em direção ao quarto do menino.

- Você não precisava ter feito isso. – disse Regina ao se virar para a loira Quer casar comigo neste instante? Mente! Ai Regina depois desse gesto maravilhoso é para pedir a loira em casamento e não perder um minuto sequer.

Emma sorriu – Eu sei, mas eu queria fazer isso. – se aproximou do rosto da morena e a beijou. Automaticamente a morena abriu brevemente os lábios e Emma aproveitou para aprofundar o beijo, mas que fora logo interrompido por um limpar de garganta de Cora que vinha descendo as escadas E começa a interrupção!

- Obrigada Emma. – Henry agradeceu ao se jogar no colo da loira e a abraçar fortemente – Adorei todos os livros. – ela retornou o abraço.

- Bom, vamos jantar antes que a comida esfrie. – comentou Cora. Regina e Emma concordaram. A morena foi a frente e logo a atrás vinha Emma com Henry no colo.

O jantar foi agradável, acompanhado de uma conversa leve e amigável. Emma contou como fora o dia anterior em Boston, juntamente com o almoço e estadia na casa de Kathryn. Regina falou como havia sido o dia dela, e Cora comentando a gastura que ela havia passado por não ter notícias da loira, ato que fez a morena mais nova corar profundamente e Emma sorrir feliz. Henry também comentou sobre seu dia, livrando sua mãe de mais um pouco das travessuras e embaraços de Cora. Ao final Henry deu sinal de que estava com sono e se despediu de sua mãe e de Emma, e Cora aproveitou para se retirar também e aproveitaria para colocar o menino na cama Acho que agora não tem como ninguém interrompê-las.

Depois de colocarem as coisas todas na cozinha, Emma e Regina resolveram sentar na cadeira de balanço na varanda, pois estava uma noite agradável. A loira estava sentada com os pés em cima de um puff, enquanto Regina estava com as pernas em cima do balanço e virada de frente para o encosto da cadeira, e usando a loira como um travesseiro gigante. Os braços de Emma a rodeavam segurando fortemente, e o rosto da morena estava enterrado no pescoço da loira. A mão esquerda de Emma fazia carinho nas madeixas castanhas, enquanto Regina brincava com a manga da camisa xadrez de Emma.

O silêncio era agradável. Elas não precisavam trocar palavras, estavam curtindo o momento. Entendiam-se apenas nos gestos e torça de olhares, nos beijos nem tão roubados assim. Simplesmente estavam felizes por estar uma na companhia da outra. Ficaram assim um bom tempo, até que Emma anunciou que precisa ir embora Ah, mas já! Fica mais!

- Vou sentir sua falta até amanhã. – comentou Emma dando um beijo mais demorado em Regina, que correspondia E começa o jogo de sedução! Emma dá o primeiro passo...

- Eu também... – concordou e deu mais um beijo demorado Regina não deixa por menos e ataca com suas armas, quando as línguas se encontraram seus corpos tremeram em antecipação. As mãos já criando vida, os corpos se movimentando involuntariamente a procura de mais contato com o outro.

Emma interrompeu o beijo arfando – Acho melhor pararmos por aqui... Sei que agora ninguém nos iria interromper... – fez uma pausa tomando fôlego Emma muda a estratégia! – Mas eu quero fazer isso certo. Quero que seja especial. E faz uma boa jogada!

Regina sorriu amavelmente – Eu também quero que seja especial. – comentou e beijou a loira mais uma vez Regina entendendo a jogada da loira, acaba por usar a mesma tática na loira, o famoso chumbo trocado não dói. – Boa noite! – se levantou e caminhou até a porta E Regina dá a cartada final achando que havia ganhado a partida.

- Boa noite e sonhe comigo. – disse Emma a beijando uma última vez antes de se separarem E no último instante Emma rouba a bola e corre para marcar um touchdown!

 


Notas Finais


Capítulo amorzinho!! Tivemos o resto da segunda e um jantar familiar... Robin chorando as pitangas para Cora e ela já botando seu plano em prática. Mais uma conversa aberta entre mãe e filha. Kathryn alfinetando Robin... Regina mostrando preocupação com relação a Emma... Emma e Henry em mais um momento fofura... E claro que não poderia faltar momento pegação de Emma e Regina e suas interrupções! kkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...