História Straightjacket - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner
Personagens Personagens Originais
Tags Camisa De Força, Drama, Justin Bieber, Kylie Jenner, Romance
Exibições 150
Palavras 1.800
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Leiam as notas finais, please ^^

Capítulo 16 - Blade


Duas semanas depois...

Justin Bieber Point Of View

Senti tapas serem desferidos em meu rosto misturados a uma voz feminina e frenética e despertei mergulhando na realidade em que estava vivendo.

Demorei cerca de dez segundos pra lembrar do que acontecera à duas semanas atrás, assim como acontecia todas as noites. Desde aquele dia, Liz nunca mais me olhou e fiquei super envergonhado, com medo de ter feito algo que ela não tenha gostado. Uma parte de mim ainda duvidava que tivesse acontecido de verdade, contudo ela era a única mulher que me diria. Como todos os dias desde o ocorrido, olhei para os lados, desejando mentalmente que tudo tivesse acontecido de verdade. Um vento gelado me bateu no corpo e percebi estar só de cueca, com Elizabeth gritando eufórica pelo quarto.Logan estava encolhido na cama ao lado o que fez a alegria de Liz se diminuir um pouco enquanto tentava conversar com o rapaz. Suspirei desviando a atenção para algum local vazio e me levantei da cama indo pro banheiro. Tomei um banho rápido e fiz minhas higienes matinais, indo para o guarda-roupa em seguida e pegando uma das novas cuecas que Liz comprou e nunca usei.

Assim que tirei a toalha do corpo e passei a me vestir, ouvi um soluço escapar assustado e olhei para o lado vendo Burnier com o rosto tapado pelos mãos enquanto eu ajeitava a cueca no corpo.

— Eu ainda estou aqui, Justin. Tenha mais respeito — dizia.

Soltei uma risada fraca, me inclinando para lhe beijar no rosto. 

— Não tem nada aqui que você nunca tenha visto — respondi, recebendo um tapa no ombro.

Tornei a rir, com Liz me acompanhando. Terminei de me vestir e fiz um topete desajeitado de frente ao espelho. Logan com muito custo conseguiu se levantar da cama e foi em direção do banheiro, percebi uma cicatriz em seu pulso, Liz engoliu seco. 

Me aproximei da doutora sentando do seu lado e passei a mão em seu cabelo o levando para a orelha, lhe beijei a bochecha recebendo um sorriso. 

— Me diga que não foi um sonho… — pedi.

    Liz sorriu envergonhada e desviou o olhar, mexendo em suas unhas. 

— Foi tudo real, Justin.

As bochechas de Elizabeth ficaram vermelhas feito um tomate. Foi impossível segurar o riso e abri meus braços a envolvendo quando a mesma afundou o rosto em meu pescoço. 

— Emma está aqui para vê-lo — disse, enfim. Se afastando de mim.

Pensei em dizer alguma coisa, mas Elizabeth se retirou do quarto me deixando sozinho com Logan no banheiro. Suspirei umedecendo meus lábios e me levantei indo para fora do quarto.

Não quis tomar café. Estava sem fome. Um enfermeiro mais baixo que eu e com cara de velho me acompanhou até a sala de visitas, suas mãos segurando meus pulsos. Ele apertava então tive que massagear o local assim que me soltou. 

Entrei na sala vendo a loira se levantar e estiquei os braços a embalando em um abraço apertado. Sorri de lado, afagando seus cabelos.

— Esqueceu de mim, foi? 

— Me desculpa — riu fraco — estive ajudando a doutora a cuidar do seu caso.

Franzi o cenho quando ouvi o que Emma disse e nos afastei a encarando confuso enquanto me sentava na cadeira à frente da mesa.

— Eu disse que ia te ajudar a sair daqui e estou cumprindo. Burnier está cuidando do seu caso escondido e estou ajudando a achar as respostas que precisamos. 

— Mas…

— Ela já tem um grande problema com a lei só de cobrir o Jhensen pelas coisas que ele faz aqui dentro. O trabalho da Burnier é apenas em ajudar os pacientes a se recuperarem e mexer no passado deles não inclui no serviço, ela está se arriscando pra saber sobre sua história e assim provar sua inocência, então peço que seja paciente. Tudo tem seu tempo, okay? 

— Tudo bem… — suspirei, cruzando as mãos sobre a mesa — como está indo a empresa?

— Uma loucura — Emma passou os dedos por entre os fios loiros e os levou para trás — desde que seu tio ocupou o lugar do seu pai, ele vem sendo rígido demais com os funcionários, qualquer coisa é motivo de demissão e todos os contratos que seu pai não quis, seu tio está assinando.

— Mas ele não pode fazer isso…

— Desculpa, Justin. Henry é agora o responsável pela empresa e enquanto ele estiver lá, ele fará de tudo pra lucrar.

Passei a mão no rosto respirando fundo e fechei os olhos por breve minutos, pensando no que fazer a seguir. 

— Depois você olha esses papéis — disse, me entregando um envelope laranja. 

— Encontrou mais alguma coisa sobre o assassinato do meu irmão? — perguntei, enfim. 

Emma balançou a cabeça negativamente e suspirei, olhando a madeira da mesa abaixo de mim. O que eu faria agora? 

— Sinto muito pelo Edward…

— Tudo bem — sorri fraco — é uma merda não poder ir nem no enterro do amigo que você mal encontra depois de anos separados…

— Ele parecia ser um bom rapaz.

E como era, pensei comigo. 

(...)

— Quero saber porque eu não posso sair do quarto — insisti, chamando a atenção do enfermeiro que vigiava do lado de fora.

Ele tirou os olhos do jornal que lia e se levantou vindo até mim com cara de tédio, me encarando.

— São ordens da doutora Burnier, será que não entendeu isso até agora?

— Pois eu quero falar com ela! — exigi.

O enfermeiro deu as costas voltando a se sentar e fechei a mão batendo inúmeras vezes na porta. Sem obter sucesso, bufei irritado e me afastei me sentando na ponta da cama, encarando o vazio. 

Não sei quantos minutos fiquei ali parado, Logan estava deitado na cama dele de costas pra mim, encolhido. Ele não tinha falado nada desde que acordou hoje de manhã.

Após longos minutos em silêncio, ouvi a porta ser destrancada e o som do salto alto se tornar presente. Levantei o olhar, mesmo sabendo que era Elizabeth, e me aproximei.

— Pode me explicar o que está acontecendo?

— Se acalma — apalpou meu peito.

— Porra, você não fala comigo já tem duas semanas. Eu sinto sua falta.

— Justin, para — Liz me empurrou como se quisesse me afastar de si, recuei passos em direção do banheiro, mas a levei junto — Justin!

— O que merda aconteceu? Tá com raiva de mim? Eu fiz alguma coisa?

— Justin, você não fez nada, menino — Burnier riu — é porque o Frederick vai vir aqui e todos os pacientes devem estar em seus quartos e celas. 

— Quem é Frederick? — franzi o cenho a olhando, um pouco mais calmo agora. 

— É o inspetor de segurança judiciária — cruzou os braços por cima do jaleco me encarando serena. 

— Tá, e como explica quatorze dias sem falar comigo? Uh? — levantei uma sobrancelha. 

— Eu tive que organizar o manicômio, Justin. Jhensen e eu somos os responsáveis daqui. Precisava cuidar das solitárias, do jardim, dos escritórios e claro, apagar as imagens daquele dia. É meu trabalho que está em jogo, não o seu.

— Na hora de quicar em cima de mim você não pensa nisso, neh?! — continuei a olhando, do mesmo jeito. 

Percebi que Liz levantou a mão para me bater mas se conteve, respirando fundo. Ela olhou pra trás e segui o olhar vendo que Logan nos encarava, sorrio sem mostrar os dentes, voltando a olhá-la. 

— Agora cala a boca e fica aqui, que eu preciso voltar ao meu trabalho.

Elizabeth estava pronta para se virar mas antes que se afastasse, segurei seu braço a puxando de volta pra mim, abracei sua cintura com a mão livre e colei nossos lábios iniciando um beijo intenso.

— Justin!

Não me preocupei se Logan estava olhando, apenas queria recuperar os dias perdidos, mas a doutora não esperou mais que dez segundos e me empurrou com força, desferindo um tapa em meu rosto. 

Tentou manter a postura rígida, mas não pude negar quando vi ela sorrir ao se virar de costas pra mim e sair do quarto, me deixando sozinho com Logan. 

(...)

— Sim, está tudo em seu perfeito estado, Sr. Horan — ouvi a voz de Elizabeth. 

Estava querendo espiar pelo vidro da porta pra saber o que estava acontecendo mas resolvi ficar na minha enquanto olhava as fotos tiradas das câmeras de segurança que Emma trouxe pra mim, quem era aquela mulher de preto entrando e saindo da empresa? 

Será que ela tinha alguma coisa a ver com a morte de Nolan? 

Levantei o olhar ao ver Logan se mexer na cama e deixei os papéis de lado me levantando e indo até ele, vi que seus olhos estavam vermelhos e encaravam os braços à sua frente, levei o olhar, vendo cicatrizes. 

— Hey… — chamei baixo, não ganhando sua atenção. Estiquei a mão e peguei a pequena lâmina de seus dedos — você não precisa disso…

Logan permaneceu em silêncio e vi quando seus olhos foram preenchidos por lágrimas. Suspirei indo pro banheiro e joguei a lâmina fora, voltando para o quarto e o ajudando a ficar sentado, fiz com que ele me olhasse, me sentando ao seu lado.

— Não precisa fazer aquilo… — tentei dizer — você… É mais forte do que imagina.

— Não sou… — disse, pela primeira vez.

— É sim, você só não acha isso. Eu te acho forte.

Lágrimas já escorriam pelo rosto do Logan e vi quando seus olhos brilharam ao ouvir o que eu disse. 

— V-Você… Acha?

— Acho — sorri de lado — eu acho você um rapaz muito forte, por sinal. Imagino que seja por todas as coisas que você já passou, seja dentro ou fora de casa. E são essas cicatrizes que te fazem um guerreiro, porém, você não precisa delas pra mostrar que é de fato, um guerreiro.

— Você não entende… — sussurrou, enxugando o rosto das lágrimas. 

— Olha, eu já passei por muitas fases difíceis, você tem quantos? Dezesseis, dezessete? Eu tenho vinte e dois, não é grande diferença mas é o bastante pra dizer que não devemos destruir nossa vida dessa forma. Você ainda tem muito pra viver, não deixe esses problemas te destruírem…

— Eu tenho meus motivos…

— Eu sei, chega uma fase da vida que todos vamos ter. Mas você precisa ignorar e seguir em frente. É isso que te faz forte.

O moreno fungou o nariz e encarou suas mãos, umedeci os lábios vendo a porta ser aberta e Elizabeth entrar. 

— Hora de jantar.

Balancei a cabeça assentindo e me levantei chamando o Logan. Ele me olhou receoso mas aceitou no final e suspirou me seguindo até o refeitório. Percebi que Elizabeth queria perguntar algo mas ficou quieta enquanto eu pegava meu prato e me sentava em uma mesa vazia, começando a comer.

— Preciso falar com você, assim que terminar vá direto para o meu escritório — ouvi a voz de Liz sussurrar em meu ouvido. 

Um beijo discreto foi plantado em minha bochecha e sorri de lado assentindo com a cabeça, voltando a comer em seguida. 


Notas Finais


Trailer da fanfic:
https://youtu.be/GnoLULBay2o

Me perdoem pela demora, fiquei com um pequeno bloqueio. Mas o próximo capítulo vai ser maior, eu juro. Vai ter hot.
Vocês querem??
Não esqueçam de deixar a opinião de vocês nos comentários.
Sigam @sxtudo no instagram, sejam ativas <33
Até o próximo
Xoxo Ys ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...