História Stranger Things (Interativa) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 95
Palavras 2.435
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


leiam as notas finais hihihhihiocaptbmhihihihi

Capítulo 2 - Um: Bosque Morto.


''Chegada a estação de Seoul. Por favor, senhores passageiros, se dirijam a saída calmamente.''

 

Jimin acordou com o cutucar do cotovelo do irmão. Enquanto ainda recuperava sua visão — embaçada por causa do recente acordar —, observou Chanyeol pegar sua mochila, jogando-a na cara do ruivo sonolento em seguida.

O impacto foi o suficiente para o mais novo acordar. Jimin saltou com o susto, batendo sua cabeça no vidro da janela e praguejando para o mais velho.

— Você ficou doido? — Jimin acabou proferindo suas palavras alto demais e recebeu um sermão silencioso do irmão, que dava espaço para algumas senhoras passarem pelo corredor estreito do vagão.

Logo quando Chanyeol começar a andar, Jimin ajeitou sua mochila em suas costas, pegando rapidamente todo os seus pertences jogados pela cadeira. Andou rápido para alcançar o mais velho, se pondo atrás dele — ainda soltando alguns xingamentos silenciosos para o outro.

Os irmãos Park saíram do vagão e se dirigiram para a Central, passando por todos os procedimentos necessários.

Chanyeol puxou do bolso seu telefone, discando um número. Jimin aproveitou esse momento para ir até alguma máquina e comprar algo para comer, já que havia dormido a viagem inteira.

— Compra para mim também — O moreno disse, em seguida voltando a atenção para o aparelho na orelha — Ah, olá, eu gostaria de um taxi para...

Agradeceu a enorme coincidência da máquina mais próxima ter os doces e os sabores preferidos dos dois irmãos. Discou o número do que queria, enquanto o pacote já desenrolava-se e caía na abertura. Teve de ficar nas pontas dos pés para discar o doce da preferência do mais velho, sentindo-se humilhado pela sua altura.

Sua mão entrou na abertura da máquina e tirou de lá os dois pacotes, virando em seguida para o mais velho, que desligava o celular. Chanyeol andou até o ruivo, dando dois tapinhas em sua costa e sinalizando para a direita com sua cabeça. — Vamos esperar lá fora, já chamei um taxi. — Jimin assentiu, ajeitando sua mochila em seus ombros. — Oh! Eu gosto desse — O mais velho apontou para um dos pacotes nas mãos de Jimin, logo o retirando e abrindo a embalagem.

 — Eu sei. — O ruivo confirmou. Sabia da preferência — quase uma obsessão — do mais velho pelo chocolate. Riu da cara de prazer que o outro fez ao comer, mas logo sua expressão risonha sumiu, dando espaço para uma com raiva. — Yah, sabe o quanto doeu quando jogou minha mochila na minha cada? Eu bati minha cabeça na­-

 — Vamos logo — Chanyeol o interrompeu, rindo do mais novo. Apressou-se para ir na frente, pois sabia que o ruivo odiava ser interrompido e já deveria estar com raiva do que fizera anteriormente. O moreno achou engraçado quando o outro batera a cabeça na janela, mas jamais contaria para o ruivo.

Talvez os dois irmãos perderam o tempo correndo pela Central — Jimin insistia em dar o troco no mais velho. Os dois ficaram correndo de um lado para o outro como duas crianças brincando, até o mais alto receber uma ligação do motorista do taxi que o mesmo havia peço.

Chanyeol proferia milhares desculpas abafadas devido ao atraso no telefone, enquanto corria para a entrada do estabelecimento, seguido do mais baixo que carregava as duas malas.

''Última chamada — Destino Busan. ''

O ruivo parara de andar nessa hora. Girou seu corpo para trás inconscientemente com uma expressão de carência.

Já estava com saudade.

— Foram boas férias... — O ruivo disse. Quando tempo que não ia para sua tão amada Busan. E ainda conseguira levar Chanyeol consigo, porém...

''Ah, nada de porém.'' Pensou. Foi divertido acima de tudo está com o irmão mais velho.

Fechou os olhos por um momento, tentando se recordar da textura da areia, o cheiro da brisa do mar....

Só os dois. Unidos como irmãos devem ser; Mas era difícil quando se tinha como irmão Park Chanyeol.

Com quantas garotas deixou de ficar por causa do outro? Não pode aproveitar um bom corpo feminino de Busan por causa daquele poste ambulante. Chanyeol sempre o fazia passar vergonha e não conseguia flertar com ninguém ou sempre preferiam à ele do que o ruivo.

Mas foi divertido acima de tudo.

Agora estava de volta para Seoul; não era sua amada Busan mas ainda era sua Seoul.

Ainda poderia aproveitar as garotas de Seoul, longe do mais velho, claro.

— Jimin! — acordou de seu transe com um tapa na orelha vindo de Chanyeol. Não teve muito tempo para reclamar, pois acabou sendo empurrado para dentro do carro pelo mesmo.

— Como acha que é ? — O mais alto perguntou, enquanto mexia no celular. Respondia algumas mensagens de amigos antigos, mas Jimin percebeu que ainda tinha sua atenção voltada para o assunto, então respondeu-o: — Não deve ser ruim, eu espero...

 — Papai não nos mandaria para um canto ruim. Falam muito bem do colégio em jornais, entrevistas e-

— Colégio? Internato. Hospício. Papais não nos quer em casa, de certa.

— Não que irá fazer falta, ele nunca está em casa. Vamos lá, não vamos ter dono enquanto estivermos no colégio. — o mais velho deu um sorriso sugestivo — Só cuidado para suas notas não abaixarem, mas faça o que quiser.

— É isso que têm em mente? — O mais novo soltou um riso irônico — Apenas aproveitar? Yah, cara, ele está nos mandando para 'um fim de mundo'! Não consigo relaxar com isso!

— Está com medo? — O mais alto se calou por um momento, seus olhos paralisados nos olhos do outro, que se calou também. — Yah, Jiminnie, tão fofo! Seu irmãozão está aqui para te proteger! — O moreno passara uma mão por de trás da cabeça do outro, bagunçando seus cabelos.

Jimin odiava que fizessem isso. Começou a se debater ameaçando o mais de tudo.

Inclusive coisas sujas.

Eram assim que brincavam, mas pararam de repente ao se derem contar que o motorista do taxi os olhava incrédulo.

Constrangedor.

 

• • •

 

Era por isso que as pessoas temiam.

 

O internato se escondia numa espécie de bosque numa área afastada da capital. Muitos que entram lá costumam falar algo como ''Eu não sabia que essa região existia'', por que mesmo com os verdes espalhado pela cidade, ainda era um local que, definitivamente, você não pensa existir.

Os GPS's não mostram o internato na área também.

Parecia ser um pouco mais extenso do que um bosque qualquer — boatos que havia uma floresta de fato um pouco afastada, e com o tempo, os dois acabaram se unindo — e não tinha uma grande variedade de vegetação por lá. Algumas árvores normais, pequenas plantas, três ou cinco espécies de flores.

Mas não era por isso que o chamavam de Bosque Morto.

Você tinha que passar por túnel primeiro e depois chegaria no bosque. Depois, se continuasse a andar por uns cinco minutos — dez a pé — chegaria na entrada do Internato.

Pelo bosque está espalhado várias placas falando da existência do colégio interno e sua direção. Perceberam que mesmo com as instruções, alguns alunos ainda se perdiam quando passavam por lá. Então os professores pediram para alguns — que conseguiram achar a escola — deixar bilhetes, cartazes, dicas para os outros conseguirem encontrar a entrada.

Muitos escreviam no tronco das árvores ou deixavam papéis presos nas grades — existiam algumas para delimitar o local. Alguns começaram a escrever coisas a mais do que apenas instruções.

Com o tempo, tornou-se um hábito em deixar algum recado por lá. Não só alunos, mas qualquer pessoa, que vê aquele local cheio de marcas e resolve deixar a sua também.

 Na entrada do internato, de cara, você se depararia com a estátua de Kim San Ho. Ela fica no meio de uma fonte muito bonita; parece a água mais pura que existe. San Ho está com uma expressão calma e em seu habitual terno, com as mãos para trás.

(Muitos que o conheceram antes falaram que ele odiava usar terno. )

Na frente na fonte, tem uma placa escrita AUTUMN LEAVES e embaixo disso, Kim San Ho, escrito de forma romanizada. Há inúmeras Cámelias Brancas plantadas pelo local; no último dia do ano, colocam-se elas sobre a cabeça de San Ho.

O lugar é uma homenagem à ele. Um pouco depois, podemos ver o internato. Uma construção aparentemente velha e sombria. Era extenso para os lados e no comprimento, possuía uns quatro andares. Tinha mais dois prédios menores, para os lados e algumas cabanas espalhadas.

Era isso que as pessoas tinham medo: Não saber a verdade.

 

• • •

 

— E quando você volta, Lee? — perguntou — As aulas irão começar em menos de uma semana, suponho que você deva estar aqui quando isso acontecer.

Ji Hong possuía um tom um tanto irônico, julgando que Jong Suk era um professor, o mais velho brincou consigo. O mais alto soltou um riso enquanto colocava mais uma caixa no porta malas de seu carro — Eu sei que devo... Voltarei logo, só irei ver como minha mãe está.

— É, ainda bem que o diretor permitiu você ir. Espero que o estado dela não piore. — o mais velho lhe passou mais uma caixa, que a colocou junto com as outras — O que tem dentro delas?

— Alguns presentes, roupas minhas... — Jong Suk respondeu.

— E por que não colocou em uma mala?

— Minha mãe gosta de caixas — o mais novo disse — Não pergunta.

Ji Hong meneou sua cabeça para o lado e fez uma expressão confusa, mas logo sorriu, batendo nos ombros do mais alto. Acompanhou Jong Suk até a porta do carro, ficando de frente para a janela onde o viu ligando o motor.

Antes de sair, deu um breve aceno para o mais novo e logo o mesmo partiu.

Voltou pelo o mesmo lugar que tinha vindo — ajudar o outro com suas caixas — e encontrou Shin Hye, observando da sacada Jong Suk ir embora.

Quando a mesma o viu se aproximando, logo sua expressão irritada se tornou nítida e Ji Hong sabia que jogaria essa fúria para cima de si.

Aquele idiota... — Shin Hye pronunciou em um tom baixo. Mantinha os braços cruzados, ainda observando a rua.

Era de se imaginar que ela esperava que Ji Hong perguntasse ''o que foi?'' e começasse todo o seu desabafo, mas tudo o que o mais velho fez foi se sentar em uma cadeira e se servir com o que tinha na mesa próxima, sem sequer olhar para a outra.

Não adiantaria conversar.

— Ela sabe que as aulas irão começar logo — No entanto, mesmo sem Ji Hong falar nada, Shin Hye acabou começando do mesmo jeito — Ele sabe e ainda sai para brincar na cidade! Ah, estou com tanta raiva!

Ji Hong tomou um gole do chá que tinha colocado olhando para a mais nova em seguida. Ela tinha se sentado em sua frente, consigo, ainda com a mesma expressão. Seu pé direito batia freneticamente no chão e parecia estar pronta para matar Jong Suk.

— Tenho certeza que não foi por causa disso — Ji Hong falou, calmamente — O diretor não o deixaria sair se fosse por um motivo desses.

Não, não, claro que não foi — seu tom era irônico — Eu conheço bem o Jong Suk, deve ser inventado qualquer coisa para beber um pouco!

— Shin Hye, calma. Eu te garanto que não foi por causa disso. Ele foi- ­— Ji Hong suspirou. Quase havia relevado o que o outro tanto pedira para não contar — Fazer alguma coisa importante, tenho certeza.

Shin Hye ponderou-se sobre isso, permanecendo calada por um tempo. Quando Ji Hong pensou que tivesse feito alguma besteira, a outra suspirou. Sua expressão aliviou um pouco.

— Não acredito — Ela disse — Em nada do que vem daquele homem...

— Nesse sentido, não, não devia — O mais velho gargalhou — Ah, esses jovens.

Q-Q-Que sentido?! — sua expressão era de nojo e logo soltou um suspiro, irônico — Não acredito que ouvi isso... Vou para minha sala!

— Não pode esconder isso!

 

• • •

 

— Ah... — suspirou.

Não importava a direção que olhasse, tudo o que seus olhos podiam encontrar era mato. Baekhyun se perguntava a quanto tempo já estava caminhando, mas parecia que quanto mais andava mas o internato se mantinha longe de si. Estava realmente indo pelo caminho certo?

Até onde sabia, o garoto seguira as instruções corretamente. No entanto só encontrava mato.

A cor verde estava lhe causando náuseas.

Percebeu a existência de alguns bilhetes pela floresta, mas nunca que o mesmo se atreveria a confiar. Ele tinha quantos anos para acreditar em coisas que se encontram numa floresta? Deve ser as típicas pegadinhas de adolescentes, algo como ''A um monstro na caverna logo na frente, não entre!'' e no final, era apenas alguns coelhos.

Mas era tentador, Baekhyun admitia. Talvez qualquer ajuda servisse para o garoto, que já estava rondando por aqui por meia hora. Entenda: estava carregando duas malas com suas coisas e uma mochila pesada, diga-se de passagem. As pausas que faziam estavam aumentando e Baekhyun tinha certeza que estava vermelho.

Acabou parando mais uma vez para respirar, perto da sombra de uma árvore. Usou uma das malas como um acento, apoiando as duas mãos nos joelhos, inspirando bastante ar.

Onde estava agora?

Por mais que tentasse ligar para a central do internato, ninguém o atendia. Que merda de escola era aquela?

Aonde estava com a cabeça ao recusar a carona de seus ''pais'' para aquele lugar? E mesmo que se perdessem do mesmo jeito, ainda estaria perdido em um carro com ar-condicionado.

Sobressaltou-se ao ver um carro parando logo atrás de si, quase perdendo o equilíbrio da mala e caindo. Não obteve uma resposta muito clara do carro, que permanecia parado, como se não houvesse ninguém por lá.

Baekhyun decidiu agir e se dirigiu até a janela do motorista, batendo levemente com sua mão duas vezes. Tomou um susto quando do banco do passageiro dois rapazes saíram, se curvando em agradecimento, logo o carro foi andar novamente.

O mais alto entre os dois deitou sua mala no chão, abrindo-a, parecendo procurar algo. O outro, o mais baixo, tomou um susto ao perceber a presença de Baekhyun, que o mesmo permanecia intacto.

— Chanyeol... — o mais baixo chamou — Chanyeol...

— Calma, Jimin — respondeu, sem se virar — Eu acho que não coloquei minha cueca da sorte aqui...

O alaranjado levou uma mão até sua testa, em sinal de reprovação.

— Chanyeol, cala a boca, hm? — pediu.

— Você sabe como ela é especial para mim! — Formou-se um bico em sua face. — Ah, aqui! Aqui ela — tirou a muda da mala — Nossa, já estava desesperado...

— Eu vou te matar. Definitivamente não vou aguentar ter você por perto...

— Tem um sutiã na minha mala... — Chanyeol segurou-o em sua mão, mostrando ao mais baixo — É seu, Jimin?

Baekhhyun a alguns minutos já tinha pego suas coisas e se afastado dos dois desconhecidos. 


Notas Finais


Ok, vamos a alguns avisos:

➸ Esse foi um capítulo focado apenas nos meus personagens masculinos e um pouco nos professores. Também é um ponto que eu queria falar, eu quero focar também nos professores, até porque pretendo fazer disso aqui uma fanfic de mistério, então cada personagem é importante.
Mas o que eu realmente quero falar é: As vagas femininas estão fechadas!
Eu já estou com um bom número de personagens fem. aceitas, no entanto, para aquelas que já reservaram sua aparência e ainda não entregaram, darei esse oportunidade. Mas não é tipo, 100% de certeza que irei aceitas, mesmo que a ficha esteja impecável...
Com os Park do @beastw e o Baek da @phoinho, eu só tenho três personagens masculinos [Enviados até agora] A reserva de aparência foi até boa, mas enviem por favor. {Só quero reforçar que eu valorizo uma ficha detalhada, mesmo que eu esteja precisando de fichas masc., eu não vou aceitar qualquer uma. Quer comparar a sua que tem duas linhas de personalidade e três de histórias, com as que tem mais 13 que eu recebi?}
Enfim nem que eu tenha que escravizar certas leitoras, eu consigo completar essas vagas, brincadeirinha gente hihihihihihihihihihinaohhihihihihihihih
➸ Todos os personagens aceitos até agora estão nesse jornal, assim como professores: https://spiritfanfics.com/perfil/narabad/jornal/stranger-things-fanfic-interativa-6997869
➸ Se gostaram do capítulo, comentem aqui por favor! O próximo não tenho um dia para postar, eu tava esperando receber mais fichas, mas resolvi colocar esse logo. Espero que já receba todos os personagens quanto postar o segundo capítulo. O comentário para reservas de fichas {masculinas cof} está no capítulo do prologue.
um beijo da tia nara


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...