História Strangers - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua"
Tags Boonon, Hansol, Kwansol, Seungkwan, Verkwan, Vernon
Exibições 362
Palavras 1.206
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEEEEEEEEEIII
só avisando que a partir desse cap as coisas vão começar a pegar fogo não disse como rs
Nem tudo é o que parece (não disse o que)

Boa leitura, brotinhos~
Aproveitem
Bjs

Capítulo 7 - Populares e choques


Pisei o concreto molhado no meio da passagem entre os edifícios 1 e 2, água espirrando em minhas meias e tênis. O ar estava úmido e parado, porém, não abafado. Garoava novamente. As árvores tinham os ramos longos roçando suas folhas na terra molhada. O céu estava cinza e nublado, como era de se esperar daquele clima.

Assim que gotículas de água começaram a prender-se aos meus cabelos e roupas, decidi apertar o passo em direção ao refeitório.

Passei por vários estudantes famintos no corredor. Todos, como eu, indo almoçar.

 

Até aquele momento do dia, eu ainda não encontrara nenhum amigo, o que era estranho. Dando de ombros, adentrei o ambiente claro pela luminosidade que vinha das janelas de vidro, extenso e com aroma de tempero e molho de carne. Tudo ali era familiar.

Peguei a bandeja azul na pilha junto com prato, talheres e sachês de condimentos.

— Bom dia. — cumprimentei a senhora do outro lado do buffet e a lancei um meio sorriso.

Suspirando, coloquei a bandeja no trilho e passei pelas repartições de comida enquanto ela despejava generosas porções do menu do dia em meu prato.

— Obrigado. — a agradeci, pegando um suco de uva e um potinho de gelatina.

Virei-me para as muitas mesas já cheias de alunos procurando por alguma imagem conhecida quando percebi que uma mão se balançava no meio do ambiente e seu dono parecia chamar por mim. Era Seungkwan. Eu havia esquecido de seu pedido para que eu almoçasse com ele hoje.

Enquanto caminhava para lá, finalmente notei qual mesa era aquela. Eu não podia acreditar que Boo Seungkwan sentava-se na mesa dos populares. Ok, eu achei que ele se sentasse na mesa do “pessoal legal”, lê-se “legais demais para juntarem-se aos jogadores de futebol americano, basquete, líderes de torcida e riquinhos mimados.”.

Engoli em seco, apreensivo, indo até a mesa no centro do refeitório.

— Oi. — disse a todos da mesa.

Antes não houvesse dito nada.

Estava esperando que todos me ignorassem, mas pararam de falar e fitaram-me da cabeça aos pés. Senti-me desnudo e ansioso diante daqueles olhares incisivos e analisadores.

— Pessoal, esse é o Han Solo. — o ruivo apresentou-me e sentei-me na cadeira ao lado dele — E aí? — sussurrou para mim num cumprimento.

Recebi alguns acenos dos esportistas que logo voltaram a conversar. As garotas passaram um tempo maior observando-me.

— Não sabia que você era tão popular. — comentei enquanto encaixava minha bandeja entre as outras na mesa.

— Sem essa. — refutou e colocou um tomatinho da cor de suas madeixas rubras na boca.

— E aí, Han Solo. Em qual time está? — um dos garotos musculosos demais para sua idade indagou.

— Ah, não. Estou no clube de música. — disse, levando uma colherada de comida à boca.

— Música? — uma das líderes de torcida fez uma careta de quem comeu e não gostou para mim e virou-se com uma expressão debochada para a amiga.

— Stephanie, ele é um ás do rock. — aquele ao meu lado disse.

Pensei que ele estivesse brincando. Afinal, eu não lembrava-me de tê-lo contado sobre o meu clube e muito menos meu instrumento que nada tinha a ver com rock.

— Ainda bem. Imagina se fosse um daqueles bregas de música eremita? Seria um desperdício, porque você é bem bonitinho, Han. — ela lançou-me uma piscadela.

— Você é tão puta. — a morena ao lado dela falou — É música erudita, não eremita.

— Ah, cala a boca. — enfiou um palito de cenoura na boca da amiga.

— Elas são sempre assim. — Seungkwan sussurrou para mim.

— Bacana, Han Solo. Quando vai nos apresentar sua banda? — outro jogador perguntou.

— Que banda? — eu sentia-me bem perdido ali.

— O Han é solo. — o ruivo disse, arrancando gargalhadas altas de todos na mesa, o que fez com que todos os outros alunos voltassem o olhar para lá.

Depois de eu perceber que não ria, decidi dar umas risadas só para fingir que achei graça. Cá entre nós, aquela piada tinha sido péssima.

Depois daquilo, a mesa ficou silenciosa. As duas garotas estavam absortas em seus celulares, assim como um dos jogares. Os outros esportistas conversavam sobre malhação e músculos, coisa assim. Como Seungkwan suportava ficar ali? Aquelas pessoas não pareciam ter nada a ver com sua personalidade.

— Aí. — Boo chamou a atenção de todos na mesa — Amanhã tem festa na minha casa. Chamem todo mundo.

Os sorrisos que brotaram nas faces antes pouco expressivas ao redor da mesa foram instantâneos. A julgar pela velocidade com que os dedos deles moveram-se no teclado de seus smartphones, já estavam chamando pessoas para a festa.

— Você vai? — o ruivo perguntou-me.

— Não sei. — respondi, ainda sentindo-me alheio àquilo tudo.

Sendo sincero, os amigos dele pareceram-me muito chatos. Eu posso estar errado e tê-los pego num dia atípico, mas não penso dessa forma.

Alguns minutos passaram-se e o sinal tocou, levando com ele os alunos de volta para as aulas.

 

Eu tinha horário vago, então perambulei pelo colégio procurando por algum local para ficar, mas nada atraía-me. Então, quando desisti de encontrar o lugar ideal, deixei-me deslizar pela parede bege até o chão.

Tirei minha mochila antes pendurada num dos ombros e a pousei no piso ao meu lado. Olhando para o teto, inspirei profundamente. Estava exausto, mas sabia que não era cansaço no corpo, era mental e, mais precisamente, cansaço social. Aquele apanhado de interação com os amigos de Boo Seungkwan deixou-me sem reservas de energia. Fechei os olhos e coloquei os fones de ouvido tocando uma música qualquer. Por algum motivo, as músicas a tocar combinavam perfeitamente com o clima de hoje. Melodias calmas, por vezes imprevisíveis e com um caráter “da terra”. Sentia-me como se estivesse bem longe dali, no campo, embora esteja no meio da cidade.

Enquanto relaxava, ponderei sobre os acontecimentos do dia.

 

Depois da última aula, tive de procurar Sophia para entregar-lhe as chaves de casa, já que ela voltaria antes de mim e havia esquecido as dela lá.

Enquanto dirigia-me para o clube de música após encontrar minha irmã, topei com Joshua no corredor.

— O que está fazendo? — perguntei para o garoto que fitava o chão como se fosse a coisa mais interessante do mundo.

— Perdi a tarraxinha do brinco.

— Putz… — se perder o brinco já era difícil, a tarraxa era pior — Quer ajuda? — uma desculpa para atrasar-me ainda mais me deixaria com o coração um pouco leve.

— Por favor. — meu melhor amigo aceitou.

— Quando você notou que perdeu? — perguntei.

— Não faz tempo.

— Estava onde?

— Hoje fomos ao ginásio. — respondeu.

— Ok. Procure aqui dentro e eu vejo lá fora. — sugeri, pensando que seria melhor se nos separássemos para cobrir uma maior área.

— Certo.

Segui para fora da construção e refiz os passos de Joshua em direção ao ginásio. A grama estava molhada e fazia um ruído estranho quando friccionada na sola de meus tênis, mas nada que realmente incomodasse.

Ninguém estava ali fora por conta da garoa a qual caía sem cessar que também me umedecia os fios castanhos. Ninguém, isto é, além de duas pessoas que pareciam estar se pegando atrás do depósito de materiais de jardinagem.

Eu não pretendia nem importava-me saber quem eram, mas fiquei chocado quando as figuras mudaram de posição e entraram em meu campo de visão revelando Boo Seungkwan e o professor de física aos beijos e carícias nada castas.


Notas Finais


BOOOOOM
SASJAIAKOSPSLPÁS
E aí? Quais as expectativas pro próximo cap?
Hansol eu mesma nessa fic nem acredito sbaoisjaspas alguém mais?
Vcs não sabem, mas eu acato sugestões viu, então podem jogar aquela dica quem sabe eu dou uma incorporada (agradeço antecipadamente)

E ISSO AÍ
até mais
beijinhos de morango
~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...