História Street Fighter Chronicles - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Street Fighter
Tags Cammy, Chun-li, Hentai, Juri Han, Ken, Porno, Putaria, Ryu, Sakura, Sexo, Street Fighter
Visualizações 118
Palavras 2.513
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capítulo final de Ryu nesta outra dimensão! Espero que estejam curtindo e no final rolarão algumas perguntas para meus ávidos leitores.

Capítulo 23 - A outra dimensão parte 5


Fanfic / Fanfiction Street Fighter Chronicles - Capítulo 23 - A outra dimensão parte 5

Dia 3

Passei o dia ansioso andando de um lado para o outro dentro do quarto. Finalmente voltaria para casa e descobriria se todos estavam bem. Será que Ken estaria vivo? E Laura? Eu estava realmente com saudades dela, apesar de estar me divertindo um bocado nesta dimensão meu coração pertencia à ela. A noite foi caindo e minha ansiedade foi aumentando. Não só pela expectativa de voltar para casa, mas também pela vontade de descobrir o que Morrigan havia preparado para mim naquela noite. 

Quando enfim a hora de sempre chegou, a porta se abriu sem que ninguém estivesse ali. Caminhei seguindo uma trilha de tochas acesas nas paredes que ia serpenteando pela sinuosa escada da torre na qual eu estava hospedado. A trilha seguia em direção à sala de jantar. A porta estava fechada quando cheguei. Após dar um longo suspiro abri a larga porta de carvalho para revelar a surpresa de Morrigan. As velas estavam todas acesas no aposento. No centro, sobre a mesa de jantar, se encontrava Lilith completamente nua, exceto por alguns cintos em volta de seu corpo. Ela estava de quatro com a bunda bem empinada e me olhou logo que eu entrei. Ao seu lado, também completamente nua e caminhando ao redor da mesa estava Morrigan, com seu belíssimo corpo escultural segurando algo que parecia ser uma lata de spray. A Succubus mais velha me comia com os olhos enquanto sorria e pedia para que eu me aproximasse. Caminhei até o centro da sala e reparei que Lilith tinha seu cuzinho coberto com chantilly.

- Venha desfrutar de seu presente de despedida - disse Morrigan caminhando até a bunda da irmã e dando uma suave lambida no chantilly e repondo-o com a lata em sua mão, a qual pelo visto era uma lata de chantilly.

- Meu presente é lamber o cu da sua irmã? - perguntei curioso.

- Oh, não - disse Morrigan com um sorriso sádico. - Não só lamber. Você vai tirar outra virgindade dela.

Então a Succubus de cabelos verdes caminhou até mim e me beijou enquanto desamarrava meu quimono. Então foi acariciando meu pau por dentro da calça, fazendo-o endurecer.

- Sabe, não sou tão chegado em doces, mas acho que assim é uma boa forma de começar a me tornar um fã - eu falei beijando Morrigan.

- Você não viu nada - disse ela apertando a lata de chantilly e lambuzando seu seio esquerdo. Logo caí de boca naquela teta gostosa e comecei a lamber o doce. - Sabia que você não resistiria. Agora venha para o prato principal.

Caminhei ao lado de Morrigan até a bunda da Lilith, quem e olhava apreensiva, mas cheia de tesão. Meti minha cara no meio daquelas nádegas lisinhas e comecei a chupar o chantilly e lamber o cuzinho apertadinho e virgem dela. Morrigan se ajoelhou na minha frente e abaixou minhas calças, revelando meu pau já meio duro. Então segurou-o com firmeza e colocou-o na boca, começando um boquete daqueles. Minha língua ia penetrando suavemente o ânus da Lilith, fazendo-a gemer bastante e morder os lábios de tesão.

- Ohhh... Ryu... vai devagariiinho - ela pediu em meio aos gemidos.

Eu nada respondi e segui lambendo aquele cuzinho, babando ele todinho para lubrificar o máximo possível. Morrigan também fazia um ótimo trabalho no meu pau. Já estava tão duro quanto poderia ficar e ela agora babava e cuspia por toda a extensão da minha pica, além de acariciar minhas bolas deliciosamente. Minhas mãos abriam bem a bunda da Lilith e minha língua agora percorria as ranhuras ao redor do seu cu, levando-a à loucura. Sua irmã mais velha aumentara o ritmo do boquete, me fazendo estremecer de tesão.

- Acho que você está pronto para ela - disse Morrigan tirando meu pau da boca e massageando-o. - E ela, está pronta para você?

- Acho que sim - eu falei dando uma cusparada no cuzinho da jovem Succubus.

- E-estou... - gemeu baixinho Lilith. Sorri para ela e subi na mesa me preparando para penetrá-la. - Só vai devagarinho...

- Jamais achei que você fosse me dar o cu da Lilith de presente - eu falei roçando meu pau naquele cuzinho super apertado.

- Nós Succubus não temos o hábito de fazer sexo anal, até porquê geralmente demônios vêm direto por nossas bocetas, mas você fez por merecer - disse Morrigan sorrindo e beijando meu corpo.

Comecei a colocar a cabeça do meu pau naquele cuzinho incrivelmente apertado. Segurando firme minha pica, coloquei toda a cabeça de uma vez. Lilith deu um berro de dor e mordeu os lábios. Aos poucos eu fui colocando o resto do meu pau, aos poucos para que ela fosse se acostumando. Nunca tinha metido num cu tão apertado, mas também não me lembrava de ter desvirginado um cuzinho. Morrigan sentou-se numa cadeira enquanto me via penetrar a irmã e começou a se tocar. 

Enfim meu pau entrou completamente. Lilith gritava de dor e ameaçava desistir, mas já tínhamos chegado até ali e não iria parar. Com meu pau pulsando dentro dela depois de alguns minutos, comecei o vai e vem devagarinho. Lilith gemia de dor e tesão enquanto meu pau ia e vinha por aquele caminho super apertado.

- M-morrigan... E-ele está... me arrombando... - gemeu Lilith com os olhos fechados sentindo meu pau penetrá-la ainda com suavidade.

- Você ainda não viu nada - disse Morrigan com um sorriso malicioso enquanto se tocava.

Após alguns minutos metendo devagarinho, senti que Lilith havia se acostumado um pouco, portanto comecei a aumentar o ritmo. Seus gritos aumentaram de intensidade, mas agora eram mais de tesão do que de dor, portanto segui metendo naquela velocidade mais razoável. Eu ia segurando na cinturinha da Lilith e metendo nela. Podia sentir meu pau abrir caminho por aquele cuzinho que já devia estar um bocado ardido, por conta da lubrificação que ia ficando cada vez mais escassa.

- Morrigan, acho que precisarei de um pouco mais de lubrificação aqui - eu falei.

- Ah, vocês humanos e o medo de nos machucar - disse Morrigan se levantando e pegando um vidro de alguma coisa que parecia ser um lubrificante viscoso que elas costumavam usar nesse mundo. Passou por todo o meu pau e no cuzinho da Lilith, então jogou o vidro longe. - Agora vê se não para.

Então Morrigan se sentou na cadeira novamente e voltou a se masturbar. Agora meu pau entrava e saía tão facilmente daquele cuzinho que eu aumentei o ritmo um bocado. Coloquei Lilith de lado na mesa e me deitei por trás dela, de conchinha. Então segui fodendo seu cuzinho. Ela mantinha as pernas juntas e gemia a cada estocada que eu dava no seu cu. Uma mão minha me apoiava de lado na mesa enquanto a outra acariciava o belo corpo da jovem Succubus, percorrendo suas coxas, quadril, barriguinha e pequenos seios. Morrigan fora à loucura com aquilo, aumentando ainda mais a intensidade de sua própria masturbação.

Minhas metidas foram se tornando cada vez mais intensas e a bunda da Lilith começava a estalar contra minha virilha peluda. Suas nádegas reverberavam com as minhas metidas e seus gritos de dor e tesão foram ficando mais altos ainda. Segurei com força no seu quadril e fui estalando contra sua bunda. Meu pau ia arrombando aquele cuzinho recém-desvirginado e meu corpo começava a suar por conta do esforço. Minhas bolas iam batendo contra a xotinha encharcada dela e Lilith ia fazendo movimentos com o quadril, buscando estimular a si própria e encontrar uma posição cada vez mais confortável para aquelas estocadas no cu. Entretanto era uma busca infrutífera, tendo em vista que as estocadas não se tornavam mais cômodas, não importava o que ela fizesse. Ela teria que se acostumar com elas.

Morrigan aumentara também o ritmo da própria masturbação empolgada com a velocidade das minhas estocadas e com os altos gemidos da irmã. Enchia a boca com chantilly enquanto se tocava e lambia os lábios de tesão, sem desgrudar os olhos de mim.

- Não se esqueça que sua porra tem que ser na minha boca para eu realizar o encantamento - lembrou Morrigan ao ver o quanto eu estava empolgado com aquela foda.

Ignorei-a e segui metendo com força na Lilith por trás dela, de lado. Nossos corpos pareciam opostos, o meu totalmente rústico e grande e o dela delicado e pequeno, quando comparado ao meu. Ainda assim meu pau parecia encaixar nela com perfeição. O lubrificante que Morrigan usou estava funcionando às mil maravilhas e eu escorregava para dentro dela sem dificuldade alguma. O visual da Lilith, com diversos cintos ao redor do corpo, era um tanto quanto exótico, mas dava um ar tão sensual para ela que me fazia quase enlouquecer de tesão. 

Saí de trás dela e a puxei para a beirada da mesa. Virei Lilith de barriga para cima e levantei bem suas pernas. Ela se assustou com aquela posição e mais ainda quando coloquei meu pau novamente no seu cuzinho ardido. Segurando suas pernas para o alto e na direção dos seus ombros, meu pau foi entrando e saindo daquele cuzinho naquela posição missionária com um quê de flexibilidade. Eu olhava para o corpo todo da Lilith enquanto a penetrava e só pensava o quanto eu queria gozar por todo aquele corpinho indecente e sexy. Ela me olhava com os olhos semicerrados e cheios de tesão. Lilith gemia bastante e mordia os lábios enquanto suas mãos arranhavam a mesa.

- Puta merda... isso tá delicioso... - eu falei aumentando ainda mais o ritmo das metidas.

- AHH AHH AHHHHH - ia gritando Lilith. - MAIS DEVAGAR! AHHH!

Morrigan estava tendo seu orgasmo e estremecendo enquanto me via foder com tanta força o cu da Lilith. Meu corpo estalava agora com força contra o dela e minhas mãos seguravam com tanta força as pernas dela, forçando-as para cima que a jovem Succubus sentia suas coxas e nádegas alongarem sem poder dizer nada, apenas gritar de dor e tesão. 

- M-morrigan... V-vem... - eu tentei dizer em meio a gemidos que escapavam.

A Succubus de cabelos verdes se apressou em ficar de joelhos ao meu lado e depois de mais uma sequência forte de estocadas naquele cu delicioso eu tirei meu pau lá de dentro e coloquei na boca da Morrigan. Gozei como nos outros dias, muito. Esporrei com tudo no fundo da garganta dela e a garota engoliu tudo sem engasgar, lambendo meu pau ainda duro.

- Bom, isso será suficiente para... - ia dizendo Morrigan quando a interrompi.

- Não pense que vou embora sem te foder mais uma vez - eu falei segurando-a e colocando-a em pé, contra a mesa e com a bunda virada pra mim.

Aproveitando meu pau ainda duro, penetrei sua xota molhada e recém gozada. Morrigan gritou de tesão e comecei a estalar nela com toda a minha força, tesão e fúria. Segurava suas mãos atrás das costas enquanto a fodia com tudo. Seus peitões balançavam roçando na mesa e sua irmã, Lilith, completamente exausta observava a cena cheia de tesão. Agora a jovem Succubus quem pegava o chantilly e despejava na minha boca para que eu me deliciasse com o doce enquanto meu pau se deliciava com a boceta suculenta da Morrigan. 

- AHH AHH AHH!! - ia gritando Morrigan cheia de tesão sentindo-se tomada completamente por mim.

- Puta merda! - eu gritei já sem pensar no que fazia, apenas agindo por instinto e tesão.

Sentia meu pau explodindo de prazer dentro dela e meu corpo completamente suado molhando toda a bunda gostosa dela. Lilith me beijava na boca enquanto minhas mãos fechadas ao redor dos antebraços da Morrigan a impediam de se apoiar completamente na mesa. 

- Oh, Ryu... Esse seu pau é tão delicioso... Mostra pra Morrigan, mostra... - sussurrava Lilith no meu ouvido entre nossos beijos.

Tomado por um instinto animalesco, soltei seus braços fazendo-a cair para frente, mas se apoiando na mesa. Em seguida segurei em seus longos cabelos verdes e os puxei pra trás com tudo, fazendo até Morrigan gritar um pouco por dor e me xingar. Com a mão livre, a abracei por trás e segurei em um seio, então comecei a meter com tudo o que eu tinha. Meu corpo ia e vinha, ia e vinha e aquela xota encharcada parecia engolir meu pau de tão delicioso que ele entrava nela.

SLAP SLAP SLAP SLAP

O som das minhas estocadas tomaram o castelo e eu não podia mais me controlar, meteria nela até não aguentar mais. Minhas mãos se apertaram em seus cabelos e seio e meu corpo todo se contraía. Lilith apenas olhava a cena cheia de tesão enquanto acariciava o próprio cuzinho ardido, de modo a aliviar a dor. Eu sentia cada vez mais o clímax se aproximar, a cada metida que eu dava eu sentia meu pau mais próximo de explodir em tesão. Minhas bolas batiam contra os grandes lábios encharcados de suor e lubrificação da Morrigan e cãibras já começavam a atacar algumas partes do meu corpo por conta do alto esforço ininterrupto.

- Se prepara que eu vou te encher de porra... - eu disse para ela ao som das estaladas do meu corpo na sua bunda gostosa.

- N-não goza dentro de mim... Goza na nossa cara... - gemeu Morrigan.

Estava decidido a encher a vagina dela de porra, mas a ideia dela me pareceu bem interessante, portanto após algumas metidas, tirei meu pau de dentro dela. Peguei a lata de chantilly e despejei por toda a minha pica dura. Morrigan e Lilith se ajoelharam na minha frente e começaram a dividir meu pau coberto pelo doce. As duas gemiam enquanto me chupavam deliciosamente e eu mesmo estremecia de tesão sem me controlar. Tinha uma mão acariciando os cabelos de cada uma delas e quando dei por mim, meu pau já gozava sem parar nos rostos das duas. Os primeiros jatos acertaram o rosto da Morrigan em cheio, enquanto os outros, mais fracos foram atingindo os pequenos seios da Lilith e a barriga da Morrigan.

Ambas começaram a se deliciar com a minha porra enquanto eu caía sentado exausto de tesão. Meu pau mole latejava e meu corpo todo transpirava. Minha respiração estava pesada e meu coração acelerado. Depois de um bom tempo assim, nos arrumamos e Morrigan se preparou para a magia.

- Você bem que poderia ficar e viver conosco - ela disse para mim.

- Sinto muito, tenho trabalhos a fazer - eu disse, ainda que quisesse ficar e viver naquele castelo para sempre.

Morrigan então fez uma cara de triste e seguiu para fazer a magia que abriria o portal. Assim que o fez, me despedi das duas e mergulhei no portal apenas rezando para que tudo estivesse bem.

- Ele se foi - disse Lilith triste.

- Não se preocupe - disse Morrigan acariciando a barriguinha da Lilith. - O filho que ele fez em você no primeiro dia crescerá e se tornará o mais forte de nossa terra, eliminando todos os nossos inimigos.


Notas Finais


E assim Ryu voltou para sua dimensão. Ainda faltam dois capítulos para finalizar esta saga, espero que estejam curtindo e não deixem de acompanhar! Outra coisa importante, como alguns daqui já devem saber, eu mestro alguns RPG hentais. Já mestrei alguns, hoje mestro um ou outro, mas tive uma ideia bacana do que fazer com o material que é produzido. Abaixo está a ideia:

Bônus
- Já pensou em protagonizar as histórias sexuais mais loucas comigo? - perguntou Morrigan a você, leitor. - Isso mesmo, você pode fazer parte disso. Se houver procura por mim, haverá uma nova saga na qual cada capítulo contará com a ajuda de um leitor, que fará sexo comigo e ainda poderá escolher qualquer garota para participar. Meus poderes permitem invocar qualquer uma mesmo. Venha sem medo de ser feliz, eu posso realizar qualquer desejo seu.

Morrigan então estará a espera de candidatos para participarem. Espero que curtam a ideia!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...