História Stuck In This Love - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~biebsjerry

Postado
Categorias Justin Bieber, Kendall Jenner
Personagens Justin Bieber, Kendall Jenner, Personagens Originais
Exibições 124
Palavras 4.379
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura e desculpem a demora...

Capítulo 5 - Proposta


                        POV’s Dakota Boulevard 

 

            Pela manhã, acordei com o barulho de motores de carros, como, se suas potências, estivessem sendo testadas. O ronco dos motores ficava cada vez mais irritante, me fazendo colocar o travesseiro na cabeça enquanto xingava o idiota que estava fazendo isso bem debaixo da minha janela. Eu havia ido dormir tarde, passei a madrugada assistindo filmes com Blair e Bárbara. Elas eram filhas de Brenda, uma das cozinheiras da casa. As garotas estavam de férias, e como a mãe passa a maior parte do tempo na mansão e não confia em ninguém para cuidar delas, Kendrick deixa com que elas venham passar o dia aqui. Mesmo sendo garotinhas de dez e doze anos, era interessante brincar com elas, pois elas eram inteligentes e, bom, eu não tinha companhia, já que a única que eu tinha, estava, no momento, com muita raiva de mim, raiva essa que já estava durando cinco dias contando com hoje. Não que isso estivesse me incomodando, realmente. 

 

            Na noite passada, acabei por convidar as garotas para uma festa do pijama. Eu costumava dar essas festas quando eu estava no ensino médio, e as filhas de Brenda nunca haviam participado de nenhuma, então eu pedi para alguém comprar muitos doces e prepararem a sala de cinema, e por fim pedi para Brenda deixar com que as deixasse comigo por uma noite, então depois de muito insistir, ela acabou cedendo. Agora, depois de uma noite de muita diversão até tarde da noite, eu estava sendo acordada cedo demais, à força. Tive que levantar da cama e ir à varanda ver o que estava acontecendo, e me surpreendi com os cinco carros luxuosos parados na porta da casa, literalmente embaixo da minha janela. Os carros ali eram duas BMW, duas Ferrari e por fim um Camaro. Ryan estava perto de uma das BMW, e ao lado  um cara checando o motor, enquanto Justin estava no banco do motorista, provavelmente ele que estava acelerando e fazendo todo aquele barulho. Também havia uma garota loira próxima a eles, ela estava sentada em cima do capô de um dos carros, ela estava concentrada escrevendo em um caderno. Voltei minha atenção para dentro do quarto vendo as garotas ainda dormindo em minha cama, a qual confortou nós três esta noite. Talvez elas fossem do tipo de sono pesado. Andei para dentro e fui até o banheiro escovar os dentes e prender meu cabelo que estava todo desgrenhado. 

 

          Depois de tomar um rápido banho e colocar um vestido de verão, desci para a cozinha, pelos fundos, deixando as garotas dormirem o quanto quisessem. Encontrei a mesa da cozinha cheia de comida, e pela primeira vez não tinha ninguém à mesa. Somente uma cozinheira e a governanta, Tereza, que estavam na copa, mas elas somente me desejaram bom dia e começaram a conversar sobre os pratos do dia. Me servi com suco e torradas enquanto checava os emails que havia recebido de algumas colegas, em meu celular. A porta da garagem que dava na copa, se abriu e por ela entrou a garota loira, que eu havia visto no pátio de entrada. Ela sorriu em minha direção e pediu um copo de água para Tereza, ela pegou o copo e veio até perto de onde eu estava sentada, enquanto bebia a água. Reparei que sua roupa tinha um emblema de uma loja de peças de carros, talvez ela tenha vindo supervisionar algo. 

 

         – Oi – disse ela colocando o copo na mesa – Você deve ser a Dakota – estendeu a mão para mim sorrindo. Apertei sua mão me perguntando como ela sabia meu nome. 

 

         – Olá... Hm... Sim, sou eu – afirmei desconfiada. 

 

        – Sou Kelsey – seu sorriso aumentou, como se ela estivesse animada – Um dos garotos lá fora, comentou que provavelmente você estaria tomando café, e que se não houvesse nenhuma empregada aqui, eu podia pedir o copo d’água pra você – falou como se estivesse respondendo minha pergunta silenciosa. Eu sabia bem quem havia a instruído disso. 

 

         – Ah sim, claro – assenti – Você está ajudando com os carros? – não pude me conter em perguntar – Ah! Você quer se sentar? Pode pegar o que quiser – apontei para a cadeira a minha frente. 

 

          – Oh! Deixe para outra hora, porque estou ajudando a organizar a lista de coisas que os carros dos meninos vão precisar – sorriu simpática – Você vai estar na festa esta noite? – perguntou curiosa me fazendo a encarar completamente confusa – Você sabe, o hotel da sua família vai reinaugurar hoje, e bem, eu fui convidada pelo Ryan, então pensei que poderíamos ficar juntas por lá, aliás não conheço ninguém a não ser ele, mas ele estará em serviço – sorriu tímida passando a mão nos cabelos jogando-os para trás. 

 

         – Quem sabe – dei de ombros. Eu não fazia idéia do que ela falava, mas concordei pra não sair como uma idiota que não sabia nem o que estava acontecendo. 

 

         – Ótimo! Então nos vemos – acenou e saiu pela garagem. Eu não diria que iríamos nos ver. 

 

        Terminei de tomar café, fui para meu quarto novamente encontrando-o vazio. Franzi o cenho parando no meio o grande quarto e olhei em volta procurando Blair e Bárbara. Fui até o banheiro e ao closet, e nenhum sinal delas. Eu já estava ficando preocupada, porque essa casa tinha vários lugares onde elas podiam se machucar ou cair e, a mãe delas, já estava chegando. Dei a volta nos corredores e fui em direção a escadaria que dava a sala de estar. Antes mesmo de eu me aproximar da escada, pude ouvi-las no andar de baixo provavelmente já com a mãe delas, mas me surpreendi quando cheguei ao primeiro degrau e vi Justin ali também. Eu não sabia o que falar para ele quando seus olhos me avistaram no topo da escada, Justin parou sua conversa com Brenda e me fitou fixamente, logo Brenda também se virou e me viu, ela me mandou um sorriso e pegou na mão das garotas e saiu dali indo para copa. Terminei de descer a escadaria sentindo olhos em mim, eu não sabia o porquê dele estar me olhando e gravando cada passo meu. 

 

        – Bom dia, Dakota – levantei minha cabeça de súbito ao ouvi-lo se dirigir a mim – Tudo bem? – o leve sorriso em seus lábios me fez olhar para ele desconfiada. 

 

         – Hm... Sim – fiz uma careta internamente. Por que eu estava nervosa? O fato de eu saber que ele gosta de mim, mais do que deveria, talvez explique. 

 

         – Gostou do vestido? – cruzou os braços me olhando com mais atenção. 

 

         – Que vestido? – mordi o lábio inferior com uma expressão confusa, o que era bom, já que era assim mesmo que eu me sentia. 

 

         – Você por acaso sabe que hoje é dia de reinauguração do hotel da sua mãe? 

 

         – Bem...

 

        – Kristen não te contou? – franziu as sobrancelhas quando neguei com a cabeça – Ela me mandou ir buscar seu vestido hoje cedo, já deve estar em seu quarto. A festa se trata de um jantar para a alta sociedade e para os sócios do Kendrick – uma sombra de um sorriso irônico apareceu em seu rosto – Você é novo assunto no meio deles, você sabe, ninguém imaginava que Kristen tinha uma filha e que, por puro capricho, estava em um colégio interno – deu de ombros colocando as mãos no bolso. 

 

          – Eu não estava em um colégio – falei com uma careta óbvia. 

 

         – Não é o que sua mãe diz – repetiu minha expressão e riu logo depois – Colabore e finja que estava. Venho te buscar às cinco e meia – deu as costas para mim, mas me apressei em ir puxar seu braço. 

 

          – Eu não vou a lugar algum, diga isso a ela – esbravejei. 

 

          – Por que você mesma não diz? – acenou com a cabeça para trás de mim. Me virei e Kristen havia entrado na sala enquanto dava algumas instruções para uma das empregadas – Esteja pronta na hora certa. Não a contrarie, não quero que ela dê um jeito em você – com seu aviso estranho dado, Justin saiu da casa fechando a porta da frente. 

 

           – Dakota – parei no meio do caminho que estava fazendo para fora da sala ao ouvir Kristen me chamar – Venha até aqui, querida – fiz uma careta antes de ir até onde ela estava – O que Justin queria? – cruzou os braços após fazer um sinal dispensando a arrumadeira. 

 

            – Não sei, ele só me deu um recado que você não me deu – rolei os olhos – Que jantar é esse? Eu não quero ir. 

 

            – Já chega de parecer uma anti-social, Dakota. Está começando a agir como uma garota mimada, isso não faz parte da nossa índole – franziu o cenho me repreendendo. Tive que rir. 

 

             – Nossa índole? Você tem índole de golpista isso sim. Não preciso me comportar como você, obrigada. 

 

             – Você vai à festa, sim! E trate de se arrumar como uma garota de verdade, não como uma... – me olhou de cima a baixo – Adolescente maluca – disse com desdém – Eu escolhi um vestido maravilhoso para você, está em seu closet. 

 

              – Eu não irei. Você não tem autoridade suficiente para me fazer ir. 

 

               – Se você quiser que eu facilite sua vida, tire Justin do seu pé e te deixe sair sozinha, faça o que mando. Ou você já sabe... Você não vai ver ninguém nem tão cedo, faço questão de te trancar naquele quarto, e nem sonhe mais com Londres, pra lá você não irá voltar tão cedo se continuar me desafiando. 

 

                        (...)

 

               De frente com o espelho, eu olhava vestido preto que eu vestia. Não era algo que se podia dizer comportado, mas era elegante e muito bonito. Aquele vestido era o tipo de vestido que eu via em revistas, ou desfiles da Fashion Week em Paris. Meus cabelos estavam naturais, eu apenas havia secado. Talvez eu tenha exagerado na maquiagem preta, mas havia ficado bonita. Kristen havia tido o cuidado de conseguir sapatos e jóias que combinasse com aquele vestido. 

 

                Já era cinco para seis e Justin ainda não havia chegado, ele somente me disse que estava resolvendo um problema na tal boate onde ele tanto se enfiava, e iria se atrasar. Eu esperava que ele demorasse o máximo possível, aliás, eu nem queria ir, mas Kristen acabou me convencendo. Não sei o que me deu naquele momento para aceitar, porque eu sabia que ela não faria nada para facilitar minha vida naquela casa, ela somente disse aquilo para me convencer a ajudar na mentira dela e deixar com que ela pague de mãe exemplar por algumas horas. A única coisa que eu queria era que Justin me ligasse e dissesse que eu não precisava mais ter que ir, mas minha esperança se acabou quando vi pela janela uma SUV estacionar e Justin sair de lá de dentro. 

 

               Me apressei em pegar minha bolsa e meu celular, saí do quarto fechando a porta percebi o silêncio na casa, era como se todos estivessem dormindo, mas era somente o fato de que todos já estavam na tal festa e somente estava eu na casa. Assim que cheguei ao hall de entrada, dei de cara com Justin falando ao telefone, ele estava vestido em um smoking negro, que se me permite dizer, ficou maravilhoso nele. Nunca pensei que iria ver Justin vestido como um dos seguranças da casa, ele até mesmo estava com um ponto no ouvido para manter contato com os outros seguranças, provavelmente. Ele me viu e fez um sinal para que eu esperasse, a conversa parecia séria, e eu soube que era Kendrick ao ouvir ele chamar a outra pessoa de chefe. Quando ele desligou, veio até mim abrindo um sorriso. 

 

             – Animada? – sarcasmo estava sendo um de seus tons freqüentes. 

 

             – Muito – repeti seu ato e ele sorriu mais amplamente. 

 

             – Você vai gostar, e também eu vou estar sempre com você, e aqui entre nós, eu sei o quanto você gosta da minha presença – sorriu sacana me mandando uma piscadela – Você está linda – mudou de assunto antes que eu retrucasse e pegou minha mão me fazendo dar uma voltinha – Realmente está muito bonita, ou em outros termos, você ta gostosa pra caralho – balançou a cabeça aprovando seu próprio comentário. 

 

             – Justin! – bati em seu braço sentindo minhas bochechas ficarem coradas. 

 

             – Você está corando? Oh meu Deus, Dakota Boulevard está tímida? – Justin parecia surpreso, mas estava realmente tentando me deixar mais envergonhada. 

 

               – Cala boca, idiota – o empurrei e fui em direção a porta. 

 

               – Oh sim! Essa sim é minha garota, sempre puta comigo – zombou começando a rir enquanto me seguia – Então você não gosta de comentários desse tipo? Merda! Eu estava pronto pra te dizer o quanto te acho sexy – estalou a língua no céu da boca. Bufei mostrando o dedo do meio pra ele, que riu mais ainda. 

 

                  Justin abriu a porta do carona pra mim ainda risonho. Aquilo havia o divertido, eu queria saber o porquê de ter ficado envergonhada. O caminho foi tranqüilo, durante todo o passeio de carro, o rádio foi o único a fazer algum som. Justin parou o carro em uma única freada brusca quando chegamos ao hotel, já estava ficando escuro e eram quase sete horas. Kristen iria surtar. Justin saiu do carro e caminhou até a minha porta, ele demorou um pouco falando com um dos seguranças antes de abrir a porta e me ajudar a descer. 

 

              – Não se afaste de perto de mim sem me avisar antes – murmurou enquanto me ajudava a arrumar a barra do vestido. 

 

              – Por quê? É apenas uma festa – resmunguei e recebi um olhar sério, para logo depois ser ignorada e levada para dentro do hotel. Era magnífico, com toda a decoração rústica, mas com um toque moderno. Os quadros na parede do lobby chamavam a atenção para uma arte contemporânea, as paredes em vermelho e escuro e um marrom claro – Incrível – comentei esperando receber um comentário de volta, mas Justin olhava para alguém do outro lado do salão.  

 

                                                                        POV’s Justin Bieber

 

              De todos que poderiam aparecer naquela festa, logo Kelsey tinha que estar naquela merda? Ryan não havia dito que ela estaria ali, eu teria me preparado. E também, ninguém havia me dito que os chefes da máfia russa estariam ali, e a filha do chefe da yakuza estava falando com Kristen ao canto. Bem, agora eu havia entendido o motivo de Kendrick ter praticamente obrigado a equipe de segurança a não deixar Dakota falar com ninguém e nem ninguém falar com ela. Bufei ao ver Ryan conversando com Kendrick perto da mesa de bebidas, ele me lançou um olhar de alerta indicando todo aquele povo perto da garota que nem sabia que boa parte daquelas pessoas estavam armadas. 

 

               – O que foi, Justin? – Dakota chamou minha atenção de volta para ela. 

 

               – Não é nada – sorri e a virei em direção às mesas – Vamos pra lá, aqui tá muito cheio – arrumei uma desculpa. 

 

               – Mas não tem quase ninguém e...

 

               – Sem retrucar, Dak – a calei puxando da mesa onde tinha o nome “McKinnon” em um papel dobrado – Quer beber algo? – mudei de assunto quando ela se sentou. 

 

                – Não – resmungou cruzando os braços, sua expressão era de quem estava irritada. Me controlei para não reclamar por ela estar com aquela cara. Me sentei na cadeira ao seu lado mesmo não sendo algo permitido. 

 

              Bom, essa noite eu teria que fazer algo para que ela esqueça o fato de eu ter ignorado ela a semana toda, aliás, nem sequer foi minha culpa, eu tive que viajar rapidamente para Las Vegas por ter sido aniversário da minha mãe. Então, usei esses dias para estudar a vida de Dakota, fiquei sabendo que ela teve um namorado antes de vir pra Miami, eles terminaram porque ele a enganava, ele dizia ser alguém que não era ou algo assim, preferi não me aprofundar porque era mais ou menos isso que eu estava fazendo. Ela era uma garota difícil de lidar, mas seu ponto fraco eram elogios pelo que eu havia percebido hoje, então eu iria usar meu lado atencioso com ela, iria elogiá-la e tratá-la de modo que ninguém estava a tratando ultimamente. Era tudo patético demais vendo de fora, mas eu recebi recados de todos aqueles que estavam me ajudando, sobre a demora de evolução do plano, eles queriam cair fora e sei que me foderiam se saíssem, então eu tinha que dar um jeito. 

 

              – Você não precisa ficar de cara fechada – ganhei sua atenção novamente – É só uma ou duas horas, assim que sua mãe esquecer que você está aqui, eu te levo pra casa. 

 

              – Tanto faz – fingiu desdém dando de ombros – Prevejo tédio – choramingou apoiando os cotovelos na mesa e seu rosto em suas mãos. 

 

             – Eu também odeio esse tipo de festa. 

 

            – Você vai à muitas festas? – voltou à posição anterior e virando o corpo em minha direção. Assenti. – E você não presta nem pra me levar – bateu e meu braço. 

 

             – Eu trabalho numa boate, docinho. Lá é festa todo dia – dei risada de sua careta. 

 

             – Você deveria me levar lá. Afinal, você me chamou uma vez, se lembra? – cruzou as pernas colocando a bolsa carteira em cima das pernas. Instantaneamente meus olhos pararam em suas pernas, seu vestido tinha uma grande abertura na frente, deixando claro que seu vestido era composto apenas por uma espécie de maiô com um véu transparente fazendo o papel de saia deixando tudo à mostra, sem contar que aquele decote era uma grande revelação para os meus olhos. Mordi o lábio inferior confirmando para mim mesmo, mais uma vez, o quanto ela estava gostosa – Meus olhos são em cima, Justin – seu tom risonho me tirou do meu pequeno transe e a olhar. 

 

            – Oh! Desculpe – sorri malicioso a fazendo rolar os olhos – O que dizia? 

 

            – Você é muito ridículo – sua risada foi espontânea – Bem, confesso que esse vestido não é algo discreto – deu de ombros. 

 

            – Eu adorei – ampliei meu sorriso e ela riu mais uma vez. 

 

            – Aposto que sim – balançou a cabeça negativamente. Seus olhos pararam em algo ou alguém atrás de mim a fazendo ficar séria – Já vi aquele cara no noticiário – franziu o cenho e eu me virei rapidamente. Merda! É claro que ela viu. Ele é suspeito por tráfico de pessoas, e Kendrick o tinha como sócio, eles se ajudavam em algumas coisas, até mesmo em seqüestro e venda de crianças e adolescentes. Ninguém nunca conseguiu provas contra ele. 

 

              – Se lembra em qual? – perguntei mantendo os olhos nele que estava vindo em nossa direção com sua esposa. 

 

             – Acho que não. 

 

             – Ótimo – me levantei e a peguei pela mão – Vamos fazer um tour, baby – tentei ser rápido, mas Robson e sua mulher nos cercaram com sorrisos amigáveis. Amigáveis é o caralho! Eu odiava aquele velho e ele sabia disso. 

 

                – Bieber, meu amigo – saudou com uma animação elevada. Coloquei Dakota atrás de mim por impulso. 

 

                 – Robson – acenei com a cabeça para os dois. Apertei a mão da garota atrás de mim quando vi os olhos da senhora O’Shea a analisar. Aquela vadia maldita adorava adolescentes como Dakota, isso dava dinheiro para os cafetões por aí. 

 

                – Quem é a bela moça? – Elysa perguntou com interesse. 

 

                – Enteada do McKinnon – me limitei a dizer. 

 

                – Oh não seja tímida, querida – se aproximou de Dakota me deixando tenso, procurei Kendrick pelo salão com os olhos e não o achei – Sou Elysa O’Shea – apertou a mão de Dak sorrindo amplamente – Você é linda – elogiou fazendo Dakota franzir o cenho desconfiada. 

 

                – Dakota Boulevard – se apresentou – Obrigada – se encolheu para perto de mim agarrando meu braço. Ela sentiu que Elysa estava a cobiçando demais com seus olhos de falcão. 

 

                 – Está namorando a enteada do chefe, Justin? Interessante – Robson comentou fitando nossas mãos juntas enquanto coçava o queixo. 

 

                – Não namoramos, sou segurança dela – apertei o maxilar ficando irritado com tanta merda. Se ele falasse algo a mais, iria morrer ali mesmo – Temos que ir – puxei Dak a arrastando dali, não me importei se fui brusco demais e que Kendrick iria falar na minha orelha o quanto eu deveria ser cuidadoso com esses caras, mas eu não estava nem aí. Ninguém iria me atrapalhar. 

 

                – Estamos fugindo? – Dakota perguntou me fazendo parar perto dos elevadores. 

 

               – Mais ou menos – brinquei, mas não recebi nada além de um olhar sério. Suspirei – Eu não gosto deles, são estranhos demais. 

 

              – Também achei – mordeu o lábio inferior e chegou mais perto de mim para sussurrar – Todos nesse lugar agem de modo estranho – olhou em volta apreensiva. 

 

               – Impressão sua – desconversei e ela deu de ombros. Aproveitei sua proximidade para beijar sua bochecha – Não se preocupe – sussurrei dando-lhe mais um beijo em seu maxilar e me afastei podendo ver que ela havia ficado envergonhada – Vamos beber algo. 

 

                                                          (...) 

 

                 Com um tilintar de uma faca numa taça, Kendrick chamou a atenção de todos os presentes. O silêncio se propagou e todos pararam de prestar atenção em seu jantar para dar total foco ao senhor e senhora MacKinnon que estavam de pé ao lado da mesa onde estavam eles, Dakota e alguns “privilegiados” a se sentar com eles, assim como Kelsey que foi convidada por Dakota a se juntar a eles, pelo jeito Kelsey havia conquistada certa confiança, porque a Boulevard não era do tipo que se enturma rápido com quem ela não simpatiza. Ryan, Blake e eu estávamos na porta do salão como verdadeiros seguranças observando a família feliz de longe, pois Kendrick foi doente o suficiente ao chamar seus inimigos para o jantar e apresentá-los a Dakota, que foi burra o suficiente de não ver nada de estranho naqueles caras. Kendrick com certeza estava me testando, ele estava colocando a garota na red zone para que eu a tirasse de lá depois. Sempre soube que essa história de segurança iria me render muita merda, ele sabia que tinha algo em mim que ameaçava seus negócios. Ryan foi quem me cutucou para que eu prestasse atenção no discurso, e quando o fiz fiquei em alerta ao ver Kristen pegar a mão da Dakota a fazendo ficar de pé ao seu lado. Não só eu, mas todos os caras da segurança previram merda ao ver os sorrisos maldosos de alguns inimigos em direção da garota. 

 

               – Esse jantar não é somente para celebrar a grande conquista de minha esposa, mas também para dar boas vindas a minha enteada – uma salva de palmas foi dada enquanto Kendrick passava os braços ao redor das duas ao seu lado – É uma grande honra, finalmente, podermos ter você conosco, Dakota – o sorriso que ela deu foi totalmente falso e debochado. A garota não estava nem aí com as pessoas a sua volta, e isso foi confirmado quando ela pegou o braço de Kendrick e o tirou de cima dela e dando um passo para longe. 

 

                – É notável, mas somente em você, claro – a resposta de Dakota foi dada com seus olhos fixos na vadia da mãe dela que estava quase pulando no pescoço da filha – Enfim, obrigada – deu de ombros fazendo todos rirem como se seu deboche fosse uma coisa naturalmente engraçado. 

 

               – Ok! Então vamos ao brinde – propôs Kristen cortando as risadas. Taças com champanhe rose foram entregues a todos – A nós filha – as duas trocaram um olhar matador antes de brindarem, e todos fizeram o mesmo. 

 

                 – Tem certeza que naquela taça a Dakota não tem um veneno? – Ryan brincou se encostando ao meu lado. 

 

                 – Não reclamarei se tiver, ela só vai ser um empecilho a menos – ri e ele estalou a língua algumas vezes me repreendendo. 

 

                 – Sabe seu maior erro? – perguntou. Dei de ombros – Forma de abordagem e a tratar com se ela não importasse, ela deve sente isso, então ela te afasta. E o que foi aquilo de “gosto de você”, pelo amor de Deus? Você assustou ela, não deu o benefício da dúvida sobre o que você sente. Garotas gostam de desafio, e bem, você foi fácil demais – fez um gesto desdenhoso – Veja só a Kels, ela não se ofereceu, ela somente trouxe Dakota até ela ao se manter no nível que Dakota está: sozinha – apontou as garotas conversando na mesa, Kelsey fez um gesto discreto para Dakota mostrando que eu e Ryan estávamos provavelmente falando delas, Dakota olhou para trás e rolou os olhos e pareceu explicar o porquê estávamos ali – Viu? Ela mal nos suporta, você estragou a coisa toda – me empurrou com o ombro. Olhei feio para ele. 

 

                 – Por que não foi e fez melhor? – esbravejei. Bom, eu sabia que havia errado feio ao falar aquilo da última vez, mas eu já havia formado uma nova idéia para driblar a garota. 

 

                    – Kristen quer falar com você – Blake se juntou a nós e apontou para a mulher indo em direção a um corredor – Ela está indo pro escritório, te quer lá em menos dez minutos – bufei rolando os olhos. 

 

                     – Fiquem de olho na Boulevard – mandei e andei alguns passos até Blake me chamar. 

 

                    – Quando vai admitir? – perguntou com um sorriso maldoso. Fiz uma expressão confusa – Que começou a se importar de verdade com a garota – Ryan segurou a risada quando fiquei estático. 

 

                   – Vai pra merda, mano – os deixei com as risadinhas idiotas. Quando cheguei à porta do escritório dei duas batidas e entrei sem ouvir autorizações, eu não queria ficar muito tempo perto daquela vadia, algo nela estava começando a me irritar de verdade. 

 

                   – Bieber – Kristen sorria enquanto colocava uma maleta prateada em cima da mesa. 

 

                   – Estou em serviço, seja breve – fui direto parando no meio da grande sala que exalava luxo até mesmo no cheiro. 

 

                  – Direto, uh? – riu – Bem, eu só queria avisar que depois da festa, Kendrick e eu, embarcaremos para Milão, temos umas férias pendentes – jogou os cabelos escuros para trás – E eu quero saber o que você acha de fazer um pequeno trabalho pra mim durante esse tempo. 

 

                   – Diga – cruzei os braços. 

 

                  – Você vai ficar na mansão e cuidar de Dakota de um jeito diferente – bateu suas unhas na maleta – Vai fazer a vida daquela fedelha um grande inferno e fazê-lá implorar para Kate me dar o que é meu por direito e tirar a pirralha da minha vida – abriu a maleta virado-a pra mim, ela tinha várias notas de cem dólares dentro – E de recompensa você recebe isso e ainda te coloco como sucessor majoritário do império de Miami – sorriu maldosa – O que acha, querido? – engoli em seco olhando para o dinheiro e para ela. Era a porra de uma idéia tentadora. Mordi o lábio inferior pensando nos prós e contras. Ryan, Blake e eu iríamos finalmente finalizar aquela porra se eu aceitasse. Merda! 

 

                  – Acho ótimo...

 

                                                                    



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...