História Stupid Wife - Norminah - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Dinah Jane Hansen, Normani Kordei Hamilton, Norminah, Stupid Wife
Visualizações 260
Palavras 3.416
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey, mores. 💘
Não tenho muito o que falar não, apenas espero que gostem do capítulo e sofram por Laurmani sim rsrs.
Enjoy!

Capítulo 18 - Snow Day


Fanfic / Fanfiction Stupid Wife - Norminah - Capítulo 18 - Snow Day

Depois do jantar, subi para colocar Seth na cama, mas ele estava inquieto, não queria dormir antes de dar um beijo em Normani.

– Mommy, chama a mamãe pra vir me dar um beijo de boa noite, por favor – implora com os olhinhos brilhando. Como negar algo para ele? Se ele me olha com esses olhinhos cor de mel tão lindos e essa carinho fofa, como? É impossível.

– Tudo bem, boo – concordo e ele sorri, pega a chupeta e coloca em sua boca. Preciso começar a ensinar ele a dormir sem isso, já passou da hora dele largar a chupeta. – Já volto.

Ele apenas acena e agarra o urso de pelúcia que está em seus braços. Levanto-me do chão e saio do quarto. A porta do quarto onde Normani dorme está aberta, o que quer dizer que ela não está ali. Desço as escadas em busca dela, nada de sala, penso em ir em seu escritório mas, ao ver a luz da cozinha acesa deduzo que ela está lá.

– Norma... – Me calo ao me deparar com aquela cena, engulo seco e travo no lugar. Normani está encostada em um dos balcões da cozinha, ela lê algo em seu aparelho celular enquanto come alguma fruta que está no pequeno pote verde ao seu lado. Mas o que me chamou a atenção não é o que ela está fazendo e sim a forma que ela está vestida.

Pigarreio e balanço a cabeça, tentando em vão desviar a atenção de suas pernas.

– Que susto, porra. – A voz alarmada de Normani me faz voltar a olhar seu rosto, ela está com uma mão na boca e os olhos meio arregalados. – Desculpa, você me assustou, amor.

Amor...

Poderia até tentar pensar em alguma coisa mais coerente, mas por que raios as pernas dela parecem tão atrativas? Por que Normani está usando essa camisola, robe, não sei o que é. E por que eu simplesmente não consigo raciocinar ou ter reação de não olhar para ela?

Normani parece ter algum tipo de áurea sexual que me atraí como um imã. Não é porque não me lembro de alguns anos da minha vida que parei de apreciar a anatomia feminina, afinal, sempre gostei de admirar as garotas da escola. E admito... Normani sempre foi uma delas.

Mesmo sendo irritante e idiota, Normani sempre foi linda. Confesso.

– Hey? Tudo bem? – Normani estala seus dedos em frente ao meu rosto, salto com o susto e quase caio no chão, mas Normani me segura pela cintura. – Está sentindo alguma coisa? Você está meio pálida. – Sua voz demonstra preocupação, balanço a cabeça negativamente.

Normani solta minha cintura e dá um passo para trás, mantendo o olhar em meu rosto, estudando-o com cautela, como se estivesse se certificando de que está mesmo tudo bem comigo.

– Eu estou bem, eu só...

– Quer cereja? – Normani me interrompe, olho para ela e a vejo pegar o mesmo potinho que vi antes. – Essas estão doces, do jeito que você gosta.

Ela pega uma cereja e leva até sua boca, seus lábios envolvem a pequena fruta e ela fecha os olhos para saboreá-la. Meus lábios se abrem um pouco sozinhos, minha respiração falha e tenho que me controlar para não pensar besteira alguma. Por que de repente tudo em Normani me faz pensar em algo sexual?

Foi a maldita dança... Maldita Bachata!

– Eu não quero, não, obrigada. – Finalmente consigo dizer, Normani dá de ombros e pega outra cereja. – Eu vim te chamar, Seth pediu que você fosse dar um beijo nele de boa noite.

– Hmm. – Normani se afasta do balcão e deixa o pote em cima do mesmo, limpa a boca com as costas de sua mão. – Eu esqueci de ir lá falar com ele. – Sorri sem jeito ao passar por mim, apenas dou um sorriso de lado, abaixo a cabeça e espero ela passar. Olho para as costas de Normani e meus olhos automaticamente descem até sua bunda, que se move graciosamente enquanto ela caminha. Tudo ficou em câmera lenta ou é só na minha cabeça?

Dinah Jane!

– É... Conviver com Normani Kordei não vai ser tão fácil quanto eu pensei.

[***]

Ruídos, ruídos e passos rápidos. Fecho os olhos com mais força, sei que não estou dormindo mais, só que me sinto um pouco sonolenta ainda, então apenas mantenho os olhos fechados com a esperança de voltar a dormir logo.

Mais passos... Passos apressados, pesados.

Abro os olhos, pisco algumas vezes por conta da claridade no quarto, viro-me um pouco de lado e vejo que a luz do banheiro está acesa e a porta aberta, por isso a claridade no quarto. Até porque as cortinas são escuras, e bem grossas. Então a vejo, fecho os olhos e volto a abri-los em seguida. Ela ainda está ali.

Normani está terminando de vestir uma calça, aparentemente justa já que ela parece ter um pouco de dificuldade para subir a peça. Ela está sem blusa, ou seja, estou vendo-a seminua.

– Merda – ela pragueja baixo ao bater o pé em alguma coisa, prendo uma risada.

Normani termina de vestir sua calça jeans escura e vai em direção ao closet, seus passos apressados e fundos ressoam por ali. Então a barulheira foi causada por ela.

Giro sobre o colchão, ficando de barriga para cima. Olho para o teto e bocejo, esfrego meus pés, com as meias felpudas que vesti noite passada. Espreguiço-me e ouço a porta do closet ser fechada, com um pouco de força. Olho para baixo e vejo Normani de olhos fechados, seu olhar encontra o meu e sua expressão se torna culpada.

– Te acordei? Desculpa, amor, foi sem querer – se desculpa rapidamente. Agora ela está vestida corretamente. Uma blusa de lã branca, com a gola um pouco alta e as mangas compridas.

Amor... Outra vez, ela voltou a me chamar dessa forma. Não me sinto incomodada, apenas esquisita.

– Na verdade eu estou acordada a alguns minutos – confesso em meio a um bocejo. Normani suspira parecendo aliviada. – Onde vai com tanta pressa? – Tento soar o mais casual possível para não demonstrar minha curiosidade extrema.

Normani ajeita a gola de sua blusa e dobra um pouco as mangas.

– Tenho que levar Seth para escola e depois vou com a Jilly tirar algumas fotos no parque central, está nevando, é perfeito para se tirar fotos.

– Você vai levar um casaco, não vai?

Simplesmente não posso evitar o zelo por ela, se está nevando deve estar frio, então sinto a necessidade de saber que ela vai sair bem agasalhada, e Seth também.

– Vou – concorda, com um enorme sorriso em seu rosto.

Sento-me na cama e estico os braços, a blusinha que estou vestida sobe um pouco deixando minha barriga amostra e me encolho com o vento gelado que bate em minha pele quente.

– Agasalhou ele direito? – Normani concorda com a cabeça, um pequeno sorriso em seus lábios. – Tudo bem... Se cuida.

– Não quer ir?

Olho para ela e penso, eu até gostaria de ir. Mas está nevando, ou seja, deve estar congelando lá do lado de fora e tempo frio só é bom para entrar debaixo das cobertas e comer besteiras o dia inteiro enquanto assisto algum seriado qualquer.

– Está muito frio.

Faço uma careta que causa uma gargalhada em Normani, ela joga a cabeça para trás e ri como se eu tivesse contado a melhor piada do mundo. Esboço um pequeno sorriso, observando-a.

– Sabia que iria dizer algo assim.

Toc toc.

– Mamãe?

– Entra, filho.

A porta é aberta e por ela uma bola pequena de casaco adentra o quarto. Uma vontade de rir começa a crescer dentro de mim, Seth está quase irreconhecível, apenas dá para ver seus olhos, que parecem mais claros agora, em sua cabeça ele está usando uma touca com enormes orelhas, quase tampando todo seu rosto, um enorme casaco preto e calça de moletom, aparentemente bem grossa. E nos pés um par de coturnos, isso é influência de Normani.

– Bom dia, mommy.

– Bom dia, boo. – Arrasto-me para a beira da cama, abaixo um pouco para beijar a ponta de seu nariz, Seth sorri com a língua entre os dentes e franze o nariz. Sorrio. – Está parecendo um frango empanado, sabia? – brinco com ele e Normani gargalha, acabo por rir também quando Seth cruza os braços e fecha a expressão de seu rosto. Acaricio suas bochechas, ele se esquiva do contato e dá dois passos para trás.

– Vamos, filho? – Normani o chama caminhando até ele e Seth nega com a cabeça. Normani suspira e se ajoelha em frente a ele. – O que foi?

– Mãe, vamos fazer anjos na neve? – implora, fazendo beicinho. Fico atenta a interação dele e Normani. – Eu já fui para a escola ontem, não preciso ir hoje, por favor? – Ele descruza os braços e agarra o pescoço de Normani, ouço Seth murmurar pedidos para que Normani não o leve para a escola. 

Normani me olha por cima do ombro como se perguntasse se estou de acordo, apenas dou de ombros e ela levanta, pegando aquela pequena bola de roupas no colo.

– Tudo bem, que tal eu ligar para tia Lolo e tia Ally? Talvez Lorenzo e Will resolvam se juntar a gente.

– Sim! – Seth grita animado, agitando-se no colo de Normani, ela sorri e dá um giro, que faz Seth gargalhar enquanto ela morde de leve suas bochechas.

– Tem certeza que prefere ficar na cama? – Normani pergunta e olha para mim, ela e Seth estão com os rostos grudados, olhando-me com olhares pidões. Reviro os olhos e Normani abre um sorriso. – Vamos, Jane, você não vai se arrepender – garante e eu solto um longo suspiro.

Bem, não acho que seja um sacrifício tão grande levantar da cama e aproveitar o dia com eles, certo?

– Tudo bem, eu me rendo, vou com vocês.

– Oba! – Seth e Normani gritam juntos, levantando as mãos e rodando. Acabo por rir das brincadeiras dos dois.

Essa é minha família... Eu gosto disso.

[***]

Chegamos em algum tipo de parque, bem extenso por sinal. Pude ver através da janela diversas crianças correndo em meio a neve branca. Seth saltitava no banco detrás do carro, ansioso para brincar logo na neve também. Olho para Normani e a vejo sorrir, observando o pequeno agitado através do retrovisor.

– Ele gosta mesmo disso, não gosta?

– Ele ama a neve, ainda mais quando nós o trazemos aqui – Normani responde e eu sorrio.

Sinto-me feliz em ver meu filho dessa forma.

– Mamãe, a porta, abre a porta.

Nós damos risada de sua afobação, Normani solta seu cinto de segurança e destrava as portas, em segundos Seth a abre e salta do carro. O observo preocupada, não quero que ele caía e se machuque, mas por sorte ele consegue correr sem escorregar na neve. Pelo menos ele não puxou meu lado estabanado.

– Preparada para levar boladas?

Olho para Normani que me lança um olhar de desafio. Impressão minha ou ela meio que está me chamando para um duelo?

Abro um sorriso malvado e empino nariz, solto meu cinto e inclino-me um pouco para frente, fazendo questão de manter o contato visual com ela.

– Eu que deveria fazer essa pergunta.

Balanço as sobrancelhas e Normani sorri, sabendo que entrei em sua brincadeira. Normani vira um pouco de lado e me olha pelo canto do olho.

– Espero mesmo que esteja pronta. – É tudo que ela diz antes de abrir a porta e sair do carro, solto uma risadinha nasal e nego com a cabeça. Você não perde por esperar, Normani Kordei.

Ao sair do carro quase sou atingida por pequenas criaturinhas brincando de correr, olho bem e vejo Seth perdido no meio deles. Sorrio para meu filho enquanto o observo se divertir com seus amigos.

– Você nunca perde mesmo esse olhar de mãe orgulhosa. – Ouço a voz de minha irmã e olho para meu lado esquerdo, deparando-me com Allyson toda agasalhada. Sorrio para ela e a puxo para um abraço.

– Não tem como perder esse olhar tendo Seth como filho.

– Que bom que você está assim. – Dou um beijo em sua testa e nos afastamos. – Você sempre o amou tanto, fico feliz em ver que mesmo sem memória esse amor ainda existe.

– Eu também fico feliz – confesso e ela sorri para mim, sorrio de volta.

Busco Seth com o olhar, demoro alguns segundos para achá-lo, mas logo encontro ele sendo lançado para cima por Normani, ao seu lado reconheço Jilly, Jilly Anais, a melhor amiga de Normani desde que eram apenas bebês. Ela olha para mim e acena, aceno de volta sorrindo.

– Aquela é a Jilly? – pergunto a Allyson apenas para confirmar, minha irmã olha na mesma direção que eu. 

– Sim, ela mesma.

– Ela mudou bastante, pintou o cabelo.

Ficou gostosa, penso sem conseguir evitar. Olho para as pernas dela, impossível não vê-las através daquela calça leggin preta. Jilly sempre teve um corpo de dar inveja, mas ela parece mais bonita do que antes.

– É, ela agora é uma das modelos bem pagas do mundo – Allyson me conta e abro a boca, surpresa. – Só que agora ela está de férias, aproveitando um tempo com o noivo. Sua esposa e ela estão trabalhando juntas.

– É, Normani me disse.

– Mamãe.

Minha atenção é desviada ao ouvir aquela voz, olho para baixo e vejo um pequeno loirinho agarrado nas pernas de Allyson, minha irmã sorri para ele e acaricia seus cabelos.

– Oi, anjinho. Comprou suas balas? – Ele acena com a cabeça freneticamente. – Sua titia ali, vá falar com ela.

Então ele me olha, sorrio para ele. É a cópia fiel do Troy, além dos cabelos loiros, ele também tem olhos claros e o rosto lembra bastante o do pai, apesar da boca dele ser idêntica a de Allyson.

– Tia Dinah! – Ele solta a perna de Allyson e vem agarrar a minha, não posso evitar me emocionar, é tão inédito para mim ter sobrinhos, ver minha irmã casada, com família e toda responsável. Mais responsável do que ela já era. Enfim, isso tudo é muito novo para mim.

– Oi, Will. – Ele segura minha mão e beija as costas da mesma, acena para mim e depois sai correndo. Fico ali parada o observando.

– Ele é a cara do Troy.

– É mesmo.

– Serena perguntou por você ontem.

Olho para Allyson, que respira fundo, soltando o ar pela boca e fazendo fumaça por causa do frio.

– Ela já sabe sobre...?

– Sim, sim. – Umedeço meus lábios. – Se ela não tivesse projeto na escola hoje, teria trago ela comigo. Ela sente sua falta.

– Estou doida para conhecer ela, ou melhor, reconhecer.

Allyson sorri sem jeito e faz sinal com a cabeça, indicando algum lugar para nos sentarmos. Continuamos conversando enquanto caminhamos em direção a um banco, estou prestes a sentar quando algo pesado colide com minhas costas. Allyson gargalha alto, parecendo achar graça de alguma coisa. Me viro e busco com o olhar para saber o que foi que me atingiu e quem me tacou sei lá o que. Então vejo Normani à alguns metros de distância, um sorriso presunçoso em seus lábios enquanto ela joga uma bola de neve para cima.

– Você não deveria ter feito isso – eu sussurro para mim mesma, ajeito o cachecol em meu pescoço e abaixo-me para pegar um pouco de neve e fazer uma bola.

Que comece a guerra, Kordei!

[***]

E a guerra foi intensa... No final da tarde estávamos todos, sem exceção alguma, cobertos de neve. Fizemos todo mundo que estava naquele parque entrar em nossa guerrinha de neve. No final de tudo, meus cabelos estavam cobertos de neve, e Normani tirou diversas fotos novas do nosso momento de diversão.

Foi um dos melhores dias da minha vida.

Allyson teve que ir embora, pois segundo ela tinha que buscar Serena na escola hoje, já que o transporte escolar não estava funcionando por causa da neve, e também Will estava cansado e com fome. Jilly veio me cumprimentar, de perto ela estava ainda mais bonita e completamente diferente da adolescente que eu me lembrava, agora ela é uma mulher feita. Só quem veio conosco até em casa foi Lauren, com Lorenzo em seu próprio carro.

Subo para tomar um banho e deixo Normani e Lauren na sala, elas estão assistindo televisão e Seth e Lorenzo estão no quarto brincando de alguma coisa que envolve dinossauros.

Depois do banho me visto com uma calça de moletom bem larga, acho que é de Normani e pego um de seus moletons em sua parte no closet. Bem que Allyson disse que eu tenho mania de pegar as roupas de Normani.

Estou prestes a descer as escadas, mas paro no lugar ao ouvir uma conversa um tanto estranha entre Lauren e Normani. Sento em um dos degraus e abaixo um pouco para ver elas.

Normani está com a cabeça no colo de Lauren, recebendo os carinhos e afagos que minha melhor amiga está fazendo. Elas parecem conversar sobre algo sério, pois o semblante de Lauren demonstra preocupação.

– Vocês ainda não conversaram sobre isso?

Normani solta um suspiro e nega com a cabeça, fechando os olhos.

– Não, eu tenho medo de contar a ela e não sei... Dinah ainda é muito instável, se ela surtar e resolver ir embora por causa disso?

Sinto um nó se formar em minha garganta, elas estão falando de mim. Mas do que elas estão falando exatamente? Normani está me escondendo alguma coisa? E por que o medo de eu ir embora caso descubra?

– Mas, Mani, você sabe que uma hora ou outra ela vai descobrir, não sabe?

– Eu sei... – Normani se remexe um pouco no sofá e senta, coloca o rosto entre as mãos. – Eu estou com tanto medo, Lauren.

Lauren se arrasta sobre o sofá e abraça Normani por trás, envolvendo seus braços na cintura dela e puxando-a contra seu corpo.

– Não fique, nós sabemos que Dinah costuma ser bem impulsiva, mas não acho que ela será radical ao ponto de te deixar por causa disso.

Engulo seco e me recosto no corrimão da escada, meu coração acelerado e a mente trabalhando a mil, penso em mil e uma possíveis causas sobre o motivo da conversa das duas.

O que Normani está escondendo de mim?

[***]

Depois daquele episódio estranho entre Normani e Lauren, voltei para a sala e nós três ficamos conversando. Eu ainda me sentia estranha perto das duas, queria enfrentá-las e perguntar sobre o que elas estavam falando antes, o que estão escondendo de mim. Mas quero que Normani me diga, quero ouvir da boca dela. Parece ser algo sério.

Não sei se fico mais preocupada ou com medo.

– É, já deu minha hora, tenho que ir porque tenho marido e filho para cuidar – Lauren comenta ao ficar de pé. Normani e eu estamos com a mesma expressão, carinha triste e um biquinho na ponta dos lábios.

– Fica mais um pouco, Laur – peço quase implorando, vou até ela e me agarro em sua cintura. Lauren solta uma risadinha e me abraça, mas me solta segundos depois.

– Se eu pudesse ficaria mesmo, mas tenho que ir. Val vai chegar cansado do jogo de hóquei que ele foi hoje, e Lorenzo também deve estar com fome, eles são uns monstrinhos que comem mais do que você e Normani juntas.

– Ei! – Normani e eu reclamamos juntas, o que acaba nos causando uma risada.

– Não vai se despedir de mim não? – Lauren fala para Normani e abre os braços, olho para ela que em segundos está de pé, seu corpo colidindo com o de minha melhor amiga, que dá alguns passos para trás por causa do impacto. Normani beija sua bochecha e volta a abraçá-la. Acabo por sorrir com essa imagem, é adorável porque Normani é alta e Lauren é baixinha, então fica fofo de se ver.

– Normani! – Lauren ralha batendo o pé no chão, Normani joga a cabeça para trás e ri. – Você sabe que eu não vou alcançar sua bochecha assim.

– Não seja preguiçosa, você sabe pular – Normani rebate e Lauren bufa, tentando se soltar dela, mas Normani a segura com força.

– Você é tão irritante.

– E você me ama, Jauregui.

– Não amo não.

– Ama sim. – Solta Lauren e sorri para ela. Lauren tenta beijar o rosto de Normani. – Você é muito baixinha – Normani implica e Lauren fecha as mãos em punhos, ela se vira e tenta se afastar, mas Normani a segura pela cintura e mantém ela no mesmo lugar.

– Não quero mais te dar beijo nenhum também, me solta.

– Calma aí, Michelle, eu deixo você me dar um beijo, vem cá.

Normani se abaixa um pouco, Lauren vai até ela e segura seu rosto pelo queixo, logo colando seus lábios na bochecha de Normani, que sorri e abraça a mesma.

Olhando assim as duas parecem mãe e filha. 

– Eu vou lá em cima buscar o Lorenzo – aviso para Lauren que apenas acena com a cabeça, ainda agarrada com Normani. Sorrio para as duas e me viro para ir em direção a escada.

Mas ainda quero saber, o que elas estão escondendo de mim?


Notas Finais


Uh, e então, estão gostando?
Primeiro tivemos Dinah sendo trouxa por Normani e olhando ela com desejo, depois familia, depois DJ babando a Manz de novo, porque ela também é trouxa por essa mulher maravilhosa aqui na fic (na vida real também né, mores?) e por último o segredinho da Normani, omg!
Não esqueçam de comentar, please. 😊
Até logo. 💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...