História Stupid Wife - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Sana, Tzuyu
Tags 2yeon, Dahmo, Michaeng, Satzu
Visualizações 257
Palavras 3.458
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - Tentación!


— Por favor, não vá.

Supliquei, segurando com força a lapela da jaqueta preta que Jeongyeon vestia, ela suspirou e acariciou meu rosto com seus polegares.

— E por que eu ficaria?

— Por mim. — Jeongyeon paralisou ao me ouvir. — Fique por mim.

°°

Desperto assustada, meu coração bate acelerado no peito, estou ofegante e sinto meu corpo pesado. Já tinha três noites que eu acordava dessa forma, o mesmo sonho, a mesma sensação estranha. Não sei identificar se era uma lembrança ou apenas um sonho estranho.

Mas todas as vezes acontece a mesma coisa, estou chorando agarrada na jaqueta de Jeongyeon, implorando que ela não vá embora, sei lá para aonde, e ela sempre diz a mesma coisa e então peço que ela fique por mim.

Recupero o fôlego e aos poucos as batidas do meu coração normalizam, suspiro e me sento na cama. Tudo está silencioso, silencioso demais. As grossas cortinas me impedem de saber ao certo se ainda é noite ou se já amanheceu, mas ao olhar para o lado, vejo que já amanheceu. À muito tempo por sinal, já são 10:00am.

— Que ótimo jeito de se iniciar o dia.

Comento e solto uma risada irônica. Eu nunca gostei de pesadelos, sonhos estranhos. Sempre os odiei na verdade. E esse em especial está começando a me apavorar.

Não que Jeongyeon esteja planejando me abandonar, eu sinceramente espero que não esteja. Mas... As coisas andam tão estranhas. Estou preocupada, e com medo. Bastante medo.

E eu simplesmente não sei explicar o motivo.

Levanto-me da cama, me espreguiço, bocejando umas duas vezes. Coço a cabeça e vou em direção ao banheiro. Somente um banho gelado é capaz de me despertar totalmente.

Após o banho, vou até o closet e pego uma calça de moletom escura, uma blusa de mangas compridas e um novo par de meias. Saio do closet e abro as cortinas do quarto, a luz adentra o quarto aos poucos e pressiono meus olhos – ainda sensíveis.

— Tenho que conversar com Jeongyeon para me mostrar a cidade, não aguento ficar sem fazer nada nessa casa sozinha.

Suspiro frustrada e viro de costas para a janela. Olho em volta, como se o quarto fosse me dar algum tipo de ideia do que fazer. Porém... Nada.

Penso em jogar videogame, mas não faço ideia de como se mexe naquele troço gigante lá na sala. Sem contar que a tecnologia parece milhares de vezes mais avançada, não me sinto familiarizada com ela ainda. É uma droga, eu sei.

 

//

 

Ainda estou no quarto, toda esparramada na cama na verdade, cercada de pacotes de salgadinhos enquanto assisto vídeos meus com Jeongyeon e Lu Han. No momento eu estou assistindo um do aniversário de três anos do meu filho. O parabéns já passou, agora alguém estava filmando Jeongyeon e eu com o pequeno. Lu Han está sentado em meu colo, Jeongyeon ajoelhada em frente a mim fazendo caretas e algumas cócegas na barriga do pequeno, que gargalha com vontade.

É impossível não ver o quão felizes nós éramos. Jeongyeon parece tão extrovertida no vídeo, diferente da Jeongyeon meio retraída de agora. Acho que gostaria de ver essa Jeongyeon mais solta, brincalhona. Carinhosa.

Jeongyeon é bastante carinhosa, já deu para perceber isso.

— Vai filho, manda um beijo pra tia Seoyoon.

Jeongyeon pede ao pequeno, ele olha para a pessoa que está gravando e balança os bracinhos. Jeongyeon fala algo no ouvido dele e em segundos o pequeno coloca a mãozinha sobre a boca e joga um beijo estalado em direção a câmera. Eu sorrio e o balanço, comemorando. Lu Han ri e Jeongyeon faz sinal de positivo com o polegar para ele.

— Ele é bem esperto.

Essa voz, eu conheço. Sento-me na cama e espero para confirmar quem é.

— Seoyoon, appa mandou vir te chamar, deu algum problema no som.

Sana surge na frente da câmera, um enorme sorriso surge em meu rosto. Jeongyeon vai até onde a câmera está e a pega, aponta a câmera em direção a quem antes estava gravando e meu sorriso aumenta, uma saudade enorme cresce dentro de mim ao ver minha irmã mais nova. Não tão nova assim mais.

— Tchau, empregada.

— Vai à merda, Jeongyeon.

Seoyoon resmunga e mostra o dedo do meio para Jeongyeon, a gargalhada de Jeongyeon ressoa no vídeo e eu me pego sorrindo mais ainda ao ouvir esse som. Pego o controle e pauso o vídeo.

Mal posso esperar para ver minha caçulinha. Eu a vi pelas fotos, Seoyoon cresceu tanto, está tão linda. Tão mulher.

— Que tédio, meu Deus.

Levanto-me da cama e vou até a caixa com vídeos, me ponho em meus joelhos e procuro por qualquer vídeo aleatório. Encontro um CD que não tem nada escrito, nem etiqueta. Dou de ombros e abro a capa, retiro o CD de lá de dentro e vou direção ao DVD. Após colocar o CD no aparelho eletrônico, volto para a cama e espero para ver o que irá aparecer.

— O que está fazendo?

Uma voz sussurrada ecoa no vídeo, tudo está escuro, mas sei que é a voz de Jeongyeon por causa do tom rouco. Cruzo as pernas e espero aparecer alguma coisa, a tela ainda está preta, mas ouço alguns ruídos e então um baque surdo. A tela treme e de repente tudo clareia, na imagem aparece o pé de uma cama.

Merda. — Essa sou eu. A imagem volta a se movimentar, logo posso ver minhas pernas no vídeo. — Será que quebrou?

— Você comprou uma câmera?

— Não.

— Então... Espera, essa é a minha filmadora?

— Sim. — Tudo no vídeo e quando para eu estou aparecendo, pareço analisar algo na câmera. — Essa luz aqui quer dizer que está ligada?

Jeongyeon também aparece no vídeo e olha na direção em que estou apontando.

Sim, e está gravando. — Abro um sorriso, com o ombro jogo Jeongyeon um pouco para o lado e foco a câmera em seu rosto. — O que está fazendo?

Ela parece confusa, o zoom da câmera diminuí, Jeongyeon parece ficar mais distante ainda.

Estou filmando você.

— Jura? Nem percebi.

Responde irônica, levanta uma sobrancelha e ouço eu mesma bufar no vídeo.

Eu vou ignorar sua ironia. — Jeongyeon soltou uma risadinha e inclinou-se um pouco para trás, apoiando as mãos no colchão e ficou me olhando. Só então notei sua aparência, cabelos meio bagunçados, lábios bem vermelhos, ela estava usando apenas um sutiã preto e ainda vestia seu short. Mas tenho certeza que estávamos nos beijando antes de eu pegar a câmera. — Eu conversei com a Jihyo e ela me contou uma coisa que me deixou curiosa.

Tenho até medo de saber as coisas que você conversa com a Bear.

Jeongyeon finge estar apavorada e eu gargalho. O vídeo treme um pouco enquanto caminho de volta para perto da cama, dou a volta e paro em pé ao lado de Jeongyeon, ela rapidamente vira e fica sentada em frente a mim.

Tenho certeza que dessa você vai gostar de saber.

Hm. — Separa as pernas e me puxa um pouco mais para perto dela, Jeongyeon beija minha barriga e abre um sorriso, me olhando através de seus longos cílios. — Me conta.

Ela me disse que ela e Sungjae fizeram uma coisa... — Comento, uma mão alisando seus cabelos, Jeongyeon me olha com os olhos meio arregalados. — Não me olha assim.

— Eu não quero saber sobre a vida sexual do meu irmão.

— Cala a boca. — Ela pressiona os lábios e fecha os olhos. — Eu quero nos gravar, por isso peguei a câmera.

Oh não...

Gravar? Mas nós já fazemos isso.

Não, amor. Estou falando de gravarmos nós duas. Só nós duas.

Não, porra!

Não entendi.

— Uma sex tape, Jeongyeon. Santa lerdeza.

Jeongyeon inclina a cabeça um pouco para trás, parecendo assimilar aos poucos o que eu disse. Estou quase me encolhendo sobre a cama. Eu deveria simplesmente desligar a televisão, mas sabe a curiosidade? A minha é gigantesca.

Então você quer nos gravar transando?

O vídeo tremeu e a câmera foi abaixando aos poucos, ouço minha risada seguida pela de Jeongyeon. E então alguns barulhos de estalo, misturados com nossas risadas. Outro baque surdo, tudo escurece um pouco e volta a focar outra vez lentamente.

Segunda vez que você me faz derrubar a câmera, da próxima ela vai quebrar de vez.

Tudo está meio embaçado, aos poucos a imagem volta a ser focada e agora Jeongyeon quem está analisando a filmadora.

Ainda está filmando e olha só, tem duas horas de gravação livres.

Ela sorri e estende a câmera em minha direção. Jeongyeon fica me olhando enquanto me ajeito na cama.

Vem cá. — Sei que deitei na cama pois vejo Jeongyeon ficar de joelhos sobre mim e engatinhar em minha direção, o sorriso em seus lábios me arrepia, os cabelos rebeldes, deixando-a com um ar sexy e selvagem. Engulo seco. — Eu tenho que confessar uma coisa.

— O que?

Jeongyeon pergunta e abaixa a cabeça, beija entre meus seios, livres de qualquer tecido. Estou quase nua, apenas uma calcinha boxer esconde minha nudez.

Sempre quis gravar você me chupando, só pra poder assistir depois quando Você não estivesse em casa. — Jeongyeon levanta a cabeça e me olha, seus olhos, agora mais escuros, fitando-me com um brilho diferente. — Ou até mesmo assistir junto com você.

— Por que nunca me disse?

— Não sei.

— Sabe que pode me falar de tudo, principalmente se for sobre sexo. Eu adoro inovar, sabe disso.

— Eu sei. — A lente da câmera fica escura já que Jeongyeon entra na frente da mesma. — Agora — Vejo uma mão no ombro dela, empurrando-a para baixo. — Me chupa.

Jeongyeon separou seus lábios e abriu um enorme sorriso, passou a ponta da língua em seus lábios e foi descendo. Segurou na barra da calcinha branca que estava vestida e olhou para mim.

Fala daquele jeito que eu gosto.

Pede quase em sussurro, prende o lábio inferior entre seus dentes e me olha em expectativa. Levo minha mão até seus cabelos e seguro algumas mechas em meus dedos, Jeongyeon geme um pouco quando puxo seus cabelos.

Me faz gozar na sua língua.

Eu nunca tinha ouvido minha voz soar de forma tão erótica daquela forma. Um som parecido com um rosnado escapuliu por entre os lábios de Jeongyeon, com certa rudeza ela puxou minha calcinha boxer por minhas pernas. Engulo seco vendo-a se ajeitar entre minhas pernas.

Acho melhor parar de assistir isso agora.

Oh! — Um gemido me faz voltar a realidade, volto a olhar para a televisão e vejo que o zoom da câmera foi mexido, agora dá para ver Jeongyeon melhor. Ela está com os olhos fechados, passa seus lábios suavemente em meu clitóris, afasta um pouco a cabeça e abriu os olhos, minha mão voltou para o seu cabelo e Jeongyeon sorriu antes de se inclinar para frente outra vez. — Me lambe, por favor, amor, vai... Faz gostoso. 

Da forma mais lenta que eu julguei ser possível, Jeongyeon pôs boa parte de sua língua para fora e deu uma longa lambida, de baixo para cima. Minhas pernas tremeram e ela deu outra lambida, ainda mais devagar que a primeira. Jeongyeon segurou minhas coxas com força, eu pude ver seus dedos afundarem em minha carne, marcando-me. Ela olhou para mim, os olhos castanhos fervendo. Com precisão ela começou a fazer pequenos círculos em meu clitóris. Nesse momento a imagem tremeu e percebo que quase derrubei a câmera.

Começo a sentir um calor crescer em meu corpo, todas as vezes em que vejo Jeongyeon me lamber e olhar direto para a câmera, sinto com se ela estivesse aqui me chupando, e confesso... É excitante.

Não! Não! Jeongyeon, merda.

Resmungo irritada vendo-a se afastar de mim e ficar de pé, Jeongyeon sorri, a língua sendo passada em seus lábios. Como se estivesse resgatando meu líquido acumulado ali.

Vem cá. — Me chama com o dedo, ela morde o lábio inferior e leva suas mãos para trás, solta o fecho de seu sutiã. Seus seios ficam expostos, empinados, os mamilos cor de rosa bem clarinhos. Confesso, dá água na boca. — Vem, Lua. Quero você rebolando na minha boca.

Abre um sorriso tão safado que meu sinto-me estremecer. Ela se ajoelha no pé da cama e bate na ponta do colchão. Passando a mão nos cabelos curtos.

Puta merda! Tem como essa mulher ser mais sexy?

Espera aí...

Assim, assim, assim...

Meus olhos se arregalam automaticamente ao me ver praticamente montada no rosto de Jeongyeon, ela parece estar começando a sufocar. O rosto está vermelho, alguns fios de cabelo grudam em sua testa, mas ela não parava. Mexia a cabeça para frente e para trás, de um lado para o outro e em círculos. Eu não parava de gemer, me esfregava com vontade na boca dela. Jeongyeon olhou para cima e mesmo através do vídeo, senti o peso daquele olhar hipnotizante.

Porra! — Não gemi, dei um grito enquanto via o vídeo tremer um pouco. Jeongyeon me sugava com tanta vontade que era possível ouvir o barulho alto de sucção em meio aos meus gemidos. — Eu-eu não vou con-conseguir segurar a-porra... A câmera, Jeongyeon, assim. — Eu movimentava o quadril freneticamente, minha mão firme no topo da cabeça de Jeongyeon, segurando seus cabelos enquanto eu me esfregava nela. Jeongyeon parecia sorrir enquanto sorvia todo meu orgasmo, seus olhos estavam brilhando mais ainda. Os barulhos de sucção aumentaram de alguma forma e pude ver minhas pernas tremerem. — Engole tudo... Porra, assim.

Minha voz estava mais grossa, era nítido saber que eu estava sentindo um prazer absurdo mesmo não vendo meu rosto

Eu não vou aguentar ficar em pé... Jeongyeon, Jeongyeon, oh meu Deus, Jeongyeon.

Não aguentando mais ficar em pé, cai sentada na cama, a câmera ficou virada para a parede, dava para ver a porta do banheiro. Eu ainda ouvia meus gemidos, agora menos potentes e mais manhosos, os barulhos de sucção ainda continuavam também, embora mais baixo.

Eu. Sou. Viciada. No. Teu. Gosto.

Jeongyeon falou pausadamente, a câmera ficou escura durantes segundos. Eu conseguia ouvir algumas risadinhas e barulhos de beijos. Então tudo clareou outra vez e eu ainda segurava a câmera, Jeongyeon aparecia no vídeo, um enorme sorriso em seu rosto e graças ao reflexo da luz no quarto eu pude ver seu queixo brilhando, provavelmente por causa do meu gozo.

Sinto meu rosto corar de forma intensa. Meu Deus que vídeo foi esse?!

O gosto do seu beijo...

Tem gosto de gozo, do seu, maravilhoso por sinal. — Gargalhamos. — Lua, me dá aqui a câmera.

— O que vai fazer?

Agora era Jeongyeon quem segurava a câmera, ela focou em meu rosto. Surpreendi-me ao me ver, os cabelos bagunçados, bochechas ainda coradas, lábios bem vermelhos e o rosto tão suado que brilhava.

Eu quero confirmar se você ficou satisfeita.

— É mesmo necessário?

— Não com palavras, só esse seu sorriso já diz tudo. — Meu sorriso se alarga e Jeongyeon chega mais perto de mim, ela muda a posição da câmera e agora nós duas aparecemos no vídeo. Jeongyeon puxa meu lábio inferior e eu seguro em seus cabelos para logo darmos início a um beijo... Bem intenso. — Olha pra câmera e diz que me ama.

— Eu te amo. — Estico o pescoço para beijar a ponta de seu nariz, Jeongyeon sorri e franze o mesmo. Meu olhar se volta para a câmera e abro um enorme sorriso antes de falar: — Eu amo essa mulher aqui, ela é a pessoa mais incrível que já tive o prazer de conhecer. — Volto a olhar para ela, bem em seus olhos. — E eu quero ela para sempre do meu lado.

— Eu amo tanto você, pequena, porra. — Encheu meu rosto de beijos, eu gargalhava enquanto ela me beijava. — Segura aqui, eu preciso gritar pra vizinhança isso.

Me entregou a câmera.

O que você vai fazer, sua doida? — Pergunto ao focar a câmera em uma Jeongyeon completamente nua abrindo a janela, ela olha para trás e se empina um pouco, balançando a bunda de um lado para o outro. — Safada.

Ouço meu sussurro e Jeongyeon manda um beijo no ar, volta a olhar para o lado de fora e então grita com toda força:

Eu amo a Im Nayeon, ela é a mulher da minha vida. — Jeongyeon volta para dentro e se vira para mim, sorrindo. Estou gargalhando, Jeongyeon acaba me acompanhando e começa a rir também. — É a minha garota, meu universo particular.

Ela diz somente para mim agora. Não sei se no vídeo eu estou sorrindo, mas um enorme sorriso rasga meu rosto no momento. Eu viro a câmera para mim mesma e digo:

E essa é a minha maravilhosa esposa.

E pisco para a lente, o vídeo para e a tela fica toda preta. Estou parada, sem conseguir ter qualquer reação. Meu corpo ainda está quente, e por mais estranho que seja, sinto meu coração acelerado no peito.

— Bunny?!

Ouço a voz de Jeongyeon seguida de batidas na porta, volto a realidade aos poucos, olho em volta e pego o controle da televisão, desligo-a e me sento corretamente na cama.

— Pode entrar.

Olho em direção a porta e em segundos vejo ela adentrar o quarto, assim que me vê ela dá um enorme sorriso, sorrio de volta sem graça. Ainda estou abalada pelo tal vídeo, eu preciso aprender a disfarçar melhor.

— Tudo bem? Seu rosto está vermelho de-

— Sim, sim. Tudo lindo. — Solto uma risadinha nervosa e salto da cama, Jeongyeon me olha intrigada. — Cadê o Lu?

— Tomando banho... Onde vai?

— Esperar ele sair do banho e ajudar com o dever de casa.

E saio do quarto sem olhar para trás, respiro fundo quando consigo ficar longe o suficiente de Jeongyeon para que eu possa raciocinar.

Essa mulher não faz bem para a sanidade das pessoas.

 

//

 

Depois do jantar, Lu Han despediu-se de Jeongyeon e eu, alegando estar muito cansado, mesmo sendo um pouco cedo Jeongyeon o levou para cima e ficou encarregada de fazê-lo dormir.

E eu estou assistindo, ou melhor, tentando assistir um seriado aqui que achei interessante. Porém descobri que ele contém algumas cenas bem explícitas de sexo entre mulheres, e no momento estou arrependida por ter começado a assistir já que isso me faz lembrar o maldito vídeo de mais cedo.

E de Jeongyeon entre minhas pernas... Suas mãos me apertando... Os gemidos que ela soltava enquanto me lambia... A forma que eu parecia gostar do que ela estava fazendo.

— Fantasiando outra vez, Bunny?

— Puta merda, Jeongyeon!

Grito após ouvir aquela maldita sussurrar em meu ouvido. Salto do sofá direto para o chão, o coração batendo com força contra meu peito, olho para ela com os olhos arregalados e a vejo de joelhos no sofá, encarando-me com um sorriso divertido nos lábios.

— Não quis te assustar.

Ela faz uma carinha de quem está arrependida e sorri de lado para mim, solto o ar de meus pulmões e me sento corretamente no chão. Jeongyeon se joga no sofá, a camisola justinha que ela está vestida sobe um pouco, deixando amostra suas coxas grossas... Engulo seco.

— Eu-eu vou subir e tomar um banho para ir dormir.

Aviso antes de ficar em pé e praticamente correr da sala, alcanço o primeiro degrau da escada, porém, antes que eu possa conseguir subir, sinto uma mão se fechar em meu pulso esquerdo. Olho para trás e vejo Jeongyeon parada ali, me olhando de um jeito estranho. 

— Posso fazer uma coisa antes?

Pergunta antes que eu possa dizer alguma coisa. Minhas pernas quase fraquejam ao ouvir aquilo. O que ela quer fazer, senhor Jesus?

— Ahn... Eu... Pode.

Concordo por fim, suspirando. Jeongyeon sorri e cautelosamente segura em minha cintura, ela dá um passo para frente e em segundos estou no chão, sendo envolvida por seus braços. Meu corpo todo parece ficar mais leve com esse contato, meus ombros relaxam e acabo fechando os olhos ao sentir seu calor me envolver de uma forma quase protetora. Jeongyeon tem o melhor abraço de todos.

— Boa noite, amor.

Ela sussurra em meu ouvido e me pegando desprevenida, beija meu pescoço. Arregalo os olhos, pois sinto meu corpo arrepiar, reagindo aquele mínimo contato. Desfaço nosso abraço e sorrio para Jeongyeon.

— Boa noite, Jung.

Seus olhos brilham surpresos ao me ouvir chamá-la por um apelido e não pelo nome, segundos depois um sorriso enorme toma conta de seu rosto. Sinto-me bem ao ver aquele sorriso, aceno para ela uma última vez e me viro para sair logo dali.

— Ah, Bunny? — Ouço ela me chamar quando já estou no topo da escada, me viro e olho para ela. — Final de semana nós iremos para Busan, meus pais querem ver você.

Informa e eu apenas concordo com a cabeça. Jeongyeon balança a cabeça dela e eu aproveito a deixa para sair dali. Quando chego ao quarto, me jogo na cama de qualquer jeito. Só quero dormir e esquecer o dia de hoje.

Principalmente desse desejo estranho que ando sentindo por Jeongyeon.


Notas Finais


BOA NOTI
Gente me desculpem ñ ta respondendo os comentários é que to sem tempinho :/
MAS LOGO IREI
OUH OBG AOS 103 FAVORITOS VCS SÃO INCRÍVEIS MUITO OBG GENTE MUITO OBG MESMO OBG OBG AMO VCS NINDUS :3
Como estamos?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...