História Suck It And See - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Lílian Evans, Pedro Pettigrew, Remo Lupin, Sirius Black, Tiago Potter
Tags Boyxboy, Sirem, The Marauders, Wolfstar
Exibições 455
Palavras 5.272
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hiya hiya hiya

Bom, eu realmente precisava escrever Wolfstar e esse é o meu primeiro trabalho para esse ship! Espero que vocês gostem.

É inspirado em um post do Tumblr (o link estará nas notas finais); o título é uma música do Arctic Monkeys; e a capa está uma coisa feia, mas fazer o que.
(Atualização: a capa foi mudada e a que está agora foi feita pela @TheLeader . Apreciem, porque é linda. Acho que faz um tempo que estou encarando essa capa.)

Ah, mais uma coisa! Está para +18 por causa das regras, mas não tem cenas de sexo aqui. Nem um pouquinho, já que é meio centrada no James, mas SEM SPOILERS!

Para a one shot!

Capítulo 1 - Capítulo Único


I

― Com quem você está saindo?

A pergunta foi direta e, de certa forma, insensível, mas a expressão de Sirius permaneceu indiferente. Ele não demonstrou sinais de surpresa e James desconfiava que o rapaz tivesse previsto a pergunta, o que explicaria a falta de emoções perceptíveis.

― É realmente importante? ― arqueou uma sobrancelha. Seu tom o denunciou; ele não queria ter aquela conversa, mas James parecia muito concentrado em seus próprios pensamentos para perceber. ― Sério? Vamos fazer isso mesmo?

― Marlene McKinnon? ― tentou, abrindo um pequeno sorriso esperançoso enquanto ignorava as palavras do amigo.

― Não. Pelo menos, não mais. ― disse em uma revirada dos olhos. ― Mesmo se fosse, você não...

― Aleena Keeley então! Eu te vi algumas vezes com ela! ― exclamou. Sirius deixou os ombros caírem junto com sua motivação em tentar fazer James desistir. Naquele ponto, ele não se importava mais. ― Fala! É ela? Ou melhor... Rachel Cohen?

― Nope. Eu não vou falar sobre isso com você.

― Ei! Como seu parceiro no crime e melhor amigo, eu mereço saber! ― James reclamou, então cruzando os braços e com um bico, ele murmurou em um tom infantil: ― Aposto que o Remus sabe. Essa preferência é ofensiva.

Sirius quase engasgou e cobriu a testa com a mão ao invés em um disfarce sobre seu rosto ficando vermelho, e James não percebeu seu desconforto como o usual, o que, em parte, foi de grande ajuda.

― Isso não é da conta de ninguém. ― concluiu com rispidez. ― Agora, eu preciso ir para a aula de Astronomia. Com licença.

― Faz dez minutos que a aula começou.

― Exatamente. Te vejo mais tarde na detenção. ― e com uma piscadela, Sirius correu até alcançar o fim das escadas para então, subir os degraus apressadamente; ainda que seja clara como cristal sua indiferença para a matéria.

James estava decepcionado, e pela primeira vez, a frustração não envolvia Lily Evans, o que já era uma grande coisa. Sirius tinha marcas em seu pescoço; marcas que só poderiam ser conseguidas de uma forma – e essa forma envolvia a participação de outra pessoa, o que era óbvio, e James só queria saber quem, já que não poderia ser qualquer alguém.

Mas ele ainda tinha certo receio. O medo de a segunda pessoa ser a própria Lily não poderia deixar de ser ponderado, ainda que ele confiasse em Sirius a ponto de não desconfiar que o amigo pudesse fazer algo tão cruel pelas suas costas. E, além disso, se Evans não olharia duas vezes para James em uma situação de vida ou morte, ela certamente deixaria Sirius para morrer. Talvez até ajudasse seu agressor.

Ele ainda queria entender o porquê de tanto mistério, pois afinal, eram amigos e deveria confiar um no outro. A ideia envolvendo Lily já estava fora de cogitação após cinco segundos sobre tal, e sem outros pensamentos sobre o assunto, James decidiu que se Sirius não o contasse – o que não aconteceria tão cedo, pelo modo como as coisas ocorriam –, descobriria sozinho.

Já aquela ideia soava atraente.

 

II

As duas aulas seguidas de Poções haviam cansado James ao extremo até chegar ao ponto em que o único pensamento que passava por sua cabeça era dormir depois do jantar. Ou, no fim, talvez nem fosse ao Salão Principal devido á seu desinteresse em continuar acordado por mais tempo. Mas então, quando saiu da sala, viu Lily Evans indo para a mesma direção que os outros estudantes e acabou a seguindo inconscientemente, embora não tenha se arriscado em tentar falar com a garota.

Quando chegou ao Salão Principal, logo viu um dos seus amigos sentado em um lugar vazio em frente á mesa da Grifinória, e era apenas ele. Com os outros dois rapazes lugar nenhum de serem vistos, James deixou a ruiva em paz sem pensar muito sobre isso e sentou-se no espaço ao lado de Peter.

― Cadê os dois? ― perguntou, olhando curiosamente para o amigo antes de colocar um pouco de comida em seu prato. Peter deu de ombros. ― Agora é o melhor momento para descobrir com quem o Sirius está!

― Na verdade, acho que ele e o Remus só estão saindo da aula de...

― Me diga os nomes das meninas que não estão aqui!

Peter suspirou e esticou-se para olhar brevemente sobre a mesa, mas ele não parecia entusiasmado.

― Faith Bell. Emily Ward. Imogen Smith. ― disse em um monólogo.  Ele afastou-se um pouco para olhar para as outras mesas ao mesmo tempo em que James tentava lembrar o nome de todas as meninas do sétimo ano. ― Mhm, Harleen Martinez.

― Lufa-Lufa?

― Lufa-Lufa. ― Peter confirmou, então franzindo o cenho ao olhar para frente. ― O Remus não está aqui também.

― Eu disse meninas, e o Moony deve estar na sala comunal estudando para os N.I.E.M. ’s. ― James explicou apressadamente, tendo uma ideia repentina que o fez arregalar os olhos. Virou-se para Peter com um sorriso. ― Preciso do mapa. Com quem está?

― Sirius. ― respondeu. Pelo tom de voz, o desinteresse de Peter não poderia ser mais óbvio, mas James decidiu ignorar para seu próprio benefício. ― Olha, tenho certeza que ele não vai gostar de você o perseguindo com o mapa. Sem falar que é perturbador e estranho.

― Tanto faz. Consiga ‘pra mim? Por favor? Ele não vai me dar se eu pedir. Vamos lá, Pete. Você também não está curioso para saber com quem o Sirius tem saído...?

― Na verdade não. Fico surpreso de ver você assim. Distraído mais do que o normal, sabe? ― e com isso, o assunto havia se encerrado após Sirius e Remus aparecerem no Salão Principal.

James olhou para os lados imediatamente, procurando por alguma garota chegando á uma das quatro mesas, mas só podia ver os amigos e ninguém mais. Ele franziu os lábios e esperou que os dois se sentassem de frente para ele e Peter.

― Naomi Marsh. Aposto que é ela. ― James tentou, percebendo que Remus havia arqueado as sobrancelhas, mas não parecia surpreso pelo que havia ouvido. ― Ou, talvez Harleen Martinez, huh?

― Não. ― disse Sirius, rindo divertidamente, o que acabou levando um sorriso para o rosto de Peter e Remus também. ― E pode desistir. Você só saberá quando eu quiser.

― E se eu te chantagear? Como isso soa? ― arqueou as sobrancelhas. Os primeiros botões da camisa de Sirius estavam desabotoados e a gravata vermelha frouxa, e dessa forma, era possível ver as marcas novas que substituíam as que começaram á desaparecer a uma semana atrás. Era claro que ele só poderia estar com outra pessoa antes de chegar ao Salão Principal, e seu cabelo bagunçado indicava o que James já desconfiava. ― Mhm, eu não tenho algo ‘pra... Remus! Você deve ter visto ele no caminho! Diga-me, com quem ele estava?

Dessa vez, Remus havia engasgado com o que bebia, mas pode afastar o copo antes que tivesse resultados piores. Ele mordeu nervosamente o lábio inferior.

― E-Eu não vi ninguém. ― disse, as bochechas cheias de cicatrizes adquirindo um tom rubro. Ele não parecia confortável com o assunto.

Então, James entendeu.

― Você... Vocês... ― ele arregalou os olhos, alternando o olhar entre os dois amigos, que imitaram sua reação desesperada e, em parte, surpresa. ― Sirius! Você... Você contou ‘pra ele, não contou? E disse ‘pra não me contar?! Que tipo de amigo você é?!

Sirius respirou fundo e pareceu aliviado por um segundo, espelhando os movimentos de Remus antes de este olhar para o prato ainda vazio em sua frente.

― Ele não fica no meu pescoço! ― exclamou com um sorriso tão largo que era quase desrespeitoso perante o desespero de James em descobrir. Ele apertou a mandíbula. ― Supere, Potter. Não é nada que vá mudar sua vida.

Ele jogou o cabelo para trás com uma expressão aliviada e vitoriosa. Peter estava rindo baixinho de algo que havia sido dito na conversa, e aquilo estava chegando aos nervos de James por razão nenhuma. Para distrair-se, ele apenas olhou para Sirius mais uma vez.

― Kirsten Irwin?

― Eu vou te amaldiçoar.

 

III

Uma semana e dois dias haviam se passado desde a última vez em que James havia pressionado Sirius á lhe dizer o nome da garota com quem ele tem passado seus momentos. Isso se dava ao fato de que Peter havia conseguido o Mapa do Maroto de volta e com tal, perguntas não seriam mais necessárias.

Mas o que estava o deixando louco era o fato de que uma semana e dois dias já haviam se passado e o mapa não havia conseguido as respostas que ele procurava. Havia esperado os momentos em que Sirius se afastava para algum lugar misterioso para então, procurar o nome do amigo no mapa; esperando ver o de uma garota por perto.

E de uma forma inesperada, todas as vezes que não estava com Sirius e sabia que o amigo tinha um período livre, não encontrava nomes próximos. A confusão havia tomado conta, e também acabou por ser a razão de ele arriscar-se ao perguntar para o próprio.

― Com quem você está ficando?! ― James exigiu, bufando enquanto mal tentava manter seu tom de voz baixo. Ele se sentia traído; Sirius tinha aquelas marcas avermelhadas no pescoço e a coloração indicava que havia sido recente, e ele se recusava em lhe dizer quem havia o dado aquelas marcas. ― Eu olho no mapa, mas tudo que aparece é você passando o tempo enquanto o Remus estuda naquela sala vazia de Transfiguração, o que diabos, cara.

Como usual, Sirius apenas riu e continuou andando enquanto ignorava a frustração de James, o que já havia se tornado um costume ofensivo naquele ponto. Ele só queria saber algo simples, e nem isso o seu amigo queria lhe dar.

― Sabe Prongs... Às vezes eu acho que você ou é muito burro ou se faz. ― comentou em tom de conversa, abotoando os primeiros botões para então, arrumar a gravata. ― Bom, descubra sozinho. Isso se você descobrir, porque desse jeito...

James revirou os olhos para as ofensas e empurrou os óculos para se ajustarem melhor em seu rosto. Ele acompanhou Sirius com o olhar até que o amigo saiu da sala comunal e sumiu de sua vista.

― Malfeito feito. ― murmurou aborrecido para o mapa, então o colocando de qualquer jeito no bolso. Ele viu Peter sentado em um dos sofás e aquilo trouxe um sorriso para seu rosto antes de sentar ao seu lado e passar um braço sobre seu ombro. ― Aye Pete!

― Eu não sei com quem o Sirius está saindo. ― Peter respondeu em antecedência, olhando para James com as sobrancelhas arqueadas. ― E achei que o mapa era ‘pra isso.

― Pois é, e acabei de descobrir que ele não é perfeito como achamos. ― disse em um tom pensativo.

Peter franziu o cenho.

― Por quê?

― Só aparece o... Ah, não importa. ― James balançou a mão no ar em descaso. ― Isso parece meio desesperado, e juro que não tenho uma paixão secreta pelo meu melhor amigo, é só que é uma coisa grande, sabe? Faz mais de um mês, Wormtail. Ficar com uma garota uma vez é normal dele, você sabe disso. Ficar pela segunda vez com a mesma menina deve ser porque ele gostou dela. Pela terceira vez, é por tédio ou provavelmente pelo desespero dela. Agora, quarta vez? Acredito que não é coincidência.

― Do que você está falando agora? ― Peter indagou confuso. Ele abriu a boca para dizer algo em seguida, mas se interrompeu ao que seus olhos focaram em algo além de James. ― Achei que você estivesse na aula de Runas Antigas.

― Eu estava. Acabou. ― a voz veio de trás de James, e quando ele virou-se para ver, Remus já estava sentando-se em um dos sofás próximos enquanto tinha um livro em mãos. Ele usava o uniforme da escola e um cachecol com as cores da Grifinória cobria seu pescoço. ― O que foi dessa vez?

O garoto loiro balançou a cabeça e arregalou levemente os olhos, o que tornou sua expressão facial algo semelhante á exaustão. Remus riu baixinho, olhando rapidamente para James ao seu lado e logo assumindo o problema.

James percebeu o olhar do amigo e apressou-se á continuar o que dizia para Peter antes do outro chegar.

― Só estava dizendo; seja quem for que o Sirius tem saído... ― começou. ― Ela vai acabar sendo a esposa dele, ou algo assim. Nunca vi uma garota “durar” tanto assim.

Remus comprimiu os lábios e arqueou as sobrancelhas, e o olhar que ele dirigiu á James logo em seguida não era exatamente o que ele esperava. A pior parte era decifrá-lo; mas conhecendo Remus, provavelmente era apenas mais uma reprovação seguida de um comentário sábio do rapaz. James não sabia se apreciava seu ponto de vista ou o detestava por isso.

― Já perguntei se ele tentou cuidar da vida dele, mas não consegui nada. Boa sorte. ― Peter disse, trazendo os dois de volta para a realidade. Este se levantou com um grunhido. ― Estou indo, ou me atraso para a aula. Não é como se o professor Slughorn fosse perceber, mas ainda assim... Vejo vocês mais tarde.

Eles acenaram para o amigo, o observando sair da sala comunal em um caminho diferente do qual Sirius havia seguido. Quando ele sumiu do campo de vista de ambos, James olhou novamente para Remus, dessa vez, com a expectativa explícita em sua expressão.

― Lacey Moore! ― exclamou animadamente, mas Remus fez uma careta e olhou para a capa do livro em seu colo. ― Você sabe sim, não adianta fingir. Ah, o que me lembra... Temos que consertar o mapa, ou algo assim. Está com defeito.

― E o que te faz pensar isso? ― ele olhou para o amigo novamente, parecendo interessado na resposta que esperava receber.

James deu de ombros.

― Só aparece o seu nome e o do Sirius quando ele não está por perto. ― disse. ― Deveria aparecer o nome de alguma garota, não é? Ou, ele perto de alguém em algum momento.

Dessa vez, Remus sorriu e abriu seu livro, deixando James sem respostas.

 

IV

Ele inclinou a cabeça para o lado e seu sorriso murchou quando Lily Evans ignorou completamente sua presença. A ruiva continuou á conversar com a garota ao seu lado enquanto passava por James, e ele não podia negar o desconforto que sentiu com a reação quase inesperada. Ele esperava até mesmo que ela o ameaçasse, mas não a ignorância e aquilo era dez vezes pior do que Evans dizendo que o jogaria em um vulcão prestes á entrar em erupção.

James observou as duas garotas irem embora, a coragem desaparecendo. Ele queria tentar novamente com Lily, mas sua motivação estava á lugar nenhum de ser vista assim como a resposta da garota para sua primeira tentativa há dez segundos. Com isso, ele apenas conseguiu vê-las até que desaparecessem do seu campo de vista ao virarem para outro corredor.

Sua animação voltou apenas alguns minutos depois quando ele seguiu para o leste e viu Sirius parecendo apressado para chegar á Torre da Grifinória. Ele correu até o amigo e passou um braço sobre seus ombros, abrindo um sorriso enorme antes de seus olhos caírem para as marcas em seu pescoço. James achava que já estava ficando ridículo, mas ali estavam; vermelhas e recentes.

― Sirius Black! Tenho uma coisa ‘pra te perguntar... ― começou, sem tirar os olhos das marcas que também podiam ser a representação da falta de confiança que Sirius tinha nele. ― Tegan Green?

Sirius grunhiu.

― Você é um saco, sabia disso? Não faço ideia do por que somos amigos. ― disse entre dentes. ― Já te disse ‘pra esquecer porque não é da sua conta.

― Bobagem. Só quero poder aprovar, entende? Mas isso não vai acontecer se eu nem souber quem é! ― exclamou. ― Só me diga uma coisa, não é da Sonserina, né? Desculpe-me, sei que nem todos são uns babacas, mas não da ‘pra arriscar... Além disso, as garotas de lá te odeiam.

― Por Merlin, James. Me deixa em paz. ― Sirius fechou os olhos por um segundo quando eles pararam em frente ao quadro da Mulher Gorda. Ele disse a senha em um tom baixo, mas que foi ouvido pela mulher, vendo que a porta abriu logo em seguida.

― Espera, tenho mais uma... Kayden McLean. ― James tentou, olhando esperançoso para o amigo.

― Aquela garota da Corvinal? ― franziu as sobrancelhas, então os dois entraram após James assentir desanimado. ― Não. Tenho certeza que não é ninguém da Corvinal nem da Sonserina.

― Droga, estava tão perto...

Eles passaram pela sala comunal e seguiram para o dormitório lado a lado, e Sirius parecia aliviado por um segundo por James estar em silêncio, então resolveu começar um novo assunto antes que novos nomes apareçam.

― Você vai ficar para o Natal? ― perguntou casualmente.

― Não sei. ― respondeu James, entrando no dormitório  ― Talvez eu fique. Vou te fazer companhia!

Sirius estava quase se arrependendo de ter escolhido aquilo como assunto, mas resolveu deixar de lado.

― É, faça isso mesmo, desde que não envolva você fazendo perguntas sobre minha vida.

O moreno não teve tempo de responder, pois quando olhou para frente novamente, viu Remus prestes á terminar de abotoar sua camisa branca, o que dava uma visão sobre seu pescoço, um espaço que James raramente via. Ele percebeu que Lupin tinha cicatrizes da última lua cheia, mas o que havia lhe chamado à atenção haviam sido as marcas.

Marcas que Sirius também tinha.

Ele arregalou os olhos imediatamente e virou-se para o amigo ao seu lado, observando o que os dois tinham em comum com uma surpresa e indignação que podiam ser percebidas á quilômetros de distância.

― Vocês... E-Eu não acredito... ― alternou o olhar sobre os dois novamente, vendo que agora ambos pareciam aterrorizados. Remus tentava fechar os botões o mais rápido possível para esconder o que James já havia visto, e Sirius havia se virado de frente para este como se esperasse que sua reação fosse menos surpresa. ― Eu sabia que vocês... Eu sabia que tinha alguma coisa... Eu mal posso acreditar que vocês...

― James, nós podemos explicar! ― Sirius adiantou-se, parecendo alarmado enquanto Remus apenas assentia. ― Nós iriamos te contar, mas então você...

― O Remus está saindo com alguém também!

Sirius se interrompeu, e a surpresa em seu rosto e a de Remus era ainda maior do que a expressão de James mostrava.

― O-O que? ― Remus perguntou, semicerrando os olhos em confusão. Ele não havia abaixado sua guarda, mas parecia menos defensivo.

― Eu jamais iria acreditar que você também está com alguém, mas só pode ser... ― disse, aproximando-se do amigo, que ainda permanecia confuso. ― É por isso que você não me contou sobre o Sirius! Vocês sabem sobre o outro, mas devem ter alguma promessa ou algo assim...

Naquele ponto, os dois não se incomodaram em esconder seu alívio e, em parte, descrença. Remus colocou o resto do uniforme e Sirius dirigiu-se para sua cama, ignorando o monólogo de James como se o rapaz não estivesse ali.

 

V

As coisas estavam ficando cada vez mais urgentes com o passar do tempo, e James logo se tornou bem consciente sobre como esteve agindo nos últimos dias. Tinha o costume de chegar aos nervos de algumas pessoas, mas com seus amigos mais próximos era outra história.

Sirius grunhia quando o via nos corredores ou quando estavam reunidos em alguma das aulas, e o rapaz não escondia mais sua irritação ao ver o melhor amigo. Já Remus, sendo naturalmente mais calmo, ele apenas deixava James fazer suas suposições enquanto tinha o nariz em algum livro, e para Potter, ser ignorado era ainda pior do que ouvir as ameaças de Sirius. Também havia o fato de que talvez Remus estivesse tão calmo por não ser incomodado á tanto tempo quando o outro.

Desde o dia em que James havia visto as marcas no pescoço de alguém que não fosse Sirius, ele não podia negar sua surpresa, primeiro por não ter visto antes e segundo porque era Remus, afinal. Ele nunca parecia ter tempo para as coisas e quando tinha, preferia ficar lendo em algum lugar o qual não era preciso interagir com outras pessoas. Ele não sabia como seu encontro com uma garota havia funcionado, mas esse não era o fato principal.

A dúvida havia se expandido e normalmente James não daria a mínima para quem Sirius beijava ou deixava de beijar, mas ele estava com tédio. Nada acontecia fora da rotina e aquilo estava acabando consigo – estudos, Evans o ignorando, tirar sarro de Severus Snape. Eram sempre as mesmas coisas, então por isso, por consequência, acabou tendo interesse nas vidas alheias; onde ele procurava apenas o que o oferecia algo que não fosse seu cotidiano na escola, se fazia algum sentido (e nunca fazia, mas ele não ligava para mais nada naquele ponto).

Mas sua motivação para conseguir algo vindo de Lily Evans estava voltando gradativamente e eram boas notícias para todos que não fossem a ruiva em si, pois isso significava que ele iria dar um passo para trás e tirar sua atenção de onde ele não havia sido convidado, como por exemplo, a vida pessoal de Sirius Black. Lily não estava feliz com os primeiros sinais, o que era esperado.

― Se você fosse um dementador, eu seria um criminoso só para conseguir um beijo seu. ― James sorriu de lado, fazendo uma pose ao lado da garota, mas ela continuou a andar como se ele não estivesse ali.

― Você sabe que um beijo de um dementador suga sua alma, não sabe? Ou é mais do que seu cérebro capacita? ― ela perguntou em tom de desdém, segurando os livros contra o peito, e embora, ela não olhava para o rapaz.

James parou e com alguns segundos ponderando, ele apenas deu de ombros e continuou seguindo Lily.

― Você deve ser muito boa em Transfiguração.

― Eu sou mesmo.

― Porque você mudou min- Espera, não era pra você ter dito isso! ― exclamou James indignado. Como inesperado além da resposta, havia um traço de um sorriso no rosto de Lily antes de ela dirigir-se á uma das mesas da sala comunal.

Ela então se permitiu abrir um sorriso completo para Remus, que já tinha alguns livros e pergaminhos sobre a mesa antes de Lily sentar-se de frente para ele.

― Você já fez aquele trabalho de Runas Antigas? ― ela indagou curiosamente enquanto abria um dos seus livros e olhava para Remus de uma forma tímida, e James apenas percebeu o motivo quando se aproximou e viu que Sirius estava sentado do lado do garoto com um braço sobre seu ombro.

― Eu iria terminar hoje, na verdade. ― respondeu com as bochechas levemente vermelhas por algum motivo que James desconhecia. ― Temos que traduzir esses textos e copiar em um pergaminho separado; como a professora pediu.

Os dois acabaram por engatarem em uma conversa que se tornou inacessível para James em questão de segundos, então ele apenas resolveu observar de longe, sem pensar em como seus atos poderiam parecer aos olhares alheios. Ele viu Sirius com um sorriso presunçoso enquanto olhava para Remus ainda que esteja vendo o garoto de perfil, já que este estava virado para Lily e Black estava virado para ele. James sorriu com a visão de seus amigos.

Mas não havia durado por muito tempo, pois Sirius havia dito algo que trouxe o rubor completo para o rosto de Remus e Lily; a qual logo gritou algo de volta para o rapaz. Este riu divertido e bagunçou os cabelos castanhos do amigo antes de levantar-se e sair, seguindo a direção em que James se localizava.

Quando ele o viu, seu sorriso caiu e deu espaço para a carranca.

― Ei, na verdade eu só tenho uma suposição hoje. Juro. ― James adiantou-se antes que Sirius passasse por ele para sair da sala. Com certa desconfiança no olhar, o animago relaxou sua expressão facial lentamente. ― Bom, como é minha única, eu tenho que pensar... Hum, já sei! Raelyn Thornton...?

― Você está literalmente dizendo qualquer nome que te vem á cabeça! Daqui a pouco vai dizer que estou saindo com Emmeline Vance também... ― começou Sirius, os olhos já se revirando.

― Isso depende, você está? ― arqueou as sobrancelhas.

― Não! Ela iria arrancar sua cabeça com um bastão se te ouvisse dizer isso. ― respondeu em um tom de incredulidade. ― Olha Prongs, eu estou cansado de irritar todo mundo hoje, então acho que mereço um bom descanso. Sai da minha frente.

Não houve debates para isso; James apenas deu um passo para o lado com um sorriso triste e deixou Sirius passar.

 

+1

Desde a falha tentativa envolvendo Emmeline Vance, James quase não teve muitos momentos de interação com nenhum dos amigos, pois Sirius e Remus mantinham sua postura usual diante á suas insistências e Peter estava ausente na maioria do tempo, o que fez James imaginar se este estava tentando o evitar também.

Era estúpido e alcançava limites extremos, mas a sensação de traição ainda estava presente e James sabia o porquê. Podia não ser algo grave, mas a ideia de que seus melhores amigos estavam saindo com alguém e não o contaram quando este era um costume nunca soaria boa na cabeça de James. Então, para acabar com todas as dúvidas e angústias, ele esteve pensando em um modo de pegar seus amigos no ato, assim descobriria de uma vez por todas quem eram suas parceiras e porque não apareciam no mapa – que já havia se provado infalível muitas vezes antes.

Foi durante a aula de Transfiguração que ele teve a ideia perfeita, ao mesmo tempo em que percebeu que Sirius não estava sentado ao seu lado como deveria.

Ele franziu o cenho e olhou ao redor, como se esperasse ver que o amigo apenas trocou de parceiro devido ao estresse que James esteve o causando nas últimas semanas, mas não o encontrou em lugar algum. Ele apenas não estava na aula, e Potter tinha certeza que ele as frequentava no mesmo horário.

James deparou-se com os cabelos ruivos em sua frente e mordeu a parte inferior da bochecha antes de cutucar Lily timidamente, inclinando-se para alcançar seu ouvido.

― O Sirius está nessa aula, não está? Por que ele...

― Como é que eu vou saber, Potter, o amigo é seu. ― ela sibilou rispidamente. ― E não fale comigo.

Após voltar á sua posição de antes, James percebeu que os alunos tinham a visão focada sobre um livro a suas frentes. Ele tentou espionar a página da parceira de Lily Evans, e foi naquele momento em que ouviu esta suspirar irritada.

O exercício era simples para uma aula teórica de Transfiguração, mas ele não conseguia se concentrar. O calcanhar batia repetidamente no chão enquanto ele olhava algumas vezes para a cadeira vazia ao seu lado, e o movimento se repetiu até James se lembrar do Mapa do Maroto; que esteve em seu bolso desde que Peter o deu.

Ele checou se a professora Minerva McGonagall estava atenta antes de puxar o mapa e tocar nele com a varinha, sussurrando as palavras de uma forma que apenas alguém muito próximo poderia ouvir; ainda que a classe estivesse silenciosa.

Juro solenemente não fazer nada de bom. ― o apelido de seus amigos e o próprio apareceu de repente sobre a capa, e James não perdeu tempo ao abrir o mapa e procurar pelo nome de seu amigo pelo castelo. Olhar debaixo da mesa estava dificultando, mas ele logo o encontrou; entrando na sala vazia de Transfiguração naquele exato momento. James sorriu vitorioso. ― Agora eu te pego, Padfoot.

James encontrou sua própria forma de terminar a atividade escrita o mais rápido possível para que consiga ser dispensado mais cedo. A professora não parecia convencida á deixa-lo sair no começo, mas o rapaz havia se adiantado nas desculpas.

― Só quero ver se Sirius está bem.

Ela semicerrou os olhos, desconfiada, mas inclinou um pouco a cabeça para trás enquanto parecia considerar.

― Se eu souber que vocês dois fizeram algo nos corredores, temo que tenha que descontar vinte pontos da Grifinória. ― ela avisou, mas havia deixado James livre para ir.

O rapaz sorriu em agradecimento e segurou suas coisas antes de levantar-se e sair da sala com determinação, já com um lugar específico em mente. Ele marchou até a sala vazia de Transfiguração e não olhou no mapa novamente até que encontrasse o lugar – para então, respirar fundo com diversas ideias em sua cabeça antes de abrir a porta.

― Ah há! ― James esperava ver Sirius com alguma garota, já que havia visto apenas o rapaz entrando, diferente das outras vezes em que Remus estava junto, mas o que viu havia o deixado mais surpreso possível. Havia sido algo completamente imprevisível e James não sabia o que fazer.

Remus estava sentado na ponta de uma mesa com Sirius entre suas pernas, e os dois se beijavam antes de James aparecer. Este arregalou os olhos e seu queixo caiu em choque, ao mesmo tempo em que cambaleava levemente para trás pela surpresa.

Os dois notaram sua presença de imediato – o que era o esperado, considerando o baque da porta sendo aberta e o comentário precipitado de James –, mas diferente do que seriam aguardadas por qualquer um, suas expressões permaneceram indiferentes. Sirius até parecia achar graça de toda aquela situação quando James olhou desesperado para o mapa apenas para encontrar o nome dos dois amigos e do próprio dentro da sala.

― O mapa não estava com defeito, huh? ― Sirius disse, sua voz ecoando na sala quase vazia. Era com um furo no silêncio cheio de tensão, mas ele realmente não parecia ligar. Já Remus, apenas ajeitava a gravata na gola da camisa, como se Sirius não estivesse entre suas pernas com as mãos em sua cintura e seu melhor amigo não estivesse encarando com aquela expressão de extrema surpresa. ― E você não iria adivinhar mesmo. Não com essa insistência em garotas.

Mais tarde naquele dia e eles haviam sentado na sala comunal e conversado sobre tudo. Peter havia aparecido mais tarde e afirmado que sabia desde o início pelo modo como os dois eram tão óbvios, mas havia concordado em deixar o amigo descobrir por si mesmo.

James não se intrometeu mais na vida de nenhum deles desde então, decidindo que sua rotina chata era melhor do que havia tentado trazer como inovação para si nas últimas semanas ao forçar algo que não existia. Talvez Sirius gostasse de garotas como este havia o dito naquele dia, mas gostava de Remus além de tudo, e James não tinha razões para não achar que aquilo estava tudo bem. Estava tudo bem e ele também estava de acordo com isso.

O que importava no final era que os dois estavam felizes, e era o suficiente. Ele também decidiu ignorar as marcas que havia visto que eles causaram um no outro, porque elas levavam sua mente para um lugar negro.

Talvez tentar chamar a atenção de Lily Evans e incomodar alguns alunos da Sonserina não fosse parte de uma rotina tão ruim assim.

-x-


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...