História Suddenly [EM HIATUS] - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Big Time Rush, Demi Lovato, Joe Jonas, Justin Bieber, Justin Timberlake, Kendall Jenner, Lady Gaga, Little Mix, Meghan Trainor, Miley Cyrus, Nick Jonas, One Direction, Selena Gomez, Taylor Swift, Zayn Malik
Personagens Demi Lovato, Harry Styles, Jade Thirlwall, Justin Bieber, Kendall Jenner, Liam Payne, Louis Tomlinson, Miley Cyrus, Niall Horan, Nick Jonas, Perrie Edwards, Selena Gomez, Taylor Swift
Tags Haylor, Jelena, Niley, Noivado Falso, Zerrie
Exibições 122
Palavras 4.435
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HEEEEEEEEEEEEEEY, POVO!

Vim postar, antes que a Claire17 chame no MP! :v

Preparados para o ataque cardíaco?!

Ready,

Set,

Go!

Boa leitura, gente! O/

Capítulo 18 - Capítulo 18 - Uma pessoa que mata com bondade;


Fanfic / Fanfiction Suddenly [EM HIATUS] - Capítulo 18 - Capítulo 18 - Uma pessoa que mata com bondade;

Capítulo 18

Canadá, 07:30 da manhã. 

Miley rangeu os dentes, jogando o telefone longe. Havia brigado mais uma vez com Nick! E por Selena! Ela não acreditava que o namorado teve a coragem de retrucar a sua ordem de ficar longe da latina. Primeiro, Justin simplesmente lhe ameaçara por Selena e agora, Nick brigava para ter a amizade da mesma de volta?

Era tudo culpa de Selena. Sempre foi. 

Ah, mas eles iriam ver uma coisa! Ou melhor: SELENA iria. 

Respirou fundo, tentando acalmar os nervos enquanto se vestia. Naquele dia, encontraria a mãe na clínica de reabilitação onde se encontrava para tratar seu vício em álcool. 

Depois de meses após o incidente, finalmente foram liberados à vê-la. 

A mãe da mesma tentara beber seu enxaguante bucal por ler, no rótulo, que continha álcool. 

Tremeu ao lembrar-se do incidente. Memórias obscuras lhe vinham à mente... 

Memórias estas, que ela realmente preferia esquecer. 

Assim que pronta, ela saiu do quarto e desceu as escadas, sendo recebida por um sorriso caloroso de seu pai. 

Sorriria também, se a senhora Gomez não estivesse ao lado dele, claro. 

- Bom dia, Smiley! - Ele cumprimentou. 

- Tanto faz… - Ela murmurou, fazendo pouco caso. 

Passou pela senhora Gomez, sem sequer olhar para a mesma. 

- Não vai cumprimentar a sua mãe? - Seu pai perguntou, com um sorriso forçado. 

Miley olhou gelidamente, fazendo com que o loiro se arrependesse da pergunta que fizera. 

- Ela não é a minha mãe. Assim como a filhinha sonsa dela não é minha irmã. - Disse curta e grossa. - Não tente colocar uma boneca falsa no lugar da verdadeira. Não vai funcionar e nós sabemos onde isso acaba. 

A Gomez mais velha apenas abaixou os olhos, envergonhada. 

- Miley… - Ele a chamou, em tom repreensivo. 

- Não me repreenda. Sabemos quem está errado aqui. E tenha a certeza de que não sou eu. - A loira afirmou, apontando para o pai, de forma acusadora e foi em direção à cozinha, procurando algo para comer. 

O homem suspirou, seria um longo dia.

(…)

Nova York, 07:30 da manhã. 

Elas corriam em silêncio, cada uma presa em seus próprios pensamentos. 

Kylie olhava disfarçadamente para a irmã, lembrando-se dos acontecimentos que estavam rodeando-a naquele momento. 

Perguntava-se desde quando Kendall estava tão mudada. 

Seus pensamentos foram interrompidos quando sentiu uma mão branca com unhas longas e bem cuidadas lhe pararem ao ventre. 

- O que acha de parar-mos? - Perguntou a mais velha. - Eu realmente preciso respirar… Você corre demais, foi difícil te acompanhar. 

Kylie sorriu, sem graça. Estava tão absorta em seus pensamentos, que esquecera de que estava correndo com Kendall ao seu lado. 

- Venha, vamos nos sentar. - A mais velha sugeriu, sendo acompanhada pela mais nova. 

Sentaram-se em um banco daquela praça. 

Kendall pegou sua garrafa de água, dando um grande gole. 

- Oh, agora sim… - Murmurou. 

Kylie apenas assentiu, dando alguns goles na própria garrafa.  

- Aqui é lindo, não é? - Kendall sorriu. 

Kylie assentiu. 

- Foi aqui que Harry me pediu em namoro... - Ela viu Kylie arregalar os olhos. - E foi aqui também, que eu terminei com ele… De vez. 

- Por quê está me dizendo isto? - Kylie perguntou, surpresa. 

- Não temos nos falado muito esses dias e… Sinto como se precisasse de alguém para me ouvir. - Kendall olhou para os pés. 

- Oh. - Foi tudo no que Kylie conseguiu pensar para dizer. 

Kendall suspirou. 

- Você já sentiu como se todas as escolhas que fez na vida, foram erradas? Mesmo que todas elas fossem as melhores para você? 

- Depende de que ponto de vista você está falando. - A morena olhou para a irmã. - É sobre o seu casamento, certo?

A mais velha suspirou. 

- Ah, Kendall! Se não quer casar, por quê simplesmente não casa? - Kylie indagou. 

- É mais complicado do que você pensa, Kylie... - Kendall desviou o olhar. 

- O que é tão complicado assim? Você nem ao menos gosta de Zayn, Kendall! - Kylie a encarou. - Por que está casando com ele afinal? Dinheiro?!

Kendall desviou o olhar da irmã, confirmando sua fala. 

- Eu não acredito, Kendall! Você não enxerga?! A história dos nossos pais está se repetindo! - Kylie a encarou, quase que raivosa. - Está disposta a estragar a sua felicidade, num casamento sem amor… Somente por dinheiro? Está disposta e se tornar uma mulher como a mamãe?!

- Não me compare com a mamãe! - Kendall exclamou, nervosa. 

Kylie respirou fundo. 

- Kendall, você ainda tem a chance de ser feliz… Desista disso enquanto ainda é tempo! - A mais nova encara a mais velha. 

Kendall a encarou, consternada. 

- Eu tenho que fazer o que é melhor para a minha família, não importando se vou ser feliz ou não! - A morena exclamou, vendo a mais nova encará-la surpresa. - Harry Styles ou Zayn Malik não são nada comparado a lista de pessoas que precisam de mim, como você e os nossos pais! 

- Não me inclua na sua lista, nunca pedi para que você fizesse nada por mim, o dinheiro não me importa, nunca importou e você sabe disso! - Kylie exclamou.  

- Falou a garota que namora um milionário feio que vive te dando presentes e que te deu uma Ferrari rosa no último aniversário! - Exclamou Kendall. 

A mais nova arregalou os olhos, apertando os punhos com força. 

- O quê?! - Kylie quase gritou, raivosa. - Eu namoro Tyga porque gosto dele! A Ferrari ele me deu porque quis! Eu não acredito que você é tão baixa a ponto de usar minha vida amorosa para explicar suas ações incabíveis! 

Kendall riu. 

- Não vão ser incabíveis quando eu tiver todo o império Malik nas minhas mãos! - Ela exclamou, rindo sarcástica. - Terei o meu dinheiro, meu luxo, minha fortuna, meu status… E Harry? Nada me impede de torná-lo meu amante! Ele me ama e tenho certeza que não vai negar ficar comigo, mesmo que em segredo. Serei rica, poderosa e ainda terei quem eu amo ao meu lado! Não é maravilhoso?!

Kylie a encarou, horrorizada. Quando a mais velha tinha se tornado tão repugnante?!

Rangeu os dentes em resposta à irmã. 

- Você é doente! - Kylie gritou. - Você destruiu o relacionamento de Zayn com Perrie e ainda deixou Harry, humilhando ele numa entrevista em rede INTERNACIONAL, tudo isso em prol de si mesma! Tem noção de quantas pessoas você feriu com isso?!

- Como se você se importasse! - Retrucou a mais velha, nervosa. 

- É claro que me importo! Tenho que me importar! - Gritou a mais nova. - A irmã que sempre admirei por ter personalidade forte e sempre se impor diante de tudo o que nossos pais nos empunham, se transformou num monstro e eu nem mesmo senti isso acontecer! 

Kendall parou. Estranhamente, as palavras de Kylie lhe machucaram. Um monstro…? Era assim que a irmã mais nova lhe via?

- Você está destruindo a vida das pessoas a sua volta, achando que está protegendo a sua... Mas está enganada. Você é quem está destruindo a própria vida... E eu tenho nojo disso. - Kylie disse, séria, levantando-se do banco.

- Você não sabe do que está falando, Kylie! - Kendall levantou-se também. 

- Ah, não, Kendall… - Kylie a encarou, com seus seus olhos a faiscar. - Eu sei bem mais do que você imagina... Ah, e eu realmente desejo que o Harry seja feliz com aquela loira... Afinal de contas, ele não merece sofrer por alguém de tão baixo nível quanto você...

Kendall arregalou os olhos, engolindo em seco. A mesma frase. A mesma frase que Zayn lhe disse, Kylie estava lhe dizendo também...

- O-O que...? - Kendall sussurrou, surpresa. 

Viu Kylie colocar seus fones aos ouvidos e sair 

- Esse é o meu último aviso, Kendall. - Ela sentenciou. - Pare com isso já, você sabe muito bem como esta história termina...

E a mais nova voltou a correr, deixando a mais velha atordoada. 

O que ela quis dizer com aquilo e por que a sua irmã mais nova parecia saber mais do que deveria?

E como ela sabia de Taylor? A conhecia? 

Balançou a cabeça, eram muitas as informações para processar...

Se Kylie sabia de sua vida conturbada com Harry, qual seria a surpresa se ela soubesse de Zayn também? Ou até mesmo dos negócios sujos da família?!

Entrou em pânico. Não, ela não podia saber… Os pais não contaram e ninguém de fora do círculo dos Jenner, sabia.

Mas Kylie lhe viu sair do escritório do pai e viu o pendrive em sua mão… 

Precisava se livrar daquele pendrive, pelo bem da família!

Mas antes…

Um toque. Dois toques. Três toques. 

- Papai? Cancele todas as suas reuniões. Precisamos conversar. - Direta, ela encarou a praça com o telefone ao ouvido.

(…)

Canadá, 10:30 da manhã. 

- Então, ela foi visitar a mãe? - Perguntou Demi, acomodando-se ao lado da amiga na arquibancada da escola, onde via os garotos jogarem. 

Era jogo de sexo dividido, então meninas e meninos tinham horários reservados para jogarem..

- Bom, pelo menos foi o que a mamãe falou quando fui buscar algumas roupas lá… - A morena respondeu, suspirando. - Mas, eu sei lá… Eu estou com medo... Miley sempre volta pior destas visitas e o alvo dela sempre sou eu ou minha mãe... 

Ela e Demi estavam fazendo um trabalho que valia a metade da nota bimestral então requeria muita atenção, o que significava que Selena estava dormindo frequentemente na casa de Demi. 

Não que fosse ruim, claro. Porque a morena tinha certeza de que Miley estava dando festas lá sempre que possível. 

- O que você esperava? Filha de bruxa, bruxinha é! - Resmungou a de cabelos róseos. 

- Não chame ela assim! Ela não uma bruxa, Demi. Somente está doente e precisa se tratar! - A morena ralhou. 

- Tá, tudo bem, que seja! - A Lovato ignorou-a. - Mas, Selena, você precisa parar de ter medo da Miley e encará-la de vez, não pode ficar aceitando o que ela faz contigo! - Olhou para o jogo. - Opa, é ponto!

Selena riu, colocando uma mecha do cabelo atrás da orelha. 

- É verdade, não é?

A morena suspirou, vendo a rosada estreitar os olhos. 

- Mas, sabe? A verdade, é que eu não a odeio. Eu juro que já tentei, mas… Eu não consigo odiar Miley, porque sei o que é perder alguém que você ama… - Selena sorriu. - Eu acredito que, dentro daquela casca fria, mesquinha e cruel, tenha simplesmente uma Miley machucada pela vida; assim como eu sou ou até mais. Acredito que, um dia, esta Miley vai se mostrar para mim e eu vou esperar pacientemente por este dia… Porque, só neste dia, eu saberei que nada do que fiz até agora para suportá-la, foi em vão…

Demi a encarou, arfando. Não contava com esta resposta. 

- Garota, eu não sei se choro por você ou se te bato pelo mesmo motivo! - A morena riu. - Precisamos de mais pessoas como você no mundo, Selena!

E então, a rosada abraçou a Gomez, que lhe deu um sorriso tímido.

- Não é para tanto, Dems… Eu só disse a verdade. 

A rosada riu. 

- Lovato! - Justin exclamou. - É a vez de vocês. 

Demi assentiu, e Joe jogou a bola de basquete para ela. 

- Parabéns pela vitória! - Selena sorriu para ele, que retribuiu, bobo. 

- Obrigado… Não sabia que você estava vendo… Parecia tão concentrada em conversar com a Demi… 

- Eu sempre vou ter olhos para você, Justin. - Ela disse, vendo o loiro lhe olhar, completamente bobo. 

- Obrigado por isso… - Ele disse para ela, que lhe entregava sua garrafinha de água. - Oh..

E então, ela percebeu o quão suado e ofegante Justin estava. 

- Quer? - Perguntou ela, com sua toalhinha rosa e felpuda em mãos, enquanto via o loiro tomar sua água. 

- Agradeço. - Ele disse lhe devolvendo a garrafinha e usando a toalha para secar seu suor. 

Selena sorriu, tímida, enquanto brincava com os dedos, num silêncio confortável. 

- Sabe… Eu concordo com a Demi. - Justin a encarou, deixando a toalhinha de lado. - Você realmente devia encarar a Miley e não ter medo dela…

A Gomez suspirou, dando um leve sorriso enquanto procurava um fiapo na calça para arrancar. 

- Não como se você fosse a primeira vez que me dizem isso...

Ela abaixou a cabeça.  

- Mas eu também concordo com ela, quando disse que o mundo precisa de mais pessoas como você. - Justin sorriu, a agarrando.  - Uma pessoa que mata com bondade! 

- Justin!  - Ela exclamou, surpresa. - Você está suado, me solta!

Justin gargalhou, alto. 

- E-Espera aí… Matar com bondade? - Ele assentiu. - Tá aí, gostei… Agora, me solta! Você tá suado!

Ela bateu de leve no peito do loiro. 

- Sabe que eu não vou te soltar, não é?

- É, sei sim. - Ela riu. 

- Bom saber. - Retrucou, colocando o braço em volta do um ombro da morena e apoiou sua cabeça no outro. 

E ali eles ficaram, ouvindo as batidas de seus corações aumentarem e, assim, sincronizarem.

De repente, não existia mais quadra nem jogo, apenas eles. 

E aquilo deles, ninguém tiraria. 

- Demi, olha aquilo! - Comentou Joe, cutucando a garota, que acabava de sentar-se no banco de reservas, após uma substituição. 

- Hm? - Demi olhou na direção que Joe apontava. - Oh! 

- Formam um belo casal, não é? - Ele riu pra ela. 

Nick, que estava ao lado dos dois, franziu as sobrancelhas. 

- Sim. Foram feitos um para o outro! - Demi concordou. 

- E você, Nick, o que ach-

- Eu não acho isso. - O Jonas disse rapidamente, fazendo Demi e Joe se entreolharem. 

- Então você precisa de uns óculos urgente, porque eles parecem perfeitos um para o outro, na nossa concepção. - Joe disse e Demi concordou. 

- Eu já disse que não acho. - Nick cortou. - Vocês pediram a minha opinião e aqui está ela. Eu não os acho perfeitos um para o outro e ponto. Selena pode muito bem ser mais feliz com outro, não depende dele. Até porque, não gosto desse cara e nem mesmo confio nele. 

Antes que Demi pudesse retrucar, o sinal bateu. Justin voltava do vestiário rapidamente, indo até Selena para que ajeitasse seus cabelos com os dedos, enquanto ria de alguma coisa dita pelo loiro. 

Nick crispou os lábios. Sua opinião tinha ido por água a baixo. 

Demi tapou a boca para que não pudesse rir da situação. 

- Acho que alguém se enganou de casal… - Joe debochou e Demi caiu na gargalhada. 

- Idiota… - Nick resmungou. 

Apressado, Nick saiu do campo de visão deles, se dirigindo ao vestiário. 

- Você não acha que ele…

- Estava com ciúmes? É, eu acho sim. - Joe riu. - Pena que ele chegou na hora errada. A vaga já foi ocupada. 

Joe apontou por cima dos ombros para Justin e Selena, que saiam de mãos dadas da quadra. 

Demi riu de novo. 

- É, acho que esse final de ano letivo vai ser divertido... - Ela disse. - Quer apostar quanto que até o final do ano, eles estão namorando?

- Antes do final do ano! - Joe contestou. 

- Feito!

No vestiário, o moreno perguntava-se o diabos acontecera com ele, para responder ao irmão e sua amiga daquele jeito. Nada lhe vinha claro à mente, somente o extremo sentimento de recusa ao ver Selena sorrindo para Justin de um modo que já sorrira por ele… Talvez, estivesse sentindo ciúmes da Gomez, afinal, ele era o amigo dela, antes que Justin ocupasse seu lugar… Isso, podia ser só ciúmes de irmão! Afinal, ele amava Miley, porém Selena era sua amiga antes e alguém ocupara seu lugar… 

Mas ele sabia que não podia sentir ciúmes disso, afinal, ele foi o culpado do afastamento de Selena… 

Suspirou, desligando a ducha antes que acabasse atrasando-se para a próxima aula. 

Mas assim que a imagem de Selena e Justin juntos lhe veio à cabeça, seu coração apertou…

O que estava havendo, afinal?!

(…)

Em uma outra parte da cidade, 12:45.

O caminho era silencioso. Nenhum dos dois ali atrevia-se a pronunciar algo diante da situação. 

Estavam indo vê-la. A ex-esposa dele e mãe dela. 

Ambos, com sentimentos conflitantes em relação à moça. 

- E então, parceira… Ansiosa? - Perguntou o patriarca, com intenção de aliviar o clima pesado. 

- Nós fazemos isso de seis em seis meses. Nada de muito relevante. - Disse, curta e grossa. - O único lado bom, é que hoje não verei nem Selena ou a mãe dela por um tempo. 

- Miley, nós já conversamos sobre isso…

- Você conversou. Não eu. - Miley retrucou. 

- Quando você vai parar com isso, filha? - Ele suspirou. - A minha separação da sua mãe não teve nada a ver com a sua madrasta e…

- Se você não estivesse no Texas, nada daquilo teria acontecido. Não aja como se fosse inocente, pois você não é. Se ao menos você estivesse aqui uma vez quando eu realmente precisei… - Ela rangeu os dentes. - Mas você estava com a minha querida madrasta, certo?

O loiro se calou diante da afirmação de Miley… De nada adiantaria argumentar com a filha, já que ela estava irredutível. E, além de não estar pronto para contar o que aconteceu, a garota não parecia estar realmente pronta para saber. 

O jeito, era esperar que Miley fosse capaz de amadurecer por si própria. Ou, por algum milagre, ouvisse a verdadeira história da própria mãe. 

(…)

Harry sentou no sofá, aspirando o cheiro doce de cerejas que emanava dele, sendo característica marcante de Taylor, que dormira ali três noites seguidas após o beijo. 

Sua mãe ligava frequentemente, mas não tinha coragem de falar com ela sobre isso. Fora que ela marcara um reunião na casa, para dois dias. 

Mas, voltando ao assunto Taylor, Harry não entendia o que se passava pela cabeça dela. Ela não o impediu de beijá-la, então, ela havia gostado do beijo tanto quanto ele... Então, qual era o verdadeiro problema?

Também, quando beijou Taylor, mesmo que apenas um selinho, seu estômago revirou tanto, que ele tinha certeza de que eram borboletas querendo sair… Nunca sentira nada daquele tipo, nem mesmo com Kendall. 

Será que… Realmente, estava se apaixonando por Taylor? Gostando mesmo dela? Se a beijasse de novo, sentiria as borboletas novamente?

Era um teoria que precisava confirmar. 

Passou pela cozinha, vendo que Taylor preparava algo enquanto cantava uma música que provavelmente nunca ouvira na rádio, alheia a ele e a qualquer movimento seu. Provavelmente, de propósito. 

- Say you'll remember me, standing in a nice dress, starring at the sunset babe… red lips and rosy cheeks, say you'll see again even if it's just in your… - Nisso, ela colocou o tabuleiro no forno. - Wildest dreams, ah ah ah...

- Música triste… Fez há pouco tempo? - Perguntou ele, fazendo-a se assustar. - O que esta fazendo?

Ela se virou para ele, sorrindo sem graça. 

- Espero que goste de bife à parmegiana. 

Ele sorriu. 

- Gosto… - E logo suspirou. - Taylor, podemos conversar?

Ela não o encarou. 

- Não precisamos conversar, eu sei o que você vai dizer. - Ela murmurou, deixando-o surpreso. Ela sabia? - Também concordo que aquele beijo foi um erro. 

Ela tirou as luvas, colocando-as em cima da mesa. 

O que? Um erro? 

Ele a encarou, de olhos arregalados. Responderia àquilo, se a loira não estivesse sendo mais rápida. 

- Eu sei do que você sente por Kendall e eu não quero… Atrapalhar isso. - Ela soltou um suspiro, desanimada. - Se você me disser que foi o calor do momento, eu vou entender... Sério.

Ela se apoiou no balcão da cozinha.  

- Então, é por isso que esteve me ignorando esse tempo todo? - Ele a encarou, surpreso. 

- Bem, sim… - Ela suspirou.

- Então, temos um problema aqui. - Ele disse, se apoiando na mesa. - Porque eu não acho que foi erro nenhum. Quem dirá ter feito aquilo no calor do momento. Eu te beijei porque eu quis e não teve nada a ver com a Kendall, também. 

- Como?

Ele se aproximou dela. 

- Sabe, Tay? Há uns dias atrás, eu vim reparando uma coisa… - Ele a puxou até si, devagar. - Eu realmente achei que fosse atração ou até a carência, como você citou agora à pouco, mas… Não era nada disso. 

Ele se aproximava dela aos poucos e isso apavorava Taylor!

- O que você fazendo? - Perguntou, surpresa. 

- Confirmando uma teoria. - Ele disse, puxando a até que pudesse envolvê-la em seus braços. 

- Que teoria? - Perguntou, surpresa pela proximidade. 

- Essa. - Será que ele iria…

- Harro- Ela foi calada pelos lábios do maior, que não demorou muito para pedir-lhe passagem com a língua, que ela concedeu de prontidão, mesmo que não soubesse como prosseguir com aquilo. 

Céus, era seu primeiro beijo oficial, ela finalmente estava sendo beijada e pelo primeiro homem que gostou na vida!

A vida estava sendo legal com ela, afinal. 

Ele contornou ainda mais sua cintura, aprofundando mais o beijo enquanto descobria em cada canto da boca dela, que ela não só cheirava a cerejas. Seu gosto também. 

Separaram-se por falta de ar e Harry deixou um pequeno selinho nos lábios vermelhos e um pouco borrados de batom, da loira enquanto ambos arfavam. 

- O-O que foi.. O que foi isso? - Perguntou, atordoada. 

- Um beijo. 

- Para que? 

- Confirmar a minha teoria. - Ele sorriu. - E a propósito, confirmada. 

- E que teoria seria essa?

- Que eu gosto de você. - Ele sussurrou no ouvido dela. 

 Ela arregalou os olhos. 

- O que disse?

- Que gosto de você, Alisson. - Harry disse, sorrindo. - E, se eu fosse você, usava esse batom vermelho mais vezes. 

Ela o encarou, surpresa. 

- Por que?

- Porque, além de ser um clássico e uma coisa que eu gosto… - Ele a puxou para si novamente, sussurrando em seu ouvido. - Eu descobri que também adoro borrá-lo. 

Ela corou de imediato, sentindo o queixo ser segurado e os lábios, tomados. 

(…)

Texas, 15:30 da tarde. 

- Bola de canhão! - Gritou o mais baixo e se jogou na piscina, ouvindo as reclamações.

Para a sorte do resto, somente um tinha sido atingido. 

- Ah, cara! Essa era a minha camisa novinha! - Reclamou o mais alto. - E era do CALVIN KLEIN. 

Os dois restantes reviraram os olhos. 

- É só uma blusa, James… 

O nomeado James o encarou, como se ele fosse um lunático. 

- Só uma blusa? SÓ UMA BLUSA? ERA EDIÇÃO LIMITADA! EU COMPREI NA PRÉ-VENDA! - Gritou o mais alto. - AGORA TEM CLORO NELA! CARLOS, VOCÊ VAI ME PAGAR! 

- E como eu vou. - Debochou o mais baixo. - É só uma blusa, James. Só. Uma. Blusa. E não vou te reembolsar por ela. Devia ter sido mais cuidadoso e-, James, o que você está fazendo com a minha bola de basquete autografada? James, não ouse fazer isso! Larga isso, James… JAMES!

O mais alto simplesmente crispou os lábios, fingindo surpresa e jogou a bola na água. 

- Ops… - Sibilou. 

- JAMES MASLOW, O QUE FOI QUE VOCÊ FEZ?! 

- É só uma bola, Carlos. - Abriu um sorriso maldoso. - É só uma bola…

- AGORA VOCÊ VAI VER UMA COISA! - Gritou o moreno, saindo da piscina para perseguir o mais alto, que correu dele. - JAMES! 

Os outros dois apenas observaram a briga dos dois desenrolar. 

- Será que eles nunca vão crescer? - O de topete perguntou. 

- Por que perguntar o óbvio? - Riu o mais alto, colocando o braço pelo ombro do mais baixo. - É lógico que não...

Viu os amigos correndo e gritando um com o outro. 

- FOI AUTOGRAFADA, SEU FILHO DA PUTA!

 - XINGAR A MÃE NÃO VALE! - Contestou o mais alto. 

James e Carlos foram correndo ao redor da piscina, até que escorregaram nas bordas e caíram os dois na água, consequentemente, molhando o resto dos amigos. 

- Kendo… - O mais baixo bufou, sentindo o seu topete que passara meia hora arrumando com gel de manhã, indo por água a baixo… Literalmente dizendo. - Por que nós ainda somos amigos deles?

O loiro soprou, vendo a água ir junto. 

- Sinceramente, Loggie? - O moreno assentiu e ele cruzou os braços, arregalando os olhos. - Eu não faço a mínima ideia...

E eles olharam para a piscina, onde viam James e Carlos, - ainda zangados um com o outro -, brigando para ver quem afundava a cabeça de quem na água primeiro. 

- Crianças… - Disseram em uníssono. 

Kendall pegou o celular, desbloqueando a tela e olhando para a mensagem que recebera. 

- Logan… Tá afim de conhecer o Canadá?

- Por que?

- Recebi uma mensagem do treinador agora… Nosso foi escolhido pra jogar contra o time Canadense nessa temporada. - Ele afirmou, sorrindo. 

- Caramba! Isso é demais!  

- Peraí, como é que é? Quer dizer que vamos ver gatinhas canadenses? - James perguntou, animado. - Vou preparar os meus perfumes! Ah, vou ficar gatão! Vem ni mim, gatas!

- Corpo de macho, alma de viado. - Riu Carlos, vendo a fúria emanar dos olhos de James e encarou os amigos fora da piscina. - Sem ofensas, rapazes. 

Kendall e Logan deram de ombros. Era fato que os dois, na maioria das vezes, pareciam mais homens que James, por conta de sua extrema vaidade.  

- Seu…! - E a brincadeirinha assassina de afogar um ao outro continuou. 

Kendall e Logan reviraram os olhos. 

- Tá com fome, Loggie? - Perguntou o loiro. 

- É, tô sim. - Afirmou o moreno. 

- Vamos pra cozinha. - Disse o loiro por fim, colocando o braço por cima dos ombros do moreno e os dois foram, sem antes dar uma boa olhada nos amigos que "se matavam", na água. 

Mal sabiam os dois que a confusão na água de James e Carlos seria a menor delas naquela temporada. 

E é claro, que aquilo teria um toque Jonas especial.  

(...)

"Porque o amor é assim, quando você menos espera, ele acontece." - Autor desconhecido. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado e até o próximo capítulo! O/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...