História Suddenly Forever - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Fifth Harmony, Wilmer Valderrama
Personagens Camila Cabello, Dallas Lovato, Demi Lovato, Lauren Jauregui, Personagens Originais, Wilmer Valderrama
Tags Demi, Dilmer, Hot, Wilmer
Visualizações 100
Palavras 2.847
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 30 - Eu nunca poderia amar assim


Fanfic / Fanfiction Suddenly Forever - Capítulo 30 - Eu nunca poderia amar assim

Wilmer estava no hospital, a agenda dele estava vazia então ele deixou sua residente com Rachel e ficou com os traumas da emergência.

– Eu preciso que você volte daqui uma semana para tirar os pontos – Wilmer disse terminando de fazer o curativo da sutura no braço de um garoto – E se eu fosse você nunca mais faria malabarismo com facas, pelo menos enquanto não fosse profissional, se a faca tivesse acertado seu pescoço essa hora você estaria morto, teve muita sorte

– Tem razão, acho que agora vou tentar com as tochas – ele disse

– Piorou – Wilmer olhando para ele e tirou as luvas que usou – Comece com bolinhas, é bem mais seguro, mas depois que recuperar o braço

– Pode deixar – o garoto disse e se levantou da maca – Valeu – ele agradeceu e Wilmer assentiu

O garoto saiu e antes que Wilmer fosse atender outra pessoa ele viu seu celular tocar com uma mensagem do chefe do hospital o chamando em sua sala e ele foi até lá.

– Me chamou? – Wilmer disse entrando a curtos passos na sala dele

– Chamei, entra – disse Richard e Wilmer terminou de entrar e se sentou na cadeira de frente para ele – Sabe, eu estava observando no hospital e procurando alguém melhor que você para poder me substituir como chefe interino e eu não encontrei. Então meus parabéns, Valderrama, quer dizer que essa sala vai ser sua no próximo mês – ele disse um sorriso brotou no rosto de Wilmer

– Meu Deus, obrigado, obrigado mesmo, eu juro que não vou te decepcionar – Wilmer disse

– Eu sei que não – Richard disse

– Mais uma vez, muito obrigado – Wilmer disse

– Você merece, Valderrama – ele disse

Wilmer saiu da sala do chefe e a primeira coisa que fez foi ligar para Demi para contar a boa notícia.

– Oi, meu bem – Demi disse com a voz fraca e falha quando atendeu o telefone

– Nossa, sua voz está horrível, como você está? – ele perguntou

Demi estava com uma virose que havia piorado devido a uma gripe mal curada e como ela já tinha o sistema respiratório fraco, ela mal respirava direito.

– Eu tenho certeza que se eu vomitar de novo sai um órgão – Demi disse

– Tem certeza que não está grávida? – Wilmer perguntou

– Absoluta, porque eu amanheci sentindo cólica – Demi disse e colocou a mão na boca para abafar uma tosse

– Essa tosse também está péssima – Wilmer comentou

– Agora me diz algo que eu não sei – Demi disse

– Digo, adivinha quem é o chefe da cirurgia no próximo mês – Wilmer disse

– Você conseguiu, parabéns, meu bem – Demi disse e tossiu novamente – Quando você começa?

– Acho que segunda feira – Wilmer respondeu

– Parabéns, amor – Demi disse – propósito, você vai trabalhar esse final de semana?

– Só no domingo, por quê? – Wilmer disse

– Quero te pedir para ficar com a Aurora esse final de semana, eu estou doente e ela está querendo ficar na minha cama comigo, eu estou com medo de ela pegar alguma bactéria, ou algo assim – Demi disse

– Tudo bem, eu passo aí para pegar ela – Wilmer disse – Mas você vai ficar sozinha?

– Não, minha mãe está aqui, ela está fazendo uma sopa para ver se para no meu estômago – Demi disse

– Eu conheço um remédio para vômito muito bom, vou levar para você – Wilmer disse

– Claro que conhece, você é médico – Demi disse e ele riu levemente pelo nariz

– Eu tenho que desligar, mais tarde eu passo aí – Wilmer disse

– Tudo bem, tchau – Demi disse

– Tchau – Wilmer disse e em seguida desligou o telefone

Wilmer voltou a trabalhar e depois foi para a casa de Demi como havia dito, ela havia dito que estava sentindo cólica ele levou alguns chocolates para ela.

– Entra, Wilmer – Dianna disse ao abrir a porta e vê-lo e assim ele fez

– E a Demi? – Wilmer perguntou

– Ela ficou na cama o dia todo, e não conseguiu comer praticamente nada – Dianna disse

– Eu trouxe um remédio para vômito para ela, ela pode tomar de oito em oito horas – Wilmer disse e entregou para Dianna um frasco – E um chocolate para ela

– Leva para ela o chocolate, ela está no quarto – Dianna disse

– Tudo bem – Wilmer disse e se virou indo até as escadas

– Wilmer – Dianna o chamou fazendo ele olhar para ela – Você vai levar a Aurora, não vai?

– Vou – Wilmer disse

– Então eu vou arrumar as coisas que ela vai levar – Dianna disse

Dianna subiu junto com Wilmer, ela foi para quarto de Aurora onde a mesma estava e ele foi para o quarto de Demi.

– Oi – ele disse entrando no quarto dela e ela se virou na cama olhando para ele

– Oi... – ela disse

– Eu trouxe uma coisa para você – Wilmer disse e lhe mostrou a caixa de chocolates se aproximando da cama dela

– Você trouxe chocolate para mim – Demi disse

– Você tinha me dito que estava com cólica – Wilmer disse se sentando na cama dela

Demi pegou aquela caixa e abriu e colocou um dos bombons na boca.

– Meu Deus, nem lembro qual foi a última vez que comi chocolate – Demi disse com a boca cheia – Mentira, lembro sim, foi anteontem – ela disse e ele riu – Eu pensei que vinha só pegar a Aurora

– Eu vim ver minha namorada que está doente também – Wilmer disse e a abraçou enquanto ela comia o chocolate

– Não, Will, não me abraça eu estou doente – Demi disse

– Eu vi um estudo que diz que o calor de uma pessoa saudável ajuda um doente a melhorar – Wilmer disse

– Inventou isso agora, não é? – Demi disse

– Sim – ele respondeu – Agora fica quieta e deixa eu te abraçar

Wilmer ficou com Demi por alguns minutos e foi o suficiente para Demi comer metade da caixa de chocolates.

– As coisas da Aurora já estão prontas, Wilmer – Dianna disse ao abrir a porta do quarto de Demi

– Obrigado – Wilmer disse se afastando de Demi

– E você me dá esse chocolate, já comeu metade da caixa, a outra metade você come amanhã – Diana disse se aproximando da filha

– Não, mãe – Demi reclamou colocando mais um na boca

– Não faz eu ter que falar com você como se estivesse falando com a Aurora – Dianna disse.

Demi suspirou e entregou a caixa de chocolates a sua mãe.

– Papai, eu vou para a sua casa hoje? – Aurora disse entrando no quarto de Demi

– Sim, você vai ficar comigo essa noite e amanhã – Wilmer disse – Pega as coisas que sua avó arrumou

– Tá bom, espera – Aurora disse e saiu do quarto

– Já está indo? – Demi perguntou

– Estou – Wilmer disse

– Então ainda bem que não ficar para o jantar, tenho certeza que não vai querer sopa – Demi disse

– Não desfazendo, mas eu realmente não quero – Wilmer disse educadamente principalmente por a sogra ter feito

– Eu te falei – Demi disse olhando para a mãe

– Eu acho que você está falando demais para quem está doente – Dianna disse e Wilmer riu levemente pelo nariz

– Eu já vou indo, Nena – Wilmer pegou no rosto dela e beijou sua testa e ela sorriu

– Tchau – Demi disse

Wilmer saiu do quarto com Dianna e enquanto ela descia as escadas ele foi até o quarto da filha.

– Vamos? – Wilmer disse chamando a atenção da filha estendendo a mão

Aurora só pegou um ursinho de pelúcia na cama, apagou a luz do quarto e pegou na mão dele e foi com ele, ela apenas se despediu da mãe.

– Tchau, vovó – Aurora disse ao descer as escadas e ver a avó

– Tchau, meu bem, vem aqui – Dianna disse

Aurora foi até ela e Dianna lhe deu um beijo no rosto e um abraço.

– Tchau, Wilmer – Dianna disse olhando para ele

– Tchau, dona Dianna – Wilmer disse

Wilmer saiu com Aurora e foi para casa, sua casa era um pouco mais afastada, ele não tinha vizinhos então quando chegou e viu alguns carros na porta obviamente estranhou.

– Tem uma festa aqui? – Aurora perguntou descendo do carro

– Até onde eu saiba não – Wilmer respondeu

Ele fechou a porta do carro e foi para entrar em casa.

– Parabéns para o novo chefe de cirurgia, por um mês! – Rachel disse ao ele entrar e os outros que estavam lá gritavam no fundo como se concordassem

– É, têm uma festa – Aurora disse

– Primeiramente, como entrou na minha casa, Rachel? – Wilmer disse se aproximando dela

Ela simplesmente tirou do bolso a chave dele, ele colocou as mãos nos bolsos da própria calça e viu que suas chaves não estavam lá.

– Você roubou minhas chaves – Wilmer disse

– Eu diria que peguei emprestado – Rachel disse

– E como ficou sabendo disso? – Wilmer perguntou

– Ah, até parece que não conhece o hospital que trabalha, as notícias ali correm mais que galinhas – Rachel disse

– Galinhas não correm – Wilmer disse

– Então eu já estou meio bêbada, eu bebi um pouco antes de você chegar – Rachel disse

– Você não deveria ter feito isso, eu estou com a Aurora – Wilmer disse

– Oi – Rachel disse olhando para Aurora que estava atrás de Wilmer

– Olha, eu entendi que a festa é para mim e, valeu mesmo, mas vocês precisam ir embora – Wilmer disse

– Qual é, Valderrama, pelo menos bebe um pouco – disse Steve, um dos médicos com quem ele tinha uma boa relação

– Eu não posso, minha filha está aqui e ela é uma criança – Wilmer disse

– Pode ligar o som! – Wilmer ouviu alguém gritar e uma música começou a tocar

– Não pode, não – Wilmer disse mas não foi ouvido e se virou para Aurora – Olha, você pode ficar no meu quarto assistindo televisão, eu vou mandar as pessoas embora – ele disse e viu algumas caixas de pizza – Tem pizza, você quer?

– Quero – ela respondeu

– Sobe para o meu quarto, eu vou levar para você agora, aí eu desço para mandar as pessoas irem embora – Wilmer disse e Aurora assentiu

Aurora subiu e foi assistir desenho no quarto do pai enquanto ele foi pegar a pizza para ela, Wilmer deixou a pizza com um copo se suco para ela e e voltou para mandar as pessoas embora.

Passaram aproximadamente 45 minutos e Wilmer não havia subido novamente, então Aurora desceu a sua procura. De fato havia menos gente, mas ela ainda não tinha sinal de Wilmer.

– Doutora Silvester – Aurora cutucou Rachel fazendo ela olhar para ela

– Você pode me chamar de Rachel – ela disse

– Rachel, cadê o meu pai? – Aurora perguntou

– Eu vi ele agora, procure na varanda – Rachel disse

Aurora se virou e saiu indo até a varanda procurando pelo pai e, pouco depois o encontrou conversando alguns outros médicos.

– Papai! – ela o chamou fazendo ele olhar para ela

– Aurora, vêm aqui – Wilmer a chamou e ela foi

Ele pegou na mão dela e a colocou mais perto se si.

– Essa é minha filha, é de fato a melhor coisa que eu já fiz, literalmente, na minha vida toda – Wilmer disse

Quando Wilmer foi mandar as pessoas embora, acabou bebendo pouco e quando viu estava participando da festa e bêbado.

– Eu estava pensando, podíamos dar uma esquentada nas coisas, eu conheço uma boate com strippers maravilhosas – Steve disse

– Vale lembrar que agora eu sou um homem comprometido – Wilmer disse

– Relaxa, a gente diz para a sua namorada que você se comportou – ele disse

– Então tudo bem – Wilmer concordou

– Onde a gente vai? – Aurora perguntou quando Wilmer pegou na mão dela e a arrastava para onde ia

Wilmer mandou as pessoas irem embora finalmente para que pudesse sair, foram Wilmer, mais três amigos, cada um foi no seu, todos dirigindo bêbados. Wilmer colocou Aurora no seu carro que o tempo todo perguntava onde eles iriam e ele não respondia. Então eles finalmente chegaram na boate e Aurora se assustou só de ver o lugar.

– Papai, onde a gente está? – Aurora perguntou e ele mais uma vez não respondeu – Eu quero a minha mãe

Wilmer apenas a ignorava – por estar bêbado – ele ficou com os amigos perto das strippers e, Aurora saiu de perto dele pensando em procurar alguém para ligar para sua mãe e encontrou algumas strippers sentadas em uma das cadeiras do bar.

– Moça, você pode ligar para a minha mãe? – Aurora disse fazendo as strippers olharem para ela

– Por que eu ligaria para a sua mãe? – uma das strippers perguntou

– Porque eu quero ir para casa – Aurora disse

– Você está aqui com quem? – perguntou a outra

– Com o meu pai – ela respondeu

As duas se olharam e concordaram que aquele não era um bom lugar para uma criança.

– Qual o telefone da sua mãe? – ela perguntou

– É... Eu não sei – Aurora suspirou

– Então assim eu não posso ligar para a sua mãe – ela disse – Qual o seu nome?

– Aurora

– Eu sou a Ally e ela é a Mia – ela disse e a outra acenou

– Seus pais devem ser muito bonitos, cadê o seu pai? – Mia perguntou

– Ele está ali – Aurora disse e apontou para ele

– Realmente, é muito bonito o seu pai – Mia disse

– Deixa os pais dela em paz – Ally disse – Você quer um refrigerante, Aurora? – ela perguntou e Aurora balançou a cabeça – Senta aqui

Aurora se sentou perto delas e as três ficaram conversando, Aurora tinha isso de conseguir encantar as pessoas por ser uma menina tão adorável.

Uma hora Wilmer cansou daquela boate e resolveu ir embora, quando estava perto do seu carro percebeu que havia esquecido alguma coisa e quando voltou viu Aurora sentada conversando com aquelas strippers.

– Vamos embora – Wilmer disse estendendo a mão para ela

– Meu pai veio me buscar, tenho que ir, tchau – Aurora disse

– Tchau – as duas disseram juntas

– Eu quero ir para casa – Aurora disse

– Tá bom – Wilmer disse para que ela parasse de falar porque sua cabeça já estava doendo de tão bêbado

Wilmer colocou Aurora no carro e estava indo para casa, ele estava em alta velocidade o que fez um carro da polícia o parar, não precisou nem de teste do bafômetro para ver o quão bêbado ele estava e, a criança no banco de trás do carro foi terrível agravante, ele acabou sendo preso e na delegacia ligaram para Demi para que fosse buscar Aurora, e mesmo estando doente ela foi porque queria dar pelo menos um tapa nele.

– Você está bem, meu amor? – Demi disse ao ver Aurora sentada com uma policial e ela assentiu

– Sua filha, não é? – a policial perguntou

– Sim – ela respondeu

– Então Wilmer Valderrama é seu marido? – ela disse

– Não, ele é só o pai irresponsável dela – Demi disse com raiva dele – Eu pedi ele para passar a noite com ela e ele fez isso

– Entendi, Aurora tinha me dito que tinha uma festa na casa dele – ela disse

– Eu te dou cem por cento de certeza que não sabia de nada disso – Demi disse e colocou a mão na boca para abafar a tosse

– Você não parece muito bem – a policial disse

– É, eu estou doente – Demi disse

– Então acho melhor irmos para casa, querida – Dianna disse, ela foi para poder dirigir

– Vai com a Aurora, eu quero ver o Wilmer – Demi disse e olhou para a policial – Eu posso?

– Pode, mas tem que ser rápido – ela disse e Demi assentiu

Demi foi com a policial até onde ficavam as celas da delegacia, o que mais haviam eram homens também presos por estarem bêbados além da conta, afinal era sexta feira a noite, e a grande parte desses homens olharam para ela e, então ela viu Wilmer escorado nas grades com a testa sobre punho provavelmente pensado na merda que havia feito, ele ouviu passos e levantou o rosto e viu Demi.

– Demi... – Wilmer começou mas ela o interrompeu

– Cala a boca, eu falo, você escuta – Demi disse – Qual o seu problema? Você ficou bêbado, colocou a minha filha dentro do carro e dirigiu, e se você tivesse batido com a droga desse carro, Wilmer? E se ela tivesse se machucado? A culpa ia ser sua

– Eu sei... – ele disse baixo

– E você conseguiu me magoar de verdade indo naquela boate de strippers, eu não sou suficiente para você? – Demi disse e tossiu e a voz dela ficou um pouco falha – Eu esperava mais de você, você ficou hoje me abraçando e me fazendo carinho, pensei que me amava

– Mas eu te amo, Demi, eu fui naquela boate porque eu estava bêbado, me chamaram para ir – Wilmer disse

– Eu não acredito em você, e isso não é desculpa – Demi disse – Eu realmente achei que tudo finalmente ia dar certo, que poderíamos ter algo, mas você me provou que eu estava errada

– Como assim? – Wilmer disse

– Eu quero você longe da Aurora, e longe de mim – Demi disse – Se você ousar se aproximar dela de novo eu peço uma ordem de restrição conta você

– Não, Demi, não faz isso – Wilmer disse segurando o braço dela

Ela já estava brava com ele e quando ele a tocou, ela simplesmente virou a mão e deu um tapa no rosto dele.

Demi saiu dali e foi para casa, o que ela havia dito era verdade, ela não acreditava que Wilmer de fato a amava e realmente queria ele longe, talvez ela mudasse se ideia depois, mas naquele momento ela queria ele longe dela e de sua filha já que ele traído sua confiança de várias formas possíveis.


Notas Finais


SIM, ALEGRIA DE POBRE DURA POUCO MESMO.
Desculpa a demora pelo cap, eu sei que vocês devem estar querendo me matar, o Wilmer, mas vou confessar que eu tava muito ansiosa por esse cap pq agora a coisa vai ficar maravilhosa.
Bom, como sempre, obrigada por todos os favoritos, todos que comentam e tudo mais, eu não vou me estender muito aqui não porque já tô caindo de sono.
Beijinhos de bala chita e até o próximo cap. 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...